Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

Pois é, dantes era o sonho americano, a nossa gente ia para América e para o Canadá. E ainda vão, mas também para a França, Bélgica, Inglaterra, Alemanha, etc. A verdade é que não há nos Açores quase uma estrada, um porto, um aeródromo, uma escola, um centro de saúde, uma obra publica e relevo que não tenha uma bandeirinha com as estrelas da União Europeia.

Sem esses dinheiros como estariam hoje os Açores…? Certamente com menos qualidade de vida. No século passado, após a sangrenta e mortífera segunda grande guerra mundial alguns visionários inspiraram a criação da atual União Europeia, primeiro através da Comunidade Europeia do Carvão e do Aço, que foi evoluindo, até ao formato atual. Mas com que fim? No próprio portal de internet da organização pode ler-se “De combatentes da resistência a advogados e deputados, estas personalidades, provenientes de diferentes quadrantes, partilhavam o mesmo ideal: uma Europa pacífica, unida e próspera.”. Ora, é sobre estes ideias que pretendemos fazer uma breve reflexão, que entendemos enquadrar-se bem no período que a Europa atravessa.

Uma Europa pacifica. O caso da invasão Russa à Ucrânia veio pôr a nu uma debilidade que os nossos aliados Norte-Americanos, e em certa medida o Reino Unido, nos vêm a alertar há largos anos: Os países da União Europeia não gastam o suficiente na área da defesa. Com poucos recursos humanos, mas sobretudo sem uma modernização eficaz e com arsenais obsoletos, muitas das forças europeias não metem nem medo nem respeito a ninguém. Para quem não sabe um dos papeis fundamentais das forças armadas é o papel dissuasor que tem para potenciais agressores, o que claramente não funcionou no caso da Rússia, nem agora nem em 2014, quando anexou ilegalmente a Crimeia, e em 2008 parte da Geórgia. Caros leitores, para nós a lição é de que infelizmente a Europa tem de estar preparada para a guerra, investir nas forças armadas, e, no limite, para perder vidas e fazer sacrifícios para assegurar a liberdade e a paz.

Uma Europa Unida. Ainda há poucos anos assistimos ao impensável: um gigante e histórico Europeu, o Reino Unido, sair da União Europeia. Existirão muitas razões para tal decisão e só a história julgará se foi uma boa ou má jogada. Um dos fatores decisivos foi, na nossa opinião, o populismo de promessas vãs, que dilacera a política por toda a europa. Denegrir os imigrantes, prometer melhores cuidados de saúde, melhor economia e mais apoios, sabendo que muitas vezes isso não é possível, tem sido a norma nas eleições, tanto a nível nacional como nas diversas regiões. Deixamos apenas a título de exemplo, a promessa de médicos de família, de subida de rendimentos, e, não podíamos deixar de relembrar, do cais de cruzeiros da Praia da Vitória. A coesão europeia implica muita tolerância, mas também exigência, disciplina e sacrifício. Por um lado, temos de ser muito mais responsáveis no uso dos fundos europeus, e nas metas que nos comprometemos, mas por outro temos de reivindicar melhores salários e condições de vida, que no fim de contas é o que mais interessa ao cidadão comum. A coesão da população europeia faz-se pela aproximação das condições de vida entre os estados, e não pelas inúmeras leis e requisitos que podem fazer sentido na europa central, mas não em Portugal, e muito menos, em algumas regiões periféricas como os Açores. Não deixa de ser curioso que no meio de tantas regras, tantos limites de impostos e taxas, de endividamento, de regras de segurança, a União Europeia nunca fixou ordenados e pensões mínimas europeias. A nosso ver a lição é de que se querem manter uma Europa unida então comecem pelos cidadãos, afinal são eles que votam.

Por último, uma Europa próspera. Assumimos que se pretende dizer uma Europa bem-sucedida, com riqueza suficiente para assegurar uma qualidade de vida boa a todos os seus cidadãos. Apesar das reclamações, a verdade é que as últimas décadas viram um aumento exponencial na qualidade de vida na Europa, sentida em especial em regiões mais pobres como os Açores. Hoje em dia, toda a gente tem luz, água potável e comida. Mas, enquanto não caminharmos para igualdade de qualidade de vida entre europeus, a prosperidade será sempre relativa e diferente de estado para estado. Talvez seja altura de começar a devolver os empregos da indústria produtora para a Europa, de onde nunca deveriam ter saído. Protecionismo? Porque não? Toda a gente o faz menos os ingénuos Europeus… Os cidadãos precisam de menos pensões e subsídios, mas mais empregos dignos, com qualidade de vida, e com reformas em idades decentes. Deixamos a pergunta no ar: O que interessa uma Europa rica de gente pobre?

Terminamos com a firme esperança de que o sonho europeu sobreviva à guerra, às dificuldades financeiras e ao populismo político, e que Deus permita que os nossos filhos possam viver numa Europa “pacífica, unida e próspera”, mas mais forte, mais determinada e mais justa. A Europa também é agora a nossa casa, e como diz a anúncio das rádios locais, “a sua casa é o melhor lugar do mundo!”. Aquele Abraço Praiense!

Luis Moniz, Diretor Adjunto

Pin It

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante