Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

Crónica do tempo que passa (98)

Recordando o centenário de um ilustre praiense

No passado dia 2 de Junho de 2020, o professor Mário Coelho, se fosse vivo, faria 100 anos de idade. Com tantas vicissitudes de saúde por que passei, e com o Covid-19, que também me visitou, esqueci-me da sua efeméride centenária. Não sei se alguém disso se terá  lembrado. Recorrendo ao meu arquivo, dei recentemente apenas com uma notícia no «Jornal da Praia», no ano do seu falecimento, e com o meu testemunho publicado, no dia 14 de Março de 1994, em «O Meu Postal», nº 104, de «A União».

A notícia do JP foi  inserta, na página 3 da sua edição de 7 de Março de 1994, com o título ”Praia Homenageia filho ilustre”, a quatro colunas, e do seguinte teor.

Por proposta de João Manuel Barcelos, porta-voz do Grupo do CDS/Partido Popular, a Assembleia Municipal da Praia da Vitória, em sessão de 28 de Fevereiro findo, aprovou por unanimidade o seguinte voto de pesar:

«Faleceu no passado dia 19 do corrente mês, em Angra do Heroísmo, Mário Coelho da Silva. Este nosso conterrâneo, nascido na então Vila da Praia da Vitória, a 2 de Junho de 1920, impôs-se no nosso meio artístico como destacado músico.

Exímio executante em orquestras que marcaram, de forma indelével, o panorama musical desta Terra, foi também Regente de Filarmónicas, actividade a que dedicou largos anos da sua vida, além de leccionar Educação Musical no Ensino Preparatório e Piano no Conservatório Regional de Angra. A sua vasta acção no campo da Música incluiu ainda a composição, área em que deixou trabalho meritório.

O nosso meio ficou, assim, mais pobre.

O funesto evento foi objecto de destaque noticioso nos órgãos de Comunicação Social de âmbito regional onde foram tecidas referências francamente elogiosas à sua Obra».

De seguida, transcrevo o meu testemunho publicado no vespertino acima referido.

A Terceira perdeu um grande músico

No passado dia 19 de Fevereiro, faleceu o maestro Mário Coelho uma das maiores figuras do campo musical que se distinguiram entre nós, ao longo das últimas cinco décadas.

Nascido na Praia da Vitória há 73 anos, no meio de uma família muito vocacionada para a arte dos sons, o que se pode comprovar com as inúmeras actividades dos vários irmãos Coelho. O extinto não só se distinguiu  a nível da música ligeira, mas também do teatro de revista com preciosas colaborações, na regência de filarmónicas e, «the last but not least», na sensibilização e preparação musical dos mais jovens. Eis as principais facetas públicas deste dilecto filho da Ilha Terceira.

Não tive, infelizmente, o privilégio e privar de perto com o Prof. Mário Coelho, a não ser por alguns encontros fortuitos no Conservatório Regional de Angra, onde ele foi professor de Piano em regime de acumulação, dado ser já docente titular da nossa Escola Preparatória. No entanto, guardo dele a imagem de um homem bom, solícito e atencioso, para com todos, sem esquecer aquela simplicidade e serenidade cativante que dele irradiava para todos os ambientes que frequentava.

Mário Coelho e Raúl Coelho são nomes que a erosão implacável do tempo não conseguiu apagar da minha memória, apesar  do meu afastamento de doze anos em Lisboa e mais cinco em Paris. Recordo-me, ainda, das músicas que Mário Coelho escrevia para rábulas satíricas, para actos de variedades e, mais tarde, para danças carnavalescas e marchas populares. A ele recorriam todos os responsáveis por manifestações artísticas da cidade e do campo. O músico e o cidadão empenhado no que fazia, nunca dizia não a ninguém e, quantas vezes, sem cobrar um tostão pelo seu trabalho.

A comunidade que ele tanto serviu, generosamente, é-lhe devedora do nobre sentimento de gratidão. As  assembleias municipais dos dois concelhos terceirenses, já em boa hora, se manifestaram, mas Mário Coelho pela sua abnegação em prol da música e da terra que lhe foi berço, onde praticamente sempre viveu, merece ter o seu nome a perdurar, em lápide de rua.  Os exemplos de dedicação e sacrifício que nos legou, são casos muito raros e dignos de serem apontados  aos nossos vindouros.

Conheço, razoavelmente,  o labor paciente e exigente dos artistas, mormente dos escritores, dos músicos e actores, e posso asseverar-lhes, estimados leitores, pela minha experiência de simples amador, que ser artista não é coisa fácil. Bem pelo contrário! E no caso dos Açores, com as condições de trabalho e de formação existentes, isso ainda se torna mais difícil.

É por isso que se estranha  a falta de adequadas medidas conducentes a uma maior fixação e dignificação dos artistas e das artes em geral. Tais desideratos não passam apenas por processos administrativos ou burocráticos, como pensam alguns ignorantes destas áreas investidos, «malgré tout», em posições de responsabilidade e de decisão.

É triste a existência de tais mentalidades e de anomalias nada dignificantes das instituições sociais, para o seu melhor rendimento, e a própria autonomia sai desprestigiada no pouco que lhe resta de prestígio e autoafirmação.

A melhor homenagem a Mário Coelho para além do que sugerimos acima, e a que merecidamente tem direito, é a criação do gosto pela música. Esta não pode continuar a ser mero verniz social ou propriedade de  dois ou três profissionais desejosos de dar concertos. A música deve ser dádiva para todos os que dão sinais de talento. Urge, pois, fomentar o seu desenvolvimento  e a consequente qualidade do  ensino. Não podemos continuar a importar músicos do estrangeiro, alguns nem sempre dando garantias credíveis de competência pedagógica, ou provas de permanência suficientes para um trabalho criterioso, paciente e demorado como é a aprendizagem dum musical, o canto ou o ballet.

Mário Coelho, neste aspecto, pode ser tomado como paradigma ou figura emblemática. Ele próprio partiu do seu círculo familiar, incutindo-lhe o amor, eu diria, o vírus da arte dos sons nas suas filhas, com quem chegou a formar um conjunto musical. Numa altura, refira-se, em que ainda não havia conservatórios nas nossas ilhas.

Convém sublinhar, também, outras vertentes do artista como regente de filarmónicas e como membro dos conjuntos musicais que animavam os clubes da Base das Lajes, sobretudo nos anos cinquenta e sessenta do séc. XX.

A nível das filarmónicas, foi muito relevante a sua oportuna e profícua acção, tendo exercido uma notável pedagogia musical, junto dos elementos das bandas e dos seus principais responsáveis. Para além desta influência extremamente benéfica, é de salientar o seu importantíssimo papel, na qualidade de dirigente de várias filarmónicas, a última delas foi a da Recreio dos Artistas de Angra do Heroísmo.

Mário Coelho da Silva, mais do que um artista de talento, foi um cidadão devotado à nossa terra e um homem bom, franco e simples. O seu recente desaparecimento constitui uma enorme perda para a música  a que se entregou de corpo e alma, para a Ilha Terceira onde nasceu e viveu e para os Açores em geral.

António Neves Leal

Vila de S. Sebastião, 11.03.1994

Um verdadeiro Super-Homem

Eu sou do tempo em que os super-heróis mais badalados e que passavam nos filmes fantásticos da televisão se cingiam ao Super-Homem e ao Batman… Hoje, são já reconhecidas várias personagens intemporais e imortais no cinema, tais como, o Homem-Aranha, o Hulk, o Homem de Ferro, o Capitão América, a Mulher Maravilha, entre outros.

Quando era criança, gostava muito de ver o Super-homem… Aquele filme original e antigo, onde o ator principal representava o homem que voava. Aquele que era o “bom exemplo” de bondade, pureza e generosidade, que ajudava as outras pessoas, no anonimato, sem esperar nada em troca.

Ele era aquela pessoa que, quando punha os óculos, se tornava assim um pouco “imbecil”, mas, por outro lado, no segundo em que a música da banda sonora mudava (parece que a estou a ouvir e vejo-o a correr, simultaneamente, ao escrutinar as imagens da minha infância), também ele se modificava, muitas vezes dentro da cabine telefónica. Rasgava a sua pele de jornalista nervoso e esquisito e, assumia, audaciosamente, o seu verdadeiro eu, a essência da história do filme! Nessa altura, uma madeixa do seu cabelo evidenciava-se, na testa, encaracolando um pouco mais. Esse pormenor era, para mim, tão simbólico como a sua capa, ou como os seus olhos cristalinos, cor do céu, de uma luz azul celeste.

Nesse primeiro filme acerca do famoso Super-homem, aquele que caracterizava o herói, era o ator Christopher Reeve. Acredito que os miúdos de hoje em dia não saibam disso, nem do verdadeiro heroísmo que iluminava este ser humano. Mas quero falar-vos sobre ele neste meu artigo.

Christopher Reeve nasceu a 25 de setembro de 1952, em Nova Iorque. Foi aluno da Universidade de Cornell e depois frequentou a Julliard Drama School. Representou vários papéis, tanto no teatro como na televisão, mas o filme pelo qual foi mais lembrado, e que se tornou a sua imagem de marca, foi de facto, aquele que já mencionei: o Super-homem.

Segundo pesquisei, Christopher Reeve foi um ser humano verdadeiramente heróico. Um homem aparentemente comum (apenas mais um a fazer filmes) mas que se distinguiu bastante dos simples mortais. Foi um Super defensor dos direitos humanos, um Super ambientalista, um Homem autor, um Super talento no piano, um Homem piloto, um Super aventureiro e entusiasta, que adorava o ar livre. Um Homem Super desportista! Esquiava, velejava, mergulhava, jogava ténis, praticava canoagem… Um ser verdadeiramente livre!

Em 1985, no ano em que eu nasci, Christopher Reeve iniciou a prática da equitação (mais uma aventura!), na altura com 33 anos, e, uns anos mais tarde, participou em competições desta modalidade. Um humano cheio de vitalidade e curiosidade!

Durante uma competição equestre, dez anos mais tarde, a 27 de maio, curiosamente no mesmo mês do meu nascimento, Christopher Reeve sofreu um acidente a cavalo. A queda provocou lesões graves na medula espinal. O Super-homem de todos os telespectadores, de diferentes idades e nacionalidades, ficou tetraplégico. Significa isto que ficou paralisado, deixando de ser capaz de conseguir mexer os quatro membros (braços e pernas).

O nosso corajoso Homem que voava, apontando a mão direita para o céu, como que para tomar balanço e velocidade, deixava de poder mover-se autonomamente... Passou a usar uma cadeira de rodas para se mover e foi também imprescindível recorrer a um ventilador portátil para o auxiliar na respiração.

Nessa altura, Christopher procurou apoio junto da Associação Americana de Paralisia. Ao que parece, numa entrevista a Christopher, sobre essa necessidade, este terá afirmado algo deste género: “Sempre fui um defensor das causas em que acredito. Desta vez, a causa encontrou-me”.

Este homem poderia ter sucumbido, poderia ter-se deixado transformar pelo desespero, pela revolta… Poderia ter preferido morrer (e quem sabe se não pensou nisso, durante o processo de luto?...). Todavia, tal como os grandes vencedores, este super homem não deixou que a sua vida se apagasse por via da sua nova condição. Este super homem teve uma super família que sempre o acompanhou e mostrou o seu amor em todos os momentos de desafio e de sofrimento.

Acredito que foi essa força, que está presente na fé, no amor verdadeiro, na fantasia mágica do querer (do Pai Natal, da história da Alice no País das Maravilhas ou ainda dos ensinamentos do nosso Principezinho), que transformou esta pessoa. Christopher ressignificou o que lhe acontecera. Continuou a lutar (e só ele sabe o quão desafiante terá sido!), a viver e… a ajudar, ainda assim, outras pessoas que, tal como ele, tinham sido afetadas por lesões na medula espinal.

Christopher Reeve liderou uma campanha pela legalização de pesquisas com células-tronco e fundou a Fundação Christopher Reeve.  Foi ainda co-fundador do Centro de Pesquisa Reeve-Irvine. Se isto não é ser um verdadeiro super-homem, então não sei quem poderá ser considerado de herói!

Numa entrevista a Christopher, pela altura da estreia do filme “o Super-homem”, ter-lhe-ão perguntado: “O que é um herói?”. Christopher terá declarado “(…) um herói é alguém que realiza uma ação corajosa sem considerar as consequências”.

Anos mais tarde, um novo Christopher pressagiou: “Agora, a minha definição de herói é completamente diferente. Acho que um herói é um indivíduo comum que encontra a força para perseverar e resistir apesar dos obstáculos esmagadores. Eles são os verdadeiros heróis, assim como as famílias e amigos que os apoiaram”.

Christopher Reeve deixou a terra da pessoa e o céu da personagem, no dia 10 de outubro de 2004, ao que parece devido a uma grave infeção originada pelo seu estado especial de saúde. Tinha 52 anos, mas são muitos mais os anos de vida que nos ofereceu… Tocou muitas vidas, abrilhantou muitos serões e é imortal o seu testemunho e a verdade do seu generoso legado. Um verdadeiro super homem.

Joana Leal

Peixe do meu quintal

Por São Jorge

Foi em 1965, que a convite de familiares que se encontravam a trabalhar no então Gabinete da Reconstrução nas Velas, visitei a Ilha de São Jorge durante as férias escolares de verão.

Ainda recordo o impacto que me causou os inúmeros vestígios de destruição de casas, igrejas e muitos edifícios, prejudicados pela crise sísmica do ano anterior (1964). Apesar de tudo, os trabalhos corriam a bom ritmo e a Ilha recomponha-se aos poucos.

Durante esses cerca de três meses da minha estadia nas Velas, pude arranjar amigos e amigas com os quais partilhamos pedaços da nossa juventude.

Esses amigos não se cansaram de me acompanhar por toda a Ilha, mostrando-me os costumes, as belezas e as famosas aventuras na ida às Fajãs. Chegamos mesmo a acampar naquela que mais me impressionou, pelo esforço despendido para lá chegar, a Fajã do Santo Cristo.

Aos fins-de-semana percorríamos diversos lugares e freguesias onde havia serões, música ao vivo que acompanhava os bailes-de-roda. Os sons dos violinos e das violas, com melodias encantadoras, incitavam os presentes à dança. Nós, os jovens, logo procurávamos um par, só que no meu caso ficava-me a ver, por não saber acompanhar aquele género de dança. Mas logo aparecia uma moça local, a convidar-me para a dança e a ensinar-me os passos da mesma.

Lembro-me do bom Padre Farias, das Manadas, homem que acordávamos às duas da manhã, invadindo a sua cozinha e comendo o que houvesse no frigorífico de petróleo, luxo divino naquela altura. Como íamos muitas vezes à pesca submarina e o peixe abundava, distribuíamos por várias pessoas e levávamos ao Padre Farias uns bons quilos de “Vejas”, peixe que ele muito apreciava.

E foi na casa do Padre Farias que havia de surgir a ideia de fazer um jornal. Vi que ele tinha um mimeógrafo, papel stencil e o resto foi canja. Dispensamos algumas noitadas, em segredo, a escrever vários protestos contra inúmeras situações que ocorriam no dia-a-dia. Duas páginas de notícias, que depois eram distribuídas estrategicamente e em segredo, sobretudo nas Velas. As críticas rezadas em tais panfletos depressa despertaram o interesse do polícia Roma, que depois de várias investigações, mostrou-se impotente na descoberta dos autores panfletários que ousavam criticar instituições e sistemas.

Quando terminaram as férias, embarquei para Lisboa. Tempos depois, recebia uma carta do Fernando Silvano, filho do dr. Silvano, que me informava que o polícia Roma desconfiava da minha pessoa como autor dos “panfletos comunistas” como lhes chamava o polícia.

Ninguém melhor que um ilhéu, para saber o custo de viver em ilhas. Viver em cima de vulcões que de vez em quando ressonam, mexem-se ou levantam-se.

“Eu não saio daqui. É a minha casa e vivo nesta Fajã há cinquenta anos. Só se me forçarem.”

Foi o que ouvimos da boca de um residente jorgense no noticiário televisivo de há três dias, em plena crise sismovulcânica.

Este apego ao lugar, à terra, à Ilha, formatou-nos o espírito de completa entrega do corpo, sem pestanejar. A Ilha é a única que tem o direito de me levar, porque ela é a minha mãe. 

José Soares

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante