Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

No passado domingo, 24 OUTUBRO, a Base Aérea, recebeu pedido de uma aterragem de emergência médica pelas 16h14 de um Boeing 787-8 Dreamliner, com o registo de cauda PH-TFL, da companhia aérea TUI, e com 275 passageiros a bordo, para socorrer um passageiro de 83 anos com problemas cardio-respiratórios.

A aterragem decorreu normalmente, tendo sido assistidas pelos os serviços de emergência da Base Aérea Nº4, pelos serviços de handling da SATA e pelos os bombeiros do destacamento americano 65th ABG.

O doente foi transferido pelos bombeiros voluntários e acompanhados pela SIV, para o hospital Santo Espírito em Angra do Heroísmo.

Aquando do reinicio dos motores, foi detectada uma avaria que obrigou a pernoita dos passageiros na ilha.

No dia 25, um avião da mesma companhia e do mesmo modelo, fez um desvio da sua rota de Amesterdão para Willemstad, capital de Curaçau, para deixar uma equipa de técnicos de manutenção e levar os passageiros ao destino final.

A aeronave com a avaria depois de arranjada, descolou às 20h com destino a Amesterdão.

📸 - 1CAB Cunha

- @lajes_spotter

O Presidente do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA) destacou “o espírito de entrega e capacidade de coordenação entre os vários agentes de proteção civil” durante o exercício, que teve lugar ilha de São Jorge, manifestando-se satisfeito pela forma como decorreu o Touro 21.

“Podemos avançar com um resultado positivo, atendendo a tudo aquilo que conseguimos testar, desde a motivação, o empenho de todos, passando pelas ações e aos testes de coordenação que conseguimos fazer com todos os agentes de proteção civil que participaram neste exercício”, afirmou Eduardo Faria, que falava em declarações aos jornalistas.

Na edição deste ano do exercício Touro, que decorreu entre 22 e 24 de outubro, o cenário simulado era um aviso meteorológico de nível vermelho para o parâmetro de precipitação para o Grupo Central, com predominância para a ilha de São Jorge.

As fajãs do Ouvidor e dos Vimes foram os locais escolhidos para se encenar diversos incidentes, nomeadamente pedidos de socorro de cidadãos, habitações inundadas, desaparecidos, acidentes rodoviários, bem como situações de estradas obstruídas e falhas nas comunicações.

Segundo o responsável, o facto de os cenários terem sido nas fajãs permitiu apresentar incidentes “mais complicados, como, por exemplo, ao nível de comunicações e de acessos, obrigando aos operacionais que estavam no terreno a procurar outras alternativas”.

Na ocasião, Eduardo Faria defendeu também a importância de se continuar a apostar na realização de exercícios deste género para se melhorar os procedimentos e ações a

tomar em situações desta natureza.

“As formas de atuar são diferentes, os procedimentos e os protocolos diferem de agente para agente”, explicou o Presidente do SRPCBA, defendendo que é necessário “perceber o que podemos esperar de cada um de nós que participa”, para que seja “o socorro às populações seja o mais rápido possível e com o máximo de qualidade”.

Além do objetivo de treinar os diferentes agentes de proteção civil e entidades com especial dever de colaboração na resposta a situações de meteorologia adversa, foram também testados os Planos Municipais de Emergência dos concelhos envolvidos e a Rede Integrada de Telecomunicações de Emergência da Região.

Eduardo Faria agradeceu também “a entrega total” das cerca de 200 pessoas que estiveram no exercício, com intervenção direta e indireta, entre operacionais, entidades e figurantes.

Além dos nove Corpos de Bombeiros do Grupo Central, participaram as Direções Regionais da Saúde, da Habitação, do Ambiente e Alterações Climáticas, dos Assuntos do Mar, dos Recursos Florestais, das Obras Públicas e Transportes Terrestres e do Turismo, assim como o Instituto de Segurança Social dos Açores, o Laboratório Regional de Engenharia Civil, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera e o Centro de Informação e Vigilância Sismovulcânica dos Açores.

O exercício envolveu ainda as Câmaras Municipais de Velas e de Calheta, Comando Operacional dos Açores, através dos seus diferentes ramos e valências, a Autoridade Marítima, através da Capitania do Porto da Horta, Associações de Radioamadores, PSP, GNR e Cruz Vermelha.

Este ano também esteve presente um grupo de observadores, constituído por elementos do comando dos corpos de bombeiros dos Grupos Oriental e Ocidental.

A presidente da Câmara Municipal da Praia da Vitória, Vânia Ferreira, garante que a Autarquia vai apoiar o reforço dos meios operacionais da Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários da Praia da Vitória (AHBVPV), contribuindo, dessa forma, para o aumento dos quadros de bombeiros.

A autarca participou na cerimónia comemorativa do 37º aniversário da corporação, que decorreu no domingo, 17, e sublinhou ser fundamental aumentar a resposta dos bombeiros praienses dada a sua importância social e comunitária.

“Considerando o projeto do anterior executivo de suporte de vida imediato, futuramente sediado no quartel dos bombeiros voluntários, assumimos a importância de um serviço disponível em prol dos praienses, tendo como objetivo uma resposta célere no contexto de emergência pré-hospitalar. Deste modo, torna-se essencial o investimento no novo quadro de bombeiros, contribuindo para o reforço dos meios operacionais desta entidade”, referiu.

 “Pretendemos continuar a apoiar e a desenvolver um percurso de parceria com esta associação, de modo a garantir uma eficaz prestação de cuidados de saúde em pré-hospitalar como em todas as intervenções de combate a incidentes de risco e salvamento”, sublinhou.

Na ocasião, Vânia Ferreira destacou “o empenho, esforço e dignação dos bombeiros voluntários na proteção da população, pautada por uma postura de excelência no combate aos desafios que esta entidade enfrenta diariamente”.

 “O percurso da AHBVPV muito nos honra enquanto praienses. São inúmeras, e já comprovadas, as conquistas nacionais, regionais e internacionais que enaltecem esta corporação, levando além-fronteiras o nome deste concelho”, salientou a autarca.

“Não poderia deixar de referir a vossa capacidade de resiliência nas ações causadas pela pandemia da COVID-19, uma situação que põe, sem dúvida, à prova, as vossas capacidades no apoio ao próximo e que nos afetou a todos de uma forma profunda e inexplicável. O meu agradecimento pelo vosso inigualável trabalho prestado junto da comunidade, algo que não seria possível sem a força motriz principal, as vossas famílias”, adiantou a presidente da Câmara Municipal. 

Na comemoração do 37º aniversário, a AHBVPV homenageou os bombeiros Hugo Santos, João Costa, José Melo, Leonel Raimundo, Bruno Espínola, Francisco Godinho, José Barcelos, Paulo Borba, Hélder Lima, Ruben Linhares, Rogério Martins, Vítor Drumond, Carlos Pacheco, Maria Rita Costa, Sérgio Drumond, Jorge Sousa, Sérgio Santos, Pedro Barcelos, Fernando Martins, Miguel Valente, Luís Pinto, José Gomes, Pedro Mendonça, Vítor Lima, Andreia Gil, Emanuel Ávila, Eduardo Arruda, Catarina Rocha, Ilídio Martins, Filipe Ponte, César Gaspar e Márcio Soares.

Foram também homenageados Pedro Teófilo (pela coordenação dos nadadores salvadores nas zonas balneares do Concelho) e Sónia Paim (pela manutenção das instalações).

Foram atribuídas as medalhas de assiduidade a Mara Lisa Arruda e Ângelo Carvalho, por 10 anos de serviço; Sérgio Santos, Fernando Martins, Pedro Barcelos, Maria da Conceição Rocha e Leonel Raimundo, por 15 anos de serviço; a Hélder Lima, por 25 anos de serviço; e, por 30 anos de serviço, a Alexandre Cunha, José Barcelos e Rui Correia.

A medalha de serviços distintos da Liga Portuguesa de Bombeiros Portugueses foi atribuída a Sandra Sousa, em representação de Roberto Sousa, a Bárbara Augusto e Ânia Almeida.

Ilídio Martins recebeu o troféu de bombeiro do ano.

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante