Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias
Chamo-me Vânia Figueiredo Ferreira, tenho 41 anos, sou natural da Praia da Vitória e sou candidata pelo PSD/CDS-PP a Presidente da Câmara Municipal da Praia da Vitória. “Honra” será uma palavra demasiado curta para descrever o que sinto, mas com uma intensidade enorme, que vai ao verdadeiro encontro do Amor que tenho pela Praia. Tive a felicidade de aqui nascer, crescer, estudar, e envolver-me na comunidade, dando o meu contributo enquanto jovem em instituições e organizações. Este foi o concelho do qual senti saudades quando me ausentei para estudar, mas, saí com a promessa de voltar. Iria valer a experiência de adquirir conhecimentos, para depois regressar e poder contribuir para o desenvolvimento da minha terra. Era esse o meu sentimento e foi assim que fiz! Na Praia criei raízes, constitui família e é onde desejo que o meu filho, ainda criança, encontre, no futuro, um espaço para se fixar, trabalhar e criar também a sua família. Desejo que a Praia o apaixone tanto quanto a mim. Por amor à Praia, reuni uma equipa de pessoas sérias e competentes, com experiência em diversas áreas e principalmente com provas dadas junto da nossa comunidade, partilhando do mesmo sentimento de que a Praia merece mais e melhor. Pessoas que partilham uma identidade, que sentem que o seu contributo sincero e sem benefícios, será uma mais valia. Acreditamos que uma política de maior proximidade, com os valores do respeito e da solidariedade como base, pode fazer a diferença. Este será o nosso foco: uma política de pessoas para pessoas! Onde todos têm de ser ouvidos, onde todos têm direito a manifestarem-se! O respeito por todos os funcionários que asseguram o funcionamento desta autarquia parece-nos essencial. Queremos pessoas motivadas, que se sintam respeitadas pelas funções que exercem e que se sintam valorizadas pelo contributo ativo que dão diariamente à sua comunidade espalhada pelo concelho. O desafio de recuperar a Praia, que se encontra completamente adormecida, será uma prioridade. Queremos revitalizar o comércio, incentivar e valorizar os comerciantes locais, bem como fomentar a iniciativa privada. Queremos levar a cabo o tão necessário reordenamento da cidade, com a abertura de novos arruamentos, de forma a que jovens casais possam aqui fixar-se. Queremos recuperar e revitalizar também os espaços imóveis da autarquia, propriedade de todos os praienses que merece outro zelo. A valorização da nossa baía não pode cair no esquecimento. Queremos uma cidade virada para o mar, com maior aposta nos desportos náuticos. Reivindicaremos junto do Governo Regional a concretização do Cais de Cruzeiros na Praia da Vitória, infraestrutura que dará condições ao segmento turístico e que colocará a Terceira e a Praia da Vitória nas rotas do turismo de cruzeiros mundial. Queremos continuar a apostar no Terceira Tech Island na Praia da Vitória, como um polo de desenvolvimento e gerador de emprego no concelho e na ilha, bem como criar estratégias para a fixação de novas empresas na cidade. Entre outras questões, como a da contaminação deixada pelos americanos, que tentarei abordar ao longo das próximas semanas, para que conheçam o nosso projeto e o que efetivamente queremos para a nossa Praia. Sou apenas uma pessoa com uma motivação clara de contribuir para o desenvolvimento desta Praia que tanto amo. Vânia Ferreira Candidata à Presidência da Câmara Municipal da Praia da Vitória pela coligação PSD/CDS-PP
Se pelo concelho o nome de Berto Messias foi suando como sendo aquele que melhores condições reunia para assumir a candidatura pelo Partido Socialista à Câmara Municipal da Praia da Vitória, dentro do partido as opiniões também convergiram confirmando-se a sua indicação. Berto Messias é um praiense natural e residente na freguesia do Porto Martins, cujo seu percurso cívico e político começou precisamente na Praia. Desde cedo envolvido nas tradições e costumes da freguesia, do concelho e até da ilha, assumiu a primeira função pública no concelho enquanto Chefe de Gabinete do Presidente da Câmara, era-o na altura Roberto Monteiro, e foi também membro da Assembleia Municipal, funções que para além de desempenhadas de forma exímia lhe deram a experiência e o conhecimento da gestão autárquica do concelho e fazem dele hoje o candidato mais bem preparado nesta corrida. Ainda na Praia e pela Praia, Berto Messias tem também um percurso enquanto cidadão que vai além da política, como é exemplo a sua participação na formação do Grupo de Forcados Amadores do Ramo Grande, pelo qual envergou a jaqueta durante vários anos ou a coordenação das Festas da Praia em 2009, entre outras participações e contributos cívicos. No desempenho de outras funções fora do concelho, Messias foi e é atualmente deputado à Assembleia Regional, tendo já sido líder da bancada parlamentar do PS, e onde frequentemente intervém em prol da Praia da Vitória. Integrou também o anterior governo regional enquanto Secretário Regional Adjunto da Presidência para os Assuntos Parlamentares. Nos próximos anos a Praia da Vitória precisa de uma presidência firme, com a capacidade de pensar a cidade e o concelho a longo prazo, mas com o pragmatismo de resolver vários problemas urgentes. O centro da cidade necessita de recuperar a força que perdeu desde a última grande crise, agravada com o downsizing da Base das Lajes – todos temos saudades da Praia com vida. O concelho precisa de voltar a conseguir fixar a maioria dos seus jovens, que sendo a geração mais bem qualificada de sempre é a mais capaz de apoiar no desenvolvimento do concelho e da ilha. Precisamos também – nós, concelho – de apostar fortemente na causa ambiental e social, não esquecendo a constante aposta na nossa cultura e turismo e naturalmente de apoiar as nossas empresas e economia, potenciando o comércio local, mas também explorando novos mercados a partir das nossas principais riquezas naturais, como por exemplo a nossa baía. É certo que parte deste trabalho vem sendo desenvolvido há vários anos pelo Partido Socialista na gestão do concelho, no entanto é fundamental pensar ou repensar todas estas matérias em conjunto nesta que é altura certa para tal. O envolvimento de Berto Messias no concelho não começou quando se filiou no partido, nem o amor ao concelho quando foi anunciado como candidato. Tem um passado de luta e dedicação pela Praia que é conhecido por todos e tem a experiência e capacidade que fazem dele a pessoa certa para presidir à Câmara a partir do próximo dia 26 de setembro. Praia da Vitória, 15 de julho de 2021 Rodrigo Pereira

Hoje escrevo sobre um assunto que, mais do que ser descrito por palavras, deve ser vivido, através das experiências que o estar vivo nos proporciona. Falo de liberdade, de ter coragem para ser, sentir e viver com a sensação única de gratidão pelo nosso respirar.
Ultimamente tenho procurado desafiar a adulta que vive em mim, convidando a minha criança interior a ensinar-me como posso usufruir desta bênção que é estar viva, sentindo curiosidade e esperança no encontrar a beleza das pequenas coisas.
Desafio agora o leitor a acompanhar-me nesta viagem pelo passado: em crianças exploramos o mundo à nossa volta, desafiando a nossa condição humana. Não temos noção de todas as consequências de uma ação nem estamos conspurcados pela vergonha, pelo medo e pelo politicamente correto. Apetece-nos rebolar? Rebolamos. Apetece-nos apanhar gafanhotos que saltitam por entre a erva azeda do quintal? Pacientemente fazemo-lo, como se de uma peça de puzzle se tratasse, para o nosso dia feliz ficar completo.
Entretanto crescemos, vamos à escola… aprendemos que devemos ser responsáveis e que existem regras de sociedade que moldam os nossos instintos. É um pouco como Freud defendeu: existe o ego (eu), o id (instinto) e o superego (regras sociais, que moralmente se devem cumprir). Nessa transição drástica, entre o pré-escolar e o 1º ciclo, começamos a compreender que já não podemos passar o tempo todo a brincar, a imaginar histórias para as nossas bonecas, a desejar ser super-heróis, a saltar à corda, andar de baloiço ou pintar, como tanto gostamos. Deixamos a nossa alegria de lado para entrar no mundo da competição, do dever e das regras. Fazemo-lo porque temos de ser alguém na vida e esta não é só brincadeira. Primeiro o dever, depois o prazer. Não é este o mote que tantas vezes condiciona as nossas instruções para com as crianças?
Crescemos no tempo muito rápido. Vejam-se os comentários das fotos publicadas nas redes sociais, feitos por mães, falando dos seus filhos. “Estás tão grande… oh tempo volta para trás… como o tempo passou depressa…”. De facto, o tempo vai passando e é suposto se ir percorrendo os vários períodos de desenvolvimento com tranquilidade e calma. Ora isso é tudo menos o que acontece. Doem os ossos, que alargam, modificando até a expressão facial e o olhar criativo que nos caracteriza. Surgem os pêlos, as borbulhas, os odores…a menarca. “Pronto, estás de parabéns! Já és uma mulherzinha.” Agora é expectável uma série de comportamentos que dignifiquem essa condição.
Esquecemo-nos que o ser criança é um estado mágico, uma verdadeira bênção que protege o adulto de mazelas e impossíveis. A nossa criança interior refugia-se num cantinho do nosso coração, tornando-se visível numa anedota contada, num sorriso matreiro, no amor que mostramos e no tempo que se estica e que nos permite saborear a música, a meditação, a pintura, as colagens, a agricultura, o teatro, a ginástica.
Em crianças desejamos ser jogadores de futebol, professores, médicos, cantores… O mundo é uma inteira possibilidade. É-nos incutida a magia através da referência ao pai natal, por exemplo. No entanto, contam-nos histórias complexas e ambivalentes acerca de um lobo mau que quer comer a capuchinho vermelho, dos três porquinhos que construíram casas de palha, madeira e tijolo, mas só um deles foi feliz na sua escolha. Lembra-se qual foi? Não foi o lírico da casa de palha, mas sim o da casa de tijolo. Aquele que teve mais trabalho, que brincou e riu menos. Apenas esse conseguiu uma casa segura e protegida das intempéries e dos “lobos maus” da sociedade.
É muito confuso crescer. Torna-se difícil acompanhar as mudanças internas e externas que acontecem e que atropelam a essência humana: a felicidade de ser.
Se pensarmos por um momento numa situação da nossa vida que tenha sido mais desafiadora em termos emocionais, ou se já fizemos psicoterapia, se tivemos acompanhamento psicológico em algum momento, percebemos que o denominador comum, o que nos motiva e é estimulado, é a busca do prazer. Isto é, se estamos com pouca energia, procurar realizar atividades que nos deem energia; se estamos tristes, procurar a alegria, rindo e permitindo voltar a entrar dentro da nossa face aquela cara luminosa de criança e não a ossuda, séria, reprimida, que nos mascara, tantas vezes.
Há pouco mais de dez dias comemorávamos o 25 de abril, o dia da liberdade. Li várias publicações, vi músicas e textos partilhados nas redes sociais sobre o tema. Tanta intelectualização sobre algo que pode estar ao alcance de cada um de nós: a liberdade individual. Basta querermos voltar a saltar à corda, rebolar na areia, na terra…apreciar o passo apressado de uma formiga a levar uma migalha de pão às costas, mascarar-nos, experimentando roupas e cores que fogem da nossa zona de conforto.
Hoje fala-se muito de meditação mindfulness, na qual a atenção plena é o requisito fundamental para a prática. Na verdade, para estarmos presentes basta resgatar a nossa criança interior, a nossa criatividade, a nossa bondade, a curiosidade e a coragem de acreditar. Nada nos garante que será fácil… mas lembrem-se: as dores de crescimento também não o foram.
Para concluir, sugiro que os leitores tirem um tempo para ver o documentário/série “2077- 10 segundos para o futuro”. Neste, encontramos a evolução das máquinas no tempo, a megalomania da tecnologia e da genética, a escassez de recursos naturais. Lá pelo meio, entre vírgulas, encontra-se o homem. Não esquecer que o que nos torna humanos é tudo o que as máquinas não conseguem ser, bem como esta capacidade de explorar com a curiosidade própria das crianças. Falo da liberdade de escolher, da capacidade de ser nas artes (a poesia, música, teatro, pintura…), da intuição, da criatividade e da generosidade e empatia. São esses dons que distinguem um ser humano de um robot. São essas características também que podem diferençar uma pessoa, mais completa e verdadeiramente livre, de outra, da mesma espécie, reclusa da sociedade onde sobrevive.
Joana Leal

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante