Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

Hoje escrevo sobre um assunto que, mais do que ser descrito por palavras, deve ser vivido, através das experiências que o estar vivo nos proporciona. Falo de liberdade, de ter coragem para ser, sentir e viver com a sensação única de gratidão pelo nosso respirar.
Ultimamente tenho procurado desafiar a adulta que vive em mim, convidando a minha criança interior a ensinar-me como posso usufruir desta bênção que é estar viva, sentindo curiosidade e esperança no encontrar a beleza das pequenas coisas.
Desafio agora o leitor a acompanhar-me nesta viagem pelo passado: em crianças exploramos o mundo à nossa volta, desafiando a nossa condição humana. Não temos noção de todas as consequências de uma ação nem estamos conspurcados pela vergonha, pelo medo e pelo politicamente correto. Apetece-nos rebolar? Rebolamos. Apetece-nos apanhar gafanhotos que saltitam por entre a erva azeda do quintal? Pacientemente fazemo-lo, como se de uma peça de puzzle se tratasse, para o nosso dia feliz ficar completo.
Entretanto crescemos, vamos à escola… aprendemos que devemos ser responsáveis e que existem regras de sociedade que moldam os nossos instintos. É um pouco como Freud defendeu: existe o ego (eu), o id (instinto) e o superego (regras sociais, que moralmente se devem cumprir). Nessa transição drástica, entre o pré-escolar e o 1º ciclo, começamos a compreender que já não podemos passar o tempo todo a brincar, a imaginar histórias para as nossas bonecas, a desejar ser super-heróis, a saltar à corda, andar de baloiço ou pintar, como tanto gostamos. Deixamos a nossa alegria de lado para entrar no mundo da competição, do dever e das regras. Fazemo-lo porque temos de ser alguém na vida e esta não é só brincadeira. Primeiro o dever, depois o prazer. Não é este o mote que tantas vezes condiciona as nossas instruções para com as crianças?
Crescemos no tempo muito rápido. Vejam-se os comentários das fotos publicadas nas redes sociais, feitos por mães, falando dos seus filhos. “Estás tão grande… oh tempo volta para trás… como o tempo passou depressa…”. De facto, o tempo vai passando e é suposto se ir percorrendo os vários períodos de desenvolvimento com tranquilidade e calma. Ora isso é tudo menos o que acontece. Doem os ossos, que alargam, modificando até a expressão facial e o olhar criativo que nos caracteriza. Surgem os pêlos, as borbulhas, os odores…a menarca. “Pronto, estás de parabéns! Já és uma mulherzinha.” Agora é expectável uma série de comportamentos que dignifiquem essa condição.
Esquecemo-nos que o ser criança é um estado mágico, uma verdadeira bênção que protege o adulto de mazelas e impossíveis. A nossa criança interior refugia-se num cantinho do nosso coração, tornando-se visível numa anedota contada, num sorriso matreiro, no amor que mostramos e no tempo que se estica e que nos permite saborear a música, a meditação, a pintura, as colagens, a agricultura, o teatro, a ginástica.
Em crianças desejamos ser jogadores de futebol, professores, médicos, cantores… O mundo é uma inteira possibilidade. É-nos incutida a magia através da referência ao pai natal, por exemplo. No entanto, contam-nos histórias complexas e ambivalentes acerca de um lobo mau que quer comer a capuchinho vermelho, dos três porquinhos que construíram casas de palha, madeira e tijolo, mas só um deles foi feliz na sua escolha. Lembra-se qual foi? Não foi o lírico da casa de palha, mas sim o da casa de tijolo. Aquele que teve mais trabalho, que brincou e riu menos. Apenas esse conseguiu uma casa segura e protegida das intempéries e dos “lobos maus” da sociedade.
É muito confuso crescer. Torna-se difícil acompanhar as mudanças internas e externas que acontecem e que atropelam a essência humana: a felicidade de ser.
Se pensarmos por um momento numa situação da nossa vida que tenha sido mais desafiadora em termos emocionais, ou se já fizemos psicoterapia, se tivemos acompanhamento psicológico em algum momento, percebemos que o denominador comum, o que nos motiva e é estimulado, é a busca do prazer. Isto é, se estamos com pouca energia, procurar realizar atividades que nos deem energia; se estamos tristes, procurar a alegria, rindo e permitindo voltar a entrar dentro da nossa face aquela cara luminosa de criança e não a ossuda, séria, reprimida, que nos mascara, tantas vezes.
Há pouco mais de dez dias comemorávamos o 25 de abril, o dia da liberdade. Li várias publicações, vi músicas e textos partilhados nas redes sociais sobre o tema. Tanta intelectualização sobre algo que pode estar ao alcance de cada um de nós: a liberdade individual. Basta querermos voltar a saltar à corda, rebolar na areia, na terra…apreciar o passo apressado de uma formiga a levar uma migalha de pão às costas, mascarar-nos, experimentando roupas e cores que fogem da nossa zona de conforto.
Hoje fala-se muito de meditação mindfulness, na qual a atenção plena é o requisito fundamental para a prática. Na verdade, para estarmos presentes basta resgatar a nossa criança interior, a nossa criatividade, a nossa bondade, a curiosidade e a coragem de acreditar. Nada nos garante que será fácil… mas lembrem-se: as dores de crescimento também não o foram.
Para concluir, sugiro que os leitores tirem um tempo para ver o documentário/série “2077- 10 segundos para o futuro”. Neste, encontramos a evolução das máquinas no tempo, a megalomania da tecnologia e da genética, a escassez de recursos naturais. Lá pelo meio, entre vírgulas, encontra-se o homem. Não esquecer que o que nos torna humanos é tudo o que as máquinas não conseguem ser, bem como esta capacidade de explorar com a curiosidade própria das crianças. Falo da liberdade de escolher, da capacidade de ser nas artes (a poesia, música, teatro, pintura…), da intuição, da criatividade e da generosidade e empatia. São esses dons que distinguem um ser humano de um robot. São essas características também que podem diferençar uma pessoa, mais completa e verdadeiramente livre, de outra, da mesma espécie, reclusa da sociedade onde sobrevive.

Joana Leal

Os pregoeiros da política do retângulo ibérico continuam na gritaria de dar os Açores como exemplo negativo pelas alianças do partido que, com coligação CDS e PPM, fazer acordos com a extrema-direita.
Nas legislativas de 2015, o Partido Socialista perdeu essas eleições. O formato – na altura original – que ardilosamente optou para governar o país foi fazer acordos, coligações e alianças com a sua parte mais canhota, desde o indefinido Bloco de Esquerda ao autocrata Partido Comunista, amigo dos regimes da Coreia do Norte, da Venezuela, da Bielorrússia e outras ditaduras deste planeta, todos violadores dos mais básicos Direitos Humanos.
Quando o PS fez as contas, voilà, podia varrer a direita de Passos Coelho/Paulo Portas para a oposição, não perguntando ao eleitorado se estava de acordo com a mudança radical que iria impor ao povo.
Era uma situação dúbia, mas que acabou por ser carimbada de “constitucional” pelo presidente da república. O PS com os seus novos amigos de peito, juntos, obtinham uma maioria de deputados na sala-de-repouso em São Bento e isso era ouro sobre azul.
Mas como diz o velho ditado: “Quem com ferro mata, com ferro morre”, o Costa do Castelo nunca pensou que as sucursais insulares lhe fizessem comer da mesma receita, já mofenta e azeda seis anos depois. Teve de engoli-la e com ela um osso-agulha que se lhe cravou na garganta: O osso-Chega.
José Manuel Bolieiro era um desconhecido para Costa, que logo se informou junto das suas fontes próximas açóricas quem era aquele “boleeiro” (cocheiro).
Porque nas legislativas nos Açores, o Partido Socialista teve, sozinho, mais votos do que os outros, mas não o suficiente para maioria, o tal “Boleeiro” limitou-se a usar a tal mofenta e azeda receita de há seis anos, além das coligações com o CDS e o PPM, fazer uma espécie de combinação entre lençóis com a Iniciativa Liberal, o PAN e… pasme-se, o Chega, partido que passa muito tempo em laboratórios de bruxaria, para ver se consegue clonar Salazares, Pinochets e outros espíritos malignos.
Em Portugal tornou-se moda a esquerda difamar a direita, usando o pretexto de que partidos como o Chega não podem existir no país. E no entanto, a Constituição permite a sua existência e quem votou essa lei-base foram os deputados. Há portanto aqui uma contradição: Se não o querem, porque votaram numa Constituição que o permite?
De resto, a mesma Constituição permite a extrema-esquerda como o BE e os comunistas.
Para ideologias de ditadura torna-se insuportável aceitar opiniões contrárias. Mas a Democracia, na sua infinita complacência, tolera as liberdades de pensamento e ação cívicas, a participação de todos para o bem-estar comum. E até aceita a existência de partidos políticos contrários a esses princípios de estado de Direito democrático, como sejam os partidos radicais de esquerda. Não se compreenderia, portanto, que não aceitasse os de extrema-direita.
Cabe ao Povo e à sua livre escolha, o poder de discernir por entre o trigo e o joio, em toda a sua plenitude.

José Soares

Crónica do tempo que passa (81)

O Terceiro Ciclo da Autonomia Açoriana já chegou

Começou da melhor maneira a celebração do Dia dos Açores, que teve lugar na passada Segunda-Feira de Pentecostes, na Assembleia Legislativa Regional, a qual nos fez recordar os primórdios da fundação do regime. Desde 1976  foi, durante alguns anos, sentido por muitos como uma dádiva para o promissor futuro das ilhas. Então, muito se falava e discutia, com vivo entusiasmo sobre o desenvolvimento harmónico de todas as ilhas e da união dos açorianos. Disso, daremos conta na próxima crónica.

Por aquilo que lemos, ouvimos e vimos pelo directo da Assembleia, só podemos elogiar e desejar que, em próximos anos, outras comemorações sejam tão interessantes, plurais, cordiais e lindas como esta, que  inicia um novo estilo de vida política no nosso arquipélago. 

Pela primeira vez, na história da autonomia regional, tivemos a maior representação social e a mais variada visão dos problemas das nossas comunidades insulares. Foi um momento inédito, como sublinharam os Presidentes da Assembleia e  do Governo, assim como outros oradores intervenientes com discursos que vale a pena ter em consideração, pois eles poderão até constituir, no futuro, marcos importantes da transformação profunda que, a partir deste ciclo, urge fazer na prática política e na administração das ilhas açóricas.

O apelo à união e contra os bairrismos foi a tónica dominante dos dez discursos proferidos no Parlamento da cidade da Horta, este sim a verdadeira “Casa da autonomia” como se ouviu e não a outra para a qual  perdulária e polemicamente se investiram milhões de euros, de forma leviana e precipitada, para inchar os egos de alguns vaidosos, e evocadores de factos, hoje tidos como lamentáveis, e dignos de condenação, quando existe tanta pobreza nas ilhas, como é visível nalgumas como São Miguel e Terceira, e que os números estatísticos comprovam.

A celebração foi linda, com um rico ramalhete de flores que nos ofereceram, nestes dias tristes de isolamento, a que temos estado sujeitos e com tantas privações, tantos projectos adiados, e tantos problemas que vieram agravar, ainda mais, a já difícil vida dos nossos conterrâneos. O tom e a oratória utilizados foram, também, adequados ao contexto de expectativa, tolerância e esperança que se vive nas ilhas desde Outubro passado. A quase totalidade dos 10 discursos proferidos  foi agradável de se ouvir, o mesmo não aconteceu aquando da apresentação do Plano e Orçamento, como escrevemos neste jornal na crónica anterior.

E em dia de festa e de celebração falou-se também da açorianidade, conceito que urge utilizar com moderação e sem abusos, psitacismos, redundâncias, mesmo com o respaldo de citações de Vitorino Nemésio, elas não são, às vezes adequadas, ao  que o eminente escritor entendia por ”açorianidade, nem ao significado desta última na sua obra. Esse conceito é complexo e não pode ficar apenas centrado em simples artigos de jornal, publicados em 1975. Esse conceito tem sido, indevidamente, apropriado para fins políticos interesseiros ocasionais.

No contexto actual é mais útil, aconselhável, não tornar a cair em teorizações estéreis como aconteceu no passado, de que alguns de nós ainda nos lembramos bem. Como temos escrito amiúde, os açorianos de todas as ilhas (a insularidade e açorianidade não são encaradas da mesma maneira, em todas as ilhas), mais do que discursos mesmo harmoniosos ou eloquentes,  como os referidos na cerimónia oficial do Dia dos Açores, o que eles querem para as suas vidas é ter obras realizadas, usufruir dos progressos técnicos, científicos e culturais, ver as  promessas que lhes fizeram serem cumpridas, sentir liberdade de se exprimirem e serem ouvidos como cidadãos, receber justiça e equidade nas decisões dos governantes, erradicar as assimetrias do desenvolvimento insular, resultante do egoísmo de uns poucos, e do centralismo monopolista e capitalista regional que, em vez de debelar essas assimetrias, como previsto e prometido, aumentou ainda mais, nas últimas duas décadas, com os governos  apoiados por um partido dito socialista. Tal facto é deveras surpreendente, no pior sentido do termo.

Necessidade de conhecimento mútuo

É fundamental dar a conhecer a realidade do nosso arquipélago, com nove pequenas ilhas dispersas, numa distância de cerca de 600 quilómetros de um extremo ao outro do mesmo. Esse conhecimento e intercâmbio é agora considerado como alavanca essencial, diríamos mesmo, uma pedra angular do desenvolvimento integral das ilhas, e não como simples medida emblemática da coligação PSD, CDS-PP e PPM.

É preciso aplicar os conhecimentos ao dispor de todos e, sobretudo dos jovens, alguns deles bem qualificados e desejosos de serem convocados para os ingentes trabalhos que temos pela frente, neste novo ciclo autonómico. O futuro será o que os habitantes amantes  destas ilhas quiserem. Os governos sozinhos pouco poderão fazer, se os açorianos de nascimento ou de coração não derem o seu indispensável contributo empenhando-se,  com determinação e entusiasmo, pelo bem comum que deve ser de todos e sem discriminações geográficas ou de qualquer outra espécie.

Para isso,  é imperioso e imprescindível dar a conhecer os problemas das pessoas e das comunidades, que habitam estas terras encantadoras e, por vezes, tão difíceis de se entenderem. É mister conhecê-las bem e ir ao seu encontro não só nos anos de eleições. As barreiras já não são como as que os mais velhos conheceram, antes de 1976. A recente medida da tarifa de 60 euros, para os residentes, marca um avanço qualitativo considerável para esse conhecimento, para o inestimável convívio e para o incremento das economias das mais pequenas ilhas, algumas delas em preocupante processo de desertificação.

A união dos açorianos e as rivalidades são antigas, existem ainda, mas é preciso extirpá-las. Isso não será fácil  de conseguir. Se não se aprofundar o sentido do que se deve entender por “comunidades insulares” e por autonomia democrática regional ou por ”espírito açoriano”, continuaremos a debitar  rosários de lamentações, lugares comuns, disparates e recriminações em série, ou constantes choraminguices que, até hoje, nada de benéfico nos trouxeram.

Não à macrocefalia dos serviços públicos

Autonomia, Insularidade, Açorianidade são termos que necessitam de ser postos em prática, com efeitos sentidos no dia a dia das pessoas, com a adopção de novas políticas descentralizadoras, apropriadas a cada território,  criando-se assim riqueza e mais postos de trabalho. E não fazendo a concentração sistemática dos serviços públicos oficiais, contribuindo, tão-só, para o progresso monopolar e parcialmente bipolar, privilegiando uma ou duas ilhas mais povoadas, preterindo-se as demais mais frágeis.

 Pouco importam as enunciações de medidas a aplicar, se estas não forem sentidas como úteis e sólidos instrumentos ou eficientes ferramentas para o progresso das populações. A forma de exercer a autonomia  é,  por isso e para isso, determinante,  exigindo-se a participação dos governos, dos eleitos regionais, municipais, locais e, naturalmente, dos cidadãos eleitores. A construção da autonomia ou da democracia não é pertença ou exclusivo dos partidos políticos apenas, mas  pertence, igualmente, aos cidadãos independentes.

 Os que não votam são, por enquanto, livres de o fazerem, contudo não têm moral nem direito para exigir ou barafustar, sem nada terem dado em troca. Só limando as arestas e com o contributo de todos evitaremos os rochedos e chegaremos a bom porto sãos e salvos.

Findamos com a transcrição de uma pequenina passagem, extraída de uma notável comunicação de 23 páginas, apresentada no dia 19.12.1976, em Ponta Delgada, por um grande paladino e intransigente lutador pela Autonomia dos Açores, o Dr. Cândido Pamplona Forjaz, nosso antigo e muito estimado Professor, e também colaborador entusiasta deste quinzenário (ver o seu incentivo aos jovens obreiros do Jornal da Praia, Ano I nº 3 de 27.05. 1982, inserto na nossa edição de 8.07.2016, p.5, por ocasião do 34º aniversário deste jornal).

 Devido ao  grande interesse e premente actualidade dessa comunicação, a ela voltaremos na próxima edição. Por agora, fica a passagem acima mencionada que é do teor seguinte.

«Tudo depende do espírito com que a autonomia for praticada. Mas estou absolutamente convencido de que a intercomunicação das populações, o melhor conhecimento mútuo, que daí advirão, poderosamente poderão contribuir para favorecer a consolidação das novas instituições e derrubar de vez os velhos preconceitos bairristas» (Cândido Pamplona Forjaz, Memórias, p. 371, Cidade de Angra 1984).

António das Neves Leal

28.05.2021

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante