Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

Crónica do tempo que passa (81)

A Participação cívica e política

“O espírito de partido cria interesses próprios de partido, e exerce sobre toda a actividade mental uma acção perturbadora. Raul Proença,  Seara Nova, nº. 2.”

Todos os que me seguem desde há quatro décadas e meia, sabem que não sou homem de espartilhos ideológicos e já mostrei ser bastante crítico a filiações partidárias rígidas e sectárias. Primeiro porque prezo muito o espírito crítico e a independência de pensamento. Ora os homens educados nas disciplinas do pensamento livre são, visceralmente, avessos a pressões de qualquer facção. Nunca em caso algum, poriam acima das suas convicções profundas, das suas dúvidas e reservas mentais, um dogma político  de supremacia partidária.

Outra razão, a segunda, baseia-se no facto de conhecermos razoavelmente as engrenagens internas dos partidos, e é preciso ser-se muito oportunista e destituído de princípios éticos para se acatar decisões que vão contra a nossa consciência, maneira de ser e de estar no mundo. Nunca gostei de ser papagaio de imitação, nem trampolim  para promoção de medíocres que, cada vez mais, enxameiam as facções partidárias. Por isso mesmo, não tenho nem pretendo vir a ter mais ficha partidária, e a que tive foi durante um lapso de tempo muito reduzido. A sua validade terminou em 1988.

Prefiro a militância político-cultural dentro de movimentos suprapartidários. Estes são mais eficazes e frutuosos para o desenvolvimento pessoal e para o progresso das comunidades. Infelizmente, a partidarite e o apego ao tacho de alguns politiqueiros têm obstaculizado o desabrochar e o incremento dos movimentos de cidadãos livres, incomparavelmente mais representativos  dos anseios e das vivências das regiões e dos países.

Toda a gente sabe que os militantes dos vários partidos são uma ínfima minoria da população, que não ultrapassará, na melhor das hipótese,  cinco por cento dos que podem votar. Também ninguém duvida que a elite de um país não se cinge a dúzia e meia de barões, alguns deles duma pobreza intelectual e técnica digna de dó ou de repulsa.

Não resisto a citar, mais uma vez, Raul Proença quando ele escrevia há cem anos, na revista Seara Nova ainda em publicação, e à qual tanto deu no decurso da sua existência de cidadão exemplar, como ficou sublinhado nas celebrações centenárias deste ano quase a findar.

« Por maior que sejam o desinteresse e a boa vontade dos que se resolvam a constituir-se em partido político, a verdade é que dentro em breve, à consideração inicial dos interesses colectivos se ajunta e sobrepõe a dos interesses partidários. Forma-se uma nova psicologia, uma nova moral, deveres para com o partido e o grupo em conjugação algumas vezes, muitas outras em oposição aos deveres para com o País… Um grupo não partidário vale o que valem os seus homens, um partido político, pelo contrário, cria vícios  e defeitos próprios… esse grupo dá mais garantias de desinteresse  conservando-se completamente fora de todas as facções do que arrebanhando-se num partido político.».

 É, pois, paradoxal num regime dito democrático a não aceitação de eleitos por sufrágio directo universal sem o prévio beija-mão aos dirigentes partidários. É triste mas pouco ou nada se faz contra o seu monopólio eleitoral, ferreamente defendido pelos profissionais e mercenários da política. Compreende-se o receio de muitos deles, porque não querem perder os seus chorudos vencimentos e outros privilégios, é  também incompreensível a indiferença, a inércia e a demissão dos direitos cívicos e sociais dos eleitores e da população em geral. Esta deve ser responsabilizada pelo que vem acontecendo no País, não assistindo apenas de camarote.

Participação  cívica e política, precisa-se

Nos Açores, mais do que noutras regiões de Portugal, tem-se sentido o peso crescentemente  avassalador da engrenagem partidária. O desemprego, de vez em quando, com maior insistência leva os políticos à tentação de admitir novos “afilhados”  incompetentes e desonestos em detrimento dos mais idóneos e mais bem preparados. Estes últimos, uma vez sondados, logo se considerarem  capacitados para ocupar qualquer pasta governamental, seja de ministro no governo da República seja de secretário regional dos Açores ou da Madeira. Como se a formação para os cargos fosse coisa acessória e fácil de obter e à mercê de qualquer indivíduo, de um momento para o outro.

Os« especialistas» brotam como cogumelos em sectores fundamentais como o das finanças, onde, em vez de um bom economista, é escolhido, por exemplo, um engenheiro de construção civil ou outro profissional que de finanças nada percebe. O mesmo se poderia dizer  do sector da educação, da saúde, da defesa do território etc. As consequências negativas serão inevitáveis.

 Os candidatos polivalentes e que tudo sabem sempre pululam para essas pastas, ávidos do poder absoluto e de notoriedade, sem olharem às exigências, às condições de funcionamento, aos seus perfis adequados ou não, à condução dos trabalhos que irão ter nos respectivos departamentos. Para muitos isso não é preocupante. O mais urgente é ganhar votos. O resto é palavreado e promessas que nunca serão cumpridas umas e ficarão outras adiadas, em lista de espera, aguardando melhores oportunidades, ignorando-se uma eventual realização.

Os assessores e os directores estarão lá para fazer o trabalho de sapa que se impõe e resolver os problemas. Para esses, é indiferente escolher os melhores deputados. Mas destes últimos é que sairão os membros importantes do governo do País, por isso entram os donos disto tudo, nas listas eleitorais, para serem eleitos e se tudo correr bem e terem o poder absoluto, de preferência.

Não há candidatos a primeiro- ministro.

Os votantes deviam saber isto. No dia 30 de Janeiro, só vamos eleger os deputados a que cada círculo tem direito, para  se constituir a Assembleia da República. Esta é a verdade e está claramente exigida pela Constituição da República Portuguesa. Portugal, desde a sua fundação até 1910, foi uma monarquia em que o Rei tinha poder político absoluto e grande influência moral. Hoje, numerosos portugueses já suspiram por ela, porque se sentem traídos pelo que se tem feito com o maior despudor e sem-vergonha, nos últimos tempos.

A degradação do sistema vigente, o desalento, a ausência de debate sério e profundo, a tentativa de escamotear os problemas, a desagregação económica, o divórcio entre os eleitos e os eleitores, entre o Estado e  a sociedade civil são os males que estão a minar a nossa sociedade como tem vindo a alertar a SEDES ( Sociedade Económica e Desenvolvimento Social). Ela não se cansa de afirmar reiteradamente:« É urgente lutar contra a anemia, o desalento, a exclusão».

Oxalá nesta linha de pensamento, o recente Forum Açoriano, que se deseja descentralizado e enriquecido, não se esqueça de debater os problemas mais candentes da realidade açórica. Isso seria um valiosíssimo contributo para o progresso total do arquipélago dos Açores.

António das Neves Leal

17.12.2021

De como não fazer turismo no verão

Depois de mais de 50 anos a viver no Continente, conheço bastante bem a faixa da beira-mar, a região do Douro, que tenho visitado frequentemente, Castelo Branco, onde fiz tropa, e a Covilhã, onde passei umas férias; fui bastantes vezes a Viseu, a Santarém e a Évora. Mas isto não me permitia dizer que conhecia o interior; daí a minha vontade, concretizada este Verão, de fazer a “Nacional 2”.

Gostei do passeio, mas não é uma experiência para repetir ou recomendar. É uma proposta muito promovida pelo marketing, que não dá, nem de perto nem de longe, o que promete; basta relembrar-me de uma ou outra refeição que foi um desastre, ou perto disso, e um ou outro hotel pouco cómodo para recuperar do cansaço da jornada.

A viagem teve, contudo, vários aspetos positivos. A guia que nos acompanhou era competente e comedida, não dizia nem de mais nem de menos, e estava sempre disponível para dar mais informação, se solicitada. Neste especto, o passeio valeu a pena. Embora conhecêssemos, a minha mulher e eu, quase todas as localidades visitadas na viagem, com a ajuda da guia ficámos a conhecer melhor. Mais uma vez ficou evidente para mim o impacto de novas construções que descaracterizaram várias das nossas cidades e vilas e, em algumas, os atentados urbanísticos atingiram dimensões inimagináveis; não é apenas Viana do Castelo que tem o seu “prédio Coutinho”.

Ao viajar pelo interior, em estradas de montanha, ficámos com uma noção mais concreta da invasão do eucalipto; é impressionante. Como impressionante é o despovoamento, que o eufemismo “territórios de baixa densidade” pretende suavizar. Percebe-se que no interior vive cada vez menos gente e cada vez mais idosa, o que o último senso veio quantificar. Vêem-se fechadas casas muito bem conservadas, esperando a vinda dos donos em gozo de férias ou de fins de semana.

Vimos artesanato que desconhecíamos. Para lá dos barros negros de Bisalhães, Trás-os-Montes, descobrimos os da aldeia de Molelos, na região de Dão Lafões. Aproveitámos para comprar uns alguidares para fazer alcatra, que em minha casa é prato muito apreciado e frequente. Não são exactamente os que se usam na Terceira, mas, exceptuando a cor do barro, tem as mesmas características.

Na região do Dão, fomos almoçar ao restaurante da Quinta de Cabriz, em Carregal do Sal. Foi a melhor refeição de todo o passeio.  Vale a pena lá ir, pelo menos em termos culinários e para comprar bons vinhos a bom preço. A relações públicas da Quinta disse-me que é melhor fazer marcação.

Gostei da viagem, mas penso que não é de repetir. Todos os dias fazem-se entre 180 e 220 quilómetros de autocarro, por estradas de montanha imensamente cansativas e sem interesse de maior, a não ser que circulamos na “Nacional 2”. Mais vale pegar no nosso carrinho, programar três ou quatro passeios e ver o fundamental. Em vez das centenas de quilómetros que fizemos, bastaria ir a Pedrógão para percebermos que há áreas do país infestadas de eucaliptos e que os incêndios não vão desaparecer nos tempos mais próximos.

Gostei do desvio da “Nacional 2” para irmos a Évora, onde, para além da cidade de que gosto muito, visitámos uma fábrica de cortiça e participámos, pela primeira vez na vida, numa prova de azeite, uma experiência para guardar na memória.

A viagem é imensamente cansativa. O último dia, então, foi demais: Faro – Lisboa (pausa para almoço) e Lisboa – Porto, onde chegámos maçadíssimos. Felizmente um dos meus filhos estava à nossa espera para nos trazer para casa.

Uma nota final, que não esquecerei facilmente. A guia, que nos acompanhou durante todo o percurso, despediu-se de nós quando nos aproximávamos de Lisboa, onde ia ficar; daí até ao Porto, fomos acompanhados por outra. Naquela despedida, quase no fim dos agradecimentos, a guia disse que ela e o motorista estavam a fazer o primeiro serviço dos últimos 9 meses. Ao terminar a frase, fez uma larga pausa, que nos surpreendeu; passados uns momentos, percebemos que estava a chorar. Perante a situação embaraçosa, toda a gente começou a bater palmas, dando tempo à senhora para recuperar o controlo das emoções. As lágrimas da guia foram para mim a prova de que a Covid-19 não trouxe apenas um problema de saúde pública; teve também um impacto enorme na economia, nomeadamente na área do turismo, que dá trabalho tanta gente no nosso país.

Braga, Setembro de 2021

José Henrique Silveira de Brito

Crónicas de Lisboa

Bilhetes Postais a Preto e Branco

Porque são muitos os bilhetes postais que poderemos ir “fotografando” por aí, eu tinha prometido que continuaria com este tema iniciado na crónica anterior. Assim, aqui vão mais bilhetes postais.

i) Arrumadores de carros-Naquela crónica “enviei” bilhetes postais coloridos e outros a “preto e branco” que, neste caso, as cores “negras” significam situações que não deveriam existir numa sociedade desenvolvida, isto é, os “sem-abrigo” e os “arrumadores” de carros, este não são mais do que pedintes que usam um expediente que já tem algumas décadas. No passado havia os guardas dos parques de estacionamento, normalmente gratuitos, e que ali permaneciam fardados e registados nos antigos Governos Civis. Guardavam mesmo as viaturas ali estacionadas e, normalmente, eram “pagos” com uma gratificação que o automobilista lhe atribuía no final do “serviço prestado”. Mais adiante, esses e outros espaços passaram a ser explorados pelas autarquias e empresas por elas criadas (EMEL, em Lisboa; a EPorto, na cidade do Porto, etc) e surgiram estes novos “arrumadores” que nada fazem de útil, mas que um pouco “coercivamente, vão colhendo umas moedas, às vezes bons proventos, que depois e infelizmente, gastam em vícios. As autoridades assobiam para o lado, apesar de algumas tentativas de “regular” esta “atividade” que, diga-se, nada acrescenta. Aqueles que ousaram, como foi um antigo presidente de câmara (do Porto – Rui Rio), foram “crucificados” na praça pública e, deste modo, continuamos a assistir a este triste espetáculo que ninguém põe cobro. O automobilista acaba, em muitas situações, a pagar duas vezes, isto é, ou paga pelo parquímetro e ou “paga” ao arrumador que depois vai à procura de outro “buraco”, para naqueles movimentos típicos “ajudar” o automobilista a estacionar.

Algumas autarquias, como é o caso de Lisboa, foi alargando os parquímetros pagos por toda a cidade, com algumas poucas exceções e, nestes casos, porque as Freguesias, agora com outros poderes e responsabilidades, se opuseram porque pretendem ser comparticipadas em parte das receitas e que aquela, a Câmara Municipal de Lisboa, utiliza para financiar o défice de exploração da Carris (empresa pública com os autocarros e carros elétricos). O automobilista ou o seu automóvel é uma “Cash Cow” (*) do OE e das empresas municipais que exploram os espaços de estacionamento, pelos impostos que incidem nos combustíveis nas viaturas e também nos parquímetros, como receita camararia, pois já quase não há locais onde eles não existam. E ai se o automobilista se excede no tempo ou se “esquece” e logo aparecem “zelosamente” os funcionários a bloquearem a viatura e remove-la para um parque afeto a este “trabalhão”. Já fui vítima desse zelo e já observei, em várias autarquias, a situações bastante embaraçosas.

(*) - Cash-Cow é um termo anglo-saxónico e aplicado na gíria empresarial e financeira e que, grosso modo, significa a “vaca leiteira”, aquela que dá leite suficiente para permitir que as mais novas (podem ser produtos novos em lançamento no mercado, etc) possam sobreviver e crescer para, mais tarde, elas próprias também serem umas “Cas-Cows”. Neste exemplo que aqui cito, a “Cash-Cow” é o automóvel e o “leite” corresponde à enorme carga fiscal que incide sobre o automóvel, incluindo as portagens. E quando a vaca emagrecer, donde virá depois o leite para alimentar tantas e tantas políticas de afetação destas receitas? Por muito que se goste, não vão ser a bicicletas/trotinetas e afins que vão gerar receitas, bem pelo contrário.

ii) Os sem-abrigo-O caso dos “sem-abrigo” é mais complexo, com muitas situações dramáticas de degradação e destruição humana, mas também as “autoridades assobiam para o lado”, mesmo que o atual PR-Presidente da República, de tempos a tempos, levante a voz, mas como não é ele quem governa, fica tudo em “aguas de bacalhau” até às festas natalícias ou numa vaga de frio ou…de calor. Logo surgem recursos para salvar estes deserdados das sociedades desenvolvidas e que, por isso, é inadmissível que ela (sociedade) “tolere” estas situações.

iii) Crescente animalização-(Povoar de animais - in Dicionário Priberam): Ouso afirmar, porque é o que observo, daí mais este bilhete postal e “a preto e branco”, que é mais fácil utilizar recursos, mesmo aqueles gratuitos dos voluntários, na vertente “animais de estimação e domésticos”, do que nos apoios aos “sem-abrigo” e às próprias crianças. É não só uma atitude individual, mas também das autoridades governativas: autarquias, que utilizam recursos escassos na construção de recintos de diversão para cães e seus donos, enquanto nos parques para crianças apresentam estados de degradação e de abandono; Governo e partidos que vão legislando a favor dos animais que parece, em muitos casos, cair no ridículo. O PAN usa o seu poder como fiel da balança parlamentar, para obter do governo do PS recursos e leis em defesa dos animais. Recentemente, o governo anunciou a inclusão no OE de uma verba de vinte milhões de euros para ajudar as famílias carenciadas com os seus animais de estimação e no apoio à construção de centros de acolhimento…de animais! Assim, “paga “ao PAN os “favores” que este partido exerce no equilíbrio parlamentar e, muito importante, é mais fácil “caçar votos” com políticas com os animais de estimação do que com políticas de apoio à maternidade de humanos (atente-se de que há mais de 2,6 milhões de animais de estimação registados no SIAC e destes 2, 4 milhões são cães. No ano de 2020 foram inscritos mais 600 mil animais de companhia, o que resultou num acréscimo generalizado de cerca de 31%.) e até os autarcas sabem que mais facilmente captam votos se os “beneficiários” forem os donos dos animais. Existem muito mais animais de estimação do que crianças, pelo que quaisquer medidas referentes a estes “super seres” (há quem lhes chame menina/o, filha/o, etc, porque dizer cão ou cadela não é fino) alcançam vários milhões de portugueses. E se elas forem na linha do “endeusamento”, então os donos e eleitores agradecem. O negócio em torno dos “animais de estimação” já releva números sigificativos mas, acima de tudo, nos valores das importações. É já um filão o negócio em torno  do “mundo animal de estimação”. A crescer ainda ou surgirá uma crise que abalará esta “moda”?

Nesta crónica, a minha “máquina de memória dos bilhetes postais ilustrados” não larga a cor preta, e ainda tenho mais bilhetes postais a preto e branco, para enviar.  Faltou-me o espaço na “caixa do correio”, pelo que fica para a próxima “mala postal”

Serafim Marques

Economista (Reformado)

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante