Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

No próximo dia 15 de outubro termina a chamada época das touradas, e, um pouco por inerência, a épocas das festividades. Escrever isto parece tão normal que quase nos esquecemos das restrições com a pandemia do malfadado coronavírus COVID-19.

Dizemos isto com qualquer saudosismo daqueles largos meses atípicos da nossa vida, sobretudo da falta de convivência social tão fundamental ao ser humano. Até havia desconfiança nas compras do supermercado! Haverá quem tenha saudade, não do vírus, mas talvez de alguns benefícios como isolamentos pagos a 100%, subsídios extraordinários e semanas de teletrabalho. Nós, neste jornal, tivemos antes imensas saudades das nossas festas, bodos e touradas.

E como ainda agora terminaram as festas da Vila das Lajes, resolvemos fazer alguns breves considerandos gerais sobre festas, meteorologia, tolerâncias e mais qualquer coisa.

O regresso das festividades é o retomar de uma parte muito significativa da nossa cultura. Um pouco pelos Açores, mas especial na ilha Terceira, viver sem Festas é viver sem alma. Para quem não acredita em Deus, deixamos um exemplo mais prático: é esperarem para comer a vossa comida favorita, na quantidade que quiserem, e ela não saber a nada… Desenxabida, desenxabida! Sem sal nenhum!!! A verdade é que do Carnaval, passando pelas Festas de verão e pelo São Martinho até às “Mijinhas” Natalícias, a vida social do Terceirense rege-se geralmente por essas datas, estando de tal maneira enraizado na nossa maneira de viver e conviver que ditam períodos de férias, algumas vezes para ajudar nas mordomias, muitas vezes para aproveitar as festas. E sabem que mais, com o devido equilíbrio, consola! Não se esqueçam que para o ano há mais!

Muitas vezes, nesta rápida passagem pela terra, esquecemo-nos que vivemos no meio do atlântico norte, por cima de vulcões, e que, com ou sem alterações climáticas, a nossa meteorologia é muito imprevisível. Nesse sentido pouco há a fazer, a não ser ter o trabalho de casa feito para quando for necessário alterar ou cancelar os eventos planeados. Acredito que deva magoar a alma imenso a quem dedica muitas horas da sua vida a preparar as festas, os seus concertos, as suas cantorias, os seus desfiles, as suas touradas, as procissões, etc. mas só São Pedro manda no tempo… De qualquer modo, dentro da imprevisibilidade do clima local, é quase certo que numa semana irá chover algum dia, seja nas festas Sanjoaninas, da Praia, da Serreta ou da Vila das Lajes. Portanto esperar que faça bom tempo pode não ser a melhor política. Por exemplo, porque não fomentar a utilização mais generalizada de tendas? Devidamente concertado entre as freguesias e câmaras a sua aquisição e uso partilhado pode trazer um custo-beneficio interessante, salvaguardando pelo menos alguns dos eventos.

Relativamente às tolerâncias de ponto, faremos apenas um comentário qualitativo, sem entrar na discussão se deve ou não, e quem deve e quem não deve. A tolerância de ponto na Terça-feira das Lajes, foi um sucesso estrondoso, ajudado pelo tempo e testemunhado por todos os presentes. Já no dia anterior, e em linha com anos passados, as ditas segundas-feiras das Lajes, batem recordes no nosso mato, e quem não tiver Facebook peça a alguém que lhe mostre as fotos. Não há como descrever melhor a energia e o pulsar que se viveu nesta tolerância de ponto (e véspera de feriado), senão usando o slogan da sua Junta de Freguesia, patente no seu site: Vila das Lajes, o coração do Ramo Grande! Sem esquecer todas as outras freguesias do concelho, esse dia foi um orgulho para os Lajenses e para os Praienses em geral. E sendo um grande coração do Ramo Grande, a Vila jamais poderá deixar esse coração coletivo parar de bater, porque o Ramo Grande, tal como o concelho, é eterno, e assim também tem de ser o seu coração. Para o ano há mais… Entretanto, que venha o Pão por Deus e o São Martinho! Aquele Abraço Praiense!

Luis Moniz, Diretor Adjunto

Pin It

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante