Diretor: Sebastião Lima
Diretora Adjunta: Carla Félix
Últimas Notícias

Sou acusado de contestar quase continuamente, tudo o que gira à volta do mar da nossa Praia! Não o faço por gosto, por querer estar no contra, ou por razões políticas... mas sempre com o sentido de alertar, de corrigir, e nunca sem antes, consultar e ouvir a opinião dos homens do mar, da sua experiência, ao longo da sua já longa vivência! Fi-lo com o anterior elenco camarário e faço-o novamente, mesmo que não seja do agrado do Partido que ajudei a fundar na minha cidade...

E sabem porquê? Porque eu nasci na Praia, nela cresci, e nela quero ficar até ao resto dos meus dias!

Da Praia, poderão dizer que não é só mar... Não é só possuidora da mais bela baía dos açores! Tem ruas, tem monumentos, tem Nemésio, tem comércio! Mas a Praia tem, queiramos quer não, a sua maior riqueza no mar que de noite e de dia, nos presenteia com o perfume da maresia e o encanto das suas ondas, que ora mansas, ora bravas, regalam a vista dos que nos visitam e proporcionam qualidade de vida aos que cá estão!

A natureza concedeu-nos esse bem, que tantos gostariam de possuir...

Erros foram cometidos, admito que nunca intencionalmente, antes pelo contrário, sempre na perspectiva do melhor para a nossa praia! Não a estraguemos mais! Consultemos os técnicos, mas ouçamos também os entendidos que gostam da nossa Praia, e estão dispostos a dar o seu contributo, sem outra razão, que não seja por AMOR À PRAIA!

Fernando Mendonça

Tenho bem presente na minha memória o 25 de Abril de 1975. Um ano de espera, após a Revolução dos Cravos, criou uma expectativa tão grande que nem as crianças escaparam ao alvoroço gerado. Foi o dia de acompanhar o meu pai nesta primeira ida às urnas em liberdade, num clima de festa com longas filas de gente entusiasmada.

Foi um tempo em que a pior forma de ofender alguém, durante uma discussão, era apelidá-lo de “fascista”. A esperança numa classe política capaz de transformar a sociedade fazia com que existisse um enorme envolvimento entre grupos de diversos partidos políticos assente numa confiança em líderes com ideologia e convicções fortes.

Decorridos 48 anos, tantos quantos durou a ditadura derrubada em 1974, os sonhos de Abril foram-se desvanecendo progressiva e continuamente. Pela primeira vez em Portugal, existirão quatro actos eleitorais, três deles em resultado de uma desgovernação caótica. Acabo de sair de uma reunião de trabalho, com colegas estrangeiros, em que me deparo com a dificuldade, e até a vergonha, de lhes explicar como chegámos à situação de não termos Governos. Seja na República, seja nas Regiões Autónomas.

A lista de políticos acusados de corrupção é extensa e transversal a todos os partidos. Mesmo com um sistema judicial lento, e com tempos de actuação no mínimo questionáveis, todos nós conhecemos uma longa lista de condenados a prisão efectiva. Para completar este cenário catastrófico, juntamos na mesma tragédia o Ministério Público, a Polícia Judiciária e a Comunicação Social, em cenas que nos deixam sem perceber qual é o papel de cada um. 

Há poucos anos, criticávamos os americanos que elegeram Trump, uma aberração que caminha a passos largos para voltar ao poder, e os brasileiros que escolheram Bolsonaro, responsável por actos inenarráveis. Muitos foram os que se riram destes dois populistas, crentes de que em Portugal estaríamos a salvo de situações semelhantes. Hoje, poucos são os que duvidam de que André Ventura é um inteligente e hábil seguidor destes dois personagens.

Os líderes dos partidos tradicionais construíram o palco, estenderam a passadeira vermelha e contrataram a banda para receber Ventura em apogeu. Foram anos sucessivos do “faz-de-conta que queremos mudar”, mantendo tudo num percurso de degradação. Basta atentarmos na eleição de amanhã: ninguém quer reduzir o número de deputados, mesmo sabendo que mais de metade não desenvolve qualquer actividade digna de registo durante os quatro anos do seu mandato. 

A mais do que óbvia necessidade da criação de círculos uninominais, geradores da possibilidade de responsabilização e fiscalização por parte dos eleitores, não interessa aos líderes partidários. As listas que se apresentam a sufrágio, eleição após eleição, assemelham-se a clubes de futebol medianos e de parcos recursos que a cada época apresentam apenas um ou dois reforços e que quando deixam de jogar, por limite de idade, passam a fazer parte da estrutura.

Tenho saudades do meu pai e de não poder partilhar com ele este estado de espírito que me assola. Amanhã farei parte dos açorianos que irá votar, pois acredito que temos obrigação de participar activamente na vida cívica. Lamento profundamente não sair de casa com a esperança de estar a contribuir para eleger uma Assembleia Regional capaz de se fazer ouvir e de dar origem a um Governo Regional que olhe as pessoas e as empresas como a verdadeira prioridade.

Vamos votar em Fevereiro e em Março, pena é que estejamos tão distantes de Abril.

Luís Vasco Cunha

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

*ZONA FRANCA discorda ortograficamente

Mais um órgão da imprensa em papel desaparece nos Açores. Neste caso, trata-se do diário da Horta “O Incentivo”, que a partir de agora suspende a sua edição. Continuará em edição online.

A crise na imprensa escrita nos Açores é um fenómeno que já se arrasta há vários anos. A principal causa desta crise é a concorrência da internet e das redes sociais, que oferecem aos cidadãos uma forma rápida e fácil de aceder a notícias e informação.

Outros fatores que contribuem para a crise da imprensa escrita nos Açores são a redução da população bem como a perda de poder de compra.

As consequências da crise da imprensa escrita nos Açores são significativas. A redução do número de jornais e revistas tem levado a uma diminuição da diversidade de informação e opinião disponível para os cidadãos. Além disso, a crise tem provocado o desemprego de jornalistas e outros profissionais da comunicação social.

No início do século XXI, os Açores contavam com mais de 20 jornais e revistas. No entanto, esse número tem vindo a diminuir nos últimos anos. Em 2023, apenas 12 jornais e revistas estavam em circulação nos Açores.

A maioria dos jornais e revistas que ainda estão em circulação são de pequena dimensão e têm uma circulação reduzida. Estes jornais e revistas enfrentam dificuldades para competir com os grandes jornais nacionais e internacionais, que têm recursos financeiros e tecnológicos muito superiores.

A crise da imprensa escrita nos Açores tem sido acompanhada por um aumento da concentração da propriedade dos meios de comunicação. Em 2023, apenas três grupos económicos controlavam a maioria dos jornais e revistas que estão em circulação nos Açores.

Esta concentração da propriedade tem sido criticada por alguns observadores, que argumentam que ela pode levar a uma redução da diversidade de informação e opinião disponível para os cidadãos.

A crise da imprensa escrita nos Açores é um fenómeno complexo que não tem uma solução fácil. No entanto, é importante que os cidadãos e as autoridades públicas se preocupem com este problema. A imprensa escrita desempenha um papel fundamental na democracia, e a sua sobrevivência é essencial para a defesa da liberdade de informação e de expressão.

Os tempos são outros e a imprensa escrita terá de se adaptar às novas tecnologias, mas isso não tem de acontecer em meses ou semanas. Nesta campanha eleitoral, os políticos devem dirigir-se a este fundamental problema democrático.

Não será de todo contraproducente apoiar financeiramente a imprensa escrita durante um razoável período de transição por alguns anos. De resto, a rádio e a televisão pública (RTP/RDP) sempre foram totalmente apoiadas com dinheiros públicos e não se nota dependência política por isso!

Um governo socialista apoiar um jornal de direita, ou um jornal mais à esquerda ser apoiado por um governo social-democrata, a isto chama-se liberdade democrática, a que todos devemos aprender a viver. Sem jornais, não há pontes que dão voz aos problemas das populações. Sem jornais, aumenta a ignorância social. Sem jornais ficamos todos mais pobres.

É urgente tomar medidas para tentar resolver a crise da imprensa escrita nos Açores, as quais terão de passar pelo apoio financeiro do Estado ou Governo dos Açores a jornais e revistas de pequena dimensão; Pela promoção da leitura e do jornalismo nas escolas; Pela formação de novos jornalistas com as novas tecnologias das redes sociais.

A transição é inevitável, mas terá de levar o seu tempo. Trata-se de um grave problema democrático, sobre o qual os eleitores terão de pedir contas aos responsáveis partidários.

Essas medidas poderiam ajudar a garantir a sobrevivência da imprensa escrita nos Açores e a promover a diversidade de informação e opinião disponível para os cidadãos.

José Soares

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante