Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

22.º Congresso Português de Arte-Terapia (II)

Conforme escrevi no meu artigo anterior, tive o privilégio de participar no 22.º Congresso Português de Arte-Terapia, num formato online, há uns meses atrás, promovido pela Sociedade Portuguesa de Arte-Terapia (SPAT). Houve muitos oradores, de diferentes nacionalidades, várias apresentações sobre importantes temáticas, e ainda fomos presentados por variados momentos criativos, que abrangeram o teatro, a música e a poesia.

Hoje gostaria de partilhar com o leitor mais duas sementes que herdei desses dias intensos de liberdade, imaginação, presença e compromisso. Hoje escolhi falar-vos das apresentações: Potenciar o efeito terapêutico da floresta e Museu no Hospital: quando as janelas se abrem e a arte entra.

A apresentação Potenciar o efeito terapêutico da floresta, dinamizada por Alejandro Gesse, foi muito significativa e enriquecedora, tendo eu confirmado uma crença antiga, deixada na minha memória corporal pela infância. A crença de que a natureza é capaz de promover o bem-estar e a saúde, revelando-se a própria metodologia de intervenção com as pessoas.

Estar no meio da natureza, seja numa praia, num bosque ou num deserto, desencadeia um estado de exploração pessoal através das experiências sensoriais promovidas pelo momento, pela estação do ano, pelo tempo cíclico da própria natureza. Não há uma experiência igual a outra, mas diferentes experiências, consoante o tempo exterior (ambiente) e isso irá influenciar o nosso tempo interior (dentro de cada pessoa).

Estudos têm, portanto, revelado que a natureza tem um impacto na nossa saúde a vários níveis, tais como na melhoria dos estados fisiológicos, na melhoria da respiração por via de maior existência de iões negativos e no desenvolvimento de uma sensação de maior presença no aqui e no agora, através da exploração sensorial (ex. diferentes cheiros, sons, paisagens, cores, padrões, texturas e temperaturas).

A sensação de enraizamento e pertença também pode advir da visualização da vida ao nosso redor, à nossa frente e atrás de nós, fazendo com que nos sintamos parte integrante de algo maior do que nós mesmos, e sentindo que pertencemos, encaixamos, existimos. Lembrando que somos importantes na nossa singularidade tal como todas as outras espécies que fazem parte da floresta. É por isso que a beleza única da natureza ajuda-nos a sentir as nossas emoções e a focar-nos no que realmente importa, ajudando na diminuição de estados depressivos ou ansiogénicos, podendo ainda funcionar como terapia (terapia da floresta).

De igual modo, estar na natureza estimula a prática de meditação baseada na atenção plena (mindfulness), sendo, então, promotora de estados de concentração, relaxamento, aceitação e autoconhecimento. A relação entre as várias expressões artísticas existentes na natureza possibilita o desenvolvimento de competências e difundir valores de cidadania como a preservação de espécies endémicas e outras.

Na apresentação Museu no Hospital: quando as janelas se abrem e a arte entra, a oradora Andreia Dias explicou de que forma o Museu, abandonando a estrutura física que o compõe, poderá deslocar-se por outros contextos, nomeadamente o hospital. Tal é possível através do serviço educativo do Museu que trabalha com os hospitais quando as pessoas não se podem dirigir a esse espaço.

Atuando através de oficinas criativas, histórias encenadas, entre outras, este projeto pretende abranger as crianças e jovens (do pré-escolar até ao 12º ano) que se encontram internados, passando também pelos pais e cuidadores, através de uma metodologia ativa e participativa, onde o fator surpresa está presente.

Foram dados exemplos de atividades diversas que me enriqueceram bastante enquanto profissional que lida com uma população alargada, no seu ciclo vital, e com características muito distintas em termos de funcionalidade. Apenas a título de exemplo, deixo-vos algumas das atividades que me tocaram: “Diz que disse” (as crianças é que vão dando indicações ao professor/arte-terapeuta do que este deve desenhar, sendo que se trata de objetos relacionados com as obras das coleções do museu); “Do jardim para o museu” (as crianças são convidadas a criar padrões a partir de texturas em imagens naturais, como por exemplo, utilizar metades de laranjas ou de cebolas para criar carimbos de tinta); “Anima-sons” (nesta atividade as crianças são desafiadas a criar animais míticos da coleção do museu, não pela visão, mas através da audição, escutando sons diferentes que correspondem a diferentes partes do corpo do animal).

Nas tarefas educativas acima explicitadas, são desenvolvidas competências socioemocionais, promove-se o bem-estar, a motivação, a criatividade e a saúde mental de todos os envolvidos. Como referiu a oradora, esse trabalho dinâmico do museu para os hospitais espelha “duas horas de magia”, onde os sorrisos das crianças são evidentes.

Finalizando, acredito que a arte pode ter um impacto grande no desenvolvimento pessoal e social do ser humano, estimulando o autoconhecimento, uma maior satisfação pessoal, o bem-estar, e uma motivação para as aprendizagens escolares, vocacionais e académicas. Assim sendo, trazer a arte e as produções artísticas para a vida, enfatizando o processo em si e não o resultado ou produto finais, traz benefícios a curto, médio e longo prazo, no desenvolvimento integral de todos e de cada um de nós, sobretudo quanto mais precoce e natural for a estimulação pela arte e as suas amplas formas de expressão.

Joana Leal

Crónica do tempo que passa (93)

 A CIMEIRA ATLÂNTICA DE 1971 ( II)

Hoje abordaremos o que pensaram duas insignes e universais figuras, nascidas na Ilha Terceira, que tive o privilégio de conhecer e de contactar pessoalmente. A primeira foi o Tenente-Coronel José Agostinho, reputado cientista de projecção internacional, que quase diariamente vi deambular por algumas ruas de Angra e, sobretudo pelo seu litoral, nos anos cinquenta e sessenta do século passado. E também, nesse tempo semanalmente ouvia, religiosamente, as suas famosas palestras do Rádio Clube de Angra.

A segunda o Prof. Vitorino Nemésio, meu ilustre mestre de Literatura Brasileira, na Faculdade de Letras de Lisboa, no final da década de sessenta, de quem guardo muitas recordações dele, das suas aulas, e da forma especial como as dava, passeando-se pela sala e divagando sobre os mais diversos assuntos, desviando-se algumas vezes do tema, e esquecendo-se quase sempre do tempo e do relógio-relíquia familiar que, habitualmente, colocava sobre a secretária.

Tenente-Coronel José Agostinho

Sobre a realização do acontecimento, ocorrido em Dezembro de 1971, foi entrevistado pelo conceituado jornalista Dutra Faria. À pergunta sobre o seu local na Ilha Terceira, respondeu assim:

«Não me surpreende que tivesse sido a terra portuguesa escolhida para este encontro. A Terceira está fadada para acontecimentos como este, de repercussão mundial. Foi a navegar da Terceira para o Ocidente e para o Sudoeste que Diogo de Teive descobriu os ventos alísios e sem o conhecimento desses ventos (conhecimento obtido pessoalmente de um piloto de Diogo de Teive, Pero Vasques) Cristóvão Colombo nunca teria chegado aonde chegou. Angra soube antes que Lisboa do descobrimento do Caminho Marítimo para a Índia, quando Vasco da Gama veio aqui sepultar o seu irmão Paulo da Gama. Nos fins do século XVI é a Terceira a alma da resistência contra Filipe II e os franceses que vão agora ser nossos hóspedes devem saber que nessa altura estiveram aqui ao nosso lado os seus antepassados, como aliados do Prior do Crato. Depois, já neste século, a Terceira ocupa páginas de grande significado na história da aviação.

Em 1936 a «Air-France» projecta criar nos Açores uma escala para os seus vôos intercontinentais e a comissão franco-portuguesa que se constitui para o efeito—de que fazem parte, pela França, Raul Codes e Paul Castex, e de que é precisamente o tenente-coronel José Agostinho um dos membros portugueses—fixa pela primeira vez as atenções na planície onde viria a ser o gigantesco aeródromo das Lajes.

Segue-se a guerra. E com a guerra principiam logo a ser elaborados pela aeronáutica portuguesa os planos por este aeródromo: «Salazar—recorda—queria que tudo estivesse a postos, se um dia os ingleses, invocando a aliança, necessitassem dos Açores, e quando estes aqui desembarcaram no dia 8 de Outubro de 1943 o aeródromo estava praticamente concluído, pois as obras haviam começado havia mais de um ano».( Atlântida, pp. 64, 65).

Vitorino Nemésio

Por seu turno, o autor do ”Mau tempo no Canal” escreve no jornal Observador, um notável e muito erudito trabalho intitulado «De Chateaubriand a Pompidou», que o” Diário Insular transcreveu”, do qual vamos transcrever somente  algumas passagens, devido a sua extensão.

Comecemos por ler o que Nemésio afirma sobre os preparativos e o ambiente que então se vivia. Para começar utiliza uma expressão latina que se repete três vezes como um leitmotiv.     Fá-lo nesta língua por ser universalmente a mais usada nos documentos, lápides e monumentos históricos que chegaram até nós, e aquela que traduz melhor a ideia do intemporal e do sagrado.

«Fervent opus (a azáfama ou fervilhante trabalho) na Ilha para receber Nixon e Pompidou, esperados por Marcelo Caetano. Na Ilha Terceira, claro! Pois qual havia de ser? Deus deu-lhe no Arquipélago (que esquecemos que diz «mar principal») a posição de ponte ou charneira para as «ilhas de baixo» a partir das primeiras achadas, São Miguel e Santa Maria. Apenas quatro até ao Faial—pois que Flores e Corvo, pela grande distância e não pela pequenez, só tarde contaram: só mesmo por movimentos humanos, muito depois de descobertas em 1450 por Diogo de Teive, nauta e senhor de engenho. O facto de mais nenhuma ilha açoriana ter nome numeral como a Terceira faz suspeitar, que achada, já não valia a pena contar.» (…) E após aludir à passagem  do grande autor romântico francês pela Graciosa, refere a dado passo que «estamos em nossa casa recebendo pessoas formidáveis, altas jerarquias, cujas línguas nos não são de todo estranhas, mas que, uma vez instalado no areópago da rua dos Cavalos o material sonoro e os computadores poliglóticos, não faz mal dar uma frase de Chateaubriand bilingue».( «inutile phare la nuit»- «farol inútil de noite», quando este passava ao largo do Pico.) (Atlântida, p.118).

Em suma, «Eu queria simplesmente, como natural da Terceira, esforçar-me por ver como os Açores surgirão aos altos hóspedes de Dezembro, para além de um vago lugar-onde geograficamente subsumido na noção mundial de Norte Atlântico. (…).

Fervent opus (azáfama) na Ilha, para receber os Presidentes aprazados. Tamanho golpe da sorte perturba naturalmente uma população recatada. Os meus patrícios, porém, têm grande treino de fastos, ainda que a outras escalas. É gente hospitaleira. Para receber um bastardo dinástico, aliás filho de Infante como era D. António, Prior do Crato,-- de mais a mais pretendente de uma causa sensivelmente perdida,--bastava apelar para a generosidade paisana ou de orgulho nacional. Foi o que fez na Terceira o corregedor Ciprião de Figueiredo, assumindo o governo geral. Mas Ciprião, continental, não podia dar a medida da hospitalidade da terra, fazer o gesto genuíno. Esse ficou para as saias caudadas de uma nobre virago, D.ª Violante do Canto. Abriu a sua casa de filha de armador rico ao Prior desamparado. Em Angra—que por essa e por outras foi sublimada em «do Heroísmo». A casa ainda lá está, de traça quinhentista. É difícil supor com que requintes palacianos Violante adornou o solar. Mas temos outras medidas de sumptuária hospitaleira da Ilha para preludiar aos cómodos que terá mobilizado agora para receber os chefes de dois grandes estados do mundo: Nixon e Pompidou».

A seguir, V. Nemésio tece várias considerações sobre a hospitalidade terceirense, enumerando mais casos:  o de Afonso VI, rei aprisionado, sem ceptro nem mulher, mas mesmo assim com alguns cómodos atribuídos pelo irmão usurpador. Na sua condição de prisioneiro não era possível ser considerado como os outros. Dois séculos depois, D. Pedro, foi lautamente recebido e instalado num paço de capitão- general.

Outra recepção grandíloqua foi «a que a Terceira preparou ao nosso rei D. Carlos, em 1901, a ele e a uma patrícia do presidente Pompidou, a rainha D.ª Amélia de Orléans» (…). (Do Fervet opus(fervilhante trabalho) também hoteleiro de então (o terceiro do texto Nemesiano) ficou grande crónica».( A que eu acrescentaria  o sucesso crescente que as donas Amélias mantêm nas pastelarias da Terceira, após a visita régia acima mencionada.

 No final poético do artigo, Nemésio, ao aludir ao sucessor do General De Gaulle, que escrevia quase tão bem como o Chateaubriand das Memórias», sugere «que alguém lhe lembre, a Pompidou, fino letrado também,  a frase  do perfume de searas peculiar aos Açores do turista romântico, a ver se dá certo com a sensação que ele terá ao abrir a janela do seu breve quarto ilhéu, ao amanhecer brumoso—ainda que Dezembro não seja tempo de trigo: a não ser germinado em água por milagre do menino Jesus…».

António Neves Leal 

22.º Congresso Português de Arte-Terapia (I)

Há uns meses atrás, tive o privilégio de participar no 22.º Congresso Português de Arte-Terapia, num formato online, promovido pela Sociedade Portuguesa de Arte-Terapia (SPAT). Houve muitos oradores, de diferentes nacionalidades, várias apresentações sobre importantes temáticas, e ainda fomos presenteados por variados momentos criativos, que abrangeram o teatro, a música e a poesia.

Hoje gostaria de partilhar com o leitor algumas sementes que herdei desses dias intensos de liberdade, imaginação, presença e compromisso. Ao longo do Congresso, muitas foram as intervenções que me marcaram positivamente. Hoje trago-vos duas delas, nomeadamente: Arte-terapia e Criatividade; e Arte: uma pincelada de cor na aprendizagem.

A apresentação Arte-Terapia e Criatividade, da oradora Flávia Scorachio, foi uma lufada de ar fresco, pois remeteu-me para a simplicidade de algo que nasce connosco e que, com o crescimento e as exigências e expectativas da sociedade, vamos escondendo: a criatividade.

Foi muito interessante perceber que a criança é que guia o adulto terapeuta no processo de intervenção educativa. Foram sublinhadas várias estratégias de trabalho com as crianças. A título de exemplo, aprendi que, quando as crianças são levadas a explorar e a conhecer diferentes texturas e formas, estão a desenvolver o seu autoconhecimento. Também foi interessante quando a oradora destacou que a utilização dos materiais flexíveis (arame, massa de modelar) pode ajudar a diminuir a rigidez mental de uma criança com tal traço. De igual modo, o recurso a materiais de união, como a cola e os fios, favorecem a relação interpessoal, e o uso de formas geométricas está relacionado com a necessidade de limites.

Outro conteúdo abordado, de que gostei particularmente, está ligado à criação de arte utilizando objetos que não estavam a ter uso, ou materiais que estavam desaproveitados, considerados obsoletos e deixados em contentores do lixo (sucatas). Dar uma nova vida, através da reciclagem e da criação artística é algo que se pode realizar em diferentes contextos educativos, trate-se de centros de convívio de idosos, centros de ocupação de tempos livres e outras comunidades educativas. Ressignificar algo desagradável em algo com um significado mais positivo é fundamental no trabalho terapêutico, podendo servir para trabalhar com as crianças em múltiplas situações.

Na apresentação Arte: uma pincelada de cor na aprendizagem, a oradora Sónia Tavares transportou-nos para a relação recíproca entre o aluno e o professor, onde este último vai desenvolvendo as capacidades dos alunos, consoante o nível de desenvolvimento dos mesmos, com o intuito de criar uma relação com base na confiança, no respeito e no afeto, permitindo ao aluno desenhar com as cores que assim entender.

Na verdade, o aluno é um ser livre no processo de ensino-aprendizagem. A aprendizagem vai-se construindo através da generalização de experiências que se pretende serem efetivas e afetivas, ou seja, havendo uma verdadeira transformação interna e com significado.

Houve a discussão de várias estratégias e boas práticas utilizadas para estimular a leitura, tais como a associação dos vários sentidos ao prazer de ler (ex. paladar), e a representação artística (pintura ou desenho, por exemplo) do texto lido. Também a escrita da própria história pessoal ou de um diário estimula o gosto pela leitura e ajuda os alunos a libertarem-se de crenças limitadoras ou erradas sobre si e sobre as suas capacidades. Desta forma, as criações artísticas podem ajudar a promover as aprendizagens em geral, a leitura e escrita no português e noutras línguas em particular.

Para concluir, creio que a arte-terapia se configura com uma mais-valia para a estimulação criativa, emocional e cognitiva, contribuindo para uma mais consciente tomada de decisão e para o desenvolvimento de outras competências socioemocionais, úteis na vida pessoal, escolar e comunitária.

Joana Leal

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante