Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

Oito empresas do ecossistema empresarial do TERINOV participam na Web Summit 2021. Seis destas empresas asseguraram a sua participação através do concurso promovido pelo Governo dos Açores com o objetivo de apoiar a participação de empresas regionais na Web Summit 2021.Oito empresas do ecossistema empresarial do TERINOV participam na Web Summit 2021. Seis destas empresas asseguraram a sua participação através do concurso promovido pelo Governo dos Açores com o objetivo de apoiar a participação de empresas regionais na Web Summit 2021.Eyecon Lda., Sustainutility Lda., Jody McCairns, Ypets S.A., Simplify PRO e a Endemic/Acrobatic Podium Lda., são as seis empresas da incubadora do TERINOV – Parque de Ciência e Tecnologia da ilha Terceira beneficiárias do concurso promovido pelo Governo dos Açores. Este apoio, da responsabilidade da Secretaria Regional das Finanças, Planeamento e Administração Pública, é materializado através da atribuição de ingressos e de um prémio pecuniário no valor de 500 euros, por empresa, com vista à comparticipação dos custos associados à participação na Web Summit. Uma iniciativa que surge com o objetivo de fomentar o alargamento da base económica de exportação e de apoiar a promoção as empresas de base tecnológica regionais.Para além das seis empresas beneficiárias deste apoio, outras duas empresas do ecossistema empresarial do TERINOV – Revault e Solvit – garantiram, também, a presença na edição de 2021 da Web Summit, beneficiando de mecanismos de apoio da própria organização do evento.A Web Summit 2021 acontece entre os dias 1 e 4 de novembro em Lisboa.

O TERINOV – Parque de Ciência e Tecnologia da ilha Terceira promoveu hoje a sessão de apresentação do documento orientador "Estratégia para uma Economia Local Inteligente”, no âmbito do projeto SMART-ECO - “Territórios inteligentes – melhoria da competitividade digital das empresas e empreendedores no espaço MAC”.
A sessão de apresentação “Estratégia para uma Economia Local Inteligente” surge com o objetivo de apresentar este documento orientador e as estratégias que estão a ser desenhadas para uma Economia Local Inteligente. A elaboração de estratégia através de um rol de ações táticas de atuação e da identificação do potencial inovador para o desenvolvimento da economia local com especial enfoque na digitalização são também objetivos desta atividade.
A sessão de apresentação intitulada “Estratégia para uma Economia Local Inteligente” surge no seguimento do 1.º fórum sobre “Digitalização da Economia”, onde foi analisada a competência digital de PMEs, microempresas, profissionais liberais e empreendedores locais, específicamente em matérias que ao Mercado Digital Local dizem respeito, nomeadamente o número de PMEs que comercializam online; as empresas que adotam TIC; vendas realizadas por e-commerce; percentagem de comércio eletrónico transfronteiriço; número de empresas digitais e a sua percentagem de contribuição para a economia local.
O projeto SMART-ECO consiste na criação de uma plataforma para cidades inteligentes para melhorar a competitividade digital de empresas, microempresas, profissionais independentes e empreendedores. Esta transformação digital da economia local resultará numa maior capacidade de crescimento das empresas nos mercados regional, nacional e internacional e contribuirá para a diversificação económica do Espaço MAC.

O Secretariado da Rede Mundial de Observação da Biodiversidade Marinha (MBON - Marine Biodiversity Observation Network) promoveu a celebração de dois acordos de colaboração, com o Comité Científico de Investigação do Antártico (SCAR) e o Portal de Biodiversidade Antártica SCAR, e com Consórcio Europeu de Infraestruturas de Investigação LifeWatch (LifeWatch-ERIC). Estes acordos visam, respetivamente, a coordenação das observações da vida marinha (observações biológicas), e a partilha de capacitação e treino prático das melhores práticas para padronização de dados de biodiversidade, partilha e publicação utilizadas pela comunidade de cientistas marinhos.

O Secretariado do MBON, hospedado pelo Atlantic International Research Centre (AIR Centre), sediado na ilha Terceira, Açores, “pretende desta forma impulsionar a procura de soluções para a conservação da biodiversidade marinha e costeira, e serviços de ecossistema associados, na região e em todo o mundo”, afirma Joana Soares, Secretária Executiva do MBON e Gestora de Projetos no AIR Centre.

Foi com um grande prazer que nos comprometemos com uma colaboração de apoio à comunidade internacional científica e operacional. Os Açores, centralmente posicionados no Atlântico, e Portugal, como nação marítima, tem um papel importante na contribuição para a conservação da biodiversidade marinha e o avanço da Década dos Oceanos das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável”.

Uma colaboração que abrange o Oceano do Sul e se estende a todo o globo

O MBON, SCAR e o Portal de Biodiversidade Antártica SCAR têm uma visão comum de um sistema global de observação da biodiversidade oceânica que responde às necessidades da sociedade. Estas organizações compartilham o objetivo de promover a avaliação sistemática do estado, e das tendências, da biodiversidade marinha, incluindo recursos biológicos e ecossistemas, e prever as suas alterações futuras. Este sistema de observação fornece dados, informação e os conhecimentos que a sociedade necessita para fazer um uso sustentável e uma conservação efetiva da vida marinha.

O acordo celebrado reconhece uma cooperação contínua, que visa reforçar a capacidade de observação da biodiversidade marinha e fazer uso dos melhores recursos e conhecimento disponíveis. As entidades concordaram em colaborar na procura de benefícios mútuos e partilha de resultados, fortalecer o intercâmbio de ideias e melhorar a coordenação com iniciativas globais, como o Sistema de Observação Global dos Oceanos (GOOS), o Sistema de Informação da Biodiversidade Oceânica (OBIS), o Sistema de Melhores Práticas do Oceano, e o programa Marine Life 2030 da Década dos Oceanos da ONU, entre outros.

Colaboração Internacional para desenvolvimento de capacitação e treino da gestão de dados

Amplificando o objetivo de preservar a vida marinha, foi assinado um acordo entre o MBON e a LifeWatch-ERIC. Ambas as organizações reconhecem a importância do acesso livre a informação interoperável de variáveis biológica, que permitam analisar e a realçar as tendências do estado da biodiversidade e do funcionamento dos ecossistemas com impactos diretos no bem-estar e no desenvolvimento da sociedade atual. Compreender a evolução e as funções da biodiversidade e dos serviços de ecossistema é presentemente crucial para fazer face às necessidades dos formuladores de políticas, gestores e outras partes interessadas.

O acordo entre o MBON e a LifeWatch-ERIC permitirá construir capacidade global para a recolha, gestão e publicação aberta de dados; partilha de melhores práticas, publicação de manuais e guias; fortalecendo também a troca de conhecimentos com iniciativas globais em dados marinhos, como o OBIS, OBPS e outros.

O oceano para além das Zonas Económicas Exclusivas (ZEE) das nações representa um “bem comum” para a humanidade. Informação sobre estas águas, desde a superfície ao abissal, e, especialmente, sobre a diversidade, abundância e distribuição da vida nessas áreas, sustentará o progresso de salvaguardar o ambiente e proteger a integridade dos ecossistemas. Estes são requisitos da Convenção para a Conservação dos recursos Marinhos Vivos do Antártico (CCAMLR), das metas globais para 2030 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e da Década dos Oceanos da ONU, e das novas metas e indicadores para 2050 da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB).

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante