Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

22.º Congresso Português de Arte-Terapia (I)

Há uns meses atrás, tive o privilégio de participar no 22.º Congresso Português de Arte-Terapia, num formato online, promovido pela Sociedade Portuguesa de Arte-Terapia (SPAT). Houve muitos oradores, de diferentes nacionalidades, várias apresentações sobre importantes temáticas, e ainda fomos presenteados por variados momentos criativos, que abrangeram o teatro, a música e a poesia.

Hoje gostaria de partilhar com o leitor algumas sementes que herdei desses dias intensos de liberdade, imaginação, presença e compromisso. Ao longo do Congresso, muitas foram as intervenções que me marcaram positivamente. Hoje trago-vos duas delas, nomeadamente: Arte-terapia e Criatividade; e Arte: uma pincelada de cor na aprendizagem.

A apresentação Arte-Terapia e Criatividade, da oradora Flávia Scorachio, foi uma lufada de ar fresco, pois remeteu-me para a simplicidade de algo que nasce connosco e que, com o crescimento e as exigências e expectativas da sociedade, vamos escondendo: a criatividade.

Foi muito interessante perceber que a criança é que guia o adulto terapeuta no processo de intervenção educativa. Foram sublinhadas várias estratégias de trabalho com as crianças. A título de exemplo, aprendi que, quando as crianças são levadas a explorar e a conhecer diferentes texturas e formas, estão a desenvolver o seu autoconhecimento. Também foi interessante quando a oradora destacou que a utilização dos materiais flexíveis (arame, massa de modelar) pode ajudar a diminuir a rigidez mental de uma criança com tal traço. De igual modo, o recurso a materiais de união, como a cola e os fios, favorecem a relação interpessoal, e o uso de formas geométricas está relacionado com a necessidade de limites.

Outro conteúdo abordado, de que gostei particularmente, está ligado à criação de arte utilizando objetos que não estavam a ter uso, ou materiais que estavam desaproveitados, considerados obsoletos e deixados em contentores do lixo (sucatas). Dar uma nova vida, através da reciclagem e da criação artística é algo que se pode realizar em diferentes contextos educativos, trate-se de centros de convívio de idosos, centros de ocupação de tempos livres e outras comunidades educativas. Ressignificar algo desagradável em algo com um significado mais positivo é fundamental no trabalho terapêutico, podendo servir para trabalhar com as crianças em múltiplas situações.

Na apresentação Arte: uma pincelada de cor na aprendizagem, a oradora Sónia Tavares transportou-nos para a relação recíproca entre o aluno e o professor, onde este último vai desenvolvendo as capacidades dos alunos, consoante o nível de desenvolvimento dos mesmos, com o intuito de criar uma relação com base na confiança, no respeito e no afeto, permitindo ao aluno desenhar com as cores que assim entender.

Na verdade, o aluno é um ser livre no processo de ensino-aprendizagem. A aprendizagem vai-se construindo através da generalização de experiências que se pretende serem efetivas e afetivas, ou seja, havendo uma verdadeira transformação interna e com significado.

Houve a discussão de várias estratégias e boas práticas utilizadas para estimular a leitura, tais como a associação dos vários sentidos ao prazer de ler (ex. paladar), e a representação artística (pintura ou desenho, por exemplo) do texto lido. Também a escrita da própria história pessoal ou de um diário estimula o gosto pela leitura e ajuda os alunos a libertarem-se de crenças limitadoras ou erradas sobre si e sobre as suas capacidades. Desta forma, as criações artísticas podem ajudar a promover as aprendizagens em geral, a leitura e escrita no português e noutras línguas em particular.

Para concluir, creio que a arte-terapia se configura com uma mais-valia para a estimulação criativa, emocional e cognitiva, contribuindo para uma mais consciente tomada de decisão e para o desenvolvimento de outras competências socioemocionais, úteis na vida pessoal, escolar e comunitária.

Joana Leal

Crónica do Tempo que Passa (92)

A Cimeira Atlântica de 1971 (i)

Trata-se de um tão importante acontecimento que em toda a História dos não há outro que se assemelhe.

D. Manuel Afonso de Carvalho, Bispo de Angra

Tive a desdita de, por ocasião desta extraordinária conferência, estar a trabalhar na Escola Industrial Alfredo da Silva, na então Vila do Barreiro, distrito de Setúbal, com um horário de 32 horas, a dar aulas de Francês, todos os dias exceptuando o domingo.

Foi nesse dia de descanso, em casa do meu antigo anfitrião de Lisboa, o sr. António Ataíde, angrense de gema que, na companhia de sua esposa D. Maria da Conceição, vibrámos os três, ao comentar, ver, ouvir e ler o que então se dizia por toda a capital portuguesa, e não só.

Por estes factos, os leitores compreenderão por que razão, cinquenta anos depois desse tão memorável evento, eu trago este assunto à colação e aqui afirmar o enorme prazer e orgulho pela iniciativa recente do Município de Angra do Heroísmo e do nosso Instituto Açoriano de Cultura (IAC), os quais acharam por bem e, muito oportuno, fazer-se uma edição comemorativa da grande efeméride, que projectou o nome da Terceira ( le fleuron des Açores, como foi escrito por  alguém da comitiva francesa), e também o do Arquipélago açoriano à uma tal escala de grandeza jamais conhecida entre nós portugueses. Os números falam por si, pois por causa da Cimeira Atlântica dos Açores chegaram à Terceira, então com uma população de oitenta mil habitantes, mil e duzentas pessoas e foram trazidos múltiplos meios logísticos para a concretização dessa bem sucedida conferência. Inúmeras mensagens foram recebidas, bem como vários telegramas, entre eles o do Governador do Distrito da Horta (v. Atlântida, p. 110) de solidariedade açoriana e felicitações, dirigido ao seu homólogo de Angra do Heroísmo, pelo êxito da cimeira

Obviamente que tantas coisas acontecidas não cabiam nas 133 páginas da revista Atlântida editada naquele ano. Muitíssimo se badalou, especulou, comentou em toda a Europa e nos EUA. Para nós portugueses e açorianos, este número em reedição fac-simile, mesmo com algumas gralhas ortográficas representa um documento imprescindível e fundamental para um conhecimento mais vasto dos Açores e de Portugal no contexto internacional, na importância do seu valor estratégico, na divulgação turística, na muito falada necessidade de investimentos financeiros, económicos, científicos, militares, e de defesa da paz e dos mares.

Este ano completam-se 129 anos do aparecimento do jornal «A União» e nove do seu lamentável encerramento. Contudo, ele continua bem presente neste número da revista, como se pode ver na descrição da chegada de Marcelo Caetano e dos presidentes Pompidou, a caminho da Serreta, e de Nixon pelos locais conducentes à sua residência da Base das Lajes. E também pela entrevista feita ao Bispo de Angra por Dutra Faria, jornalista da ANI (Agência Nacional de Informação). À qual juntaremos o Editorial do supracitado diário, então dirigido pelo Pe. Dr. Artur Cunha de Oliveira.

Começo pela citação de algumas palavras do Bispo da Diocese de Angra sobre a relevância do Encontro de 1971 entre Nixon e Pompidou.: «Trata-se de um tão importante acontecimento que em toda a História dos Açores, não há outro que se assemelhe. Compreende-se, assim, que os terceirenses estejam satisfeitos e orgulhosos por a sua ilha haver sido escolhida não apenas pela sua incomparável posição no Atlântico( pilar da ponte ideal entre a Europa e América) mas também um pouco pelo seu tão significativo passado histórico. Satisfação e orgulho, esses, dos terceirenses de que gostosamente partilho como seu pastor e porque, nascido embora no continente, aqui estou desde 1953 e sinto-me já tão açoriano como os que nestas ilhas nasceram».

Estamos naquela ilha a que os antigos chamavam Terceira de Nosso Senhor Jesus. É, pois, na ilha de Jesus Cristo que vão reunir-se Nixon e Pompidou. Terra de nome mais expressivo e tão de bom agoiro não podia, na verdade, ser escolhida para conversações que têm por objectivo a paz.

Mas não apenas os terceirenses da Terceira que se sentem felizes, nesta hora. Imagino qual será o júbilo dos muitos milhares de terceirenses fixados nos Estados Unidos ( só no grande vale californiano de San  Joaquim devem viver mais açorianos e seus descendentes do que habitantes tem toda a ilha Terceira) ao saberem que o Presidente da que tem sido a sua segunda e tão generosa pátria escolheu esta ilha, uma ilha dos Açores, para o seu encontro com o Presidente da França e com o Chefe do Executivo Português, o Presidente Marcelo Caetano».( Atlântida, pp. 51 e 52).

Editorial de «A União» em 13-12-71

Estão desde ontem em terra açoriana, mais particularmente nesta Ilha Terceira, para conversações a alto nível, os Presidentes dos Estados Unidos da América do Norte e da França, significativamente acompanhados dos respectivos titulares dos Estrangeiros e das Finanças. Ao recebê-los em sua casa e para com eles entabular conversações, o Presidente do Conselho de Ministros Português, Doutor Marcelo Caetano.

É sem dúvida uma hora única na história dos Açores esta que todos vivemos. Diríamos até que inesperada ou pelo menos antecipada sobre quanto podíamos prever para a futura utilização destas ilhas implantadas a meio de dois continentes, mas adjacentes—como lhe chamam e como as tratam—à Metrópole Portuguesa. Uma hora e uma responsabilidade. Talvez mais que tudo, uma conveniência. Seja como for, o facto não deixa, em si mesmo, de nos fazer pensar.

Serviu e serve com certeza esta escolha para a todos nos capacitar de uma potencialidade até agora pouco menos que utilizada. Serviu e serve também para já não diremos aferir das nossas carências em matéria de infraestruturas apropriadas a realizações do género (não seria construtivo), mas sim do muito que há no aspecto humano capaz de suprir e remediar tão graves deficiências em tão curto espaço de tempo. Se esta diligência, se este engenho, se enfim esta capacidade inata agora uma vez mais revelados fossem ordenada, progressiva e comunitariamente postos ao serviço da causa açoriana, não há dúvida que aos Açores os teríamos, a breve trecho, voltados do avesso para melhor. Ainda não nos demos conta de que como portugueses atlânticos somos capazes, mesmo dispersos por onze ou por nove ilhas.

Aos nossos irmãos da Metrópole foi esta mais uma ocasião de redescoberta. Talvez nunca como por estes dias a adjacência ilhoa se converteu para eles e para nós, em inerência portuguesa. E assim é que está certo, quando já nem as categorias de tempo e de espaço valem tanto como outrora, a não ser no pensamento de quem se não quis dar ainda ao trabalho de reflectir. Adjacência e inerência! Por uns breves dias somos como se estivéssemos apenas a meia dúzia de léguas da foz do Tejo. Como quem vive em Sintra. Ou um pouco mais longe, na Figueira. Assim desejaríamos ser nós sempre.

Foram outrora as ilhas e a baía de Angra de modo muito especial, lugar eleito das armadas que demandavam as Áfricas, as Índias e as Américas; terra fértil de pão para as fortalezas do Norte de África. Não sabemos por que estranho sentimento pensamos agora, como pensaríamos então, que também nestas terras e neste momento poderão jogar-se em boa parte a sorte da África e a Causa Portuguesa. Um sentimento? Talvez. Uma possibilidade? Com certeza. A estatura, a autoridade moral e política, os interesses e as oportunidades diplomáticas dos nossos ilustríssimos hóspedes levam-nos a pensá-lo mesmo sem querer.

Como quer que seja: estas ilhas que serviram tantas vezes com ferro e sangue para construir a paz e o bem-estar das gentes, possam contribuir de novo, agora pelo diálogo, para fins idênticos. (Atlântida, pp. 84,85).

António Neves Leal

28.12.2021

Serão os valores morais relativos, subjectivos?

Numa sociedade livre e democrática, pergunta-se muitas vezes: “até onde podem ir as diferenças?” Os portugueses da minha geração viveram a passagem de uma sociedade culturalmente bastante homogénea para uma sociedade plural, culturalmente muito mais rica. Na minha juventude tudo era bastante previsível e se alguém quisesse ser diferente e avançasse, normalmente pagava a ousadia. Podia dizer-se que havia uma espécie de polícia dos costumes e do pensamento que mantinha a “ordem”. Havia normas para tudo, até em termos de etiqueta. Lembro-me, era ainda bastante pequeno, de ouvir uma senhora explicar a um noivo o protocolo a seguir no dia do casamento à chegada e à saída da Igreja: a posição a ocupar quando abrisse a porta do automóvel à noiva, o percurso a seguir para entrar no carro, etc. e com esta chamada de atenção: “vai estar gente a ver se sabes todos estes passos”. No meio do protocolo, o que mais me intrigou, diga-se de passagem, foram as meticulosas regras relativas às luvas que faziam parte da indumentária do noivo, adereço que não tinha grande uso nos inícios dos anos 50 na Praia da Vitória, na Ilha Terceira, Açores, mas fazia parte dos acessórios de todo noivo que se prezasse.

Hoje vivemos noutro mundo, onde a heterogeneidade parece não ter limites. Basta sair à rua e vemos uma sociedade muito diversa no pensar e no viver, onde tudo parece permitido. Acontece, porém, muitas vezes, surgir algo que, apesar do nosso liberalismo, nos leva a pensar e a dizer: mas isto será aceitável? Será tolerável? Parece haver uma fronteira a partir da qual surge o inaceitável, o intolerável, embora não a saibamos definir. Em termos de gosto, encontramos um vocabulário que permite mostrar a dificuldade dessa linha: nós falamos de “bom gosto”, de “mau gosto” e de “gosto duvidoso”; duvidoso por quê?  Porque a fronteira é sinuosa, mesmo porosa e, por isso, difícil de desenhar.

Deve, contudo, ter-se em conta que a heterogeneidade não surgiu sem disrupções; essas disrupções foram sendo resolvidas pela integração do estranho no património cultural da sociedade. Um bom exemplo do que acabo de dizer encontramos na história dos vínculos que ligam os casais. Há uns anos, uma larguíssima maioria dos portugueses casava pela Igreja, os casamentos civis eram poucos e as uniões de facto, raríssimas e normalmente apontadas a dedo. Hoje, do ponto de vista social, esses diferentes vínculos de vida em comum são aceites sem grande discussão, porque essas diferenças foram assumidas socialmente.

Quererá isto dizer que vale tudo? Que os valores são relativos? Que cada um pode escolher a sua tábua de valores e vivê-la com total independência do seu contexto social? Reformulando a pergunta: a nossa sociedade é, do ponto de vista moral, uma sociedade pluralista ou relativista? Ouve-se muitas vezes afirmar que tudo é relativo; mas se tudo é relativo do ponto de vista moral, não há distinção entre o bem e o mal, tudo vale a mesma coisa, o que significa nada valer coisa nenhuma e teremos, no espaço público, a lei do mais forte, ou seja, a lei da selva.

Sendo, portanto, o relativismo moral radical inaceitável, porque tornaria impossível um mínimo de justiça na sociedade, que valores devem pautar a vida moral de cada um, isto é, a sua vida pessoal, e a moral pública, indispensável à vida em sociedade?

Cada ser humano procura realizar-se, tem um projecto de felicidade, tem, como dizem alguns filósofos, “uma moral de máximos”. Mas ninguém vive sozinho; com-vive com os outros e não pode ser feliz à custa deles, o que exige uma moral de mínimos de justiça, reguladora do espaço público.

A necessidade de uma moral é comprovada pela nossa experiência. Em termos simples, todas as comunidades humanas têm regras segundo as quais se nasce humanamente, se vive humanamente e se morre humanamente. Se olharmos com atenção para a nossa vida pessoal e comunitária, verificamos que essas regras (a moral de máximos e a de mínimos) sempre nos acompanham e vão evoluindo por diversas razões: pelo facto de sermos seres históricos, isto é, seres em construção; porque a ciência nos vai trazendo novos conhecimentos que vão sendo incorporados no nosso modo de viver; porque vamos encontrando novos valores individuais e colectivos, valores esses que nos levam a rever a hierarquia dos valores da moral pública e da moral individual; porque as duas morais referidas se vão influenciando mutuamente. Haverá, consequentemente, um contínuo debate em torno da moral do espaço público e cada um debaterá consigo mesmo a sua moral pessoal. A mudança faz parte da vida, “é a vida”!

Esse debate em torno da “moral de mínimos”, isto é, dos valores socialmente maioritários, nem sempre é fácil e uma das dificuldades maiores tem origem no facto frequente de aparecerem grupos minoritários, de discurso fácil e com boas caixas de ressonância, que vestem retoricamente os seus valores socialmente minoritários, às vezes mesmo ultraminoritários, com roupagens que lhe dão uma aparente universalidade e, não poucas vezes, levam a sua avante.

Estamos no mês do Natal. Numa sociedade pluralista como a nossa, os valores que cada um celebra nesta quadra serão diferentes. No respeito por essa pluralidade, desejo aos meus leitores Boas Festas de Natal.

Braga, Dezembro de 2021

José Henrique Silveira de Brito

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante