Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

A Terceirasegur presta serviços de segurança privada na área da Vigilância Humana, Serviços de Vigilância Móvel, Serviços de Piquete de Intervenção, Serviços de Consultoria.

Nesta edição entrevistamos César Lima, proprietário da Terceirasegur, Lda que tem como sede Praia da Vitória.

 

Jornal da Praia - Quais as razões que levaram à criação da empresa TerceiraSegur e que tipos de serviço prestam?

César Lima - Desde há 13 anos residindo no Continente, que me dedico profissionalmente à segurança privada, desempenhando a profissão nas mais diversas categorias – Vigilante, Segurança Porteiro, Assistente de Recintos Desportivos e Assistente de Recintos de Espetáculos e ainda Vigilante transporte de Valores.

Culminando em 2019 com o curso de Coordenador de Segurança e de Diretor de Segurança, na Universidade Autónoma de Lisboa.

Sempre com o objetivo de obter maiores e melhores competências para o exercício da profissão e com o desiderato de liderar e fundar a própria empresa.

É em 2021, que reunidas as exigentes condições financeiras e burocráticas, demos início ao projeto Terceirasegur.

Terceirasegur é um projeto muito pessoal com uma forte ligação à minha terra. Daí o nome e o local escolhido para a sede. Na minha terra. É na Praia da Vitória, na Terceira, nos Açores, o seu local de nascimento, tal como o meu.

A Terceirasegur presta serviços de segurança privada na área da Vigilância Humana, Serviços de Vigilância Móvel, Serviços de Piquete de Intervenção, Serviços de Consultoria.

No entanto, já estamos a desenvolver um projeto para prestação de outros serviços de segurança privada, designadamente, segurança eletrónica, a partir da nossa sede na Praia da Vitória, cobrindo todo o território nacional.

Com sede na Praia da Vitória, a empresa TerceiraSegur tem vindo a prestar serviços de segurança em vários pontos do país. Como decorre esse tipo de serviços?

O meu percurso profissional deu-me a possibilidade de conhecer muita gente ligada à segurança privada, sobretudo operacionais como eu, em todo o país.

Daí que, criada a empresa tem sido possível recrutar estes colegas para garantir a prestação de serviços de segurança em eventos em todos o país, colaborando estes na angariação de clientes para o efeito.

Estes serviços variam do tipo de necessidades dos clientes. Vai desde a segurança e vigilância às instalações, chamadas portarias. A segurança em eventos (Feiras, concertos, jogos das mais diversas modalidades etc. A elaboração de planos de segurança e consultadoria.

Este ano, a empresa será responsável pela segurança do Carnaval de Ovar, como surgiu a oportunidade e que meios estarão disponíveis para esta operação de segurança?

O Carnaval de Ovar é um dos maiores eventos que se realiza em Portugal e do modo como é organizado, é um dos que mais recursos humanos da segurança privada recruta.

A Terceirasegur ganhou o concurso para a prestação dos serviços de segurança do Carnaval de Ovar.

É uma operativa que decorre entre os dias 29 de Janeiro e o dia 01 de Março.

No auge do evento, que compreende os dias 17 a 21 de Fevereiro, estarão em serviço na cidade de Ovar 150 vigilantes, nas várias categorias, em permanência.

Trata-se de uma operativa complexa e exigente em logística, recursos humanos e materiais.

Há que garantir refeições e estadia ao pessoal.

Serão utilizados veículos da empresa – carros e motos, para que alguns elementos se desloquem na cidade entre os vários pontos.

Note-se que a cidade de Ovar é completamente fechada e instaladas 21 bilheteiras em redor de toda a cidade. No interior da cidade serão instalados vários palcos e bancadas para realização dos cursos de carnaval, concertos e espetáculos.

Atualmente, como vê este tipo de empresas de segurança privada nos Açores e no nosso país?

Entendemos que, independentemente onde se encontrem sediadas, são apenas concorrentes. Cada uma com o seu modo de gestão e atuação no mercado.

Não sendo um mercado fácil, cremos que é um mercado em expansão face às necessidades de segurança dos dias de hoje e futuramente.

Nos Açores, para além de nós, existe mais uma empresa, sediada em São Miguel.

O mercado nos Açores – a não ser o cliente público – é muito reduzido.

No âmbito nacional, atenta a maior dimensão, pese embora a forte concorrência, há sempre uma janela de oportunidade que surge naturalmente, por indicação dos nossos clientes e pela qualidade da nossa prestação do serviço resultado da qualidade e rigor do pessoal que recrutamos.

O mesmo tem acontecido também aqui na Ilha Terceira, onde dispomos de um grupo excelentes profissionais.

e como se posiciona a TerceiraSegur no mercado da segurança privada?

A Terceirasegur é uma empresa que opera no mercado nacional há sensivelmente um ano e meio. Possui em carteira alguns clientes de referência a nível nacional.

Para que se perceba a nossa satisfação, numa sondagem efectuada neste mês de Janeiro, entre as 64 empresas que operam no mercado da segurança privada, fomos classificados em 12º lugar, como melhor empresa para trabalhar em 2023.

Isto reflete a forma como abordamos o mercado e especialmante com quem com nós colabora.

Daí que nos pautaremos sempre com os mesmos princípios e sobretudo procurando um crescimento sustentado.

Jornal da Praia – A AFA – Associação Fontinhas Ativa tem por objeto social o fomento e a prática do desporto. Quais as modalidades que a Associação Fontinhas Ativa promove e pratica?

Adriano Toste (Presidente e Diretor de Provas) – A principal modalidade é o ciclismo. Já tivemos o atletismo, mas atualmente é o ciclismo a principal e única modalidade que a Associação Fontinhas Ativa promove e pratica, a par de uma escola de ciclismo.

A AFA – Associação Fontinhas Ativa foi criada em 2009. Começou com um grupo de amigos que costumavam andar de bicicleta e na altura alguém lançou a ideia de formarmos um grupo e conseguiríamos algum apoio das Juntas de Freguesia ou da Câmara Municipal para criar um grupo com vista a criarmos uma associação devidamente estruturada com devidos estatutos, NIF… nascendo assim a AFA. Contudo, quando criamos a AFA, a nossa intenção inicialmente não foi o ciclismo, mas sim promover duatlos e triatlos, dada a minha experiência. Fomos também alertados aquando da criação que deveríamos promover outras modalidades como o atletismo ou a natação. Quando a ACA – Associação de Ciclismo dos Açores soube da nossa existência, marcou uma reunião connosco que se realizou em Dezembro de 2009 com a proposta de a AFA realizar em 2010 duas provas de BTT e retomar o Grande Prémio de Ciclismo da Ilha Terceira. Foi numa altura em que não haviam clubes de ciclismo na ilha Terceira e o AFA foi a única filiada e a competir em 2010 com todos os atletas filiados. A partir desta data apareceu clubes como o SC Barreiro, o TAC, o Matraquilhos, entre outros…

Jornal da Praia – Em 2010 foram então os pioneiros na ilha Terceira?

Adriano Toste – Na retoma do ciclismo fomos. O ciclismo federado apareceu a partir de 2010 com a AFA… não haviam tantas exigências para organizar uma prova com atualmente. Alguns anos atrás, por exemplo, um polícia à frente dava para a prova toda, atualmente são necessários 20… acrescendo os seguros e outras formalidades.

Davide Lopes (Treinador) – Em termos desportivos, de alguma forma houve um antes e um depois. Quando a AFA foi criada pelo Adriano e pelo grupo de pessoas foi necessário dar um passo seguinte, na qualidade, na exigência e na organização que foi evoluindo atá aos nossos dias. Agora é tudo mais organizado com carros de equipas, seguros, licenças tudo o que é necessário para uma prova desportiva. Para esta vertente foi criada a AFA. Com o tempo evolui, também, para as equipas de ciclismo e para as escolas de formação. A AFA em sub 23 é a equipa nos Açores com mais atletas.

Jornal da Praia – Sabendo que existem outras equipas a competir na ilha, como se posiciona o clube nesta modalidade, quer a nível de ilha, quer a nível regional?

Davide Lopes – Muito bem, queremos mais equipas assim evoluímos em termos competitivos. Já somos uma equipa de referência a nível regional. Competimos em várias provas todas as que podemos competir, de ilha, regional ou nacional.

O nosso posicionamento a nível regional, somos a favor de cada vez mais equipas, de mais atletas, seja na Terceira seja nos Açores. Assim existe mais competitividade e o nosso ciclismo evolui mais.

Jornal da Praia – Qual o balanço que faz sobre a época desportiva 2022 que agora terminou?

Davide Lopes – No que diz a resultados talvez foi a melhor época de sempre para a Associação Fontinhas Ativa. Nunca tínhamos ganho nos Açores um Grande Prémio (GP), ganhamos dois. Num foi o pleno no pódio, no outro fomos primeiro e segundo, ganhamos várias camisolas exceto a da “Juventude”, a classificação por equipas, a classificação “Master” e individuais. Em 2022 tivemos campeões em XC (BTT, Cross country) e de estrada. Tivemos um Campeão Nacional de Pista, na modalidade Scratch, categoria Elites. Tivemos 4 títulos de campeões regionais e fomos a única equipa açoriana a participar no Grande Prémio Açores, competição destinada a profissionais e promovida pela Federação Portuguesa de Ciclismo. A nível interno, ilha Terceira, competimos em várias competições. Foram 50 dias de competição. Já a época de 2021 tinha sido muito boa, mas este ano conseguimos superar-nos.

A referir, temos a nossa sede aqui na ilha Terceira, depois temos uma delegação de atletas, uma equipa, em São Miguel que compete na ilha e vem cá à Terceira competir também. Temos também atletas em Portugal continental. A AFA está em três frentes. Somos nos Açores a única estrutura com 4 treinadores.

Jornal da Praia – Quais as médias de idade dos atletas e número de praticantes?

Davide Lopes – A média de idades dos atletas vão desde os 4 anos aos 56 anos. Nas escolinhas temos cerca de 30 atletas. Toda a gente que está no ciclismo gosta.

Adriano Toste – Principalmente os miúdos adoram, gostam do ciclismo. Vemos a vontade deles em praticar a modalidade, trazem as suas bicicletas. A própria ACA está com vontade de implementar a modalidade nas escolas. Eu próprio já estive em várias escolas, inclusive na Escola Irmãos Goulart.

No que diz respeito a atletas a praticar este ano são 26 filiados e 11 miúdos filiados nas escolinhas.

Somos atualmente o único clube com formação oficial porque uma das exigências é ter um treinador e nãos temos um treinador.

Davide Lopes – Este ano fiz duas sessões em escolas de Angra do Heroísmo e correram bem.

Jornal da Praia – Em termos de estrutura, de funcionamento como é mantida a Associação Fontinhas Ativa?

Adriano Toste – Um clube como o nosso e com esta estrutura é difícil… Por exemplo, para inscrever um atleta custa dinheiro. São os nossos patrocinadores privados e públicos como a Junta de Freguesia das Fontinhas e a Câmara Municipal da Praia da Vitória que garantem esta associação. Este ano são cerca de 30 patrocinadores. São entidades e pessoas que nos dão apoio financeiro e logístico e outras formas para a equipa. Da parte do Governo temos algum apoio para a escola de formação.

Mas, temos um patrocinador que desde 2013 quis associar-se à nossa equipa… é a Promotora das Lajes. O senhor Gerardo, proprietário desta empresa, na altura apoiou com trofeus numa prova realizada e vendo a forma como trabalhávamos associou-se nascendo assim o projeto Fontinhas Ativa/Promotora.

Davide Lopes – O nome da equipa é Fontinhas Ativa/Promotora…. Temos também patrocinadores açorianos, em Portugal continental e um em Angola. Mas há uma parte muito importante no ciclismo amador. Os próprios atletas “chegam-se à frente” contribuindo também porque trata-se de desporto amador. Tentamos ajudar naquilo que é possível.

Jornal da Praia – A Associação Fontinhas Ativa, além de honrar a freguesia das Fontinha, é uma associação que já extravasou a própria ilha…

Davide Lopes – Em termos competitivos desde muito cedo que procurámos competir fora da ilha. Mas o ponto de viragem foi a nossa primeira presença nos nacionais de ciclismo em que competimos com 4 atletas: o Lucas, José Miguel Afonso, Tiago Furna e o Rui Costa. Nesse ano fomos a equipa mais medalhada, conseguindo vários pódios, um campeonato nacional do Lucas em contrarrelógio, com dois vice-campeonatos do José Afonso, nos Master 50 e com um 3.º lugar na Prova de Fundo.

De um momento para o outro, do nada, tivemos uma projeção nacional. Para conseguirmos temos de lá estar, competir. A nossa estrutura é boa, os nossos atletas são bons, temos é de lá estar. O que interessa é lá estar é competir

Neste extravasar temos de referir também os apoios da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, da Câmara Municipal da Praia da Vitória e da Associação de Ciclismo dos Açores e o Adriano Toste e a equipa de organização têm todo o mérito conseguindo montar uma estrutura organizativa de provas que dá muito trabalho mas pelo que vemos a nível Açores é a mais profissional… não há uma chegada de meta, organização de uma caravana como vemos aqui na ilha Terceira e esse mérito é do Adriano e da sua equipa organizativa.

Adriano Toste - Outro exemplo dessa organização foi trazer a La Alumínios / LA Sport, uma equipa profissional de Portugal continental que participa na Volta à Portugal para competir no Grande Prémio da Terceira, foi em 2021, proporcionando aos nossos atletas outro panorama desportivo.

Jornal da Praia – … está a Volta a Portugal nos horizontes da AFA?

Adrano Toste – Isso é muito difícil…

Davide Lopes – Em primeiro lugar temos de estar no ranking. Os nossos atletas têm muito qualidade, mas falta a vertente financeira e a renovação dos planteis.

Quando cheguei ao ciclismo há 7 anos os atletas de então são os mesmos de agora. Um problema que temos a nível Açores é a formação… estamos a tentar mudar.

Todos os atletas trabalham, têm a suas profissões. Eu próprio, enquanto treinador, tenho de conciliar a minha profissão com o ciclismo o que por vezes não é fácil. Acho que cabe a ACA analisar a questão dos treinadores nos Açores… São necessárias mais condições aos treinadores e à formação do ciclismo para que hajam mais praticantes da modalidade.

Atualmente temos na AFA 4 treinadores. No ciclismo nacional há 3 graus e depois um internacional. Eu terminei o grau 2, o Adriano Toste tem o grau 1, o Nuno está a terminar o grau 1 e o Tiago Furna tem o grau 1. Ou seja, temos 4 treinadores a mais um, o Fernando a estagiar, mas nenhum tem disponibilidade a 100% para treinar.

Adrano Toste – O ideal, e isso já dissemos à Associação de Ciclismo dos Açores, é fazer força para formar mais treinadores que fossem professores de educação física por exemplo, criando mais condições por exemplo nas equivalências nas licenciaturas.

Também, é preciso fazer força para que o Ciclismo faça parte do Programa do Desporto Escolar, apesar de existir um projeto piloto neste sentido.

Davide Lopes – A outra possibilidade é a Associação de Ciclismo dos Açores, junto da Direção Regional do Desporto, fazer força para criar um Estatuto de Treinador não apenas no ciclismo, mas em todas as modalidades que reunisse condições mais favoráveis para quem pretende treinar e trabalhar a formação.

Neste momento é preciso trabalhar mais a formação. Todos o dizem, mas não nos dão condições para tal. Isto é um problema que eu sinto.

A outra questão são as Escolas de Formação. O Ciclismo é caro, os miúdos precisam de uma bicicleta, um capacete para iniciar a atividade e isso é uma barreira. Um bom exemplo é o projeto da Escola de Formação do Barbarense, na freguesia de Santa Bárbara em que conseguiram chegar a bastantes miúdos geridos por duas professoras.

Jornal da Praia – Em termos de futuro é para manter a qualidade atual?

Adriano Toste – É como tudo na vida, chega uma altura que estabiliza ou a tendência é descer para voltarmos a subir. Não conseguimos elevar sempre a fasquia. É claro que já conseguimos coisas muito boas e o que o David já mencionou em termos organizativos contribuindo para a qualidade das provas em que ele também participa.

A Terceira é a ilha que mais provas realiza. Este ano organizamos 7 provas de estrada, 1 Clássica de Abertura e 3 dias de Grande Prémio. O facto de haver mais provas originou mais competitividade entre os atletas.

Davide Lopes – Enquanto treinador quero realçar o mérito de todos desde o mais ao menos vitorioso, todos contribuíram para resultados alcançados, passando pela estrutura e staff, porque somos uma equipa. Tivemos resultados espetaculares.

Mas há uma coisa que para mim foi uma das maiores vitórias deste ano, não falando em resultados… Aquando da nossa participação no Grande Prémio Açores, foi ouvirmos de um diretor desportivo de uma equipa nacional dizer que: “vocês o que fizeram aqui, com a prata casa, é “brutal”. A vossa estrutura não fica atrás das equipas profissionais.

Entrevista: Rui Marques

Foto: AFA

Fundada a 30 de Abril de 1992, a Associação de Apoio à Criança da Ilha Terceira (AACIT) é uma IPSS vocacionada para o acolhimento de crianças e jovens em risco

Nesta edição Jornal da Praia entrevista Jorge Pires, Presidente da Direção que falou sobre a instituição que dirige.

 

Jornal da Praia (JP) - "Damos a mão, a quem mais precisa..."

Fundada a 30 de Abril de 1992, a Associação de Apoio à Criança da Ilha Terceira (AACIT) é uma IPSS vocacionada para o acolhimento de crianças e jovens em risco. Como vê atualmente a instituição que dirige?

Jorge Pires (JP) - Como referiu e bem, a AACIT é uma resposta social que tem como valência única a Casa de Acolhimento Residencial, "Mãos que Acolhem", vocacionada para a recepção de crianças e jovens (c/j) em perigo. Neste âmbito, somos uma associação que acolhe, protege e promove o desenvolvimento integrado das crianças e jovens em perigo.

Capacitamos e autonomizamos com qualidade, educando crianças e jovens felizes e equilibrados, focando sempre a individualidade e a melhoria contínua, disponibilidade, união e cooperação, consciência e responsabilidade, respeito e auto-estima.

JP - Quantas crianças e jovens a instituição acolhedora e respectiva faixa etária?

JP - Actualmente temos 9 crianças e jovens do sexo masculino, com idades compreendidas entre os 11 e os 17 anos de idade. Ainda assim, considero pertinente referir que capacidade desta CAR é de 10 crianças + 1, uma atribuída a situações de emergência. São destinatários desta resposta social crianças e jovens de ambos os sexos até aos 18 anos de idade ou 25 anos de idade, nos casos em que tenha sido solicitada a continuação da medida para além da maioridade, estando a prorrogação contemplada no nosso projecto educativo.

JP - Desde o dia em que entram na instituição a criança ou o jovem passa por um período de adaptação. Como funciona essa adaptação sabendo que essas crianças e jovens necessitam de vários cuidados muitas vezes descurados, abandonados e provenientes de famílias disfuncionais? Os funcionários e os dirigentes funcionam aqui também como uma "família"?

JP - Desde o primeiro dia de acolhimento, o nosso papel enquanto equipa educativa, é promover o desenvolvimento integral, assegurando a satisfação das necessidades básicas, atenuando os factores de risco e potenciando factores de protecção. Avaliamos as necessidades individuais, desenvolvendo as competências pessoais e sociais de cada criança e jovem, garantindo que durante o período de acolhimento tenham uma vivência de tipo familiar, num ambiente afectivo e em segurança. Infelizmente a adaptação e integração das crianças e jovens no contexto de acolhimento, não depende só da nossa actuação, sendo variável consoante as características individuais e de resiliência de cada um, havendo quem se integre rapidamente, ajustando-se ao funcionamento da casa, enquanto que outros, levam algum tempo a gerir as suas emoções, a construir relações e a aceitar as rotinas, até que consigam sentir-se parte integrante do grupo.

JP - Como é o dia-a-dia na instituição e sua integração na comunidade?

JP - A casa de acolhimento assume uma estrutura de vida semelhante á de uma estrutura familiar, com regras e rotinas. Tal como nas famílias, as crianças e jovens de todas as fixas etárias e com diferentes capacidades devem ajudar nas tarefas domésticas, partilhando com os adultos a responsabilidade pela manutenção e limpeza da casa, a confecção das refeições e o tratamento das roupas. Claro que a participação nas tarefas domésticas, não pode envolver riscos e é adaptada à idade, autonomia e desenvolvimento de cada um.

É ainda essencial que os acolhidos entendam que serão tratados como pessoas comuns, como qualquer outra criança e jovem. Esta igualdade e similaridade com todas as crianças e jovens, pressupõe o desenvolvimento de um ambiente familiar, que procura criar momentos e vivências comuns, assinalando a data de aniversário de cada eij e comemorando todas as épocas festivas, tais como, carnaval, páscoa, natal e momentos relacionados com o percurso católico (1'. comunhão, procissão de fé, crisma) e outras datas significativas.

A nível da comunidade, são criadas condições para que seja possível o acesso a diferentes actividades de lazer, sociais, desportivas ou culturais, garantindo uma integração na sociedade sem associação à Casa de acolhimento, zelando sempre pela sua privacidade e respeitando a sua intimidade

Assim, funcionamos numa abordagem prática que, em contexto de acolhimento, oferece uma "vida normal" às crianças e jovens, possibilitando vivências idênticas às vividas no seio das suas famílias

JP — Quais os projetos que a Associação tem para os próximos anos? Prevê alargar o seu plano de ação a outras localidades da ilha Terceira ou mesmo ampliar as atuais instalações na vila das Lajes?

JP - A AACIT é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, com a forma de associação de solidariedade social, constituída por tempo indeterminado, edificada através da celebração de acordos de cooperação com o Governo Regional dos Açores, que permitem o funcionamento da valência, Casa de Acolhimento Residencial.

Nesta perspectiva, funcionamos sempre em parceria com o estado, não tendo autonomia financeira, nem de poder, na criação de novas respostas e valências.

Enquanto IPSS procuramos dar resposta a situações de emergência social e apoio aos cidadãos mais elegíveis, mas sempre como efeito da acção de solidariedade social pelo estado, promovendo uma intervenção com capacidade de inovação e adaptação, face às necessidades identificadas pelos organismos competentes. Somos o motor, que dá expressão ao dever de solidariedade do Estado, que assegura a efetivação dos direitos das pessoas em contexto de vulnerabilidade, através da criação de respostas sociais de combate a novas situações de desigualdades.

A José Tomás da Cunha e Filhos, Lda é mãe de todas as empresas e marcas do Grupo Susiarte, nasceu a 12 de Dezembro de 1982.

Empresa familiar fundada por José Tomás da Cunha, Luís Vasco Cunha, Susana Cunha e Alexandre Cunha, sócios gerentes, é considerada atualmente uma das melhores PME,s do país.

Nesta edição Jornal da Praia entrevista Luís Vasco Cunha, sócio gerente quefalou sobre a empresa.

 

Jornal da Praia (JP) - Fundado em 1982, o Grupo Susiarte no próximo dia 12 de Dezembro comemora 40 anos de atividade comercial. Qual a retrospetiva que faz destes 40 anos?

Luís Vasco Cunha (LVC) - fez um balanço muito positivo nestas quatro décadas. Em 1982, a Terceira vivia na ressaca do sismo de 1 de Janeiro de 1980 e, uma vez mais, a crise gerou oportunidades e criou desafios.

Ao longo deste período, celebramos algumas vitórias e sofremos com derrotas, sempre em família. A família de sangue foi enriquecida com a família do coração, sempre com a firmeza atribuída a que o importante é o “nós”.

O nosso percurso teve como farol orientador o bambu: resistente, flexível, capacidade de adaptação às mudanças e sensível.

Quando em 1985 abrimos a loja com mais de 1000m2, na Rua da Graça, e quando, em 1987, inaugurámos o armazém com 1840m2, no Cabo da Praia, foram vários os que nos apelidaram de loucos e vaticinaram o insucesso. Ambos os espaços já foram alvo de obras de extensão.

O caminho foi percorrido em função das oportunidades e das contrariedades, com frequentes correções de rota, mas sempre com a ambição de fazermos mais e melhor.

JP - Atualmente o Grupo Susiarte é uma das principais empresas na ilha Terceira e mesmo dos Açores. Quantas empresas compõem o grupo e número de funcionários?

LVC - Hoje, o Grupo é composto por 4 empresas, Susiarte-José Tomás da Cunha & Filhos, Lda, mantendo, da primeira hora, o comércio de móveis e artigos decorativos, fortalecida por um Gabinete de Arquitectura de interiores, ao qual juntamos a Bfashion e a Susiarte-Sports; a Codelpor, SA, que actua a nível nacional e internacional e tem sede em Benavente; a HNTrónica, Lda, com sede e actividade na Madeira, e em outras latitudes no campo dos equipamentos hoteleiros; e a WineExpert & Gourmet, Lda, com Garrafeiras no Fórum Terceira e em Ponta Delgada, além de distribuição de vinhos na restauração.

JP - O Grupo Susiarte possui lojas na Madeira, Açores e Continente Português. Quais os motivos que levaram a esta expansão, extravasando as “fronteiras da rua da Graça”?

LVC - Após os primeiros anos de euforia, fruto do crescimento das vendas, cedo resistiu que se queríamos crescer de superar as barreiras da ilha. O percurso natural levou-nos a começar pelas ilhas vizinhas e posteriormente a alargarmos para a Madeira e o continente português.

Em função dos muitos apoios recebidos por parte de clientes e amigos, e da força e experiência das nossas equipas, pudemos superar as barreiras do espaço geográfico de uma ilha, num tempo em que tudo era distante e complicado, sendo que as maiores dificuldades residiam em nós próprios.

JP - Durante vários anos o grupo tem recebido o estatuto de PME-Líder atribuído pelo IAPMEI é o reconhecimento do esforço de todos os trabalhos que diariamente nas várias empresas do grupo e que representa este estatuto nacional?

LVC - Esse estatuto é um certificado que atesta o cumprimento de diversos rácios financeiros, numa fotografia da empresa a 31 de Dezembro de cada ano.

Os resultados são sempre o espelho do trabalho das equipas, e sem esforço e dedicação nada se consegue. Temos orgulho em sermos exigentes com os outros e, sobretudo, conosco próprios, pois, sem dúvida, que as zonas de conforto são muito bonitas e confortáveis, mas lá nada cresce.

JP - O Fórum da Praia é, sem dúvidas, atualmente um polo de desenvolvimento comercial na cidade da Praia da Vitória. Foi uma aposta ganha do grupo?

LVC - Estamos muito satisfeitos com os resultados do Fórum, e muito agradecidos aos nossos parceiros que se instalaram neste espaço e que tiveram interação e nos ajudaram a crescer. Nossos clientes têm sido fantásticos, sempre com incentivos para que façamos melhor. Agradecemos cada elogio e crítica que nos fazem.

Já o dissemos, e repetimos várias vezes, que a ausência de dinamismo comercial na Praia da Vitória é uma falácia. Há uma enorme confusão entre a sua artéria principal, a Rua de Jesus, onde nós também temos lojas, e a Praia num todo. Hoje, vende-se muito mais nesta cidade do que há 40 anos.

Em 1982, os arautos da desgraça proclamavam que ninguém se deslocaria às Figueiras do Paim, onde nascemos, pois o negócio fazia-se na Rua de Jesus. Em 1985, a Rua da Graça continuou a ser entendida como fora de rota.

O problema principal é que é mais fácil, e mais mediático, apontar casos de insucesso do que remetem a viabilidade de diversas empresas que nasceram e floresceram fora desse eixo central. Há que entender que os tempos mudam e que é impossível ter sucesso sem acompanhar a mudança. É prático encontrar culpados, mas a maioria dos nossos insucessos tem por base os nossos erros.

JP - Uma pergunta que gostaria de colocar… Quais os projetos que o Grupo tem para os próximos 40 anos?

LVC - O nosso objetivo para o futuro é termos a capacidade de manter as nossas portas sempre abertas. As portas das lojas, mas sobretudo as portas da mente que nos obrigam a continuar a começar de novo as vezes que for necessário.

“Tenho a impressão de que nos próximos anos serão mais os produtores a optar
por este tipo de produção.”
O entrevistado desta edição é Francisco Rocha, produtor agrícola e Presidente da APLBio - Associação de Produtores de Leite Biológico Terceirenses.
Francisco Rocha falou desta nova associação e da produção de leite biológico na ilha Terceira.

 

Jornal da Praia – Quais as razões que levaram a criação da APLBio - Associação de Produtores de Leite Biológico Terceirenses, o que defende e que tipo de apoio pode dar aos seus associados?
Francisco Rocha – A associação nasceu há cerca de dois meses e é a primeira associação do género em Portugal.
Fomos convidados pela UNICOL para iniciarmos um projeto pioneiro nos Açores, que seria produzir leite biológico… embora sabendo que há muitos anos atrás produzia-se leite biológico nos Açores. Neste projeto iniciaram 6 produtores e agora somos 12 e estão mais 5 em processo de reconversão que em pouco tempo vão iniciar a produção de leite biológico.
A associação defende os direitos, os objetivos dos associados e queremos ter uma “palavra a dizer” quando for para implementar regras. Também serve para informar e ajudar na aplicação e reconversão das suas explorações e na organização e divulgação dos vários apoios europeus para este tipo de produção e de outros aspetos burocráticos.
Vamos ver como é que a produção vai crescer e portar-se nos próximos anos.

Jornal da Praia – Segundo dados do Governo Regional dos Açores, a área de produção em modo biológico no arquipélago aumentou 630% , entre 2019 e 2022, ocupando 3.569 hectares e o número de produtores cresceu 130%. Quantos associados produtores constituem a associação?
Francisco Rocha – Neste momento, integra a associação 17 associados.
Atualmente são 12 os produtores. Só da minha parte são 44 hectares e cerca de 90 cabeças de gado da raça holstein e algum cruzamente com a raça jersey.
Há que referir que quando entramos na produção deste tipo de leite, procedemos à redução do efetivo das vacas de leite em 10%. Ou seja é reduzido o encabeçamento, deixamos de aplicar adubos, deixamos de adubar as terras em 90%. A silagem do milho também é reduzida e deixamos de aplicar herbicidas… a vaca passa a comer erva, é tratada sobretudo à base de erva… são “regras” para quem quer produzir este tipo de leite.
Tínhamos vacas que produziam noutro modelo, agora quem decide seguir este tipo de produção tem regras e não são difíceis de aplicar. Temos o melhor clima do mundo, temos terras férteis que possibilitam a produção de leite biológico.
Há que referir o controlo fito sanitário feito por várias entidades. Além dos inspectores locais, temos duas vezes por ano a visita de técnicos da KIWA SATIVA que verificam as nossas contas, inspecionam os nossos armazéns ou fazem análises às terras.
Deixamos de aplicar adubos convencionais e passamos só a utilizar adubo biológico, reduzimos os custos com mão de obra, apostando mais na pastagem verde e silagem de milho e erva.

Jornal da Praia – Em 2019, a marca Milhafre apresentava o primeiro “Leite de Pastagem Biológico”. Afinal o que é um leite biológico ou que o diferencia dos outros leites produzidos?
Francisco Rocha – Basta provar. Comprem uma caixa de leite biológico, comprem uma caixa de leite normal, convencional, provem um, provem o outro e vão encontrar diferenças de paladar. O leite biológico sai da vaca está puro enquanto que o leite convencional já foi alterado que depois dos derivados, manteigas, queijos, segue para comercialização enquanto que o leite biológico não. O leite biológico segue para comercialização no seu estado natural sem quaisquer alterações.
Depois, o que a vaca come determina o leite biológico. Ou seja 80% a 90% é erva verde, a vaca come em pastagens verdes, não come em terrenos que levam herbicidas ou azotos. Na minha opinião estes herbicidas e azotos deviam ser restringidos ou mesmo desaparecer das nossas pastagens.
Os restantes 20% são de silagem de milho e erva.

Jornal da Praia – Com o atual aumento dos fatores de produção (adubos, rações, combustíveis) o leite biológico é cada vez mais uma aposta, uma mais valia para os produtores agrícolas e para o futuro sustentado do sector nos Açores?
Francisco Rocha – Antes de este projeto da UNICOL aparecer, eu já produzia leite nestes moldes, não utilizava adubos, herbicidas, semeava leguminosas como trevos e luzernas. Faço isto há cerca de 20 anos. Apareceu este projeto, melhor ainda, pagam mais 12 cêntimos por litro e veio de encontro aos moldes do que já produzia.
Para enveredar por esta forma de produção a primeira questão a colocar é: qual é a melhor planta para a vaca dar leite - as leguminosas (trevos e luzernas), as mais adequadas. Depois a segunda questão a leguminosa não necessita de adubos convencionais. E em terceiro lugar existem apoios para produzir este tipo de plantas. Ou seja existem três pontos a favor. Temos também terrenos muito férteis que contribuem em muito, além de ser uma produção muito mais ecológica… a vaca come erva fresca e isso contribui sem dúvida para um leite de qualidade, de excelência.

Jornal da Praia – Que programas de apoio existem para a produção de leite biológico?
Francisco Rocha – De um modo geral, a lavoura tem vários tipos de apoio. No caso do leite biológico acresceram mais alguns. Temos apoios do Governo Regional dos Açores, da Comunidade Europeia.
Na formação da APLBio, para isto nascer, fomos apoiados pelo Governo Regional dos Açores.
Aproveitamos aqui para agradecer ao pai deste projeto que é a UNICOL, nosso braço direito em todas as questões.

Jornal da Praia – Como presidente da da APLBio - Associação de Produtores de Leite Biológico Terceirenses o que tem a dizer a quem quer aderir à produção de leite biológico?
Francisco Rocha – Tenho a impressão de que nos próximos anos serão mais os produtores a optar por este tipo de produção.
Este tipo de produção é um “três mais um”. 1 - terras saudáveis, 2 – plantas saudáveis, 3 – animais saudáveis = produto saudável. E o empresário o empresário com melhor qualidade de vida.

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante