Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

É inevitável: os cidadãos, porque são cidadãos e não apenas pessoas, variam de humor muito facilmente. Enquanto pessoas, por exemplo no futebol, o humor varia à semana, e isso é suportável porque se perde este jogo, na semana seguinte já ganha o outro. Mas enquanto cidadãos, isto é, no espetro político, as coisas são mais difíceis: os lances temporais são de quatro em quatro anos, o que já é muito tempo; e quando os mesmos governos perduram uma ou mais décadas, a situação pode ganhar foros psicadélicos. Nos Açores – vivemos um período onde o humor está ao rubro (amenizado pelo verão e pela vacinação), não pelas melhores razões, mas por outras; vamos ver.

Nas eleições de out. 2020 estava em causa um momento de grande dimensão: de um lado, nos últimos anos, novos partidos políticos foram criados e aí estavam plenamente preparados para essas eleições regionais. Isto é, o ambiente partidário era muito mais colorido e concorrido, ideias novas com conteúdos jovens. Os partidos da “velha guarda” fizeram o que podiam, inexperientes e repetitivos, com os cofres vazios, mas, enfim, mais uma vez tentando. No conjunto da oposição, quer a que estava no parlamento, quer as novas forças que ainda estavam fora desse quadro parlamentar, aglutinavam-se numa ideia central comum a todos: democracia de vinte quatro anos com o mesmo partido, não é democracia, e o PS governava para se manter no poder e não para desenvolver o arquipélago de pessoas e cidadãos. De outro lado, ao fim de vinte quatro anos, a imagem política do PS era estrondosamente negativa: o maior nível de pobreza no país e pela primeira vez na história da autonomia política açoriana; os mais importantes dados de perceção da realidade sempre em declínio, como a população, a educação, enfraquecimento do tecido empresarial, ilhas de coesão, primeiro nas ilhas mais pequenas, depois a própria ilha maior, depois todas em bloco. Na especialidade: orgânicas fixas, sem vida e desprovidas de sentido prático, com aumentos significativos do quadro de pessoal, mas sem quaisquer efeitos práticos no melhoramento das funcionalidades administrativas e nos serviços prestados aos insulares; sistemas de organização independentes com custos de milhões anualmente, despovoando de funções o funcionalismo público, apesar de continuar a crescer o número de pessoas; responsabilidade zero por mobilidade de pessoal ao estilo colonial. No plano legislativo: fortíssima deslegalização e secundarização do parlamento; leis penalizadoras dos açorianos por comparação aos mesmos regimes legais nacionais...

Isto é, nas eleições de outubro o momento era especial: grande expetativa criada na mudança, conseguindo o PS manter um número de deputados elevado por via da máquina política, mas os eleitores, com maior capacidade de escolha partidária, a custo, conseguiram afastar esse governo. Estes dados mostram que o poderio do PS na sociedade, e especialmente dentro da administração, e com apoio das câmaras socialistas, era muito forte: os outros eleitores conseguiram retirar-lhe a maioria absoluta, mas não conseguiram tirar-lhe a maioria relativa que é passível de formar governo. Com a expetativa eleitoral, os eleitores acabaram por criar uma segunda expetativa e talvez ainda maior: os eleitores imaginaram que bastaria retirar a maioria absoluta; mas eis que o PSD, com provável ideia do CDS, e com o PPM, decidem formar governo e com apoio parlamentar do Chega e do IL, e eis que se criou uma situação de solução política para não deixar o PS formar governo. Solução política perfeita porque cumpriu a missão dos outros eleitores, isto é, daqueles que já “vomitavam” quando se falava nas políticas velhas e cansativas do repetitivo PS. Mas dentro deste quadro nasce a outra grande expetativa: vai o novo governo pluripartidário dar resposta aos problemas que o PS não estava a cumprir?

É que, em 1º lugar, como já repetimos, o novo governo vive uma situação inteiramente nova e original: é um governo de coligação e de acordo parlamentar; entrou a meio da pandemia; a crise económica derivada da covid; substituiu um governo socialista de vinte quatro anos; os sociais democratas, o segundo partido com mais deputados eleitos, não têm experiência política de governação desde há mais de duas décadas. Isto coloca severos problemas a qualquer governo e mais ainda a um tão colorido. Em 2º lugar, é necessário distinguir quais os problemas que o PS não conseguia resolver: uma coisa são os problemas sociais específicos, a pobreza, a educação, o comércio, os transportes marítimos, entre tantos; outra, muito diversa, são os problemas de sistema autonómico que estão na base daqueloutros assuntos específicos.

Para as matérias sociais específicas o governo está a dar resposta, nos seus termos iniciais, como a tarifa aérea nas ilhas, o IVA, o IRS, apoios sociais mais alargados, como no desporto, trabalhadores independentes do turismo; já existem menos insolvências, etc. Para estes assuntos – outros escrevem sobre eles e não é o nosso espaço próprio.

Mas para as matérias de sistema autonómico – ainda não há sinais positivos, e alguns são razoavelmente negativos. Se existe um novo governo e novos atores políticos – é muito evidente que, se não são dados passos na renovação dos dirigentes da administração pública, é porque ou não se tem ninguém para convidar, ou não existe realmente nenhuma novidade governativa para promover as novas orgânicas funcionais da administração pública. Este aspeto, embora possa parecer irrelevante, é da maior importância: é que sobretudo nos últimos quinze anos dos governos do PS, o abuso de poder nos serviços foi às toneladas, conforme se percebeu pela comunicação social. Quem já se esqueceu da alteração ao sistema legal de concursos que, segundo o governo de então, era feito por existir muitas queixas e muitos casos até em tribunal?; quem se esqueceu da pré-reforma administrativa muito negativa para os açorianos quando comparado com o sistema nacional em vigor no continente e na Madeira?; quem se esquece do sistema da mobilidade, dos quadros de ilha...

Isto é, neste momento, há um enorme azedume na população açoriana quanto a estas matérias. O tecido empresarial costuma apontar o exagerado número de funcionários públicos; mas nada diz sobre o tratamento a que estes estavam sujeitos, e não eram apenas arbitrariedades. Ou seja, o novo governo, embora esteja atento aos problemas sociais, não está a olhar para dentro, para as mãos, os braços e as pernas que sustentam o funcionamento das políticas governativas. E não sabemos se não foram estas pessoas, cidadãos, que deram asas ao governo, ou se foi o agora Deputado independente Carlos Furtado que defendeu a autonomia contra o seu líder nacional que lhe dizia para deixar o PS formar governo. A expetativa ainda é grande, quando é costume após as eleições existir uma certa calma. E a viagem ainda agora começou.

Arnaldo Ourique

No meu artigo anterior, comecei a relatar a “saga da luta” pelas consultas de apoio do Centro de Saúde, contando na primeira pessoa, como têm sido as “sortes” e os “azares” relativos a esta situação. Hoje, darei seguimento e concluirei o meu testemunho, esperando, desta forma, deixar o meu contributo social para que, eventualmente, algumas práticas mudem, com o tempo, para bem de todos os “coitados” que precisam…

Ora bem, vamos a ver, eu preciso de uma consulta de apoio, devo ligar para o número de telefone do Centro de Saúde e aguardar que me atendam. Quantas e quantas vezes fiquei uma hora ao telefone e ninguém me atendeu? Quantas vezes a chamada se desligava misteriosamente (é a tal adrenalina da “aventura”…) e eu voltava a telefonar, a insistir, até alguém me atender ou até eu me cansar de esperar?

Esta semana precisei de marcar uma consulta de apoio. Fiz como estou habituada: liguei para o número do Centro de Saúde. Desta vez fui atendida mais depressa. “Que fixe!!”. Disseram-me que agora havia uma linha telefónica direta para as consultas de apoio. “Sim senhora! Se calhar as coisas estão a funcionar melhor…”. Telefonei ontem, telefonei hoje. “Não. Enganei-me. As coisas não melhoraram”. A diferença é que dantes ficava ansiosa, porque o sinal continuava a dar-me esperança de ser atendida a qualquer momento e depois, de repente, ou era atendida, ou a chamada era desligada. Agora, passados alguns segundos, a chamada é frequentemente desligada. Eu volto a tentar, repetidamente, já em piloto automático… A revolta e a falta de compreensão começam a ganhar espaço dentro do estômago… Volto à respiração, ao meu corpo. Focada, tento acalmar essa emoção.

A tentar ser atendida telefonando desde as 8h00, eis que, às 8h25, uma voz do outro lado me atende. Expliquei o motivo do telefonema (supostamente não deveria ter sido preciso, uma vez que a linha era direta para consultas de apoio, ou talvez eu desconheça as suas outras finalidades) e foi-me dito que as consultas para o presente dia e o seguinte já estavam cheias. “Ok. É muita gente. Compreendo”. Volto a dizer, não sou melhor que ninguém e não quero aquilo que não for para mim. Contudo, todas as aventuras pressupõem um desafio e há prémios para quem consegue, corajosamente, vencer um desafio muito difícil. E perguntei: “pode explicar-me como é que funciona o atendimento, é que eu estou a ligar desde as 8h e não me atendem…”. Do outro lado, com simpatia, mas com algo na expressão que denotava uma postura desconfortável e defensiva, respondem-me que compreendem, que só há um médico, que há muita gente a telefonar e que há uns que têm “sorte” de ser atendidos, há uns que têm quatro consultas por mês e outros que não têm uma única.

Bom… é assim que estamos. Estamos deixados à mercê da sorte para tudo. Tudo é uma sorte. É uma sorte ser atendido ao telefone, é outra sorte haver uma explicação do que se passa, é ainda sorte ter consulta e esta ser com um médico competente. Ai, desculpem… queria dizer, um médico que, tal como aquele que referi no artigo precedente, seja bom ouvinte, prestável e prático. Mas se ele não for e, ainda assim, me olhar nos olhos, me der bom dia e me responder às singelas perguntas que eu colocar, também agradeço o esforço… Ah, espera… não deveria ser esforço. Deveria ser competência… Ups, estes termos todos baralham-me…. O ter acordado cedo deve ter-me confundido as ideias.

Terminando esta partilha, gostaria de dizer que compreendo que os serviços tenham de se adaptar a esta situação tão complicada, a este flagelo que é a COVID. Compreendo que, havendo apenas um par de médicos, ou pouco mais, a dar consultas de apoio, não haja matematicamente espaço e tempo para todos os utentes serem atendidos quando necessitam. Aceito que é difícil estar num serviço de atendimento ao público e ter de lidar com a carga emotiva que toda a situação provoca. Acredito também que “quem dá a cara”, faz o seu melhor.

Mas, por favor, pelos santinhos e padroeiros, Santa Batilde, Santa Apolónia, Santa Bibiana, Santa Brígida, Santa Paulina, Santo Afonso de Ligório e em especial o grande São Camilo de Lélis (protetor dos enfermos e profissionais da saúde) revejam os procedimentos. Reorganizem-se com resiliência. Respeitem um pouco mais os coitados que precisam. Todos nós precisamos uns dos outros. Cada um na sua área, cada um com o seu ofício e aptidão. Sejamos mais atenciosos, menos acusatórios e manipuladores.

Uma sugestão para os profissionais e chefias: não há consultas de apoio? Está tudo cheio? Ponham uma gravação a indicar isso mesmo… Trabalhem a união, a motivação e reforcem o bom trabalho.

Um pedido aos nossos políticos e governantes: coloquem mais médicos (com perfil, diga-se de passagem, pois quantidade não é qualidade) ao serviço desta causa. Merecemos um atendimento público válido, justo e de qualidade. Aliás, não é isso o que todos procuramos nos diversos contextos e ambientes de vida?

Joana Leal

Crónica do tempo que passa (85)
600 Filarmónicas a Património da Humanidade

«O Património Imaterial só o é quando criarmos condições para a permanência, transmissão e continuidade no tempo. Aliás, é o que a INATEL faz com as bandas filarmónicas»
Em finais do século passado (1998/1999?), recebi um telefonema de um meu amigo colaborador deste jornal, a convidar-me para eu prestar uma ajuda destinada à feitura de um grandioso livro que visava incluir as filarmónicas de Portugal, entre as quais avultam, em grande número, as existentes nos Açores.
O arrojado projecto, segundo me informava o Jácome Bruges, então com responsabilidades culturais na Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, estava a ser entusiasticamente organizado a nível nacional por um militar com formação musical e vasta experiência de bandas filarmónicas.
Tendo conhecimento da enorme importância que elas têm nas nossas ilhas, sobretudo na Ilha Terceira, e reconhecendo o grande interesse do projecto tão longamente sonhado pelo seu proponente, não hesitei em dar logo o meu melhor contributo. Este consistia em fazer três pequenas apresentações das filarmónicas terceirenses que ainda não tinham dado resposta ao pedido formulado pelo responsável do futuro empreendimento.
De imediato, pus-me em contacto com as referidas filarmónicas, duas do concelho de Angra ( a de S. Bartolomeu e a de S. Sebastião) e no concelho da Praia da Vitória (a das Quatro Ribeiras), procurando colher elementos sobre a sua fundação, os seus directores musicais, a inserção na comunidade e principais actividades desenvolvidas, deslocações, concertos, etc.
Infelizmente, a primeira contactada, a das Quatro Ribeiras, nessa altura, já não estava activa. Tive muita pena porque o «Jornal da Praia» tinha publicado, um ano ou dois antes, a conferência que eu havia proferido no 111º aniversário da Filarmónica União Sebastianense sobre a Importância da Música e o Papel das Filarmónicas. ( V. JP, nº 249, de 11 de Dezembro de 1997, p. 14 e p.15).
Após este facto inesperado, desapontado, rumei a S. Bartolomeu, a fim de colher elementos sobre a sua filarmónica e assim poder fazer a apresentação solicitada. O mesmo aconteceu com a da Vila de S. Sebastião, e concluídas as suas notas curriculares históricas, fomos aguardando futuras notícias. Os anos foram passando e até pensei que o projecto tinha morrido ou encalhado, no meio da indiferença ou das burocracias.
Mas o último número do «Tempo Livre», (TL), edição de Julho/ Agosto de 2021, trouxe-nos, finalmente, uma boa nova, na entrevista de Maria João Costa (ler p.6 e p.7 ) a Paulo Lima, o muito conhecido «Homem UNESCO», apelido que dispensa, mas que se justifica por ter sido responsável pelas candidaturas do Fado, Cante Alentejano, Arte Chocalheira, Morna (Cabo Verde), e agora mais recente, das Bandas Filarmónicas (ainda em fase de preparação), juntamente com a Fundação INATEL, a Património Imaterial da Humanidade».
Como velho sócio da INATEL e atento leitor do jornal bimestral TL, no qual já tive ensejo de colaborar ocasionalmente, gostaria de elogiar mais uma vez o nível e a sua riqueza temática, bem como o interesse constante pelas diversas iniciativas artísticas, culturais, turísticas e desportivas do País, que recheiam milhares das suas páginas de leitura indispensável, agradável e enriquecedora, como já escrevi.
Da interessante entrevista vamos salientar algumas das ideias expendidas pelo conceituado e muito dinâmico e influente entrevistado junto da UNESCO sediada em Paris.
1.Neste momento Paulo Lima assevera que está a trabalhar na candidatura das Bandas Filarmónicas e acrescenta:«É uma parceria com a câmara municipal de Alcácer, Fundação INATEL, e o ministério da Cultura de Cabo Verde. Será a primeira candidatura, até agora, como uma candidatura internacional em Portugal ao Património Imaterial. Cabo Verde, porque em Cabo Verde há muitas bandas Filarmónicas. E acredito que tem todas as condições para ser inscrita».
2.A uma pergunta da entrevistadora afirma que Portugal tem muita matéria- prima. O património tem algo fascinante, nasce da vontade das comunidades. Se a comunidade não decidir, não acontece, aliás, nem chega a ser possível instruir o processo. O Património Imaterial só o é quando criarmos condições para a permanência, Transmissão e Continuidade no tempo. Aliás, é o que a Inatel faz com as bandas Filarmónicas. Além de oferecer os instrumentos, cria as condições para que aquele grupo cante/toque no presente e no futuro. Mas ainda há mais duas áreas (…) do património documentado e instrumentário e a valorização das sedes, dos coretos e dos jardins. Conseguimos perceber que há jardins que foram criados a pensar no coreto, e o coreto é este compromisso da Banda em tocar para o povo.
3.Sobre a existência de muitas candidaturas e dos seus investimentos refere: «É importante porque acaba por inspirar outros países a fazerem parte da mudança. Por exemplo, numa altura em que falamos de empoderamento feminino, a morna, como manifestação cultural e património Imaterial, pode ser um veículo para a valorização da mulher no seu país. Sobre o cante Alentejano, outro exemplo, o Cante Alentejano é a única forma que aquela comunidade tem para visitar e conhecer outros locais; permite que os mais velhos possam sair. Não se discute aqui se o Cante Alentejano é melhor do que outro cante, essa não é a questão».
4.Acerca das bandas a incluir nas candidaturas serão escolhidas, segundo Paulo Lima, «as que continuam a desempenhar serviço social, as que atuam em festas religiosas e não religiosas, e as bandas que têm uma escola de formação. São cerca de 600 (seiscentas), 100 (cem) estão sediadas nos Açores. Falamos num total de 30 mil pessoas envolvidas nas bandas e todos muito jovens, com formação superior, e muito superior à licenciatura.
Outros dados curiosos a salientar sobre a constituição indicam que as bandas maioritariamente incluem mulheres e estamos a encontrar músicos que tocam em bandas internacionais. Há uma pessoa que fez uma tournée da Madonna e continuava nas festas da aldeia. Há um sentimento de pertença geracional. É fascinante».

Antonio Neves Leal

 

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante