Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

No meu artigo anterior, comecei a relatar a “saga da luta” pelas consultas de apoio do Centro de Saúde, contando na primeira pessoa, como têm sido as “sortes” e os “azares” relativos a esta situação. Hoje, darei seguimento e concluirei o meu testemunho, esperando, desta forma, deixar o meu contributo social para que, eventualmente, algumas práticas mudem, com o tempo, para bem de todos os “coitados” que precisam…

Ora bem, vamos a ver, eu preciso de uma consulta de apoio, devo ligar para o número de telefone do Centro de Saúde e aguardar que me atendam. Quantas e quantas vezes fiquei uma hora ao telefone e ninguém me atendeu? Quantas vezes a chamada se desligava misteriosamente (é a tal adrenalina da “aventura”…) e eu voltava a telefonar, a insistir, até alguém me atender ou até eu me cansar de esperar?

Esta semana precisei de marcar uma consulta de apoio. Fiz como estou habituada: liguei para o número do Centro de Saúde. Desta vez fui atendida mais depressa. “Que fixe!!”. Disseram-me que agora havia uma linha telefónica direta para as consultas de apoio. “Sim senhora! Se calhar as coisas estão a funcionar melhor…”. Telefonei ontem, telefonei hoje. “Não. Enganei-me. As coisas não melhoraram”. A diferença é que dantes ficava ansiosa, porque o sinal continuava a dar-me esperança de ser atendida a qualquer momento e depois, de repente, ou era atendida, ou a chamada era desligada. Agora, passados alguns segundos, a chamada é frequentemente desligada. Eu volto a tentar, repetidamente, já em piloto automático… A revolta e a falta de compreensão começam a ganhar espaço dentro do estômago… Volto à respiração, ao meu corpo. Focada, tento acalmar essa emoção.

A tentar ser atendida telefonando desde as 8h00, eis que, às 8h25, uma voz do outro lado me atende. Expliquei o motivo do telefonema (supostamente não deveria ter sido preciso, uma vez que a linha era direta para consultas de apoio, ou talvez eu desconheça as suas outras finalidades) e foi-me dito que as consultas para o presente dia e o seguinte já estavam cheias. “Ok. É muita gente. Compreendo”. Volto a dizer, não sou melhor que ninguém e não quero aquilo que não for para mim. Contudo, todas as aventuras pressupõem um desafio e há prémios para quem consegue, corajosamente, vencer um desafio muito difícil. E perguntei: “pode explicar-me como é que funciona o atendimento, é que eu estou a ligar desde as 8h e não me atendem…”. Do outro lado, com simpatia, mas com algo na expressão que denotava uma postura desconfortável e defensiva, respondem-me que compreendem, que só há um médico, que há muita gente a telefonar e que há uns que têm “sorte” de ser atendidos, há uns que têm quatro consultas por mês e outros que não têm uma única.

Bom… é assim que estamos. Estamos deixados à mercê da sorte para tudo. Tudo é uma sorte. É uma sorte ser atendido ao telefone, é outra sorte haver uma explicação do que se passa, é ainda sorte ter consulta e esta ser com um médico competente. Ai, desculpem… queria dizer, um médico que, tal como aquele que referi no artigo precedente, seja bom ouvinte, prestável e prático. Mas se ele não for e, ainda assim, me olhar nos olhos, me der bom dia e me responder às singelas perguntas que eu colocar, também agradeço o esforço… Ah, espera… não deveria ser esforço. Deveria ser competência… Ups, estes termos todos baralham-me…. O ter acordado cedo deve ter-me confundido as ideias.

Terminando esta partilha, gostaria de dizer que compreendo que os serviços tenham de se adaptar a esta situação tão complicada, a este flagelo que é a COVID. Compreendo que, havendo apenas um par de médicos, ou pouco mais, a dar consultas de apoio, não haja matematicamente espaço e tempo para todos os utentes serem atendidos quando necessitam. Aceito que é difícil estar num serviço de atendimento ao público e ter de lidar com a carga emotiva que toda a situação provoca. Acredito também que “quem dá a cara”, faz o seu melhor.

Mas, por favor, pelos santinhos e padroeiros, Santa Batilde, Santa Apolónia, Santa Bibiana, Santa Brígida, Santa Paulina, Santo Afonso de Ligório e em especial o grande São Camilo de Lélis (protetor dos enfermos e profissionais da saúde) revejam os procedimentos. Reorganizem-se com resiliência. Respeitem um pouco mais os coitados que precisam. Todos nós precisamos uns dos outros. Cada um na sua área, cada um com o seu ofício e aptidão. Sejamos mais atenciosos, menos acusatórios e manipuladores.

Uma sugestão para os profissionais e chefias: não há consultas de apoio? Está tudo cheio? Ponham uma gravação a indicar isso mesmo… Trabalhem a união, a motivação e reforcem o bom trabalho.

Um pedido aos nossos políticos e governantes: coloquem mais médicos (com perfil, diga-se de passagem, pois quantidade não é qualidade) ao serviço desta causa. Merecemos um atendimento público válido, justo e de qualidade. Aliás, não é isso o que todos procuramos nos diversos contextos e ambientes de vida?

Joana Leal

Crónica do tempo que passa (85)
600 Filarmónicas a Património da Humanidade

«O Património Imaterial só o é quando criarmos condições para a permanência, transmissão e continuidade no tempo. Aliás, é o que a INATEL faz com as bandas filarmónicas»
Em finais do século passado (1998/1999?), recebi um telefonema de um meu amigo colaborador deste jornal, a convidar-me para eu prestar uma ajuda destinada à feitura de um grandioso livro que visava incluir as filarmónicas de Portugal, entre as quais avultam, em grande número, as existentes nos Açores.
O arrojado projecto, segundo me informava o Jácome Bruges, então com responsabilidades culturais na Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, estava a ser entusiasticamente organizado a nível nacional por um militar com formação musical e vasta experiência de bandas filarmónicas.
Tendo conhecimento da enorme importância que elas têm nas nossas ilhas, sobretudo na Ilha Terceira, e reconhecendo o grande interesse do projecto tão longamente sonhado pelo seu proponente, não hesitei em dar logo o meu melhor contributo. Este consistia em fazer três pequenas apresentações das filarmónicas terceirenses que ainda não tinham dado resposta ao pedido formulado pelo responsável do futuro empreendimento.
De imediato, pus-me em contacto com as referidas filarmónicas, duas do concelho de Angra ( a de S. Bartolomeu e a de S. Sebastião) e no concelho da Praia da Vitória (a das Quatro Ribeiras), procurando colher elementos sobre a sua fundação, os seus directores musicais, a inserção na comunidade e principais actividades desenvolvidas, deslocações, concertos, etc.
Infelizmente, a primeira contactada, a das Quatro Ribeiras, nessa altura, já não estava activa. Tive muita pena porque o «Jornal da Praia» tinha publicado, um ano ou dois antes, a conferência que eu havia proferido no 111º aniversário da Filarmónica União Sebastianense sobre a Importância da Música e o Papel das Filarmónicas. ( V. JP, nº 249, de 11 de Dezembro de 1997, p. 14 e p.15).
Após este facto inesperado, desapontado, rumei a S. Bartolomeu, a fim de colher elementos sobre a sua filarmónica e assim poder fazer a apresentação solicitada. O mesmo aconteceu com a da Vila de S. Sebastião, e concluídas as suas notas curriculares históricas, fomos aguardando futuras notícias. Os anos foram passando e até pensei que o projecto tinha morrido ou encalhado, no meio da indiferença ou das burocracias.
Mas o último número do «Tempo Livre», (TL), edição de Julho/ Agosto de 2021, trouxe-nos, finalmente, uma boa nova, na entrevista de Maria João Costa (ler p.6 e p.7 ) a Paulo Lima, o muito conhecido «Homem UNESCO», apelido que dispensa, mas que se justifica por ter sido responsável pelas candidaturas do Fado, Cante Alentejano, Arte Chocalheira, Morna (Cabo Verde), e agora mais recente, das Bandas Filarmónicas (ainda em fase de preparação), juntamente com a Fundação INATEL, a Património Imaterial da Humanidade».
Como velho sócio da INATEL e atento leitor do jornal bimestral TL, no qual já tive ensejo de colaborar ocasionalmente, gostaria de elogiar mais uma vez o nível e a sua riqueza temática, bem como o interesse constante pelas diversas iniciativas artísticas, culturais, turísticas e desportivas do País, que recheiam milhares das suas páginas de leitura indispensável, agradável e enriquecedora, como já escrevi.
Da interessante entrevista vamos salientar algumas das ideias expendidas pelo conceituado e muito dinâmico e influente entrevistado junto da UNESCO sediada em Paris.
1.Neste momento Paulo Lima assevera que está a trabalhar na candidatura das Bandas Filarmónicas e acrescenta:«É uma parceria com a câmara municipal de Alcácer, Fundação INATEL, e o ministério da Cultura de Cabo Verde. Será a primeira candidatura, até agora, como uma candidatura internacional em Portugal ao Património Imaterial. Cabo Verde, porque em Cabo Verde há muitas bandas Filarmónicas. E acredito que tem todas as condições para ser inscrita».
2.A uma pergunta da entrevistadora afirma que Portugal tem muita matéria- prima. O património tem algo fascinante, nasce da vontade das comunidades. Se a comunidade não decidir, não acontece, aliás, nem chega a ser possível instruir o processo. O Património Imaterial só o é quando criarmos condições para a permanência, Transmissão e Continuidade no tempo. Aliás, é o que a Inatel faz com as bandas Filarmónicas. Além de oferecer os instrumentos, cria as condições para que aquele grupo cante/toque no presente e no futuro. Mas ainda há mais duas áreas (…) do património documentado e instrumentário e a valorização das sedes, dos coretos e dos jardins. Conseguimos perceber que há jardins que foram criados a pensar no coreto, e o coreto é este compromisso da Banda em tocar para o povo.
3.Sobre a existência de muitas candidaturas e dos seus investimentos refere: «É importante porque acaba por inspirar outros países a fazerem parte da mudança. Por exemplo, numa altura em que falamos de empoderamento feminino, a morna, como manifestação cultural e património Imaterial, pode ser um veículo para a valorização da mulher no seu país. Sobre o cante Alentejano, outro exemplo, o Cante Alentejano é a única forma que aquela comunidade tem para visitar e conhecer outros locais; permite que os mais velhos possam sair. Não se discute aqui se o Cante Alentejano é melhor do que outro cante, essa não é a questão».
4.Acerca das bandas a incluir nas candidaturas serão escolhidas, segundo Paulo Lima, «as que continuam a desempenhar serviço social, as que atuam em festas religiosas e não religiosas, e as bandas que têm uma escola de formação. São cerca de 600 (seiscentas), 100 (cem) estão sediadas nos Açores. Falamos num total de 30 mil pessoas envolvidas nas bandas e todos muito jovens, com formação superior, e muito superior à licenciatura.
Outros dados curiosos a salientar sobre a constituição indicam que as bandas maioritariamente incluem mulheres e estamos a encontrar músicos que tocam em bandas internacionais. Há uma pessoa que fez uma tournée da Madonna e continuava nas festas da aldeia. Há um sentimento de pertença geracional. É fascinante».

Antonio Neves Leal

 

O espaço de opinião não ganha nada em ser ocupado com ataques pessoais a candidatos, nem tão pouco com ataques vis a projetos políticos. O debate deve ser feito com ideias e com propostas concretas, caso contrário o efeito é simples: os eleitores mais indecisos desmotivam-se de acompanhar um momento tão importante como o que atravessamos para a vida e futuro dos nossos concelhos e afastam-se das urnas de voto no dia em que devem escolher um projeto político para dirigir os respetivos municípios nos próximos anos. Por esse motivo, em momento algum me verão ocupar este espaço com ataques a qualquer projeto político oposto daquele que integro.

Apesar disso, tendo em conta a frequente presença de membros do Governo Regional dos Açores nessa exata qualidade em ações de campanha das coligações PSD/CDS-PP quer em Angra do Heroísmo, como na Praia da Vitória, é fundamental alertar para a falta de ética política que estas presenças constituem e, mais grave, pelo desrespeito pelos valores democráticos. Espera-se dos membros do Governo Regional isenção de apoio aos seus respetivos partidos aquando do desempenho das suas funções públicas ao serviço da região.

Cartazes de ações de campanha das referidas coligações para sessões de esclarecimento à população com a presença dos candidatos e de membros do governo ou publicações nas páginas das candidaturas nas redes sociais onde se podem ver secretários regionais visitarem obras financiadas pelo Governo dos Açores acompanhados por candidatos às Juntas de Freguesia ultrapassam todas e quaisquer barreiras éticas e do bom-senso que se esperam e se exigem a quem representa o povo no órgão executivo regional.

Não podemos, nem devemos sequer tentar demover cidadãos que ocupam funções governativas de apoiarem os projetos políticos dos seus respetivos partidos ou movimentos em que acreditam, mas devemos sim exigir que o façam precisamente na qualidade de militantes, dirigentes ou em qualquer outra função de âmbito partidário, se assim o entenderem, mas em momento algum na qualidade de membros do governo.

Referia, incontestavelmente bem, o fundador do atual Partido Social Democrata, Francisco Sá Carneiro: “a política sem risco é uma chatice e sem ética uma vergonha”. Apliquemos as suas palavras de enorme valor na ação política, seja em que partido for, e respeitemos o povo e as suas instituições, que é o mínimo a pedir, mas também a exigir a quem dos órgãos de soberania faça parte.

Praia da Vitória, 15 de agosto de 2021,

Rodrigo Pereira

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante