Diretor: Sebastião Lima
Diretora Adjunta: Carla Félix
Últimas Notícias

Jornal da Praia (JP) – O senhor Cecílio Faustino é o novo presidente da direção da Adega Cooperativa dos Biscoitos CRL. O que levou a “abraçar” este novo projeto, gerir a adega cooperativa?

Cecílio Faustino (CF) - Assumi a presidência da Direção da Adega Cooperativa dos Biscoitos, naturalmente, como produtor de vinho mas, também assumi o peso desta responsabilidade que é dirigir esta cooperativa fundada em 1999 e que comercializa vinhos de renome nacional.

Já passei por direções de várias instituições desta linda freguesia dos Biscoitos e estou como sempre “para o que der e vier”…

 

JP – Fundada em 1999, a Adega Cooperativa dos Biscoitos tem vindo a contribuir para a qualidade, comercialização e divulgação dos chamados vinhos de denominação VLQPRD – Vinho Licoroso de Qualidade Produzido em Região Demarcada.

Quantos associados possui a cooperativa atualmente e que serviços presta aos seus associados?

CF - Todos os elementos quer da Direção, Conselho Fiscal e Assembleia Geral são produtores de vinho.

Neste momento temos 73 associados, com perspetivas desse número vir a aumentar. Todos os cooperantes são produtores natos de uvas e reciprocamente leais a esta cooperativa. Todos contribuímos para a produção da Adega Cooperativa dos Biscoitos.

Temos o apoio de um enólogo. As vindimas, as podas, é voluntariado dos nossos sócios que permitem a adega manter as suas parcelas de vinha e a sua produção. Ficamos eternamente gratos pela humildade e altruísmo desta gente que nos apoia… desejo aqui expressar o nosso muito obrigado aos nossos sócios.

 

JP – Quais os vinhos que a Cooperativa produz e comercializa?

CF - Produzimos e comercializamos o Tinchão e o Moledo. Temos também o Magma mas neste momento está esgotado. Outro vinho é o Muros de Magma que está em estágio licoroso.

Esta cooperativa tem uma parceria que nos permite escoar e colocar os nossos vinhos em muitos mercados. Esta parceria é com um grande senhor dos vinhos em Portugal, o senhor Anselmo Mendes e com o seu amigo e colega de trabalho, Diogo Lopes, também produtor e enólogo. Anselmo Mendes, enólogo de renome no mundo dos vinhos, considerado em Portugal como um dos melhores enólogos do país, arrecadando muitos prémios nacionais e internacionais, já Diogo Lopes, grande enólogo, arrecadou no ano transato o prémio do melhor enólogo,

Mais recentemente, em 2022, a Adega Cooperativa dos Biscoitos aderiu, através da Geoparque Açores – Geoparque Mundial da UNESCO, à marca Geofood com os vinhos Magma, Muros de Magma e Moledo… claro que ficamos todos muito orgulhosos com as distinções!

 

JP– Vários problemas e fatores condicionam e afetam o cultivo da vinha como a falta de mão de obra, as intempéries, os fatores de produção e de mercado. Como é que a Cooperativa lida com estas adversidades?

CF – Não é muito fácil…

Temos falta de mão de obra, falta de mão de obra qualificada, um problema que tem vindo a crescer nestes últimos anos… porque estas vinhas e a área onde são plantadas só podem ser unicamente manuseadas.

Outra adversidade que tem marcado muito a produção são as mudanças do clima que afetam em muito as vinhas que contribuem para o aparecimento do míldio e apodrecimento das uvas, etc, etc…

Por exemplo, nestes últimos anos enfrentamos ciclones que arrasaram a produção e vinha está ainda a recuperar. Não temos tido produções ultimamente de grande relevo, por causa das intempéries…

Estamos a apostar na qualidade dos nossos, numa maior divulgação e queremos diversificar a nossa oferta que passa por um website, pela vertente do enoturismo e por novas tecnologias já utilizadas noutras partes do mundo como a utilização drones com vista a levantamentos cartográficos, por exemplo. Por isso, candidatámos um projeto no âmbito do PRR.

 

JP – Por forma a expandir a produção, a Cooperativa adquiriu recentemente mais uma parcela de terreno continuo para aumentar e valorizar a produção. O que levou a Adega Cooperativa a adquirir este terreno que inclui uma casa?

CF– Foram vários os motivos que levaram a aquisição desta parcela de vinhas que inclui uma casa, um terreno contínuo ao que a adega já possui. Com esta aquisição a adega passou a ter cerca de 1 hectare de terreno vinícola em produção.

Por exemplo, na falha de algum associado não conseguir entregar uvas para produção por razões várias, com este novo terreno podemos manter a produção e responder à procura dos nossos vinhos. Também, esta nova aquisição, faz parte de um projeto avaliado em mais de ¼ de milhão de euros que apresentamos no âmbito do PRR com objetivos de desenvolvermos a vertente do enoturismo que passa pela recuperação da casa, construção de um museu e de um alambique tradicional para darmos a conhecer a história do vinho dos Biscoitos.

Logo que adquirimos esta nova parcela procedemos à regularização do solo para plantarmos as tradicionais castas dos Biscoitos: Verdelho, Arinto e Terrantê.

Assim, conseguimos recuperar e continuar a proteger esta área de produção demarcada - Denominação de Origem Controlada dos Biscoitos.

 

JP – Ao longo deste ano a cooperativa pretende promover um conjunto de atividades para divulgar o vinho dos Biscoitos. O que está previsto?

CF – Este ano a adega comemora 25 anos de existência, as suas bodas de prata e para assinalar esta data vamos promover um conjunto de atividades que passam pelas jornadas da cooperativa a iniciar brevemente, queremos também homenagear os sócios fundadores que, infelizmente, muitos dos fundadores já pareceram e esta direção nunca os esqueceu. Estamos a equacionar brevemente um museu para esta cooperativa, e estamos a formalizar uma associação que nos ajudará ainda mais a valorizar Adega Cooperativa dos Biscoitos.

Quero aqui também salientar que esta cooperativa fundada nos Biscoitos é também uma cooperativa de todos os terceirenses. Estamos abertos a mais sócios e também a todos aqueles querem fazer o seu vinho, estamos preparados para isso e até temos sido contactados para esse fim.

Temos participado em feiras de vinhos e eventos do género, sempre muito positivos para os nossos vinhos.

Todos os elementos que integram a Direção, o Conselho Fiscal e Assembleia Geral dão muito do seu tempo livre para ajudar esta adega, apoio crucial para irmos mais longe. Fica aqui expresso o agradecimento também a todos os sócios e familiares, amigos e colaboradores desta casa e aos nossos clientes que publicitam e valorizam os nossos vinhos.

Aproveitamos também para agradecer à Câmara Municipal da Praia da Vitória, à Câmara Municipal de Angra do Heroísmo e à Secretaria da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, na pessoa do seu Secretário, o Eng. António Ventura e à Junta de Freguesia dos Biscoitos, pelos apoios prestados por estas instituições.

 

Entrevista e fotos: Rui Marques/JP

Jornal da Praia - No passado dia 22 de Novembro aquando do lançamento do livro “Está Imensa Luz no Quarto”, da sua autoria, foi apresentada a nova editora Vale das Amoras da qual é proprietário. Quais as razões que levaram à criação da editora e o porquê do nome Vale das Amoras?

Mário Duarte - Em 2018 deixei de editar novos títulos (cingindo-me a reedições) pela BLU edições, a minha primeira editora, uma marca registada. Para mim, terminara um ciclo iniciado em 1995.

Foram anos feitos experiência, um somatório de muitos erros e alguns sucessos. Soube,

sempre, que fundaria um novo projecto editorial – este que comecei agora. Como

diria Samuel Beckett: “Vou tentar errar melhor”.

“Vale das Amoras” fui buscá-lo ao nome do lugar onde nasci.

É em memória desse momento, e desse lugar, que o fui colher como se apanhasse um punhado de amoras maduras e as começasse a repartir.

Cada simples objecto, livro ou outro, que venha a editar com este símbolo “Vale das Amoras”, é a comemoração plena da reunião desse detalhe, no tempo, e desse lugar na Freguesia da Ribeira Seca, no concelho da Calheta, na ilha de São Jorge, no arquipélago dos Açores.

Ofereço-vos a primeira amora, que, transformada em livro (“Está Imensa Luz no Quarto – outras histórias, outras iguarias), será uma dádiva – nos seus lucros – que ajudará a Associação Nascer e Crescer Feliz, de Angra do Heroísmo. Cumpro assim uma promessa pensada há muito.

Jornal da Praia - A Vale das Amoras será uma editora generalista ou especializada em determinadas áreas, procurando nichos de mercado e cativando novos públicos?

Mário Duarte - Eu não faço ideia o que será um Vale das Amoras que fará brotar livros. Uma pequena editora não se pode dar ao luxo de muitas ou nenhumas grandezas. Generalista,

naturalmente, mas com critérios que conduzam ao prazer de um editor e dos autores

publicados. Não faz sentido de outra forma. E, naturalmente, com incidência temática nos Açores e em autores açorianos.

Jornal da Praia - Quais as expetativas da editora para 2024. Vamos ter edição de autores açorianos?

Mário Duarte - Depois de cada livro ser posto no mercado, sempre que possível, será anunciado o seguinte. A próxima “Amora” é o livro de Álamo Oliveira “Os Belos Seios da Serpente”. Gostava, e vou trabalhar nesse sentido, sensibilizando, que a apresentação seja uma enormíssima festa e homenagem a este escritor e poeta, feita por todo o povo da Ilha Terceira, e, noutros contextos, por todo o povo dos Açores – para começar.

Jornal da Praia - Como vê atualmente o mercado editorial em Portugal e, em especial, nos Açores?

Mário Duarte - Se eu conseguisse ter uma pequena ideia sobre o panorama editorial nos Açores, já era uma grande coisa. Mas é tudo tão pequeno e complexo, querendo ser grande, e espectacular, que me limito a observar.

Gostaria, contudo, de poder contribuir para clarificar e, se possível, alterar, nos Açores, a lei do Preço Fixo do Livro (Decreto-Lei nº 176/96 de 21 de Setembro). Nas palavras seguintes expresso as ideias que vou defender nos lugares próprios, mas que, ao público, interessa conhecer, como grande beneficiário:

O PVP – Preço de Venda ao Público – dos livros, é o indicativo ou sigla da paz podre do comércio dos livros.

Os Governos Regionais dão um subsídio para o mel, um subsídio para a fruta, um subsídio para a carne, um subsídio para o peixe, etc, etc. Já é um hábito. Tornou-se hábito, também: quando levam um livro (ou livros) para a Feira do Livro de Lisboa, por exemplo – sempre à consignação – exigem ao editor uma taxa de desconto de 40% sobre esse famigerado PVP. É assim, um favor, pago.

A lei do Preço Fixo do livro que estabelece as regras donde aparece o P.V.P. é uma camisa-de-forças do editor, a almofada do livreiro e distribuidor, é o torniquete do comprador (no significado de instrumento destinado a apertar ou, a cingir, apertando).

A quem é que interessa? A quem consegue impor e condicionar as regras das margens de comercialização.

O editor é o mexilhão – que se lixa. (Toda a gente conhece o ditado).

Como editor, e sempre cumprindo a lei, vou sair do meu lugar de conforto e – enquanto vou tentar, junto das entidades próprias, a começar pela Assembleia Regional dos Açores, sensibilizar e contribuir para a alteração dessa lei complexa do Preço Fixo do Livro, apelando a que a autonomia regional possa enquadrar e acomodar outra lei – vou trabalhar para conseguir fazer chegar os livros editados a um preço, mais baixo, ao comprador.

O que é que me proponho, afinal?

Que de Preço Fixo do Livro se passe para Preço Livre do Livro. Que vigore um preço do editor, que já existe, mas encapotado. Que na facturação, a sigla existente PVP, passe a PE (preço do editor). Ganha-se em tudo, até na transparência.

Todos sabem que um artigo tem uma margem de lucro para quem o vende. Compreende-se isso. Não é necessário é que esteja escondida sob a capa de uma agonia para quem o edita. Os “mal-vistos” editores.

E para que haja uma cereja no topo do bolo, a essa alteração da lei (e estou a falar no âmbito das autonomias conquistadas pela Região Açores) deve ser acrescentada a implementação do IVA 0%, no artigo que é o livro, com vantagens para muitas áreas de comercialização, mas também de produção, como é o caso das gráficas existentes na região, que aumentariam a sua exportação.

Jornal da Praia (JP) – Acontece no próximo dia 28 de Outubro, no Auditório do Ramo Grande, mais uma edição de “FAZ ACONTECER TALKS”. Para quem não conhece do que se trata este evento?

André Leonardo (AL) - É um evento que tem na sua génese o empreendedorismo, mas num sentido mais lato e transversal. No fundo, é um evento pretender dar ânimo e brilho nos olhos. É um evento que quer fazer acreditar e dar ferramentas para que quem por lá passe veja que geralmente, com esforço, dedicação e coragem, é possível fazer acontecer. E sobretudo fazê-lo com consciência e dando um sentido a esta coisa fantástica que é a vida. Por cá, passam diferentes oradores que em 20 minutos nos contam como fizeram acontecer na vida pessoal e profissional. Partilham as suas conquistas, mas também as aprendizagens e cicatrizes inerentes.

Acrescento também que este é claramente o maior evento do género na Região e, mesmo a nível nacional, nada fica a dever aos melhores a nível nacional e lembrando que, estamos numa ilha no meio do atlântico onde toda a sua população junta não enche o Estádio da Luz. É magnifico.

JP – A edição deste ano tem como tema a “Superação”… o porquê deste tema?

AL - Num momento onde as taxas de juro estão muito elevadas o que vai obrigar pessoas e empresas a superarem-se, mas também num mundo onde mais de 80% das pessoas não estão comprometidas com o seu local de trabalho, onde se fala de quietquietting, onde (em 2022) o trabalho causou stress, depressão ou ansiedade a perto de dois em cada cinco trabalhadores em Portugal... acho que temos todos de dar um passo em frente e de nos superarmos. Pelas nossas empresas, pelas nossas famílias, pelos nossos filhos, mas diria até, sobretudo, por cada um de nós. A vida não pode ser só uma chatice.

JP – Os oradores que integram o painel deste ano serão uma mais valia para a “FAZ ACONTECER TALKS 2023”?

AL - O tema do evento deste ano é a superação. Superação na vida e nos negócios e todos os oradores que vão cá estar são precisamente pessoas que de formas diferentes tiveram de se superar. O João da Silva, por doença, esteve por 5 vezes em situação limite de vida. Tem hoje um sorriso de orelha a orelha e uma vontade e consciência de viver e aproveitar o hoje sem limites. Isabel Jonet tem dedicando a sua vida ao outro, num percurso de empatia e amor ao próximo que é do outro mundo. Tarantini eterno capitão do Rio Ave FC., sempre quis ser jogador de futebol, mas, conforme o próprio, “nunca foi um mago da bola”. Com muita vontade, espírito de sacrifício e superação, conseguiu ir de Baião, onde nasceu, até às finais das Taça de Portugal, Taça da Liga e participar na Liga Europa sendo igualmente um dos jogadores com mais jogos disputados na Liga Portuguesa de Futebol. Em paralelo, foi também pioneiro tendo tirado o seu doutoramento enquanto profissional de futebol – a sua “bola de ouro” como refere - e dado início ao seu projeto para consciencializar e apoiar desportistas para o pós-carreira, algo que lhe valeu o prémio de “Ética no Desporto” em 2018. Jorge Sequeira, é um dos oradores e professores mais respeitados a nível nacional com uma visão fantástica do que pode ser a vida se aplicarmos algumas ferramentas para – nas empresas e na vida – “darmos ao pedal”, expressão que ele tantas vezes usa. Sofia Castro Fernandes, reconhecida autora e que tem um dos blogs mais lidos do país “ás nove no meu blog”.

Serão 9 oradores com 9 histórias de vida muito diferentes que teremos oportunidade de conhecer. Não sei se serão as pessoas mais inovadoras, as que faturam mais ou que empregam mais gente. Sei sim que são pessoas de carne e osso que nas suas áreas e á sua maneira, conseguiram enfrentar, superar e fazer acontecer. São sobretudo gente inspiradora que nos dá o exemplo de que é possível fazer acontecer e que vão aqui, partilhar as suas conquistas, mas também as aprendizagens e as ferramentas. Estou certo, não vão deixar ninguém indiferente.

JP – Já lá vão 12 anos desde a primeira edição que aconteceu em 2011. Num mundo em constante mudança, o que mudou desde então no empreendedorismo? Como estamos de empreendorismo em Portugal e especial nos Açores?

AL - Bem, ainda sobre o evento muito mudou e começando até pelo nome. Em 2011 começamos por chamar ao evento “Conferência Internacional de Empreendedorismo” e o conceito foi evoluindo não só no seu programa, formato para também conteúdo. Largamos os fatos e as gravatas, descomplicamos, e hoje todas as pessoas que se inscrevem no evento receberem um t-shirt (dress code oficial do evento) que tem de vestir para entrar o que cria uma sensação de equipa e de que estamos ali todos para falar sobre andar em frente e fazer acontecer. Outra das coisas que mudaram foi precisamente o conceito de empreendedorismo e maneira como o abordamos. Hoje, acredito, empreendedorismo já não é só para pessoas que querem criar negócios, é sobretudo uma atitude e forma de estar. Hoje falamos em “fazer acontecer”, seja criando um negócio, seja a trabalhar para outros, seja na vida. Sim, porque queiramos quer não, todos temos de fazer acontecer nem que seja na nossa própria vida.

O empreendedorismo nos Açores tem feito o seu caminho. Há 12 anos fomos o primeiro evento da temática na Região e um dos primeiros – senão mesmo o primeiro – no país. Fico muito feliz de hoje ver uma incubadora de empresas em quase cada município da Região, formações e eventos diversos. Há infraestrutura, mas sobretudo tem-se tornado mais “normal” empreender. Há 12 anos quando disse aos meus pais e depois amigos que queria enveredar por este caminho era visto quase como um maluco. Hoje felizmente já não será assim o que faz com que mais jovens possam também sonhar e ir atrás dos seus sonhos e projetos. Falta, parece-me, algum pensamento estratégico sobre que tipo de sector pretendemos verdadeiramente apostar – isto para além dos projetos de base local que devem fazer parte sempre. Enfim, muito há ainda a fazer, mas como em tudo na vida, é um caminho.

JP – Como fundador desta iniciativa, como é que o André Leonardo vê este tipo de iniciativas? Contribuem para uma sociedade melhor?

AL - Eu sou um fã destas iniciativas. Acredito que o “como” está no google, nos livros, nas pós-graduações. O que faz diferença muitas vezes é aquele ‘click’, aquela história, aquela conversa – e todos nós nos lembramos facilmente de um tio, um professor, um pai ou um amigo que com uma partilha, palavra ou conselho mudou o rumo das nossas vidas. Aquele momento onde, a partir dali fomos depois atrás de um projeto ou de um sonho. Ora, isso também acontece nos eventos com uma partilha, uma história, um orador. São momentos onde através dos oradores, as suas partilhas e histórias, se despertam consciências, abrem-se novos rumos na nossa mente e caminhos. É sobretudo um evento que agita a mente. Depois, cabe a cada um ir atrás com a sua força e motivação intrínsecas e fazer acontecer.

Nesta edição Jornal da Praia foi às Quatro Ribeiras conhecer a única arte marcial portuguesa e constatou a alegria estampada nos rostos dos praticantes que querem manter viva esta tradição nos Açores.

Entrevistamos Rui Castro, da Escola do Jogo do Pau das Quatro Ribeiras.

 

Jornal da Praia - Há quem diga que o Jogo do Pau é a “Arte Marcial Portuguesa”, de origem popular?

Rui Castro - O jogo do pau é classificado como a única arte marcial portuguesa, teve origem com o povoamento e com a introdução na Ilha do Jogo do Pau Português e o jogo do pau vindo do Brasil que, cruzando-se os dois deu o jogo do pau da Ilha Terceira que conhecemos hoje.

Jornal da Praia - Do que se trata o Jogo do Pau? É considerado um desporto também?

Rui Castro - O jogo do pau trata-se de uma luta entre duas ou mais pessoas usando os bordões que antigamente os pastores e lavradores usavam no seu dia a dia para o pastoreio do gado e guarda do mesmo.

Antigamente era praticado e ensinado pelos mais velhos aos mais novos, nas pastagens e clareiras dos matos longe do olhar das outras pessoas, havendo até quem não quisesse que se soubesse que sabia jogar ao pau para não ser identificado como fazendo parte da justiça da noite, da qual faziam parte muitos dos que sabiam jogar ao pau.

Não sendo classificado como um desporto, hoje em dia até é praticado como tal, uma vez que a preocupação é ensina-lo às gerações mais novas para que essa tradição não se perca.

Jornal da Praia – A Escola do Jogo do Pau da Casa do Povo das Quatro Ribeiras é uma grande impulsionadora nos Açores desta prática, como é que o Jogo do Pau chega às Quatro Ribeiras e o que trouxe para a freguesia, para o concelho, para a ilha e para os Açores em geral?

Rui Castro - O jogo do pau chegou ás Quatro Ribeiras como chegou às outras freguesias rurais, foi transmitido e ensinado ao longo de gerações.

Em 1997 surgiu a ideia de formar uma Escola do Jogo do Pau, parceria entre a Casa do Povo e a Junta de Freguesia tendo como impulsionador e pessoa responsável pela Escola e ensino dessa prática, José Valentim Aguiar, mais conhecido como Valente, que aprendeu com um senhor da Agualva conhecido como "Tio Gereza", grande mestre na prática do Jogo do Pau.

Formou-se a Escola das Quatro Ribeiras e outras na ilha como no Cabo da Praia, Agualva e Clube de Judo da Praia da Vitória, formando-se a Associação do Jogo do Pau da Ilha Terceira, e por sua vez fazendo parte da Federação Nacional.

Com o passar do tempo foram encerrando as Escolas e por arrastamento a Associação, permanecendo atualmente só a das Quatro Ribeiras, das que faziam parte da Associação.

Jornal da Praia - Atualmente como está a atividade da Escola do Jogo do Pau da Casa do Povo das Quatro Ribeiras?

Rui Castro - Atualmente está em funcionamento, embora com menos elementos do que havia há uns anos atrás, mas vamos lutando para preservar esta prática centenária e para que não se perca mais uma atividade cultural do nosso povo Terceirense.

Temos vindo a marcar presença em encontros a nível nacional com escolas do continente e das canárias.

Jornal da Praia - Quantos praticantes tem a Escola e respetivas idades?

Rui Castro - A Escola neste momento tem 15 praticantes, de ambos os sexos, tendo o mais novo 8 anos e o mais velho 62 anos, continuando o "Valente" a ser o Mestre da Escola.

Jornal da Praia - Existe a nível nacional uma federação e várias associações ligadas à prática do Jogo do Pau. Qual é o papel da Escola do Jogo do Pau da Casa do Povo das Quatro Ribeiras na defesa desta tradição popular?

Rui Castro - Neste momento nós não fazemos parte de nenhuma associação, pois para constituir uma Associação é necessário existir no mínimo 3 Escolas, portanto, continuamos a defesa desta tradição apenas inscritos na Casa do Povo das Quatro Ribeiras.

Jornal da Praia – Quais os projetos que a escola tem para o futuro?

Rui Castro - Para além de querermos continuar a divulgar a prática do Jogo do Pau pelas freguesias da Ilha Terceira, queremos continuar a participar em alguns encontros a nível Nacional como temos vindo a fazer, e temos como grande objetivo organizarmos nós aqui na Ilha Terceira um Encontro Nacional.

Para conseguirmos este objetivo necessitamos do apoio das autarquias e do Governo dos Açores, junto do qual já formalizamos uma candidatura que esperamos ver apoiada de forma que ainda este ano consigamos levar avante esta nossa pretensão.

Legenda da foto: Em baixo, da esquerda para a direita, Martinho (membro mais
novo do grupo), Mariana Lopes, Anabela Martins e Joana Martins.
Em cima, da direita para a esquerda Mike Ázera, Valentim Aguiar
(Mestre da escola) e Marco Martins
Foto do grupo, 1 de agosto de 2023

 

Nesta edição JP entrevista Jorge Fonseca que falou sobre a sua experiência no ramo automóvel, na empresa que criou e no setor na ilha Terceira.

 

Jornal da Praia – Quem é Jorge Fonseca?

Jorge Fonseca – Jorge Fonseca, é um jovem humilde, sonhador, ambicioso, que nasceu e viveu em Angra até aos seus 6/7 anos, depois veio para a Praia da Vitória, onde contínuo os estudos, cresceu, viveu, aprendeu, fez amigos e família… uma das razões que motivou a abertura do negócio na Praia da Vitória.

Jornal da Praia – O que levou a criar a empresa Jorge Fonseca Auto?

Jorge Fonseca - Inicialmente, sinceramente, não era para abrir um negócio. Agora posso dizer que foi uma situação satisfatória que levou à criação da Jorge Fonseca Auto, mas que no início de nada inteligente teve.

Durante 19 anos trabalhei no ramo automóvel. Ao longo destes anos, adquirindo muita experiência, atravessei épocas altas e épocas baixas, conheci muitas pessoas. Trabalhei 19 anos na Sotermáquinas, empresa da qual devo toda a minha experiência, formação e know-how. Foi uma escola para mim e que muito agradeci, também ajudou na minha decisão de abrir a Jorge Fonseca Auto. Mas, quando fiz 41 anos tive a sensação de que precisava de mudar… e essa mudança veio com uma proposta para trabalhar num ramo completamente diferente.

Em Dezembro de 2021, fui convidado por um empresário da Praia da Vitória para ser responsável por um ramo de negócios que não era o ramo automóvel. Apesar de ser uma área de negócios que até dominava, acabo por aceitar a proposta mas o acordo de começar em abril de 2022, porque deixou questões relacionadas com o meu trabalho nas Sotermáquinas. Nesse espaço de tempo, despeço-me e tirei férias por volta de março de 2022. Quando regressei fui ao meu novo trabalho para me inteirar sobre as minhas novas funções, conhecer as pessoas, como funcionava o mercado. Mas o meu telefone manteve a chamar com questões relacionadas com o ramo automóvel: Jorge preciso de um automóvel para a minha filha, Jorge o que achas deste carro… Sei que estive uma semana a inteirar-me do meu novo serviço, era um projeto muito planeje, mas os carros não me saíram da cabeça. Fui ter com esse empresário e expliquei-lhe que não podia aceitar a proposta porque a minha paixão eram os carros e que não podia estar em dois lados. Como muita pena minha tive de recuar na minha decisão e fiquei desempregado. Foram momentos sem perceber que era realizado e não o sabia. Deixei a “poeira assentar” e assim criei esta empresa.

Outra razão foi também realizar um sonho de criança. Havia um amigo do meu pai que tinha um stand de automóveis e gostava de lá ir e pensava muitas vezes que um dia haveria de ter um também.

Jornal da Praia – Então a sua experiência no ramo automóvel foi e é uma mais valia na criação desta empresa inaugurada no início deste ano?

Jorge Fonseca – Portanto… as pessoas que me acompanham diariamente, como a minha mulher, alguns amigos mais chegados ajudaram-me a “abrir os olhos”: tu tens os conhecimentos, a experiência! Estava numa situação que não tinha trabalho, num impasse comecei a pensar na minha experiência no ramo automóvel e foram esses conselhos que levaram a pensar seriamente que tinha condições para criar então o meu próprio negócio, mas um dos primeiros pensamentos para concretizar foi o espaço. Não tinha espaço físico para instalar a empresa. Tive de criar um planeamento, contactar parceiros como oficinas de mecânica, pintura, lavagem de carros, ter serviços de garantias que cobram as avarias das viaturas, ter uma intermediação de crédito para os clientes, tudo foi necessário para planear a criação da empresa.

Os procedimentos legais para criar a empresa decorreram desde Março de 2022 até final desse ano, mas tinha de encontrar um espaço. O primeiro não tinha as condições ideais para instalar o negócio e desejava um espaço aqui na Praia da Vitória, neste lado da ilha onde fui criado e cresci e que gosto muito e onde tenho muitas amizades e então apareceu este espaço em Junho do ano passado onde viria a alugar e a instalar a minha empresa. Mas o espaço era demasiado grande e não podia, por uma questão de estar num início de negócio, dispor de todo o espaço e então surgiu outra pessoa, cheguei a um acordo e dividimos o espaço, ficando eu com uma parte.

A partir deste momento tive de avançar, concretizar a empresa. Abri a minha atividade em nome individual na área de compra e venda automóvel e de intermediário de crédito. Neste momento estou a tratar para passar a empresa para Unipessoal Ltd para ser menos penalizados em impostos. A empresa Jorge Fonseca Auto foi então criada oficialmente em 3 de Janeiro de 2023 mas até aqui foi necessário muita logística, tratar de muitos pormenores, fazer formação em intermediário de crédito, já que queremos um serviço profissional que vá de encontro a quem nos procura.

Abri a porta em Fevereiro deste ano e nessa data já tinha 18 viaturas para entrega e até Julho tem estado a correr bem com entradas e saídas de viaturas constantes, mas a logística de entregas para repor o stock não é fácil e é necessário muita logística e trabalho para ter sempre viaturas para entrega. O que me interessa são viaturas semi-novas, provenientes de empresas de renting em Portugal continental com historial de revisões na marca, em perfeito estado de conservação, são o tipo de viaturas que preferencialmente comercializo aqui na minha empresa. Também compro carros cá na ilha quando estão disponíveis para comprar.

Por enquanto sou o único funcionário e faço tudo, no futuro pretendo contratar mais funcionários.

Jornal da Praia – Quais os serviços que a sua empresa presta?

Jorge Fonseca – A minha empresa presta serviços essencialmente de compra e venda de viaturas e de intermediária de crédito.

Quando uma viatura é rececionada aqui no stand toda ela é verificada, preparada e só depois é entregue ao cliente com a sua garantia e plano de manutenção. A partir daí o cliente decide se quer fazer a manutenção numa oficina parceira da minha empresa ou opta por outra à sua escolha desde que possua as faturas das revisões e quilómetros marcados para em caso de necessidade possamos ativar a respetiva garantia.

Jornal da Praia – Como analisa o setor automóvel na ilha Terceira?

Jorge Fonseca – O nosso parque automóvel oscila muito.

Neste momento o setor automóvel aqui na ilha passa por bons momentos. E digo isto porque temos parque automóvel para comercializar. Nos últimos três anos houve muitas dificuldades devido ao Covid-19, devido à questão da Rússia, com rupturas de stock em carros novos, falhas nas entregas, escassez de componentes eletrónicos, falta de peças…

Mas, no entanto, quando estávamos a sair da situação negativa do Covid, entra-se numa situação de inflação enorme que toca a tudo e a todos e abrangem os carros novos e por essa via os carros usados também sofrem inflação. As pessoas vêem noticias e estão cientes que de facto está a haver uma inflação. Mas devido ao aumento significativo nos carros novos, os usados começaram a ter muita procura e começaram também a esgotar stocks…

Temos na ilha Terceira várias empresas neste setor e do que analiso, todos com muito ou pouco esforço, vão concretizando os seus negócios. Queremos acreditar que o setor está atravessar “bons dias”, apesar de algumas dificuldades como a questão na demora na entrega de novas viaturas nas concessionárias ou questão da inflação de quem compra e vende e as pessoas estão a habituar-se a esta nova realidade. Mas quero acreditar que o setor está a recuperar.

Jornal da Praia – Quais as preferências dos clientes e que tipos de carro procuram?

Jorge Fonseca – Tenho vários tipos de clientes.

Fala-se muito em carros elétricos, mas nem todas as pessoas querem um carro elétrico. Pessoalmente tinha alguma resistência ao carro elétrico, mas depois de conduzir fiquei fascinado com esta tecnologia com várias vantagens. No entanto o carro elétrico ainda não está ao alcance de todas as carteiras e as pessoas, das duas uma, ou compram o mesmo modelo em combustão ou então um usado.

Tenho viaturas na gama dos utilitários como Opel Corsa, Renault Clio, Citroen C3, Renault Clio, Peugeot 208, se bem, tenho alguns clientes que preferem Mercedes ou viaturas de gama intermédia.

Temos de perceber que a empresa embora criada no início do ano, só em Março, Abril e Junho foram meses interessantes em que vendemos um pouco de tudo desde carrinhas, utilitários, citadinos, diesel e carros de alta e baixa gama.

A tipologia que tenho mais aqui no stand são os utilitários, uma alternativa aos carros novos. Por exemplo, um novo utilitário que atualmente custa 24 mil euros, o mesmo em semi-novo pode sair por um preço mais baixo bastante significativo e com garantia.

Mas, temos variedade de tipologias que podem ser adquiridas através de consultadoria, de acordo com o que o cliente procura.

Jornal da Praia – Qual o futuro do automóvel?

Jorge Fonseca – A indústria automóvel tem evoluído de forma evidente, acompanhando a integração de novas estruturas e recursos potenciados pela evolução tecnológica. A era do elétrico é uma realidade e está para ficar, porém, iremos ter viaturas a combustão por mais uns bons anos...

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante