Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

Eureka! Andei em buscas intermitentes, durante cerca de três anos, para encontrar na minha biblioteca um livro, que havia comprado em França e, só recentemente, consegui localizá-lo e lê-lo com apressada sofreguidão. É um notável trabalho de Étienne Klein, intitulado «Le pays qu’habitait Albert Einstein».(1)

Com a leitura deste ensaio e sua riquíssima biografia, fiquei ainda mais convicto do valor e da necessidade de conhecermos o legado do maior cientista do século passado. Veja-se o que ele pensa da cultura geral, da importância dos jornais, dos livros e da herança fundamental dos autores clássicos, que nunca passam de moda, como pensava o famoso cientista do século XX.

Traduzo, agora, o que foi publicado sobre o tema em epígrafe, em língua francesa, na minha página do Facebook, do dia 1 de Novembro de 2022.

«Einstein foi um cientista de génio e também leitor experimentado e sensato, convencido de que a leitura dos grandes autores do passado, e alguns do presente, constitui a melhor maneira de se apreender o mundo e elevar-se intelectualmente o ser humano.

Só há uma coisa que une os filósofos, os escritores, as figuras da ciência e da política, é a convicção profunda de que a leitura pode alargar a nossa visão do mundo, e também reforçar o nosso intelecto, melhor do que qualquer outra actividade. Para isso, é indispensável privilegiar a leitura dos clássicos da literatura». (Esta tem sido a preocupação do autor deste artigo, nos quase cinquenta anos que leva de escrita, trinta e sete dos quais, em simultâneo, com o labor de professor).

Em 1952, o engenheiro, o muito famoso físico, autor da teoria da relatividade, escrevia o seguinte que traduzo pelo seu grande interesse e oportunidade, para os nossos dias.

«Quem não lê senão jornais ou, melhor ainda, livros de autores contemporâneos, parece-me que será uma pessoa extremamente míope que despreza os óculos. Ela fica completamente dependente dos preconceitos e das modas da sua época, visto que nunca vê nem ouve outra coisa. O que uma pessoa pensa, por ela própria, sem ser estimulada pelos pensamentos e experiências dos outros é, no melhor dos casos, irrisório e monótono.

Num século, só há algumas pessoas esclarecidas, com espírito e estilo lúcidos, e de bom gosto. O que foi preservado, pelo trabalho dessas poucas pessoas, faz parte dos bens mais preciosos da humanidade. Nós devemos a alguns autores da Antiguidade (Platão, Aristóteles, etc.) a possibilidade que os povos da Idade Média tiveram de expurgar superstições e ignorância, que tinham obscurecido a vida das pessoas, durante mais de meio milénio. Portanto, nada é mais necessário (a leitura e exemplos desses autores) para ultrapassar o snobismo dos modernos».

Muitos filósofos, cientistas e escritores não se têm cansado de alertar contra essa grande presunção de alguns comentadores. Querendo com isso marcar a sua oposição, firme e bem defendida com argumentos convincentes, contra o clima intelectual, doentio e insensato, de espíritos medíocres, que, propensos a perigosos voos, nada de benéfico têm trazido ou vão a trazer para o futuro próximo da espécie humana. Sobre esta questão já muitos se interrogam, sublinhando a gravidade dos problemas hodiernos que vivemos e poderão, a médio prazo, afectar profundamente a nossa sobrevivência, neste tão maltratado ambiente do planeta, já muito carecido de cultura humanística, a verdadeira portadora dos mais nobres sentimentos, indispensáveis ao entendimento, harmonia e felicidade dos humanos, e também à protecção e preservação de todos os seres viventes, no nosso dito planeta azul.

Cada vez mais apreensivos estamos, perante as duvidosas perspectivas de alguns dogmáticos, eivados de fanatismo e arrogância, que nos querem apresentar ou vender as suas propostas, como a única solução, ou terapêutica e receita infalíveis. Mas os que, hoje, descuram ou minimizam o valor das ricas heranças científicas e culturais do passado, e dos grandes pensadores da cultura greco-latina ou de outras proveniências, não poderão omitir ou deixar de considerar os insistentes alertas, vindos dos mais preclaros nomes do património cultural da humanidade, de que somos parte.

A tomada de posição do genial físico do século XX, fundador da teoria da relatividade, acerca do que atrás se mencionou, assume particular importância, neste dealbar do ano 2023, que será muito exigente no que concerne ao incremento do diálogo, a partir da  necessária troca entre interlocutores e a compreensão dos diferentes pontos de vista. Só assim, evitaremos os conflitos entre indivíduos da mesma comunidade e a fraternidade era depois uma realidade, para todos os povos do planeta.

Tudo começa com o contributo sério, construtivo e empenhado de cada um de nós, em relação aos outros com quem nos cruzamos, diariamente, nos caminhos da nossa existência.

Para todos os colaboradores, assinantes, anunciantes, leitores, amigos do Jornal da Praia, formulo sinceros votos de um culto, próspero e pacífico Ano 2023.

(1)Actes Sud, 2016 e Club Le Grand Livre du mois, B.P. 433-60004 Beauvais Cedex-France.

António Neves Leal

Janeiro 2.01.2023

Praia da Vitória, a cidade de Nemésio!!! Figura tão grandiosa da literatura terceirense e portuguesa. Foi aqui que este escritor nasceu e viveu, uma boa parte da sua existência, em casa das tias Mendes, ouvindo a linguagem “novinha em folha” das lavadeiras do Monturo, convivendo com os pescadores na Casa do Peixe, após a faina da pesca, dialogando com o ti João Grande …, andando na carroça do ti Nazaré a tentar recuar no tempo, palmilhando as ruelas, as canadas do Porto Martins para apreciar a escuridão da noite e a música de fundo do mar, batendo nas pedras negras … Nemésio talvez viesse munido de bordão e lampião, pois o seu espírito voava, voava …, de certo, entre as faias, entre a negrura das pedras, pelo mar fora …

Escritor praiense multifacetado nas suas obras, poeta, romancista, cronista, académico e intelectual … destacou-se como autor de Mau Tempo no Canal e professor da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Se bem me lembro, programa televisivo Nemesiano, adorado pelos portugueses, põe a nu, não só a sua sabedoria vasta, mas também a sua identidade e os seus sentimentos, característicos de um emigrante ilhéu. Ele toca com persistência, através da mensagem, essa açorianidade indispensável à sua vivência distante. Discurso rico, persistentemente interrompido por que acrescentado por novas mensagens, para ser posteriormente retomado diversas vezes e assim aflorar prazenteiramente, de quando em vez, os hábitos e costumes, a sabedoria do povo ilhéu ligado ao espaço que lhe pertence: os Açores e, em particular, a Ilha Terceira. A linguagem gestual é uma grande crescença ao seu discurso oral por que enriquecimento da comunicação a transmitir. A paragem na sua oralidade ou o prolongamento dos sons silábicos era uma característica do autor, fazendo recordar, por vezes, o timbre de voz de sua mãe, Dona Maria da Glória Pinheiro.

A descrição de acontecimentos ou de figuras familiares e amigas são um pretexto bem consciente, da parte do escritor, para satisfazer essa saudade suportada por cenas variadíssimas no seu contexto, humorísticas, vivências no seio familiar e outras que transmitem os hábitos da vida da Praia da Vitória que ele tanto amava, o que permitia também uma continuidade dessa açorianidade, alimento eficaz a este ilhéu separado do seu espaço de origem, rodeado teimosamente pelo mar.

Recordações da ilha, de índole familiar e outras, jorram com força em Nemésio: a morte da tia Carolina, a recordação do tio Joaquim Borges, o “Fagundes”, a matança do porco, as tias “Conventas” … Todas estas descrições deixam transparecer as suas vivências que permitem concluir, não só a grande amargura de ter deixado a ilha, “(…) É triste viver assim fora de tudo e de todos (…)”, mas também a amizade e a franqueza vivenciados nela, “(…) A tia Carolina era muito nossa amiga. Minha mãi teve-a sempre como uma confidente (…) e nós todos encontrávamos sempre lá em casa uma porta aberta com franqueza (…).

Também me lembro muito do tio Joaquim Borges (…) doente (…), mas sempre com aquela franqueza bem disposta (…)”.

O humanismo é assim salientado pelo escritor, tão típico do Terceirense, sendo comparado, em antítese, com o das terras individualistas.

“Desde que saí daí nunca mais pude ter êste gôsto tão humano, e impossível nestas terras egoístas: chegar a uma casa e ir abrindo e entrando: dão licença?”.

A matança do porco também é referida pelo autor como um acontecimento importante para o ilhéu, por que fonte de alimento e também por ser acompanhada pela festa, sustentáculo da vivência ilhoa, à qual não se podia faltar.

“(…) Quantas bexigas enchi e rebentei nas paredes do quintal e contra o tanque (…). Não havia lá em casa matança a que eu falhasse. E parece que ainda sinto nas mãos o cheiro do picar da cebola e das malaguetas que o “Fagundes” comia a um milímetro do nariz …”

A visita a familiares ou amigos, que também viviam longe da ilha, era também importantíssima para que surgisse essa “união perdida”. “Venho da casa do J. Borges Félix, onde estive lanchando com as tias “Conventas”. Perguntaram-me muitas coisas daí e recomendam-se (...)”.

Para Nemésio, ter saudades é sentir, por vezes, a combinação contraditória, despropositada e difícil da alegria com a tristeza. “Desculpe (…) que eu meta estas coisas de bom humor no meio de lembranças tristes. É a minha maneira de ter saudades, e, ao mesmo tempo, a maneira geral das coisas dêste mundo, onde a tristeza e a alegria fazem estas absurdas e custosas combinações.”

A saudade da ilha, concretizada na criação de mensagens relativas à Terceira e aos Açores é, de facto, para o autor um sentimento que o sustenta porque o faz viver na ilha, embora distante. É uma criação contínua do espaço ilhéu, daquelas gentes tão amadas, tão queridas e que se mantêm vivas através das representações escritural ou oral, concretizadas essencialmente na recordação das vivências, atingindo, assim, profundamente a açorianidade através da criação de um mundo presente na sua ausência: a Ilha Terceira, os Açores, os sentimentos e os costumes das suas gentes …, a sua existência vital, legado que Nemésio deixou aos Açorianos, através da sua valorosa escrita, transportando para todo o mundo a divulgação e o conhecimento da sua Terra.

Maria Celeste Meneses da Costa Courelas Filipe

Ontem a chuva que caiu ameaçou a viagem. Apesar disso, o pôr-do-sol iluminou a intenção e a lua, praticamente cheia, guiou o caminho.

Partimos de Angra às 20h30m e iniciámos num grupo de três, passando a quatro após chegarmos à rotunda da Sotermáquinas. Uma rapariga, três rapazes. Após uma semana de trabalho, intensa de recomeços e com algum cansaço, lá fomos, juntos, mas cada um respeitando o seu ritmo particular.

Esta é uma viagem complexa, mas se a pessoa estiver atenta e a abraçar com simplicidade, curiosidade e tempo, pode transformá-la numa verdadeira história de amor. Uma narrativa repleta de amantes, cheiros, visões, presença, simbolismo e luz!

Fomos caminhando junto ao mar…O cheiro a bruma e sal, a cor das ondas a sugar a seiva das rochas resistentes e um céu cheio! Este foi o cenário que nos foi presenteado durante algum tempo. Antes disso, o cheiro doce de flores, árvores de frutos e da terra molhada.

E aquelas maçarocas boas nas Cinco Ribeiras!! E a bifana suculenta um pouco antes, em S. Mateus! Comemos pouco, mas sentindo uma grande necessidade de consumir energia.

Neste percurso, encontrámos seres humanos e animais que se cruzaram connosco. Chamaram-me muito a atenção os jovens que iam em grupo, felizes, cheios de vida e de alegria, cantando e ouvindo música em colunas de som. O cheiro da transpiração deles era diferente do nosso, já adulto. Vimos pessoas a descansar pelo caminho, outras que não queriam (de todo!) parar. Algumas estavam de mãos dadas, outras mostravam-se mais solitárias. Vimos um pai a empurrar um carrinho de bebé com uma criança, de ténis calçados, que dormia.

A solidariedade das pessoas evidenciou-se nas garrafas de água que foram oferecidas e nas luzes exteriores das habitações, que deixaram acesas, para facilitar a iluminação. Essa mesma claridade mostra-nos que não estamos sós e que, naquelas noites de peregrinação, as freguesias vizinhas estão connosco. Esta luminosidade começa a engrandecer a partir de Santa Bárbara.

Paralelamente, os animais! Cães médios com latidos peculiares, outros de porte pequeno… ao perto e mais ao longe, foram-se manifestando perante tanta algazarra. Um gato tigrado que pediu ajuda aos humanos para o salvar do contentor escuro de reciclagem de papel! A felina Ritinha que nos cumprimentou com doçura e gentileza, criando uma ligação momentânea de partilha de afetos! Famílias de vacas escuras, curiosas e atentas… outras “dálmatas” (como disse um dos meus amigos) deitadas, juntas a partilhar o repouso e os sonhos… Cavalos brancos que se destacavam no breu da noite. Insetos minúsculos cuja presença se percebeu pela ligeira sensação de festa nos membros. E outros deles que foram trazidos pelo céu, abanados pelos ventos e agitados pelas nuvens.

Respirar fundo! Sentir todo o corpo acordado, os músculos energizados, as pernas cozerem de tensão, enquanto o passo se torna mais pesado, progressivamente mais presente, a contrastar com o início da caminhada, onde somos penas que deslizam entre o céu e a terra, com um movimento musical muito próprio.

Cada movimento se torna mais real e verdadeiro, à medida que vamos deixando a estrada para trás e decidimos não desistir!

Durante a viagem, ouvem-se falas de incentivos e desincentivos. Mas o ambiente natural em nosso redor, todo ele conspira a nosso favor.

Até que chegamos à Serreta e somos recebidos com uma teia de luzes festivas. Notam-se pequenos aglomerados de pessoas, também elas vestidas de cor.

Nessa altura, o tempo pára. Tiram-se fotos, denominadas de “selfies”, uma marca universal que veio substituir as Kodak.

Entrámos na igreja, onde permanecemos um pouco. Infelizmente, nesse santuário, havia mulheres a conversar audivelmente, algo que considerámos ser desadequado e pouco respeitoso. No entanto, durante o tempo em que lá estivemos, ninguém lhes pediu diretamente que fizessem silêncio.

Fomos recolher as medalhinhas e trouxe uma vela. Perto de mim estavam pessoas ajoelhadas agradecendo. Outras, sentadas, observando.

Quando me desloquei à “sala das velas” cheirei a cera que queimava enquanto a fé das múltiplas chamas me aquecia. Nunca tinha sentido esse calor, mas também nunca tinha ido à Serreta com outra intenção que não fosse a momentânea, a do desafio de “ser capaz de andar 20 kms”.

Não foi a intenção religiosa que me moveu, mas sim a pessoal e espiritual. Não sou cética nem religiosa, mas creio no que os meus sentidos (agora fala-se muito de chacras, mas continuo a preferir falar de sensações) me dizem. Escuto-os, no corpo, na emoção, na respiração, nos arrepios…e também na terra e no que nela existe. E no céu. Na distância que nos afasta e no lugar que é omnipresente. Parte integrante de algo, convidando a uma serenidade cautelosa e benevolente.

Joana Leal

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante