Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

Jornal da Praia - Estamos praticamente a 15 dias do arranque de mais uma edição das Festas da Praia (FDP). Como estão a decorrer os preparativos e o porquê do tema “Do Mundo Antigo, as 7 Maravilhas”?
Vasco Lima - Os dois anos de interregno das Festas da Praia trouxeram à edição deste ano um contexto de incerteza, a diversos níveis (ex. as restrições decorrentes da situação pandémica; a reestruturação das equipas decorrente do novo projeto camarário; os casos recorrentes de COVID sobre os nossos colaboradores; o espetro de que os figurantes poderão vir a ter a doença na altura das festas, etc.) e que acabaram por atrasar um pouco o projeto em si. Realço que só no final do primeiro trimestre é que tivermos um vislumbre de certeza de que as festas se haveriam de realizar, quando, noutros anos, por essa altura, já se trabalhava em velocidade de cruzeiro nas festas.
A ideia do tema é bastante pessoal – já que se trata de uma área de que muito gosto – e procurar promover uma abertura das festas da Praia à história do resto do mundo, nesse caso, do Mundo Antigo. Numa lógica de globalização e de aproximação de povos, culturas e até de tempos históricos distantes. Além disso, o tema é, por si só, algo que remete para o grandioso, o mágico e o místico, ingredientes que me parecem encaixar na perfeição dentro daquilo que é a lógica de um cortejo de abertura. Acho que é isso que as pessoas procuram ver quando, naquele dia, saem de casa para ir à Praia assistir ao cortejo de abertura.

Jornal da Praia – Um dos grandes pontos de destaque das Festas da Praia são os seus cortejos, nomeadamente o de abertura, o das crianças e o etnográfico, que levam a cidade da Praia da Vitória considerável público. Também importante são os concertos musicais… O que é que o público vai ver este ano e o que está programado?
Vasco Lima - De uma forma estilizada, o cortejo de abertura, ainda que bastante contemporâneo na sua conceção e apresentação, apresenta-nos uma “viagem ao passado”, mais concretamente a várias civilizações da antiguidade, dando-nos uma imagem bastante verosímil daquelas que foram consideradas as sete maravilhas do mundo antigo, ou seja: a Grande Pirâmide de Gizé; o Mausoléu de Halicarnasso; o Templo de Artemis; o Farol de Alexandria; o Colosso de Rodes; os Jardins Suspensos da Babilónia e a Estátua de Zeus.
O cortejo será constituído por quatro carros alegóricos, sendo três deles espelhados, ou seja, aludindo a duas maravilhas em simultâneo e um quarto, e último carro, dedicado exclusivamente a uma só maravilha. No total estarão em cena cerca de cem figurantes.
Já o cortejo infantil, englobará vários temas, materializados num total de três carros alegóricos e englobando à volta de 50 figurantes. Muitos dos bonecos serão reciclados e reconfigurados, numa lógica de ecologia, de poupança e de exaltação do espírito criativo e de clara aposta em figuras conhecidas das nossas crianças.
Não posso deixar de referir a marcha oficial, por ser um projeto dentro do grande projeto que são as FDP, e por ser, claro está, um dos símbolos maiores da temática e da animação das próprias festas.
Quanto à animação musical, teremos como novidade o surgimento de um quarto palco. Portanto, ao da Praça Francisco Ornelas da Câmara (mais ligados às tradições - ex. fado, cantorias, folclore, filarmónicas, etc.), ao da Marina (consagrado a artistas locais) e ao da “Tenda” (como nomes de peso como a Mariza, a Bárbara Tinoco e os Quinta do Bill), juntar-se-á um quarto palco, na Zona Verde, a albergar música popular. Esse palco animará as tasquinhas que, este ano (outra novidade), estarão concentradas nessa zona da cidade.

Jornal da Praia– A quando da apresentação aos OCS da edição deste ano, referiu “que a Cidade se encha de cor e alegria nestes dias, retomando a alegria e os bons momentos vividos na Praia da Vitória. A aposta passa por renovar e reforçar a imagem da Cidade, enaltecendo os seus pontos fortes e criando, assim, uma dinâmica diferente junto de quem marca presença na Praia da Vitória durante a época festiva”. Como está conciliado o programa festivo deste ano para a divulgação da cidade e do concelho da Praia da Vitória?
Vasco Lima - A marca “Festas da Praia” ou simplesmente “FDP” é, por si só, já um dístico propagandístico da cidade e do concelho. Depois, temos a plena noção de que as festas decorrem no período do ano em que a ilha mais turistas recebe - em especial emigrantes, recebe. Por fim, há um trabalho de bastidores bastante significativo ao nível do envolvimento dos empresários locais com vista a que, nesses dias, possam exponenciar a sua oferta de bens e de serviços.
Ora, da conjugação dessas três premissas resulta a lógica de que as festas são um momento de excelência para promoção dos nossos produtos, deste o comércio tradicional ao artesanato local, da restauração às empresas promotoras das mais variadas atividades turísticas, com natural impacto na divulgação das nossas paisagens (ex. trekking, caminhadas, fotografia, etc.), na prática desportiva (ex. surf, canyoning, mergulho, pesca submarina, futebol e vólei de praia, etc.), na valorização histórica e cultural (ex. museus, folclore, touradas, etc.) do que é nosso, na aproximação entre pessoas e, claro, tudo isto não só promove a cidade, mas todas as freguesias e gera, por todo o concelho, dinamismo social e, com ele, economia e desenvolvimento.
No fundo, as Festas da Praia são o principal momento do ano para convergência de sinergias rumo ao aproveitamento dos recursos endógenos com vista ao desenvolvimento e à promoção da nossa terra. ganha a Praia e, sobretudo, ganham os praienses.

Jornal da Praia– Qual a mensagem que deixa a quem quer visitar a Praia da Vitória nestes dias?
Vasco Lima - A mensagem é quase um desejo transmutado em apelo. Que seja um regresso em grande das festas da praia! Em grande porque gostaria que despertasse nas pessoas a curiosidade face ao tema. Que gerasse um impulso no sentido de as levar a pesquisar e a conhecer mais sobre cada uma daquelas maravilhas e civilizações.
Mais, que a ideia de “maravilhas da humanidade” possa funcionar como despertador de consciências para a necessária e urgente “unidade do mundo”, ou seja, para a necessidade de união, de agregação, de pacificação, enfim, de harmonia e de encontro à volta de valores universais e invioláveis. Tudo isto num tempo em que impera a violência, o egoísmo, a maldade e a descrença no ser humano e na sua capacidade de se maravilhar consigo próprio.
Que seja arte a despertar-nos para a nossa condição humana!

Pin It

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante