Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

Estamos em Janeiro de 2021 e a pandemia causada pelo SARS-CoV-2 permanece, agora numa fase de agravamento. No começo, perante as notícias e, nomeadamente com a subida acelerada do número de infectados, o medo chegou de mansinho e as pessoas começaram a confinar por sua conta e risco, adiantando-se, até, ao primeiro estado de emergência só decretado no dia 18 de Março pelo Presidente da República. Estou convencido de que, no fim dos telejornais das 20 horas desse dia, a maioria dos portugueses não viu logo a volta que a sua vida iria dar.
A partir daí, o país iniciou uma estranha forma de vida. As escolas e infantários fecharam; muitos pais/mães tiveram de ficar em casa para acompanhar os filhos. O mundo do trabalho alterou o seu modo de funcionamento: milhares de funcionários públicos e muitos trabalhadores do sector privado, especialmente dos serviços, ficaram em casa em teletrabalho. Só a actividade ligada à indústria manteve, na generalidade, o modelo de funcionamento habitual. Como consequência destas medidas, o trânsito automóvel diminuiu drasticamente e a vida quase parou. Os órgãos de informação - jornais, rádios e televisões – passaram a falar quase só da pandemia: tentavam informar a população sobre a doença, os cuidados de higiene a ter, o que fazer no caso de surgirem sintomas e o que se passava nos hospitais; procuravam acompanhar o andamento geral da pandemia e das suas consequências.
Começaram as conferências de imprensa diárias da Direcção-Geral de Saúde, normalmente protagonizadas pela senhora Directora-Geral e pela Senhora Ministra da Saúde ou por um dos seus Secretários de Estado, em que se misturavam informações e instruções relativas à doença Covid-19 baseadas em conhecimento científico, com um discurso político de gestão de crise, com os inconvenientes deste tipo de discurso híbrido. Acontecia, muitas vezes, que, na resposta à uma mesma pergunta, intervinham a senhora Directora-Geral e o membro do Governo, sendo, frequentemente, difícil distinguir entre o que era informação e o que era gestão política. Quando, nessas conferências de imprensa, se recomendava a distância física, a lavagem frequente das mãos com sabão ou a desinfeção com álcool gel e a etiqueta respiratória, as pessoas percebiam que estavam perante recomendações baseadas em conhecimento científico. Quando ouviam dizer que o uso da máscara como meio de protecção era desaconselhável, vinha-lhes à mente que, nos noticiários das televisões, os profissionais de saúde apareciam equipados com máscaras e, no mínimo, ficavam perplexas. Pouco a pouco todos perceberam que o país não estava preparado para enfrentar um tal tsunami.
Em poucos dias todos se viram perante um país e uma vida diferentes: escolas fechadas, ruas desertas, trânsito automóvel quase nulo, a economia paralisada. Famílias inteiras em casa, em muitos casos tomando pela primeira vez consciência da pequenez e falta de comodidade do espaço da habitação, e tiveram dificuldades em organizar a vida, porque nunca se tinham visto naquele contexto. Antes levantam-se a correr, preparavam-se, saíam de casa, deixavam os filhos na escola ou infantário, iam trabalhar e, no fim do dia, faziam o percurso inverso. Agora permaneciam na residência e tinham de reorganizar a vida de modo a que os filhos acompanhassem as actividades escolares e os pais trabalhassem recorrendo às novas tecnologias. Os mesmos espaços passaram a ter várias funções: lugar de trabalho, de estar, de tomar as refeições, de estudar e de lazer. Quantos portugueses se terão sentido prisioneiros na sua própria casa.
No início de Maio, os números levavam a pensar que a pandemia estava controlada e que a tempestade tinha amainado; começou o desconfinamento. Mas o medo ainda era grande, pelo que os responsáveis políticos começaram a incentivar as pessoas a sair de casa, embora falando dos cuidados necessários a ter. Nos meses de Verão, Junho, Julho e Agosto, a descompressão foi-se acentuando e aumentou a circulação de pessoas. Em Setembro os números começaram a subir, em Outubro aceleraram e, no começo de Dezembro, já era inegável que as coisas tinha piorado substancialmente: estava-se perante a segunda vaga e o medo voltou a aumentar sobremaneira.
Com a aproximação do Natal, os números da Covid a subir e as notícias da chegada das vacinas, a situação tornou-se muito difícil de gerir do ponto de vista político. Pela Europa fora os governos viram-se na necessidade de agravar as medidas restritivas da circulação de pessoas, inclusive na quadra de Natal. Em Portugal fez-se de modo diferente: as restrições do estado de emergências foram suavizadas nos dias 23, 24 e 25, contra a opinião de muitos especialistas; não é fácil para qualquer governo tomar medidas desagradáveis. Consequência: estamos agora atravessar a pior situação desde o início da pandemia.
Vive-se um contexto difícil, complexo, agravado por um novo confinamento semelhante ao de Março-Abril do ano passado exigido pelos números a que se chegou; o SNS está saturado com doentes Covid e os restantes cuidados de saúde necessários vão-se atrasando. Por outro lado, começou a vacinação no dia 27 de Dezembro, ou seja, a solução para o problema está encontrada e a chegar, embora muito lentamente, porque a produção industrial da vacina precisa de tempo. Ora a referida complexidade do contexto prende-se precisamente com isso. O tempo da vida, o tempo psicológico digamos assim, é duração, muito diferente do tempo astronómico, o tempo dos relógios. Este último é contínuo, cada hora tem sempre 60 minutos. O tempo da vida, por seu lado, é de natureza totalmente diferente, é duração, como disse: nele um segundo pode parecer uma eternidade e uma hora, um ápice, experiência que todos nós vivemos. Ora, a indústria funciona no tempo dos relógios e a nossa espera pela vacina é do tempo da vida. Paradoxalmente, o ser humano vive em simultâneo nestes dois tempos tão diferentes, e aqui está a raiz da complexidade da situação e a dificuldade de a gerir. Não é fácil, mas é a vida! Tenhamos esperança, porque melhores dias hão-de vir.

Braga, Janeiro de 2021
José Henrique Silveira de Brito

Ciência e política: a cidade autonómica de Angra do Heroísmo, a mui nobre capital portuguesa de 1580 a 1583 e de 1829 a 1832, 1/3

Nas incursões que fazemos na história política dos Açores já designamos Angra do Heroísmo como a cidade autonómica. E essa expressão tem que ver com os pergaminhos da cidade no contexto da política nacional que levou, por um lado, o Estado a designa-la de Angra “do Heroísmo” e, por outra banda, a ter sido a primeira e das poucas cidades de Portugal a possuir a Grã-Cruz da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito. Que se fale em Angra – não se retira o mérito de muitas outras localidades, designadamente a vila de S. Sebastião e a cidade da Praia da Vitória, na Terceira, ou as cidades da Ribeira Grande em S. Miguel e Horta no Faial, e tantas outras. E quando é a história de uma ilha açoriana – é uma história dos Açores. Que a Terceira, através d’Angra, tenha sido a capital dos Açores, ora na totalidade das ilhas, ora dos grupos central e ocidental, todos o sabem e ninguém duvida disso. Assim como todos sabem que foi também, entre os anos de 1580 e 1583, e entre 1829 e 1832, capital do país, embora, neste ponto, é necessário... um esforço para se receber o conhecimento com humildade. A Terceira tem uma história política impressionante, quer em ações, quer em ideais; mas centremo-nos nestes dois momentos, com uma elementar anotação sobre a ciência e a política.

A ciência, para ser efetivamente ciência, necessita cumprir dois requisitos: estudo sistémico e instrumentos. Os instrumentos são os mais modernos e apropriados, o que inclui o pensamento organizado, o conhecimento e a inteligência humana. A investigação sistémica é o método científico. Mas a ciência é composta por disciplinas: o método científico na Física é bem diferente do da Química, assim como as disciplinas da História Política e a História. Estas disciplinas cumprem, quando cumprem e cumprindo são ciência, os dois elementos, sistémica e instrumentos, mas com métodos de ação muito diferentes, podendo, em muitos aspetos, coexistir identidades através da interdisciplinaridade científica. Além das disciplinas, a ciência tanto é de criação como de repetição.

A ciência, na generalidade, não visa criar novidades; a sua finalidade é desenvolver conhecimento e, no limite, mecanismos de evolução das condições da vida humana (seja para quem delas diretamente beneficie, seja para quem delas vive economicamente); e para isso tanto importa criar ex-novo como outro tanto ou mais para o aperfeiçoamento do que já existe. Mas se não é necessariamente forçoso a criação, é, em todo o caso, necessário sublinhar que existe muita ciência de repetição que traduz isso mesmo, mera repetição. Assim como muita da criação científica pela mera repetição afinal não é ciência; é competência, quando o é; é muito trabalho, quando o é; mas se não segue nem o método científico na generalidade, nem os métodos científicos de especialidade em função da disciplina, não é ciência. Ou seja, na divulgação de muita ciência de repetição esconde-se muita coisa com o nome de ciência, e que de ciência nada têm.

A que acresce outro ponto: a ciência não é uma lista pura de factos como se fosse uma lista matemática ou mecanográfica, mas é sobretudo uma dinâmica que responde às necessidades do que esteja em causa; ao historiador, por exemplo, cabe sobretudo preencher os vazios, assim como ao jurista de investigação os vazios da ordem jurídica ou da norma legal; dá bem nota disso, nesta parte da história dos Açores, um autor açoriano, quando ele magistralmente afirma: «procuro evitar a narração nua e seca de acontecimentos sem importância para a vida social e política dos açorianos, pois entendo que a memória de factos sem consequência para o ser dos povos é inútil, e que os que importam arquivar-se, historiadores sem critica filosófica, tornam-se uma leitura indigesta e pouco atraente» (José Joaquim Pinheiro, Angra 1833-1894, na magistral Épocas memoráveis da Ilha Terceira dos Açores).

Para se falar de história política não é necessário que se seja especialista nem de história, nem de direito; o que é necessário é possuir conhecimentos e usar o método científico adequado ao objeto de estudo. Os açorianos nos séculos XVI ou XVIII, e mesmo no século XIX, não tinham nem os nossos conhecimentos, nem a estrutura das nossas mentalidades e, por conseguinte, não tinham um imaginário político tão especializado e escrutinado que hoje temos – embora seja prudente verificar, em história Tucídides (História da Guerra do Peloponeso), em literatura Homero (Ilíada), em política Aristóteles (Tratado de Política) e em poesia Virgílio (Eneida) para que não nos envergonhemos se pensarmos que somos mais inteligentes agora do que os nossos antepassados. Ou seja, ainda, uma coisa é falar do que os antigos diziam e faziam; outra, muito diversa, é a interpretação que hoje atribuímos a essa parte da história. Uma coisa é o que eles fizeram e pensaram, outra muito diversa é a interpretação que hoje atribuímos na história geral da autonomia açoriana. Na democracia ateniense provavelmente ninguém tinha consciência que essa democracia seria melhorada aos longo dos séculos e muito menos saberiam imaginar que se tornou o modelo político das sociedades da atualidade. É por isso mesmo que, quando se fala nos Açores, podemos falar da autonomia desde o seu povoamento – porque estudamos o nível de autonomia política que os primeiros povos tinham nos seus governos em cada ilha ou no grupo das nove ilhas. Para se falar nestas matérias podemos fazê-lo de duas maneiras: ou com o rigor da ciência, ou transportar esse conhecimento para o grande público; são duas artes distintas; há quem tenha as duas, há quem tenha uma e há quem não tenha nenhuma.

Vamos, pois, do ponto de vista da história política dos Açores, mostrar o que todos sabem, mas resistem ainda poucos que desconhecem ou desprezam que Angra do Heroísmo foi capital do país, e referentes a duas situações especiais: entre os anos de 1580 e 1583, e entre 1829 e 1832.

Continua.

Crónica do tempo que passa (75)
O desabrochar de novos sonhos

Dentro de poucos dias, completa-se um ano que os açorianos começaram a pressentir algo de renovador que iria acontecer. O tom e o discurso proferido por José Manuel Bolieiro no Congresso do PSD, realizado na Madalena do Pico, já vaticinava uma possível mudança política nos destinos dos Açores e na forma de a vir a concretizar.
Por essa altura estava internado no Hospital de Santo Espírito da Ilha Terceira (HSEIT), após uma grande e delicada cirurgia ao intestino, a que nos referimos numa série de escritos designados por «Aerogramas Hospitalares-Radioscopias», espelho do quotidiano dos doentes e dos seus cuidadores.
Esse discurso foi decisivo para apagar os efeitos dos medos, da prepotência e regressão que se vinha a observar, após 24 anos de governação do consulado socialista. Eu próprio, sentia-me coagido a escrever em plena liberdade, como vinha fazendo desde 1976, isto é, durante as várias etapas por que tem passado a Autonomia Regional dos Açores.
Em pleno Verão de 2020, ao lembrar-me do discurso-APELO de 22 de Junho de 1940, de Charles De Gaulle aos microfones da BBC, escrevi uma crónica que não cheguei a publicar. Ela tinha como título «Autonomia ultrajada, traída, usurpada», e na qual em sublinhado escrevíamos:
«A honra, o bom-senso e o superior da Pátria e do Arquipélago, obrigam-nos a não depor as armas. E isso só compete ao próprio povo se não quiser ser escravo, mas sim ter a sua liberdade».
Ora o conteúdo da intervenção e os recursos oratórios utilizados pelo então eleito presidente do PSD-A, no seu discurso do dia 17.01.2020, cativaram-me e contribuírão, para os numerosos descontentes da governação anterior um elixir, o melhor bálsamo para as suas e nossas dores morais e físicas.
Para que alguns detractores arrogantes e manhosos sabichões comentadores, de avença paga, e privilegiados recebedores de escandalosas subvenções vitalícias ou de comendas imerecidas, não tenham pesadelos ou nos venham fazer malévolas insinuações, transcrevemos o que publicámos na nossa página do Facebook, no dia 6 de Fevereiro de 2020, então de convalescença já em casa.
«Só hoje pude escutar as intervenções, que abriram o 24º Congresso Regional do PSD-A, e o discurso do novo Presidente do PSD-A, devido ao meu recente internamento hospitalar.
Como primeira impressão, devo felicitar o Dr. José Manuel Bolieiro desde já, folgando muito pelo que foi dito, não só pela sinceridade e pela forma clara e simples utilizada, mas também pela correcta enumeração dos principais problemas, que têm afectado a vida dos açorianos, sobretudo, nas duas últimas décadas.
Foi seguida, com atenção e agrado, como se viu nas imagens, a sua bem elaborada exposição, à qual eu próprio me rendi com facilidade e satisfação. Agradeço ao seu autor os momentos de entusiasmo, que através dela me proporcionou, bem como a confiança que ele próprio com a sua postura me incutiu.
Parabéns ao PSD-A e boa sorte para o futuro que já vem chegando.
E para confirmar se a mesma opinião se mantinha, voltamos a escutar na íntegra, há poucos dias, desta vez através da internet, a intervenção de José Manuel Bolieiro, apresentada na sessão de encerramento do referido congresso ouvida, a primeira vez, nas condições acústicas próprias de um quarto de hospital público.
Efectivamente, não só a mesma opinião se manteve, como aumentou a minha adesão e apreço pelo que escutei num ambiente mais favorável.
Uma observação final para uns poucos que, incomodados pelas nossas críticas, gostariam que terminássemos, a nossa colaboração, no Jornal da Praia, até hoje graciosa e despida de ambições partidárias, ou de mesquinhos interesses pessoais. A eles reafirmamos a continuação da nossa postura de permanente participação social, na defesa da sociedade civil de que somos parte, tal como vimos fazendo desde 1976, em vários jornais, e outras publicações. E desde 1990, mormente neste quinzenário Jornal da Praia, imprescindível baluarte da liberdade, da defesa da Terceira, das demais ilhas açorianas e do nosso País. Post-Scriptum:
Apesar de contar com bons amigos, que muito prezo e admiro, a exercer funções no novo governo, eles sabem quão avessos somos a dogmatismos, arrogâncias, partidarismos, prepotências, manigâncias, corrupções, censuras inquisitoriais, revanchismos e críticas pessoais. A nossa atitude foi e será sempre a mesma. Não será, pois, na minha idade agora avançada, que irei mudar o rumo da já longa caminhada de serviço prestado à comunidade.
Aprendemos nesse percurso o valor insubstituível da amizade. Essa ficará sempre intacta contra ventos e marés. O que não me impede de desejar a eles e a todos os seus amigos, quer na Assembleia Legislativa Regional, quer no novo Elenco Governativo, os maiores sucessos no desempenho das suas exigentes e nobres funções em prol de uma melhor representação e governabilidade dos Açores, «ad multos annos».

António Neves Leal
10.01.2021

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante