Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

O segundo concerto dos Encontros Sonoros Atlânticos 2022 traz à Terceira o LAVA BRASS QUINTET, composto por Paulo Borges, André Nunes, Edgar Marques, Miguel Moutinho e Antero Ávila, a 21 de Julho, quinta-feira, e uma programação com duas estreias mundiais, de entrada livre.
No Jardim Duque da Terceira, em Angra do Heroísmo, este concerto ao ar livre resulta de um convite ao maestro Antero Ávila, natural da Ilha Terceira, para um concerto à volta das Três Fanfarras de Francisco de Lacerda.
O programa resultante é uma estimulante mostra de música ibérica, que inclui duas obras em estreia mundial, Piccola Suite de Sérgio Azevedo, e Continuum Variations do próprio Antero Ávila, bem com paginas inspiradas de musica para metais da Suite Americana de Enrique Crespo, terminado com excertos de West Side Story, de Leonard Bernstein.
Entre 19 de Julho e 17 de Setembro, os Encontros Sonoros Atlânticos 2022 apresentam seis concertos nos Açores e Portugal Continental e um programa com uma estreia nacional e cinco mundiais que destacam a nova geração de criadores e intérpretes.
Com programação pelo compositor Vasco Mendonça e promovido pela Associação Francisco de Lacerda - a Música e o Mundo, o ciclo desta segunda edição principia em São Jorge, atravessando depois a Terceira, São Miguel e terminando em Lisboa.
No dia seguinte, 22 de Julho, sexta-feira, também na Terceira, mas na Ermida de S. António da Grota, no Monte Brasil, este trio, criado especialmente para a ocasião, irá recriar musicalmente uma viagem entre Lisboa e os Açores, que culmina no nascimento de uma criança na pequena ilha do Corvo.
Partindo de música da autoria de Ricardo Pinheiro (alguma dela composta propositadamente para este recital), de duas peças de Francisco de Lacerda arranjadas para o efeito, assim como de memórias de relatos familiares do guitarrista que protagonizaram esta história no início da década de 1950, o trio irá utilizar a improvisação enquanto ferramenta de diálogo musical e agente narrativo para ilustrar acontecimentos e impressões deste percurso transatlântico, fazendo assim com que a experiência vivida ao longo da viagem, e a obra de Francisco de Lacerda - nomeadamente as suas canções Canção Triste e Tenho Tantas Saudades - sirvam de estímulo à criação musical. O mapa desta viagem geográfica e musical prossegue em São Miguel, onde a 24 de Julho a Praça do Município, em Ponta Delgada, acolhe um dos grupos de madeiras mais promissores do nosso país, o HUMORICTUS ENSEMBLE, composto por Marina Camponês, Guilherme Cruz, Patrícia Silva, Joana Maia e Kevin Cardoso.
Neste concerto, o enfoque é na criação musical portuguesa, com uma versão para quinteto de sopro raramente ouvida das Histoires de Francisco de Lacerda, bem com duas obras de compositores portugueses ainda em actividade: Autumn Wind, de Luís Tinoco, e o Quinteto de Luís Carvalho. Para completar o programa, ouviremos ainda a belíssima La Cheminée Du Rói René, do compositor francês Darius Milhaud, e as divertidas e desafiantes Seis Bagatelas, de Gyorgy Ligeti.
A 27 de Julho, também em São Miguel, Ricardo Jacinto traz ao Arquipélago Centro de Artes Contemporâneas o concerto-instalação Parlamento de Caríbdis IV.
Este espectáculo, definido pelo seu criador como um ‘concerto-instalação para violoncelo, electrónica, objectos ressonantes e sistema de difusão multi-canal’, é o resultado de um desafio por parte dos Encontros Sonoros Atlânticos 2022 ao artista Ricardo Jacinto, conhecido pelo seu percurso multi-disciplinar.
Resgatando a imagem de Caríbdis (figura mitológica cuja força tormentosa e ameaçadora, na figura de um turbilhão marítimo, engolia tudo o que dela se aproximasse), este parlamento constitui-se enquanto território poético que se dedica a explorar as forças de construção e destruição inerentes a lugares de interação colectiva.
Esta apresentação dá continuidade a uma narrativa de múltiplas ressonâncias e desdobramentos formais e conceptuais. Iniciado com um voo sobre a ruína de uma eira (espaço ancestral de trabalho e encontro comunitário), o Parlamento de Caríbdis convoca agora a potência da insularidade para o desenho sonoro e espacial deste concerto-instalação.

A marca Açoreana está há 130 anos presente na vida dos açorianos e em toda a sua comunidade, protegendo o seu dia a dia, os seus bens e os seus negócios. A Açoreana iniciou a sua atividade em 1892, em Ponta Delgada, é hoje a marca da Generali Seguros nos Açores e é líder neste mercado.

Em ano de celebração, a Açoreana associa-se à Tour Açores no Coração” de Cuca Roseta, que se vai realizar nos próximos meses de maio e junho. Esta vai ser uma digressão que irá passar pelas nove ilhas do arquipélago. Um projeto especial da artista que arranca a 20 de maio em São Jorge e termina a 10 de junho, dia de Portugal, em Ponta Delgada.

Este projeto tem uma forte vertente social associada, com a oferta da receita de bilheteira de cada concerto a instituições de solidariedade locais. Para além desta ação, Cuca Roseta pretende ainda convidar um artista de cada ilha para participar nos concertos, juntando assim o seu fado à cultura e tradições locais.

 “Em ano de aniversário, a Açoreana associa-se a um projeto abrangente e muito importante para a marca nas diferentes vertentes - cultural, social e regional – e é também uma iniciativa muito relevante para toda a comunidade. Continuando a aposta nas soluções inovadoras de seguros, na sua simplicidade e comunicação, este projeto contribui para uma maior proximidade das pessoas, valor que partilhamos, e para sermos o parceiro para a vida dos nossos clientes açorianos”, acrescenta Maria João Silva, diretora de Marketing da Açoreana.

Para Cuca Roseta “esta digressão é um projeto que queria realizar há muito tempo, pela paixão e ligação que tenho com os Açores e os açorianos e que só agora se tornou possível graças ao apoio da Açoreana. Poder levar a minha música a todas as ilhas dos Açores, nomeadamente a populações que não têm tanto acesso a espetáculos culturais, poder tocar com artistas da região e apoiar instituições sociais locais, tornam este projeto numa iniciativa de que me orgulho imenso. Mais do que nunca, é importante evidenciar e mostrar a todos as maravilhas deste arquipélago, as suas pessoas e a sua tradição.”

Para além do apoio ao Tour Açores no Coração”, a Açoreana irá também lançar nos Açores uma campanha publicitária alusiva aos seus 130 anos e realizar ao longo do ano diversas iniciativas institucionais, de apoio à comunidade e com os seus parceiros e clientes.

O Outsiders – Cinema Independente Americano decorre entre 31 de março e 3 de abril, no Auditório do Ramo Grande, na Praia da Vitória, e entre 7 e 10 de abril, no Centro Cultural e de Congressos, em Angra do Heroísmo. É a oportunidade para conhecer 11 realizadores com filmes de produção independente. Dar destaque a um outro tipo de filmes americanos, diferentes dos blockbusters, é o objetivo da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD) com a primeira edição na Ilha Terceira, Açores, do ciclo Outsiders – Cinema Independente Americano, que apresenta uma seleção de 11 filmes de realizadores independentes, produzidos nos EUA entre 2010 e 2019, alguns deles premiados e nunca antes exibidos em Portugal. O Outsiders – uma iniciativa da FLAD que conta com a coprodução do Cine-Clube da Ilha Terceira – irá exibir 11 filmes, na sua maioria, produções de baixo custo, gravação em vídeo digital ou diálogos improvisados, apresentando um olhar diferenciado sobre a vida contemporânea dos jovens adultos americanos.

Outsiders – Cinema Independente Americano compreende géneros e narrativas clássicas, filmes estreados (e alguns premiados) em festivais como Sundance, SXSW, Tribeca ou Berlim e que, por diversas razões, passaram ao lado da programação e dos circuitos de distribuição em Portugal. O ciclo abre a 31 de março no Auditório do Ramo Grande, na Praia da Vitória, com a exibição de Tiny Furniture, de Lena Dunham, realizadora, produtora e atriz, autora da série da HBO, “Girls”, da qual o filme parece ter sido a matriz, onde estará a decorrer até 3 de abril. A 7 de abril, será a vez da estreia no Centro Cultural e de Congressos, em Angra do Heroísmo, com The Rider, o filme de Chloe Zhao, imediatamente anterior à sua consagração nos óscares de 2021. Pelo meio, serão exibidos filmes marcantes (várias primeiras obras) de realizadores — Robert Greene, Eliza Hittman, Amy Seimetz — com outros projetos já conhecidos no nosso país. Alguns dos nomes são totalmente inéditos em Portugal, como os casos de Frank V. Ross, Patrick Wang, John Magary e dos irmãos Bill e Turner Ross, autores de obras cuja divulgação se impunha. Não podemos deixar de destacar ainda a exibição do filme All The Light in The Sky de Joe Swanberg, um dos realizadores mais prolíficos destes últimos anos e mais mal conhecidos desconhecidos em Portugal. Considera-se que o trabalho de divulgação desta geração de cineastas independentes, cujos filmes são representativos da terceira vaga indie do cinema americano, está em grande parte por fazer. A exibição, pela primeira vez em Portugal, deste conjunto de obras procura preencher lacunas e destacar os realizadores outsiders, permitindo-lhes ocupar um lugar no circuito de programação de cinema. O Outsiders – Cinema Independente Americano realizou a sua primeira edição em Lisboa entre 30 de novembro e 8 de dezembro de 2021, e a sua primeira edição nos Açores decorrerá na ilha Terceira, nos Açores, entre 31 de março e 10 de abril de 2022.

O programa Outsiders – Cinema Independente Americano é uma coprodução: FLAD e Cine-Clube Ilha Terceira

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante