Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

Sobre esta figura injustamente esquecida que, ao contrário do Padre Tomás de Borba, João Moniz e Henrique Borba, nunca foi alvo de homenagem pública, em vida nem postumamente, afirmou um dia o Padre José de Ávila, falando sobre o Orfeão de Angra.

 «A segunda parte é de arromba. São dois coros com grande orquestra… Já dizendo ao senhor Henrique Vieira que neste particular é mestre de verdade… (A União, 18-06-1930).

Noutras ocasiões, A União aludem a agrupamentos pelo maestro Henrique Vieira da Silva.

Respigámos esta passagem sobre as festas de S. Tomás de Aquino de 1939: «A orquestra de H. Vieira acompanhou alguns números. Descrever a forma aprumada se apresenta em público».

No Sarau em homenagem a Pio XII, efectuado no Diocesano vespertino a Papaense refere-se à peça competente do meio Seminário «sob regência do maestro que executou com perfeição a perfeição anaise de César Cui e uma selecção da Opereta Água Corrente, musicada pelo regente. (A União 14-03-1951.

Podemos asseverar que muitos dos grandes mestres da História da Música foram ouvidos entre nós, durante a primeira metade do século passado, graças ao primeiro ao esforço, ao talento e ao encanto desta personalidade ímpar do nosso meio musical. A ele muito deve a música clássica. Também as iniciativas das instituições sociais atingiram um invejável brilhantismo naquela época. A propósito, recorda-se que até duas manhãs, eles são muito animados, prolongam-se todos os deles às horas da manhã.

A música polifónica orfeónica (ele também foi director de um coro da Escola Comercial e Industrial) desenvolve-se em inolvidáveis audições que então tinham lugar.

O Orfeão de Angra tinha cerca de cem elementos recrutados em todas as classes sociais. As notícias dos concertos despertam verdadeiro entusiasmo e levam ao Teatro Angrense um público numeroso e selecto, que não se cansa de ouvir e aplaudir aquele género de música, obrigando os artistas a repetirem, frequentemente, os mesmos temas.

O inesperado falecimento do maestro Henrique Vieira da Silva em 1957, com apenas 61 anos «constituiu uma grande «baixa» para o meio artístico… Angra esqueceu este músico, mas deve-lhe um enorme tributo de gratidão», como já escrevi na primeira parte deste artigo e noutro local (no livro Sementeira de Sons, editado em 2006, pág. 117).

E agora recordo as palavras que foram proferidas na entrevista ao jornal “Directo” a uma pergunta que lhe fiz sobre se havia ou não contactos entre os dois Conservatórios existentes, naquela altura nos Açores, o de Angra e o de Ponta Delgada. A dado passo, afirmou a então directora do Conservatório desta última cidade, a professora Natália Silva.

«Tem havido contactos e da nossa parte aproveitamos para afirmar o desejo de manter sempre a mais estreita colaboração. Não posso deixar de referir que sou natural de Angra do Heroísmo e filha do compositor e director de orquestra terceirense Henrique Vieira da Silva, um dos injustamente esquecidos… e que estou empenhada em colaborar em tudo quanto me for possível». (Directo de 8-4-1983, p.8).

Post-scriptum:

Nenhuma desta contexto e denominação, é com o maior peso do registro ou recente e desaparecimento de dois amantes da grande música, com quem tem o privilégio de viver na vida precoce e nos sonhos: o Dr. Jorge Monjardino.

«Requiescant in Pace!», escrevi o autor destas linhas em “A União” de 19.11.2007. E o mesmo torna a fazer-lo, hoje, aqui no «Jornal da Praia», lembrando também que o segundo, foi durante anos e prestimoso colaborador do nosso quinzenário.

António das Neves Leal

 30.09.2022

«Com 61 anos de idade, faleceu o sr. Henrique Vieira da Silva maestro e compositor. O extinto esteve largos anos em íntima ligação com o panorama musical terceirense, em que vincou posição destacada por méritos próprios. Autor de numerosos trabalhos; fundou e regeu com elevação e saber diversas orquestras, além de outros agrupamentos, revelando-se ainda executante de subido nível». In Memórias Há 50 anos, a União, 8 de Novembro de 2007.

O nosso evocado de hoje distinguiu-se, nos anos vinte, trinta e quarenta do século XX, como executante, compositor e dirigente de diversas orquestras nesta sua ilha onde nasceu e viveu.

Nos três anos de investigação para a preparação do meu livro “Sementeira de Sons”, publicado nos finais de 2006 e para uma prevista história da benemérita “Academia Musical da Ilha Terceira”, a qual nunca veio a lume, por falta de patrocínios das insensíveis entidades culturais, encontrei e reencontrei inúmeras notícias na imprensa sobre esta figura, sempre presente, em múltiplas iniciativas realizadas no nosso meio.

Nos eventos sociais, civis ou religiosos a sua participação era indispensável. Cerimónias como baptizados, aniversários, casamentos, inaugurações, concursos literários, e outros actos solenes eram abrilhantados por este ilustre terceirense, que fez da música a sua grande paixão. Devido a esta última, despendeu imensas horas, para além das que lhe eram exigidas pelas suas funções de sub-inspector da Segurança Social, e outras do foro pessoal.

Ao compulsarmos as páginas de” A União”, ficámos a saber quão relevante foi a sua colaboração nos referidos actos sociais, como prestimoso maestro e homem interessado pelo progresso sociocultural da sua e nossa terra.

No seu ninho familiar, respirava-se uma forte aragem musical. D. Hália Silva, sua esposa, era professora de piano, tendo acompanhado alguns artistas como o tenor Nuno Lomelino Silva, no Teatro Angrense, por duas vezes. As suas filhas, Natália Silva e Helena Silva, foram também inoculadas pelo vírus da música, a primeira, como pianista e docente do Conservatório de Ponta Delgada, do qual foi directora largos anos. Pessoalmente, tive o grato prazer de lhe fazer uma entrevista para o jornal “Directo”, na qual ela deixou transparecer alguma tristeza por Angra e a Terceira terem injustamente esquecido o seu pai. (Directo, 8.04.1983).

D. Helena Silva, por seu turno, foi professora alguns anos do Conservatório Regional de Angra do Heroísmo, no qual a conheci e a encontrei, bastas vezes, até ao seu falecimento, em condições trágicas, quando dirigia e acompanhava ao piano o Coro dos alunos de Iniciação Musical, no 1º. Encontro de Coros da Ilha Terceira, em 1987, com pude constatar” in loco” como assistente do acontecimento. A D. Cecília Silva, a primogénita das três irmãs, também dava aulas particulares de piano.

Durante muitos anos, o maestro Henrique Vieira foi companheiro inseparável do padre José de Ávila, que à música coral açoriana prestou inúmeros e inestimáveis serviços, profusamente reconhecidos por muita gente, como se pode verificar pela imprensa da época.

Trabalharam, ambos, para os três coros fundados pelo talentoso sacerdote, picoense de nascimento: o Orfeão Juvenil, o Orfeão de Angra e o Orfeão Feminino de Angra. Com eles viveram juntos momentos inesquecíveis e receberam inúmeros e calorosos aplausos. Não só do público, mas igualmente dos entendidos da boa música. Ficaram célebres em todo o arquipélago dos Açores as Festas de S. Tomás de Aquino, nas quais ambos participaram, anualmente, assim como nas deslocações do Orfeão de Angra a São Miguel, onde obteve assinalável êxito.

Angra do Heroísmo, então, podia ufanar-se de ser o coração histórico e cultural dos Açores. Isto mesmo foi salientado no “Primeiro Congresso Açoreano”, realizado em Lisboa, em 1940. São do Dr. José Vieira Alvernaz, reitor do Seminário de Angra, e que mais tarde seria elevado às honras cardinalícias, as seguintes palavras.

«Angra actualmente é o meio artístico dos Açores mais exigente, em consequência da cultura musical que lhe tem sido dada… o Seminário possui o maior salão da cidade, talvez dos Açores, onde a população de Angra assiste em massa às esplêndidas festas que se realizam, principalmente, as do dia de S. Tomás de Aquino».

Conclui no próximo número.

15.09.2022

Antonio Neves Leal

Todos nós assistimos e participamos em debates, alguns mais superficiais e outros mais profundos, uns mais acalorados e outros mais serenos, e em todos eles se trocam argumentos, alguns mais racionais e outros mais estratégicos. Quando reflito sobre este tema, recordo sempre, com saudade, o meu amigo e colega de Faculdade Eugénio Peixoto que, infelizmente, há muito nos deixou.

Foi depois do 25 de Abril, em pleno PREC (Processo Revolucionário em Curso). Encontrámo-nos num corredor da Faculdade e começámos a conversar sobre um tema de que já nem me lembro. A partir de determinado momento, comecei a aperceber-me de que os argumentos do Eugénio não tinham nada a ver com os meus, nem lhe tocavam. Resolvi, então, formular um argumento e, antes de ele começar a responder, perguntar-lhe: “Eugénio, o que é que eu acabei de dizer?” Ele olhou para mim muito sério e, passados uns momentos, começou a rir retorquindo: “nem te ouvi; enquanto falavas, eu pensava no que ia dizer quando te calasses!” Rimos à gargalhada.

Uma discussão, um debate, para serem dignos desse nome, para serem racionais, exigem que os participantes se ouçam uns aos outros, que haja verdadeiramente troca de argumentos pois, se isso está completamente ausente, o debate não é um diálogo, mas dois monólogos paralelos, sem intercomunicação, pelo que a conversa não levará a lado nenhum. Discutir é pensar em conjunto, é uma atividade colaborativa; debater é uma troca de pontos de vista, uma troca de argumentos, pelo que exige ouvir o(s) outro(s), para ter em conta o que ele(s) diz(em). Discutir exige uma atitude de abertura: escutar e dizer o que se pensa. Dialogar é uma procura em conjunto e pressupõe a Verdade, não no sentido de algo acabado, indiscutível, mas como ideia reguladora à maneira de Kant. Se o conceito de verdade não tem valor, não faz sentido discutir e a discussão reduz-se a um mero exercício retórico, um jogo de palavras que se aproxima do “falar para não estar calado”. Se a verdade não existe, o debate, o diálogo não é racional, mas simplesmente estratégico: visa persuadir, ludibriar, explorar o(s) outro(s), não o(s) respeitando na sua dignidade.

Esta introdução, já um pouco longa, vem a propósito de um livro que acabei de ler, cujo titulo é DOIS DEDOS DE CONVERSA SOBRE O DENTRO DAS COISAS. Um Crente, um Ateu e a Verdade como Provocação [Braga: Editorial Frente e Verso, 2013]. Quando, numa visita a uma livraria, o encontrei, o título em maiúsculas não me disse nada, mas chamou-me a atenção o nome de um dos autores: Bruno Nobre, meu antigo aluno, um dos mais brilhantes, em “Ética Fundamental” e “Éticas Aplicadas”, na Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais da UCP, em Braga, e que, terminada a sua formação jesuítica, já ordenado padre, regressou à Faculdade e assumiu a regência da minha Unidade Curricular “Ética Fundamental”. Numa das orelhas da capa, lá estava a informação: licenciado em Engenharia Física Tecnológica (2000), doutorado em Física Teórica pelo Instituto Superior Técnica (2005), entrou na Companhia de Jesus (2005); licenciou-se em Filosofia pela Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais da UCP, em Braga.

O nome do outro autor, Pedro Lind, nada me dizia. Na referida orelha, vinha uma breve informação do seu percurso académico: licenciado em Física (1999) e doutorado em Física-Matemática (2003); depois de alguns anos de permanência na Alemanha como investigador, nesta categoria trabalha na Universidade de Lisboa desde 2008. Os dois autores são, portanto, formados em Física, uma ciência muito exigente em termos de rigor e muito prestigiada, cujo discurso é, hoje, olhado como o paradigma de um saber em que se pode confiar, embora no livro os dois autores reconheçam, explicitamente, as limitações do conhecimento científico; isto é, os dois autores defendem que há conhecimento para lá da ciência.

Outro elemento da capa me chamou a atenção, os nomes dos autores dos dois prefácios: João Lobo Antunes e Carlos Fiolhais. Conheci pessoalmente João Lobo Antunes e convidei-o várias vezes para colóquios que promovi na Faculdade. Sempre respondeu positivamente aos meus convites apresentando comunicações de grande valia. Carlos Fiolhais, físico renomado com uma vastíssima cultura geral, é alguém que, nos seus escritos e nas suas palestras, traz sempre algo de novo. Perante tudo isto, comprei o livro.

Para lá dos dois prefácios já referidos, e como se lê na “NOTA INTRODUTÓRIA. Porquê esta conversa?”, o “livro é composto por uma coleção de cartas que surgiram a partir de conversas entre os seus autores” (p. 25), ao todo treze, e uma “NOTA FINAL”. Nas cartas os autores discutem a velha problemática da existência ou não existência de Deus, que “se prende com preocupações que sempre inquietaram o ser humano na sua tentativa de compreender o mundo e o seu lugar nele” (p. 23). O facto de estarmos perante uma discussão sobre aquele tema protagonizada por dois doutorados em Física, isto é, autores treinados numa chamada ciência dura, sendo um deles padre jesuíta, portanto confessadamente crente e comprometido na atividade pastoral, e o outro declaradamente ateu, num tempo em que há manifestações de fundamentalismo ateu vividas com um fervor quase religioso, é um dos aliciantes para o leitor se lançar animadamente na leitura do livro.

Ao ler as cartas trocadas, assistimos, efetivamente, a um diálogo: cada carta mostra como o autor leu e compreendeu o que o outro disse, manifesta e justifica devidamente aquilo com que concorda ou discorda; explicita até onde é capaz de acompanhar o raciocínio dele e as razões porque não pode concordar com determinada conclusão. Ao assistir a essa troca de argumentos, como diz João Lobo Antunes, no prefácio, o leitor sente-se impelido a participar também no diálogo e dizer das suas razões. Ao ler as cartas, acompanhamos uma discussão entre pessoas inteligentes, cultíssimas, que se respeitam e apreciam, interessadas em entender-se; assiste-se uma caminhada de dois amigos na procura da Verdade, verificando que, no fim do livro, o Bruno Nobre continua crente e com mais razões para crer, e que Pedro Lind continua ateu e convencido das razões do seu ateísmo. Contudo, quando fechamos o livro, temos consciência de que a troca de argumentos não os deixou na mesma, tal como os leitores das cartas.

O ser humano, consciente ou inconscientemente, de um modo implícito ou explícito, confronta-se com as quatro famosas questões formuladas por Kant: «que posso saber?», «que devo fazer?», «que me é permitido esperar?», «o que é o homem?», esta última sintetizando as outras três. Por mais distraídos que estejamos, por mais que Deus seja um não assunto no espaço público, a questão permanece: qual é o destino do ser humano? O livro que inspirou esta crónica é uma excelente companhia na procura da resposta, seja ela qual for.

Braga, setembro de 2022

José Henrique Silveira de Brito

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante