Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

Caros leitores, dada a situação “covidiana”, que o governo da república ora diz que terminou ora diz que agravou, e devido às implicações de quarentena, por teste positivo à covid-19, contacto de baixo risco, contacto de alto risco, 14 dias em casa, 10 dias em casa, teste assim que possível, teste ao 6º dia (Não ouviste à primeira?! Sai-te covid estupô!) que, infelizmente, também afectaram o “vastíssimo” staff do nosso “Jornal da Praia” teremos um editorial breve para não ultrapassar os 15 minutos de exposição. É que de inverno a coisa vai, agora ficar de quarentena de verão é uma estopada dos diabos!… Mas como afirmámos, vamos avançando e directamente ao assunto: O que significa “Mutatis Mutandis”? Parece simples (e até o é) mas não é tão fácil de explicar. Tentaremos.

Faleceu no passado dia 10 de Julho de 2021, Eduardo Manuel Barcelos, figura impar do futebol Terceirense, em particular, e do futebol Açoriano em geral, pessoa muito respeitada e acarinhada pelos praienses, foi um proeminente jogador de futebol, no século XX, nestas paragens dispersas pelo meio do Atlântico, a cidade capital do Ramo Grande, perdeu um dos seus melhores filhos, que certamente da lei da morte se libertou.

A Praia da Vitória foi elevada a cidade pelo Decreto Regional n.º 7/81/A assinado a 20 de Junho de 1981. Nesse decreto estão justificações como “capitania ali assente desde 1474”, “igreja matriz desde 1456”, “Ilustre pelo combate de 11 de Agosto de 1829” e “importantes instalações aeronáuticas e militares que na Base das Lajes têm o seu centro, com a conhecida projecção internacional”.

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante