Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

Entre os dias 14 e 18 de novembro de 2022 vai realizar-se a 3ª Edição da Cimeira Lusófona de Liderança, o maior evento de partilha de boas práticas de liderança nas Organizações lusófonas e, pela primeira vez, o evento irá acontecer em formato híbrido, com Cabo Verde (São Vicente) como país anfitrião.

A Cimeira Lusófona de Liderança é um evento que reúne Líderes da Lusofonia para debater temas atuais e soluções conjuntas para desafios da Liderança no contexto das empresas e da sociedade em geral.
 

Pela terceira vez na história do mundo lusófono, líderes organizacionais e da sociedade civil reúnem-se virtualmente e presencialmente para discutir sobre os principais temas que irão ter impacto no desenvolvimento da liderança nos países lusófonos.

Da parte da manhã entre 14 e 18 novembro, teremos as conferências online, com mais de 43 oradores de várias geografias (Portugal, Cabo Verde, Moçambique, Angola, Brasil), do mais elevado nível do mundo corporativo e da sociedade civil.

Este ano, o foco será a Liderança E-mocional, e os temas centrais abordados serão: Pessoas e Cultura Organizacional / Saúde e Bem-estar nas Organizações / Transição digital / Formação e Aprendizagem Organizacional / Grandes Líderes Lusófonos.

O evento é gratuito e convida os executivos a falar sobre os atuais grandes desafios de gestão e de liderança, a partilhar boas práticas e a revelar a sua visão de futuro.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas através do site   www.cimeiralusofonadelideranca.com até ao dia 11 de novembro, com um número limitado de vagas.

Pin It

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante