Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

Regressado em Julho de 1970 a Portugal, terminado o serviço militar em Moçambique, das primeiras coisas que fiz foi ir a Braga matricular-me na Faculdade de Filosofia, na altura já integrada na Universidade Católica. Tivera conhecimento da existência da Faculdade e dos cursos ministrados, numa conversa com um camarada, na esplanada da messe de Oficiais, em Nampula.

Mudei-me para Braga a meados de Outubro, mês em que naquele tempo se iniciava o ano lectivo. Foi para mim a entrada num novo mundo. Por um lado, não conhecia a cidade nem a Faculdade, muito menos os alunos e os professores; por outro, há muito que não estudava; tinha perdido o ritmo e até o jeito. Sobrava-me a vontade de aprender, de me adaptar ao novo contexto e fazer um bom curso. Comecei a frequentar as aulas, a tirar apontamentos e a mergulhar nas diversas unidades curriculares em que me matriculei.

Por estranho que pareça hoje, na altura a “Ética Geral”, leccionada pelo Professor Padre Roque de Aguiar Pereira Cabral SJ, era uma cadeira do primeiro ano. Na primeira aula, como é de praxe, o professor apresentou-se; de tudo o que disse fixei apenas esta ideia: preferia que o tratassem simplesmente por “Padre”, o que me chamou a atenção. Num país tão venerador dos títulos académicos, em que bastava, e ainda hoje basta, alguém ser licenciado para ser tratado por doutor, tinha à minha frente um doutorado pela Universidade Gregoriana, em Roma, e catedrático da Faculdade de Filosofia a dizer que preferia que o tratassem simplesmente por padre.

Daquelas primeiras aulas lembro-me que expunha a matéria de um modo bem estruturado, tendo por base uns apontamentos que fornecia aos alunos. (Ainda tenho os meus, que mandei encadernar anos depois). Era muito rigoroso nas formulações e falava pausadamente. A propósito, contava-se a anedota de que tinha reescrito os apontamentos para corrigir duas ou três formulações que, com o tempo, acabara por considerar pouco rigorosas. (Tenha-se presente que na época não havia computadores, dactilografavam-se os apontamentos em stencil para imprimir as cópias em papel). As intervenções dos alunos eram bem-recebidas pelo professor que, nas respostas, embora se percebesse que tinha sido formado na tradição neo-tomista dominante na época nas universidades jesuítas, não debitava respostas feitas; elaborava sobre a questão levantada como se a estivesse a pensar pela primeira vez.

Nos inícios de 1971, por razões académicas e outras, resolvi falar com o Padre Roque Cabral. Como os intervalos das aulas eram curtos para uma conversa a sério, dirigi-me à residência dos jesuítas, junto à Faculdade, e pedi para falar com o Professor. Encaminharam-me para uma salinha onde aguardei. Quando ele chegou e me cumprimentou, percebi logo que a impressão de distanciamento que tinha experimentado nas aulas era um erro de perceção; ele era alguém próximo.

Como era o nosso primeiro encontro, disse-lhe que era açoriano, natural da Praia de Vitória, ilha Terceira, e que tinha regressado de Moçambique, no Verão. Ele respondeu-me que tinha nascido no Lobito, Angola, e que se chamava Roque, porque a família, do lado materno, tinha raízes na ilha do Pico, daí o seu nome. Este encontro foi o início de uma amizade vivida e aprofundada ao longo de 50 anos, sem uma quebra, uma sombra, um desacerto ou sobressalto. Ao longo desses anos muita coisa aconteceu nas nossas vidas, passámos por tempos de bonança e de fortes tempestades, vivemos diversíssimos acontecimentos e comentámos variadíssimos temas, mas nada abalou a nossa amizade. O Padre Roque foi o ouvinte, o confidente, o conselheiro, o incentivador atendo à realidade da vida, aquele companheiro em que se pode confiar em todas as circunstâncias. Austero, amava a vida, tinha um humor finíssimo e era um excelente contador de anedotas, tinha o domínio perfeito do tempo que o género exige. Foi um amigo para todas as ocasiões. Ricoeur, grande filósofo francês tão apreciado por ele, dizia que a amizade implica «reversibilidade, insubstitualidade e similitude» e foram essas as notas da que vivemos. Também como Ricoeur, Roque Cabral considerava que na relação eu-tu deve pontificar a amizade e, na relação eu-outros, a justiça; com ele amizade e justiça não podiam atropelar-se e na nossa convivência nunca tal aconteceu.

Ao longo destes 50 anos o Padre Roque acompanhou-nos, a mim e aos meus, em muitos momentos felizes, como o meu casamento e os casamentos dos meus filhos, a que presidiu; os baptizados dos meus filhos e dos netos, que celebrou. Fizemos muitas viagens juntos em serviço ou simplesmente em passeio, no país e a Espanha, em que a sua imensa cultura nos ajudava a ver muito para lá do que estava perante os nossos olhos. Mas também nos fez companhia em várias situações dolorosas, tais como funerais de família muito chegada, ou momentos de desespero causados por grandes azares da vida, como quando tivemos um grande acidente de viação à entrada de Leiria, em Fevereiro de 1975, que nos marcou a vida. Um automóvel despistado veio-nos embater de frente; uma ambulância, que vinha atrás, logo nos prestou o socorro e nos levou para o hospital da cidade. Bem ao fim do dia, quando tudo acalmou, telefonei à minha família e a ele, que estava em Braga. Na altura não havia autoestradas, mas no dia seguinte, às nove da manhã, o Padre Roque estava a entrar no Hospital para nos visitar.

Durante estes 50 anos, em temas académicos, em questões controversas, em júris de provas e em conversas mais terra a terra nem sempre estivemos de acordo, mas a nossa amizade nunca se ressentiu. Recordo uma conversa, em que comentei que nem sempre é fácil discordar ou dizer certas verdades a um amigo. Em resposta, fez este comentário: “Zé Henrique, entre amigos não há geringonça!”, expressão que desconhecia e vim há dias a saber que, nos anos 40, era utilizada entre amigos do liceu.

Era um excelente ouvinte, um confidente confiável, um conselheiro arguto, com um respeito absoluto pela liberdade do outro; ouvia um desabafo, por mais tresloucado que fosse, sem perder a calma e reagindo com compreensão. Para ele, a amizade implicava simetria absoluta entre os amigos; tanto eu tinha à-vontade para lhe telefonar a dizer, à última hora, que, devido a um imprevisto, o jantar combinado para aquele dia teria que ser adiado, como ele, pelas seis da tarde, me podia telefonar perguntando se podia vir jantar e, sabendo do que a casa gasta, acrescentava: “diz à Amélia que não é preciso matar o peru”.

Nos últimos dois anos, o seu estado de saúde foi-se degradando acentuadamente. A pandemia fechou-o em casa e visitá-lo foi durante bastantes meses impossível. No último mês visitei-o três vezes. Mantinha-se interessado em tudo, a curiosidade que sempre o caracterizou permanecia. No início das visitas ainda falava bastante, mas pouco a pouco ia-se calando. A última vez que nos encontrámos, no início da conversa percebi que tinha alguma dificuldade com a fita do tempo; reagi com cautela, dando uma volta para o levar a reencontrá-la: a partir daí a conversa decorreu normalmente. Na despedida, olhando-o com redobrada atenção, percebi que o desfecho seria para breve. Uma semana depois, 25 de Junho, o meu telemóvel tocou; quando lhe peguei, li no visor “Mário Garcia”; imaginei a notícia: era o superior da casa, meu amigo e colega, a informar-me: “José Henrique, o Padre Roque acaba de morrer; paz à sua alma!”. A notícia não me surpreendeu: um grande amigo tinha partido…

Não, a realidade é outra: o Padre Roque não morreu, continua presente.

Braga, Julho de 2021

José Henrique Silveira de Brito

Como se pode ver pela leitura da comunicação de Cândido Pamplona Forjaz, apenas algumas amostras foram mencionadas, contudo bastantes para manter ainda vivo o contencioso S. Miguel-Terceira, referindo depois aquilo que  os terceirenses já tiveram no passado e de que foram sucessivamente usurpados, facto nunca esquecido até hoje. O que o terceirense pretende, sublinha C.P.F., é «recuperar algo (apenas algo) do que perdeu, ou melhor, beneficiar de algo de novo que o substitua». E desenvolve o seu argumento do seguinte modo.

«E quando vemos abrir uma nova época ( nova a todos os respeitos) da vida açoriana, quando consideramos o desnível de umas ilhas para outras e atentamos na possibilidade de, com algum esforço e persistência, assegurar a essas populações melhores perspectivas e, em poucos anos, transformar o seu modo de vida—dando-lhes mais instruções, mais assistência sanitária e social, mais fáceis comunicações, novas técnicas agrícolas e industriais, eu pergunto quem, de todo o coração e inteligência, não aprova semelhante orientação». (Memórias, p. 369).

E prossegue, com grande lucidez e  flagrante actualidade, o antigo governador civil do distrito de Angra do Heroísmo: «Mas para tanto é indispensável evitar a concentração de poderes( políticos e económicos), porque já a sabedoria popular o lembra( e nós açorianos temos milhentas provas da sua veracidade) que quem está ao pé do fogo é que se aquece»(…). Por isso pugnei sempre por uma desconcentração cautelosa e racional quanto possível de certos serviços regionais. Mesmo fora  da actividade oficial essa dispersão será mais que útil.—Se houver novas indústrias a montar, porque se há-de  concentrar todas em S. Miguel? O grupo central dos Açores tem recursos naturais que lhe permitem aproveitá-los na íntegra. A agropecuária e a pesca, hoje apenas embrionárias, podem  ser fonte de proveitosa actividade. A sua situação geográfica, a relativa facilidade de comunicações , mesmo no inverno, facilitaria a circulação de matérias-primas e produtos.—E se outras indústrias se quiserem montar nos Açores, independentes dos recursos naturais, seria também de boa orientação levá-las a dispersarem-se, para tanto lhes oferecendo facilidades de toda a ordem e até vantagens fiscais como é uso fazer-se em regiões subdesenvolvidas e cujo progresso se deseja acelerar, pois assim também se iriam criando noutras ilhas novos postos de trabalho».( Memórias, p. 370).

E para defender a sua filosofia de desenvolvimento humanista e de católico praticante conhecedor das encíclicas papais,  dá exemplos dessa descentralização citando o caso da África do Sul, com o Poder legislativo na Cidade do Cabo e o Executivo em Pretória, distantes mais de mil quilómetros, a Universidade da Califórnia repartida também por diversas cidades, e a criação pela França de um serviço de âmbito nacional em Lyon, a mais de 500 km de Paris e, ainda, a Universidade de Angola dispersa no seu começo por Luanda, Sá da Bandeira e Nova Lisboa.

Após ter feito um grande enaltecimento ao povo micaelense  pelas suas múltiplas qualidades e  pelos factores naturais de que goza a bela Ilha do Arcanjo, apela aos amigos micaelenses nos seguintes termos.

«Como mais fortes, como mais ricos e como cristãos tereis a missão de ajudar os mais fracos e amparar os mais pobres. E para tanto ninguém vos pede que vos despojeis do que alcançastes por mérito próprio (…) S. Miguel, mercê dos factores que apontei, será sempre o pequeno empório comercial, industrial e turístico que hoje é. Ninguém nem nada lhe pode arrancar essa prerrogativa. Nenhuma outra ilha lhe poderá fazer sombra».( Memórias, p. 373).

E o apelo com vista e preocupação pelo Futuro (nome do último jornal que fundou no fim da sua vida)  continua com o recurso estilístico de frases anafóricas, como se observa no uso insistente da forma perifrástica imperativa do verbo (vamos) quatro vezes utilizada.

…«Vamos entrar em nova época da história dos Açores. Vão ser postos à nossa disposição novos instrumentos legais para o nosso desenvolvimento. Da sua localização dependerá sem dúvida e em grande parte o das terras que os receberem. Isto é axiomático. Vamos, pois, todos nós,  contribuir para essa valorização, para esse progresso. Vamos, tanto quanto possível, e a começar por agora, pelos centros mais desenvolvidos, criar quadros profissionais e intelectuais de nível progressivamente crescente para que os seus efeitos se repercutam no meio ambiente e se vão sucessivamente alargando. Vamos dar um empurrão no desbravar de algumas ilhas estagnadas mas com potencialidades quase insuspeitadas». (Memórias, p. 374).

Depois é citado pelo Dr. Cândido, eminente, combativo e fértil jornalista, o comentário de um técnico micaelense, seu grande amigo, que ao regressar da Ilha das Flores, lhe manifestava «o seu espanto pela prodigalidade da terra, a sua enorme capacidade (dentro dos seus limites) para a criação de gado bovino. O Pico aguarda que o descubram e S. Jorge com as suas pastagens inigualáveis parece começar a despertar do seu sono centenário por obra do Plano Pecuário que, tal como nas Flores, lhe está abrindo novas e promissoras perspectivas».

E não posso terminar esta crónica, hoje, mais uma antologia de opiniões oportunas, construtivas e experienciadas do Dr. Cândido Forjaz do que mera lista de frivolidades políticas ou lugares comuns, sem nexo, como tantas vezes tem acontecido perante cidadãos descréditos de tantas teorias políticas do nosso tempo. Agora, fala o professor que, também  nunca C.P.F. deixou de ser, e  tão fundo nos marcou com uma frase muito generosa, dita em público, em 10 de junho de 1964, na nossa Vila natal,  que nunca esquecemos até hoje.

«E quando, por instrução apropriada às nossas necessidades, por uma assistência sanitária eficaz e uma previdência social eficiente, e, principalmente, por uma educação cívica que nos permita tirar todo o partido de uma autonomia que poderá ser progressivamente alargada e cada vez mais proveitosa quanto mais provas dermos do nosso civismo—então poderemos olhar com justo orgulho o caminho percorrido e orgulhar-nos dos pequenos sacrifícios que tenhamos feito ao nosso velho bairrismo e concluir que eles são afinal, a nossa coroa de glória porque teremos contribuído cada um com o que lhe for possível, para dar a estas nove ilhas a unidade espiritual sem a qual será sempre vã qualquer tentativa de unidade política».( Memórias, p. 374 e p. 375).

António das Neves Leal

Coitado de quem precisa. É com esta frase a buzinar na minha cabeça que começo hoje o meu dia. É o segundo dia consecutivo em que telefono para o Centro de Saúde para tentar agendar uma consulta de apoio, uma vez que não tenho médico de família… Correção: tive médica de família que deixou de o ser. Como não precisava assim tanto de a consultar (apenas para um atestado de robustez física no início da minha vida profissional, já lá vão treze anos), soube passado algum tempo que já não tinha médica de família, pois esta teria mudado de residência e de ilha. Entretanto, resolvi-me de outra forma (a privada), porque pude financeiramente.

Mais recentemente, há coisa de quatro anos, comecei a voltar a precisar, por diversas situações, de pareceres e orientações no campo da saúde. Ainda apanhei a fase pré-COVID, o que significa que, tal como a grande parte das pessoas, acordava cedo para “marcar território” à porta (como na natureza alguns animais fazem), esperando a abertura desse serviço de saúde. Quer isto dizer que ia cedo, para ser das primeiras a chegar e assim garantir uma das dez vagas que existiam para consultas de apoio para os “coitados” que não têm garantido o direito a um médico de família. Desta forma, volta-se a alimentar a competição e desconfiança entre as pessoas, as emoções mais anárquicas, primárias, que tantos anos de evolução não conseguiram contrapor.

Como dizia, ia cedo para o Centro de Saúde para tentar garantir a “sorte” de ser atendida. Numa dessas vezes, estava frio (era Inverno) e escuro, e juntaram-se cá fora, no exterior, umas catorze, quinze pessoas. Quando o funcionário se dirigiu à porta para a abrir, rigidamente às oito horas em ponto (do seu relógio, já que no do serviço de saúde já tinham passado cinco minutos das oito), o otimismo interno vocalizou “Maravilha, já está! Valeu a pena a espera. Sou uma das primeiras. Vou ter consulta”. Nisto, num segundo (costuma-se dizer que a vida muda num segundo e um segundo pode mudar o rumo de uma vida), o funcionário abre a porta e informa, unilateralmente, que nesse dia não haverá consultas de apoio. Algumas pessoas “aventuram-se” (porque isto que se está a passar no campo da saúde é uma aventura: depende da coragem e cobardia de cada um) a perguntar porquê, como… Outros contestam, dizendo que podiam ter colocado um papel na porta, no dia anterior, a informar que não haveria consultas de apoio no dia seguinte…Friamente, o homem repete o que já tinha sido dito, sem grandes desenvolvimentos.

Lá tivemos de voltar noutro dia para tentar reservar lugar na fila da frente desta tourada: o direito a uma consulta no âmbito da saúde. E quando conseguimos entrar, aguardámos e fomos atendidos por outro funcionário que, após o meu pedido de ter uma consulta de apoio, e de ter consultado a minha ficha no computador, me diz: “Ah pois, a sua médica de família está de baixa, não é?”. Então, o que eu desconhecia é que me tinham designado uma médica de família que estava de baixa, que eu nunca conheci, informação que nunca me tinha sido comunicada.

Lá marquei a consulta e as subsequentes (à exceção de duas delas que me calhou outro profissional e que foram um verdadeiro filme de terror), com o profissional que, para mim, começou a ganhar a “forma” na minha imaginação, de médico de família. Uma pessoa recetiva, prestável, prática.

Neste momento, no período COVID e pós-confinamento, descobri (novamente por acaso) que a minha médica de família já não estava de baixa (ao que parece, já se reformou) e não tenho qualquer médico de família atribuído. Tudo bem, não sou melhor que ninguém. A quantidade de pessoas que não têm médico de família, não existindo outra hipótese senão a de recorrer a estas “consultas de apoio”, é elevada. O que eu questiono é a falta de informação e transparência nos procedimentos atuais.

Joana Leal

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante