Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

Quem ama aprende a gostar todos os dias mais um pouco, e a aceitar as coisas menos boas do alvo do seu amor, e tal como no conto do Principezinho, que quase todos nós lemos na escola (no tempo das ideologias, que não a de género), o amor também se cultiva, alimenta, cuida, e fortalece ao longo do tempo.

Assim, e fruto do nosso amor pela Praia da Vitória, num bom uso da liberdade de expressão que nos permite a democracia, no Jornal da Praia, cabe-nos fazer críticas, tanto negativas como positivas. Talvez influenciados pela mudança da hora, pelo outono e pelo tempo mais chuvoso, desta vez iremos referir-nos apenas a duas ou três questões menos boas no concelho, que temos vindo a seguir.

Há anos (pelo menos 6!) que a associação de pais da escola Francisco Ornelas da Câmara tem vindo a alertar para o estado caótico do trânsito e do estacionamento naquela zona. Não há estacionamento suficiente para os funcionários da escola, nem há condições para os pais deixarem os filhos na escola. No anterior conselho executivo, liderado por um agora deputado, foi feita, inclusive, a ameaça de não deixarem os carros dos pais entrar no parque de estacionamento da escola onde é a porta do pré-escolar e 1º ciclo (primária). Experimentem a passar lá às 08h, ou em determinadas horas de almoço, que podem testemunhar a confusão de carros e autocarros, onde os pais querem “recolher” ou deixar os seus filhos, os professores querem entrar ou almoçar e os autocarros só querem conseguir passar sem abalroar ninguém… O conselho diretivo da escola anterior descartou-se (percebeu-se porquê nas listas eleitorais a deputados), o governo anterior e o executivo camarário anteriores faltaram à palavra de que iriam resolver o assunto, cabendo agora a este governo e esta câmara entenderem-se e resolver o assunto, de uma vez por todas.

Em segundo lugar, a condição dos pavilhões desportivos do concelho, que se degradam a olhos vistos, culminando com a “conversão”, que não se sabe se temporária ou permanente, do pavilhão de artes marciais da Praia da Vitória em armazém. Os praticantes de artes marciais estão a deslocar-se para outros pavilhões, não dedicados, para a prática dessas modalidades, sem haver uma luz ao fundo do túnel. Se for permanente, ao menos retire-se a sinalização.

Associado ao tema acima, o pavimento do campo sintético do municipal da Praia também está moribundo. Arriscamos que, neste momento, deverá ser dos piores (se não o pior) sintético da ilha. Terminou a época desportiva passada quase sem piso, com alto risco de lesões, e sem iluminação digna desse nome. Já agora, enquanto houver treinos convém os balneários estarem abertos…

Todas estas questões envolvem os nossos jovens, que são o futuro da cidade, e se nem deles conseguimos cuidar, o que mais nos resta? É certo que a câmara herdou uma autarquia falida, sem dinheiro para pagar ordenados e compromissos assumidos, mas tem de haver um plano e uma esperança, mesmo que implique decisões difíceis. Por outro lado, também há assuntos que são da responsabilidade do governo regional e temos de reivindicar mais e melhor. Os partidos não podem estar acima dos interesses da Praia!

É fundamental haver esperança e confiança no futuro, é preciso, nem que seja, vislumbrar a luz ao fundo no túnel. Quem ama a sua terra como este jornal e, como acreditamos, a generalidade dos Praienses, há que acreditar num futuro melhor para a Praia e seus cidadãos. Não necessariamente maior, mais populosa ou industrializada, mas com mais e melhor qualidade de vida para quem cá decide viver e, até morrer. Manter acesa a paixão, um rumo, com determinação, convictamente em direção a um futuro melhor. Num jeito de esperança, deixamos uma jura de amor pela Praia, parafraseando o nosso brilhante conterrâneo Vitorino Nemésio, Que Bem Sabe o Amor Constante:

“De te perder à partida

Pra te ganhar à chegada,

Pois tu és a minha vida

Na ida e volta arriscada”

Na vida nada é garantido, mas quem amor e fé acredita, por isso à esquerda, à direita e ao centro, mantenham a chama e continuem a lutar pelo que acreditam ser o melhor para a nossa Praia da Vitória. E a caminho do São Martinho, ainda que haja falta de castanhas, não se esqueçam de ir à adega provar o vinho! Não resolve os problemas, mas consola! Aquele Abraço Praiense!

Luis Moniz, Diretor Adjunto

Pin It

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante