Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

De 04 a 08 de novembro, encontra-se a decorrer a reta final do Outono Vivo 2020 na Academia de Juventude e das Artes da Ilha Terceira (AJAIT), Auditório do Ramo Grande e Jardim Municipal Silvestre Ribeiro. Por estes espaços irão passar vários eventos culturais, desde teatro, concertos, apresentações de livros e cinema.

Para hoje, quarta-feira, 04 de novembro, está programada a apresentação do livro “Ilha Terceira por/by Urban Sketchers”, por Assunção Melo, às 20h30. Meia hora depois, sucede-se a apresentação dos livros de Carlos Enes, intitulados “A Violência da FLA Quase Tomou Conta da Ilha” e “A Oposição Democrática em Ponta Delgada: Das eleições de 1969 à Cooperativa Sextante”.

No dia 05, quinta-feira, será apresentado ainda o livro “Uma História de Amor/A Love Story” de Joel Neto, às 20h30. Está prevista também a realização do espetáculo de dança contemporânea “in BOX”, de Diana Rosa, pelas 22h00, no Auditório do Ramo Grande.

Os últimos três dias do festival reservam a apresentação do livro de Liduíno Borba e José Fonseca de Sousa intitulado “Velhas da Terceira”, por Vítor Rui Dores, às 20h30, assim como a exibição do filme “O Ano da Morte de Ricardo Reis”, de João Botelho (dia 6 de novembro, pelas 22h00); no sábado, dia 7, pelas 15h00, haverá a apresentação do livro “As Ruas Demoradas”, de Mário Machado Fraião – poesia reunida por Vítor Rui Dores, enquanto pelas 16h00, realizar-se-á a sessão de apresentação da revista “Atlântida”, pelo Instituto Açoriano de Cultura, seguindo-se, às 17h00, a apresentação do livro “O Pistoleiro do Futuro”, de Pedro Lopes. O dia termina com o concerto de piano a quatro mãos, por “Janeen Teixeira e Antonella Barletta”, no Auditório do Ramo Grande, às 22h00. No último dia, “Viagem de uma Marioneta – Teatro Dom Roberto – A Tourada”, por Ricardo Ávila, pelas 15h00, no Jardim Municipal da Praia da Vitória, e ainda a apresentação do livro “Topografia da Ilha Terceira”, de Jerónimo Emiliano de Andrade, às 20h00, na AJAIT.

O programa do Outono Vivo 2020 também se encontra disponível no sítio online do Município (em http://www.cmpv.pt/download/outonovivo2020.pdf) e através da leitura de código QR Code impresso nos cartazes promocionais do evento.

Os bilhetes para o concerto de piano a quatro mãos, por “Janeen Teixeira e Antonella Barletta” (sábado, dia 07 de novembro, às 22h00) têm um custo de cinco euros e já se encontram disponíveis para aquisição na bilheteira da Academia de Juventude e das Artes da Ilha Terceira e em Ticketline. No dia do espetáculo, a bilheteira do Auditório do Ramo Grande abre duas horas antes do início do evento.

No âmbito das recomendações de segurança da Autoridade de Saúde Regional, a sala de espetáculos terá lotação reduzida e lugares marcados, sendo obrigatório o uso de máscara.

XV Feira do Livro

A par do Outono Vivo 2020, também se realizará a Feira do Livro da Praia da Vitória, que já vai na sua décima quinta edição, estando a mesma a funcionar das 12h00 às 22h00, durante os dias em que ocorram eventos culturais do Outono Vivo.

A Feira do Livro, à semelhança de anos anteriores, dispõe de uma oferta diversificada, mantendo os 50 mil livros, com chancelas de mais de 60 editoras e 22 mil títulos, incluindo de autores estrangeiros e regionais, variando entre os géneros infantis, infantojuvenis, literatura, livros técnicos e ficção.

Quanto aos descontos na venda dos livros, mantém-se os 20% de anos anteriores.

A Câmara Municipal da Praia da Vitória reforça que estão garantidas todas as normas de segurança e que serão cumpridas todas as recomendações impostas pela autoridade de saúde, permitindo que todas as pessoas interessadas possam, à semelhança de anos anteriores, participar dos eventos culturais programados e visitar a Feira do Livro

Nos espaços definidos para a realização deste festival cultural, existirão circuitos específicos de circulação, entradas e saídas distintas, limitação de acessos (máximo de 50 pessoas em simultâneo no recinto da Feira do Livro) e será montada uma tenda no claustro da Academia de Juventude para garantir o distanciamento necessário nas sessões de apresentações de livros, debates, conferências e outros eventos para ali programados.

Fonte: CMPV

MiratecArts marca o Dia Internacional da Animação, 28 de outubro, a noticiar os planos para a quinta edição do festival de animação na ilha do Pico, AnimaPIX, a acontecer em dezembro.

"Este ano de 2020, a comemoração do Dia Internacional da Animação é ainda mais especial" admite Terry Costa, o diretor artístico da MiratecArts, entidade organizadora do AnimaPIX. "A madrinha do nosso festival, Regina Pessoa, concebeu o cartaz da celebração internacional, que também marca os 60 anos da Association Internationale du Film d’Animation." 

 Regina Pessoa obtém a sua inspiração visual da pintura, que estudou antes de conhecer a animação, as histórias alternativas em quadrinhos e da literatura. A artista explicou que estava "fascinada com a possibilidade de adicionar movimento aos ricos visuais e texturas que desenvolvia na pintura, e continuo a explorar esse caminho, inspirando-me na minha própria infância e nas pessoas ao meu redor”, como o excêntrico Tio Tomás, cujo chapéu seu parceiro Abi Feijó segura no cartaz. Os artistas participaram na quarta edição do AnimaPIX.  

 Devido às restrições que a pandemia veio causar aos eventos, a MiratecArts não consegue apresentar este ano o programa com centenas de crianças e jovens. Mesmo assim, a entidade organizadora decidiu avançar com exposições e eventos para pequenos grupos, para os quais será necessário registo para participar. Atividades para os mais pequenos, durante o horário escolar, não vão faltar — desde construir monstrinhos com areia moldável, passando pela sala de banda-desenhada e livros ilustrados e, ainda, a já conhecida personagem "Néveda" terá os seus momentos. 

 Para a audiência em geral está aberto ao público, durante o mês de dezembro, no horário do expediente, a sala de exposições na Biblioteca Auditório da Madalena. Em memória do grande criador da Mafalda, Quino, que faleceu este ano, podem visitar uma exposição sobre esse tema. Aqui também se destaca a exposição comemorativa dos 10 anos do Concurso Internacional de Banda Desenhada "Avenida Marginal". Esta trienal de BD, com génese na ilha do Faial, é organizada por Marco Fraga Silva. ,

Sendo assim, MiratecArts convida a visitarem, a partir do dia 4 de dezembro, a Biblioteca Auditório da Madalena para um cheirinho de AnimaPIX. www.mirateca.com

Encontra-se já em fase de distribuição o mais recente livro de Urbano Bettencourt,Sala de Espelhos.

Seguindo-se a Com Navalhas e Navios (Companhia das Ilhas, 2019), que recolhe toda a sua poesia, este novo livro reúne um conjunto de ensaios sobre literatura açoriana e lançando ainda um breve olhar sobre outras literaturas insulares atlânticas, da Madeira, das Canárias e de Cabo Verde.

Dispostos em sequência cronológica, os ensaios perfazem um percurso que começa no século XIX e vem até alguns autores mais recentes, do século XXI, entre os considerados clássicos açorianos e os novos, já com um espaço delimitado no universo literário, estabelecendo ainda momentos fortes desse percurso e por articulação com os diferentes espaços insulares: o fim do século XIX na Horta, os anos 40-50 em  Ponta Delgada e os anos 60  em  Angra (numa delimitação muito aproximativa). 

O trabalho de Urbano Bettencourt obedece a uma metodologia que combina a análise textual com a indagação das condições materiais que possibilitam a existência da literatura na sua dimensão institucional, isto é, tendo em conta os factores que asseguram a circulação e a divulgação das obras, a sua valorização crítica e social, e trazendo assim um contributo de relevo para a história literária e cultural dos Açores.

Com a publicação de Sala de Espelhos, que conta com o apoio da Câmara Municipal de Ponta Delgada, a Companhia das Ilhas (Lajes do Pico) dá início à edição da obra completa de Urbano Bettencourt (Piedade, Pico, 1949).

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante