Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

Quando a guerra começou, a 24 de fevereiro, grande parte dos comentadores dizia que seria breve, tal era a desproporção de forças militares em confronto. O certo é que ela continua e já se diz que está para durar, o que significa que o cortejo de mortes, destruição e sofrimentos de toda a ordem, bem como as imagens que as televisões nos mostram, continuarão a fazer parte do nosso dia a dia. Quando a Guerra de 1914-1918 começou, também se previa que seria breve, mas durou quatro anos; o número de mortes foi enorme e a Europa ficou de rastos. A de 1939-45 durou cinco anos, o número de mortes superou largamente o da Primeira Guerra e o rasto de destruição que deixou foi colossal; houve cidades inteiras praticamente arrasadas. Quantas vezes, ao ver na televisão imagens de cidades ucranianas bombardeadas, me vem à memória filmagens feitas nas cidades alemãs, no fim da Segunda Guerra.

Há dias, conversando com um amigo, ele disse-me que procura manter-se informado sobre a Guerra na Ucrânia, mas tenta poupar-se no que respeita à exposição às imagens mostradas pelas televisões porque, quando vê vários telejornais durante o dia, fica de tal modo perturbado que à noite não consegue dormir. Pela minha parte, procuro evitar ver televisão durante o dia. De manhã, vejo a imprensa escrita e só à noite acompanho os telejornais do prime time. De facto, se não procurarmos um certo controlo da nossa exposição ao que a TV nos mostra da guerra, entre outras coisas arriscamo-nos a perder a noção da sua tragédia por embotamento da nossa sensibilidade.

Ao fim de quase três meses de guerra, uma das razões de preocupação de muitos é a de não se descortinarem sinais de que o conflito caminha para o fim; há cada vez mais notícias sobre o intensificar dos combates, a mobilização de cada vez mais armamento e a extensão do teatro de operações vai aumentando. Para além de tudo isto, não se perfila no horizonte alguém ou alguma instituição que pareça com capacidade de mediar o conflito. Se houvesse racionalidade nas relações internacionais, a ONU seria o espaço em que os contendores poderiam encontrar condições de diálogo porque, como costuma dizer o Prof. Adriano Moreira, ela é o fórum internacional em que todos falam com todos. O problema, como também reconhece o Professor, é que nesse espaço nem todas as vozes têm o mesmo peso; basta pensar no Conselho de Segurança. Há muito que se afirma que a Organização das Nações Unidas precisa de uma profunda reforma, mas não há condições para a levar a cabo. Recordo-me de uma entrevista dada por Freitas do Amaral a uma televisão, pouco depois de terminar o seu mandato como presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas, cargo que ocupou em 1995-1996; entre muitas outras coisas, o Professor contou que, ao chegar a Nova Iorque, encetou diligências com vista a uma reforma da Organização, mas rapidamente percebeu que era um esforço votado ao fracasso. A razão da impossibilidade era cristalina: entre outras coisas, havia que reformar o Conselho de Segurança onde as Grandes Potências, seus membros permanentes, têm poder de veto, trunfo que, como é evidente, nenhuma quer perder. É bem-sabido que ninguém quer perder poder; conquistar mais algum, talvez, mas perder, nunca. Conclusão: enquanto a situação no Conselho de Segurança for a atual, a ONU muito dificilmente será um espaço de diálogo capaz de prevenir a guerra ou pôr-lhe termo.

A Carta das Nações Unidas diz claramente que a Organização visa a paz, mas quantas guerras já ocorreram depois da sua assinatura, em 1945? A guerra na Ucrânia é mais um exemplo. Em fevereiro especulava-se sobre a possibilidade da Rússia iniciar uma guerra contra a Ucrânia. A 24 desse mês, as Forças Armadas da Federação Russa, país membro da ONU, em obediência a um decreto do seu presidente, iniciou “uma operação militar especial” e invadiram a Ucrânia, outro membro da ONU; não houve qualquer declaração de guerra. Na conferência de imprensa dada pelo Secretário Geral da ONU e pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros russo em Moscovo, em 26 de abril, a palavra “guerra” não foi pronunciada; para sinalizar que se estava em guerra, o Secretário Geral da ONU, António Guterres, recorreu à linguagem diplomática, fazendo uso de um circunlóquio, e disse que havia tropas russas na Ucrânia e que não havia tropas ucranianas na Rússia. Sergey Lavrov, imperturbável, imediatamente confirmou; para eliminar todas as dúvidas só faltou o ministro russo acrescentar, recorrendo ao poder absoluto da semântica: «como sabe, não estamos a fazer uma “guerra” na Ucrânia, mas uma ’operação militar especial’, coisa completamente diferente». O resultado prático do que está a acontecer, contudo, é exatamente o mesmo: uma guerra de invasão com o seu cortejo de mortes, destruição e sofrimento insuportável. Isto é, há um país invadido que está confrontado com uma guerra que é “guerra”, mas o agressor afirma que está a fazer uma “operação militar especial” decretada pelo seu presidente; os dois países pertencem às Nações Unidas criadas para preservar a paz, mas a Organização não tem espaço para diligências conducentes ao fim do conflito, porque está bloqueada: no seu Conselho de Segurança o país agressor tem poder de veto que usará, caso se tente discutir a “guerra”. Ao seu Secretário Geral resta apenas espaço para providenciar apoio humanitário às vítimas, o que, deve reconhecer-se, já não é pouco. Em suma, vivemos num mundo de sombras: há uma guerra que não é “guerra”, mas em que os mortos, os feridos, os deslocados e os refugiados são de carne e osso como nós, e as suas cidades, infraestruturas e empresas, tão reais como as que vemos no nosso dia a dia, são arrasadas segundo os parâmetros a que nos têm habituado as Forças Armadas da Federação Russa.

Maio de 2022

José Henrique Silveira de Brito

Hum… respirar fundo e seguir o caminho. Avançar com curiosidade, atenção e tempo. Estes são os requisitos para caminhar, aqui e agora.

Muitas vezes, ao fim de semana, vou passear a pé, sozinha. Sobretudo quando está sol, gosto desse hábito e posso dizer que ele também gosta de mim. Sinto um impulso para me conectar com o tempo presente, a natureza, os sons, cheiros, visões, temperaturas, texturas. A vida a nascer, transformada, e os seus restolhos a desaparecer.

Caminho, escutando os meus passos, sentindo os membros a tocarem no chão, a planta do pé a levantar e a pousar. Ouço a minha respiração, ora fria, ora quente, e sinto-me parte de algo. Não me encontro solitária, mas sim acompanhada por uma tela elástica, pintada de nuvens, árvores, animais, alcatrão, terra, sinais, automóveis, pessoas e máscaras. Aquece-me o canto dos pássaros. O bater das asas e os cães que ladram, ao longe, naquela casa de pedra mágica, acordam-me do sonambulismo diário.

Deambular com atenção, ou com uma intenção de curiosidade e de mente aberta, pode ser uma rotina em que a constante descoberta fará parte do seu dia, seja de manhã, de tarde ou ao anoitecer. No meu caso, aprecio mais fazê-lo de manhã ou de tarde, mas também há beleza no anoitecer. Escutar os pássaros a regressarem aos seus ninhos, sentir o escuro a mudar a temperatura da nossa pele. As sombras que nos transformam em seres gigantes! O nascer da lua, o adeus do sol e as suas belas crias: as estrelas permanentes e aquelas que estão de passagem.

E quando os elementos da natureza se entrelaçam e tudo é magia? Quando somos transportados para uma história real passada debaixo das gotas da chuva, por entre as fagulhas do fogo ou no musgo aveludado que encabeça a terra? É tão bom!

Sim, sabe maravilhosamente tirar um tempo para esta prática com uma consciência e mente de principiante. Sem querer controlar os nossos sentidos ou pensamentos. Simplesmente nutrindo, permitindo-nos sentir. É terapêutico e muito enriquecedor. Tornamo-nos mais observadores, mais serenos e, acredito, mais felizes.

Recomendo este medicamento natural: Caminhe sem destino certo. Ouça, veja, cheire, toque e sinta… tudo o que o momento tem para si. Desfrute muito! A vida é um sopro.

Joana Leal

«A grandeza não consiste em receber honras, mas em  merecê-las».

Aristóteles

1--Este filósofo grego da Antiguidade escreveu isto já em 360 a. C., num texto sobre a revolução das almas. Esta frase tem continuado sempre actual até aos nossos dias e com plena justificação, sobretudo, num mês em que se distribuem tantas condecorações nacionais, regionais e locais a muita gente que não as merece. Como sabemos, há 10 anos, houve uma homenagem prestada pelo Município Praiense, ao Dr. Higino Borges de Meneses, a que aludimos anteriormente, e agora com estes três últimos artigos, pretendemos inserir esta figura, tão proeminente da Praia, da Ilha Terceira, dos Açores e de Portugal, no mundo que foi o seu, durante grande parte da sua longa vida. É preciso, portanto, não esquecer o seu nome, e enaltecer o seu legado, como exemplo para os nossos vindouros.

Eu, pessoalmente, nunca mais esquecerei o seu nome. Aliás, sempre ouvi o meu pai falar dele lá em casa. Eram quase da mesma idade, gostavam muito de toiros e faleceram ambos aos 87 anos de idade. Tenho suspeitas agora, e atrevo-me a dizer que ele terá sido um dos exigentes aficionados que gostavam de ver, bem de perto, as touradas na casa dos meus pais, quando os toiros, então vindos do mato, ainda misturados com as vacas pelo caminho, eram guardados no touril, que ficava mesmo ao lado do balcão da nossa moradia.

2--Mas entremos no assunto de hoje. Tive a confirmação da importância do papel desempenhado por este insigne praiense, aquando da minha visita à monumental exposição sobre os 250 anos da Imprensa Nacional, que teve lugar, entre 5 de Setembro a 29 de Novembro de 2019, na Rua da Escola Politécnica, no edifício das antigas instalações da Faculdade de Ciências. Sobre essa importantíssima efeméride, foi editado um jornal especial, curiosamente com o mesmo formato e número de páginas do “Jornal da Praia”. Pela a sua leitura, obtém-se uma súmula do que foi a grandeza histórica da Imprensa Nacional, e as várias etapas da sua evolução ao longo dos tempos.

Os  10 núcleos, devidamente ilustrados da magna e impressionante exposição,  representam as épocas e as realizações mais marcantes da Imprensa Nacional : (1) A Régia, Oficina Tipográfica (1768-1801), (2) Da Imprensa Régia à Imprensa Nacional (1802-1838), (3) A Era Dourada (1839-1870), (4) Entre Ideias de Progresso e Sinais de Alarme (1871-1910), (5) Impressão Republicana (1910-1926), (6) Da Ditadura ao Estado Novo (1926-1945), (7) Reorganização (1945-1968), (8) Empresa Pública e Fusão (1969-1974) (9) Democracia ( 1974…) (10) Presente e Futuro.

As competências até em matéria de edições, impressão de publicações periódicas e da documentação oficial, então atribuídas à I.N., assim como o exercício da actividade livreira, a fundição de caracteres e o respectivo fornecimento à indústria privada, foram totalmente transferidas para a INCM (Imprensa Nacional Casa da Moeda). Também o ensino das artes gráficas, agora associado às técnicas de cunhagem, foi atribuído, nas suas diferentes modalidades, à nova empresa remodelada.

O trabalho do nosso prestigiado patrício inicia-se no 7º Núcleo, o da Reorganização, logo a seguir ao novo regulamento da I.N., de 1955, que introduz novas regras de edição das publicações oficiais e particulares, definindo as competências da administração e a organização dos serviços industriais. E vai continuar pelo 8º Núcleo, o da Empresa Pública e Fusão, como se pode observar pelas seguintes anotações.

 Em 1969, por ocasião do 2º. Centenário, a Imprensa Nacional, sofre profundas mudanças tecnológicas. A criação da nova empresa trouxe novas condições para o investimento e equipamento. Numa primeira fase da renovação compraram-se duas máquinas de compor de fita perfurada Elektron, introduzindo-se ainda o serviço de fotomecânica e a impressão offset. Em meados de Abril de 1972, os impressores Carlos Alberto Ribeiro Fernandes e Fernando Marquês Faria visitaram a Alemanha e a França, para recolherem informações sobre o funcionamento de uma rotativa offset Albert Frankenthal Rof 660. Essa máquina de impressão mal chegou, em Maio a Lisboa, passou logo a produzir o Diário do Governo além de outros trabalhos.

A nova empresa passava, agora, a poder acompanhar a indústria privada e a reforçar a missão na área do ensino. Transformada em empresa pública, tem uma mudança radical culminando com a fusão da Casa da Moeda. No plano editorial, abre-se também um outro caminho, afirmando-se como editora pública, começando a marcar presença na Feira do Livro, a partir de 1972, e alargando-se a rede livreira com a abertura das primeiras livrarias do Estado. Refira-se que, no final de 1970, abriram ao público a nova livraria de Coimbra e a Livraria do Estado em Lisboa. Em Novembro de 1972, era a vez da Livraria Camões, no Rio de Janeiro, Brasil. E a meados de 1973, abrem-se duas novas filiais em Lisboa, na Rua D. Francisco Manuel de Melo e na Avenida António José de Almeida.

«A Imprensa Nacional-Casa da Moeda como Empresa Pública» foi o tema de uma conferência que o Dr. Higino Borges de Menezes, Presidente do Conselho de Administração, proferiu, em 1973, na sede do Instituto Português de Ciências Administrativas. Dela respigámos algumas passagens mais relevantes. Apresentado pelo Dr. António Pedrosa Pires de Lima, o Conferencista praiense começou por aludir ao decreto-lei (o Novo Estatuto) que transformou a Imprensa Nacional em empresa pública, pormenorizando o seu articulado, após o que se referiu à evolução da empresa, focando os seus problemas e indicando os diversos diplomas que se relacionavam com ela.
Considerando o ano de 1970, como ”o ano da arrancada”, referiu que a batalha para o aumento da produção já fora ganha, sublinhando que as alterações impostas visavam, sobretudo, ”produzir mais e em melhores condições”.

Falando das diversas transformações, operadas na empresa nos últimos anos, acentuou que as possibilidades eram agora muito maiores. Entre outras, citou preocupações de carácter cultural, tais como o acordo firmado com a Itália, as regalias e os estímulos de que passaram a beneficiar os servidores da Imprensa Nacional-Casa da Moeda, anotando, a propósito, o Prémio Luís Derouet, a ser entregue ao funcionário que tivesse demonstrado, em cada ano, o maior índice de competência, brio e dedicação.

Após ter enumerado a criação das três direções de serviços, por que se divide o trabalho do pessoal da empresa, depois da revisão de quadros, falou das medidas tomadas para a valorização dos seus servidores, tais como estágios e visitas a exposições no estrangeiro, etc.  Ao comentar, depois, a fusão com a Casa da Moeda, o Dr. Higino Borges acentuou, “veio abrir perspetivas extraordinárias”, tendo aludido pormenorizadamente, à inauguração da Livraria Camões, no Rio de Janeiro.

Recorde-se que a preocupação de valorizar os servidores da INCM, já havia sido muito apreciada pelos diversos serviços daquele departamento do Estado, cujos delegados vieram saudar o Dr. Higino Borges de Meneses, ao seu gabinete, aquando do 12º ano da sua tomada de posse. Depois de lhe terem prestado tributo, usou da palavra um representante de A Pensionista, cooperativa de crédito e consumo do pessoal da INL, para lhe agradecer por todo o carinho e interesse dispensado à cooperativa, e à construção de um novo refeitório em Lisboa.

Nota: Esta é a última crónica desta série, devido a cansaço físico e mental, e por ter de reduzir o tempo de exposição ao computador, durante os próximos meses, a colaboração neste período será reduzida. A.N.L.

António das Neves Leal

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante