Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

O Instituto de Investigação em Ciências do Mar – OKEANOS realiza o 1º Encontro de Biotecnologia Marinha nos Açores, nos dias 5 e 6 de dezembro, no auditório do Departamento de Oceanografia e Pescas da Universidade dos Açores, na cidade da Horta.
Dada a sua localização geográfica e intensa atividade geotérmica, os Açores estão na origem de ambientes marinhos e terrestres únicos, que servem de habitat a uma grande diversidade de organismos. Por todo o arquipélago encontram-se espécies de flora e fauna cuja atividade metabólica representa uma fonte para a descoberta de compostos bioativos, com potencial interesse biotecnológico.
Alguns exemplos são moléculas e bioprodutos com aplicações nas indústrias farmacêutica, cosmecêutica, agro-alimentar, bio-energética e de bioremediação, ou ainda novos biomateriais com aplicações na engenharia de tecidos. Estes compostos têm vindo a despertar um interesse crescente na comunidade científica nacional e internacional, como evidencia o desenvolvimento dos trabalhos de bioprospecção e investigação na área da biotecnologia marinha a nível regional, quer por parte da Universidade dos Açores, quer por empresas sediadas na região.
Gui Menezes, Diretor do OKEANOS considera que “o potencial biotecnológico dos recursos marinhos dos Açores ainda está, em grande parte, por descobrir e, por isso, essa é uma área que queremos alavancar na investigação da nossa instituição”.
O 1º encontro de Biotecnologia Marinha nos Açores foi organizado com o objetivo de divulgar os trabalhos científicos que estão a ser desenvolvidos nesta área, numa perspetiva de promover a convergência de interesses entre os pares, assim como o desenvolvimento de soluções inovadoras para a valorização e uso eficiente dos recursos naturais do Mar dos Açores.

A SOLVIT - Innovation on Telecomunicatios, empresa com sede nos Açores, apresentou recentemente o projeto Custodian - Sensory Network Platform for Sustainable Fishing. Um projeto que resulta de um consórcio internacional liderado pela SOLVIT, em parceria com o AIR Centre, o TERINOV, a Lotaçor, a Docapesca, o Instituto Superior de Engenharia de Lisboa, a UAVISION e a Universidate Técnica Nacional da Noruega (NTNU), financiado pelo Programa Crescimento Azul dos EEA Grants.
O projeto CUSTODIAN pretende desenvolver um sistema inovador que irá permitir proteger o ambiente marinho da poluição por plástico, preservar os recursos marinhos, através de uma gestão a longo prazo, e aumentar o rendimento dos pescadores sem exceder o esforço de pesca. Este sistema está a ser desenvolvido em parceria com associações de pesca locais e regionais, pescadores, investigadores e empresas, num esforço coletivo que pretende promover a digitalização marítima, uma melhor gestão dos recursos e o desenvolvimento sustentável.
O equipamento de pesca perdido no mar é uma preocupante questão global. Para além de, na sua composição conter plástico, por vezes o equipamento danifica o fundo do mar, mesmo quando perdido, poluindo e desgastando desnecessariamente os ecossistemas e continuando a “pescar”. A perda deste equipamento no oceano leva a uma diminuição dos rendimentos dos pescadores. No caso de Portugal, um estudo estima que a indústria da pesca despende 10% de seu orçamento anual em esforços para localizar, reparar, ou substituir o equipamento de pesca perdido. O equipamento de pesca abandonado, perdido ou descartado (ALDFG) é estimado mundialmente em 5,7% de todas as redes de pesca, 8,6% de todas as armadilhas e 29% de todas as linhas. Os atuais sistemas de seguimento deste equipamento são caros, pouco práticos e a informação não é partilhada com autoridades para efeitos de segurança ou gestão de recursos.
O Sistema em desenvolvimento utiliza uma tecnologia de baixo custo com base em IoT (Internet das Coisas) e LoRaWAN (Long Range Wide Area Network), podendo até integrar outras tecnologias de comunicação. Segundo Nuno Cota, CEO da SOLVIT “O objetivo é a criação de condições para que as embarcações possam receber, a cada instante, a localização das artes de pesca, assim como receber outra informação como avisos e alertas personalizados, incluindo: derivas de posição do equipamento; condições do mar; mensagens bidirecionais de terra-mar como por exemplo para fornecer aos pescadores uma visão remota em tempo real dos mercados de peixe, permitindo-lhes escolher o porto que maximiza o rendimento para a pescaria atual ou, ainda, preparar a logística nas docas para otimizar recursos e aumentar eficiência logística. O conhecimento da localização do equipamento de pesca vai diminuir a sua perda e apoiar na sua recuperação. O sistema vai ainda permitir um aumento no lucro operacional líquido dos pescadores, devido à redução das perdas de equipamentos, e não a um aumento na captura, assim como outras vantagens para todos os envolvidos no sistema.”
A plataforma está alinhada com o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 14 (SDG-14) das Nações Unidas: Vida Subaquática, pois contribui diretamente - através da prevenção da poluição e da pesca-fantasma - e indiretamente - através dos dados para a gestão de recursos - para a gestão cuidadosa dos oceanos como um recurso global essencial, que é uma característica chave de um futuro sustentável.

No próximo dia 18 de novembro realizar-se-á em Angra do Heroísmo a 5.ª edição do concurso "Fala Ciência? Comunicar Ciência nos Açores", no âmbito das celebrações da Semana de Ciência e Tecnologia 2022, organizado pela Universidade dos Açores
Inscreva-se como concorrente ou venha assistir ao concurso na sala do Grupo de Teatro Alpendre.
Evento financiado pela DRCT - M3.4.B/ORG EVENTOS/2022/2/011
Informação detalhada sobre o concurso e vários eventos paralelos aqui

Veja o cartaz aqui

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante