Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

Jornal da Praia - No seu discurso aquando das comemorações dos 159 anos de existência do Lar Dom Pedro V fez um balanço dos últimos 23 anos da instituição. Planificado em 1998 a instituição viu crescer as suas valências, infraestruturas, serviços prestados e recursos humanos. A que se deveu este crescimento? Veio beneficiar a população?

João Canedo - Nas várias reuniões de direção nesses tempos tivemos sempre presente a ideia e necessidade que tínhamos de melhorar continuamente a qualidade das valências existentes e procurar criar outras tendo em atenção as necessidades existentes na nossa comunidade.

Como gosto de dizer, pensámos a Instituição a 20 anos, analisando as necessidades da comunidade, iniciámos o projeto de 6 residências assistidas (T1), usando o dinheiro que a Instituição tinha a prazo. Após a construção destas residências, solicitámos um empréstimo à banca e começamos na construção de mais 12 residências assistidas.

Conforme disse anteriormente tínhamos de melhorar a qualidade das valências existentes, nesse tempo a fisioterapia e os gabinetes médicos funcionavam no r/c do antigo tribunal e como era um edifício antigo e com poucas condições, começamos a pensar criar um clube de saúde onde tivemos estas valências e criar outra própria e desenhada para o efeito. Como achávamos que os nossos utentes do futuro seriam pessoas com hábitos da prática de exercício físico, criámos um ginásio. Ficámos então com um Clube de saúde Dom Pedro V, com um centro de fisioterapia, Gabinetes médicos e ginásio para melhor servir os nossos utentes e aberto à comunidade, com muita qualidade e inaugurado em 2002.

Foi sempre espírito das direções desta Instituição, inovar e procurar sempre ir ao encontro das necessidades da nossa comunidade e por essa razão, o benefício da população, foi ter a escolha de usufruir das nossas 18 residências assistidas e de um Clube de saúde com uma ótima qualidade de serviços para apoiar a população residente e não residente.

No ano de 2012, inauguramos a obra de ampliação do Lar (antigo tribunal), em 2015 foi inaugurada a obra de remodelação do edifício sede. Posto isto, achamos nós que não bastava termos umas excelentes infraestruturas e bem equipadas, necessitávamos também de ter um serviço de qualidade. Neste sentido, em 2016, fomos creditados pela qualidade através da ISO 9001:2008 e em 2018 fomos atualizados pela ISO 9001:2015.

Jornal da Praia – O Lar Dom Pedro V pretende dar inicio em 2022 à obra de ampliação da Unidade de Cuidados Continuados e em “projeto” está a pretensão de uma Unidade de Demências e Paliativos. Estes dois projetos vão diversificar a oferta disponível da instituição e o porquê dos mesmos?

João Canedo - O que nós pretendemos com esta ampliação da nossa Unidade de Cuidados Continuados Integrados é aumentar a nossa capacidade em 8 camas e ainda termos 2 camas para situações de paliativos, que muita falta no nosso Concelho. Esta é a nossa pretensão, que há mais ou menos 3 anos andamos a tentar ter o apoio do Governo Regional, faltando sempre a última palavra que é de nos apoiar nesta obra que na nossa perspetiva é de extrema necessidade para melhor servirmos a nossa população.

Temos o projeto já em fase de finalização e uma verba atribuída que consta no orçamento do GRA para 2022, mas de momento não possuímos nada definitivo referente ao apoio na ampliação do mesmo.

Visto não termos conseguido o apoio do Governo Regional anterior para esta ampliação, aguardamos que este novo Governo Regional com outro paradigma e vendo a necessidade urgente deste aumento, dê a sua concordância e possamos começar a obra da Unidade de Cuidados Continuados Integrados e paliativos em 2022.

Temos também em esboço um espaço para uma Unidade para demenciais com capacidade para 16 camas. Esta é uma valência que faz todo o sentido em ser implementado na nossa instituição, tendo em conta que cada vez mais existe a necessidade de criar uma resposta para pessoas com estas patologias especificas. Além disso, e relacionado com o aumento do espaço média de vida, verificamos mesmo dentro do nosso espaço a existência de pessoas com estas patologias. Neste sentido, a nossa ideia é de criar uma estrutura com pessoal qualificado nestas patologias e contribuir para uma melhor qualidade de vida a estas pessoas.

Jornal da Praia – Atualmente quais os serviços e valências que o Lar Dom Pedro V presta e possui? E em termos de recursos humanos são os necessários para o bom funcionamento da instituição?

João Canedo - O Lar Dom Pedro V tem as seguintes valências: ERPI – Estrutura Residencial para Pessoas Idosas (lar idosos como conhecido), SAD – Serviço de Apoio Domiciliário (higiene pessoal e alimentação), centro de dia, unidade de cuidados continuados integrados, cantina social, residências assistidas, centro de fisioterapia, gabinetes médicos e o Protocolo de RSI.

O quadro de pessoal nunca é o adequado, tendo em conta que estamos sempre à procura de melhorar os nossos serviços sendo que só o podemos concretizar aumentando o nosso quadro pessoal e deste modo apostar em pessoal qualificado.

Posso dizer que em 2011 tínhamos um quadro de pessoal de 33 funcionários e hoje somos perto de 90.

Jornal da Praia – Nestes 159 anos o Lar Dom Pedro V tem vindo assumir-se como uma instituição de referência na prestação de serviços sociais nos Açores, muito além da sua matriz gerontológica. O “Asilo da Praia” carinhosamente conhecido em agora em pleno séc. 21 uma instituição de referência nos Açores. Atualmente como vê a instituição e a gerontologia nos Açores e mesmo em Portugal? Os lares são ainda considerados “depósitos” de idosos?

João Canedo - Essa é uma ideia errada que algumas pessoas têm e na maioria são pessoas que não tem relação nenhuma com as ERPI (Estruturas Residenciais para Idosos), ou mesmo que nunca entraram em nenhuma.

Também temos alguma comunicação social que ainda reflete que estas Instituições continuam a prestar o mesmo serviço de há vários anos e que não evoluíram.

Antes da pandemia estávamos a efetuar um bom trabalho ao fazer com que as famílias estivessem mais presentes na vida quotidiana dos nossos utentes e tínhamos várias famílias que visitavam frequentemente os seus familiares. Após março de 2020, derivado à pandemia fomos obrigados a afastar as famílias dos nossos utentes e temos a esperança que até final deste ano possamos ter uma maior abertura e que os nossos idosos possam ter algum afeto das suas famílias e amigos.

Hoje em dia para podermos ir ao encontro de muitos requisitos legais somos obrigados a ter um quadro de pessoal completo com recursos humanos qualificados, desde assistentes sociais, animadores, enfermeiros, psicólogos, fisioterapeutas, médicos, auxiliares e outros, que ajudam a melhorar a qualidade de vida dos nossos utentes.

Uma das áreas que a instituição investe é na formação do nosso quadro de pessoal, achamos que não é um custo, mas sim um investimento na qualidade. Temos a preocupação de pelo menos ter uma formação anual, o que achamos que ajuda a melhorar a qualidade e motivação dos nossos funcionários.

Jornal da Praia – Quais os projetos que o Lar Dom Pedro V tem para os próximos anos?

João Canedo - Os nossos projetos já estão praticamente explanados nas minhas respostas anteriores, ao pensarmos a instituição aos próximos 10 anos, desde as Unidade de Cuidados continuados, paliativos e de demenciais. Porém, nunca se sabe se vamos abraçar outros projetos além destes, tem tudo a haver com as necessidades da nossa comunidade.

 Vamos estar atentos.

Entrevista e fotos: Rui Marques

Jornal da Praia – Na primeira edição de “Tertúlia Tauromáquica Praiense”, publicada na edição impressa do Jornal da Praia, dia 27 de abril de 2021, é apresentada a ideia de um museu sobre a tourada à corda da ilha Terceira. Como é que surge a ideia e o porquê de um museu sobre esta temática?

Joaquim Pires – Olhe, em 1º lugar, porque é muito importante valorizar o que é nosso. Qualquer especialista em economia local explicar-nos-ia a importância de integrarmos nos nossos principais centros urbanos os espaços, especialmente os de cariz cultural, com que a sociedade local mais se relaciona. Em 2º lugar é também uma oportunidade de a Tertúlia Tauromáquica Praiense valorizar, no âmbito do seu objeto, as dinâmicas vivas, ímpares de uma tauromaquia popular única e autóctone, como é a nossa tourada à corda, onde, em particular, há tanto conhecimento conservado e adquirido que é fundamental difundir pela sociedade, mesmos pelos terceirenses, que muitos não conhecem a origem e o verdadeiro contexto da tourada à corda, estimulando-se, inclusive uma comunicação museológica de geração em geração, numa ilha e cidade como a nossa, que amam a tourada à corda. Em 3º lugar porque orgulhará decerto a Praia da Vitória e os praienses em particular, já que este Museu, tendo o privilégio de ser único no mundo, possuirá dimensão nacional e internacional, atraindo turistas, mas, essencialmente, convidando os terceirenses de todos os quadrantes da Ilha a visitar a Praia.  

Jornal da Praia - Durante vários anos (julgo mais de 20 anos) que surgem ideias para museus na Praia da Vitória. Um Museu do Trigo, um Museu sobre a Arquitetura Popular do Ramo Grande, um Museu Aeronáutico sobre a Base das Lajes e até, recentemente, um Centro Interpretativo sobre a Base das Lajes… mas a realidade é que a Praia da Vitória não possui um museu quer municipal quer regional. A que se deve esta situação?

Joaquim Pires – Acho que se deve a esquecimentos que não deviam acontecer. Está-nos a faltar sensibilidade objetiva para realçar, seriamente, aquilo que são as nossas especificidades locais, como uma mais-valia que não se pode desperdiçar. Iniciativas como esta, não se devem perder, porque, ao passá-las para segundo plano e/ou ignorando-as, ou até, trocando-as por outras que não são nossas, é mais uma vez o total incumprimento da nossa história, é a perda de dinâmicas geracionais, é a não projeção de algo que sendo único e original, impede a real reprodução das nossas memórias coletivas; precisamente aquilo que, especificamente, não queremos que aconteça com a presença do “Museu da Tourada à Corda da Ilha Terceira” na Praia, enquanto espaço que marcará a diferença em benefício da nossa história e a favor da cultura terceirense, sediado na Praia da Vitória.

Jornal da Praia – …um Museu da Tourada à Corda da Ilha Terceira é “Uma grande oportunidade para a Praia da Vitória”?

Joaquim Pires – Sim, diria mesmo que é uma oportunidade e uma grande mais-valia para a Praia da Vitória! Inclusivamente para o seu centro citadino. Ou, a Praia agarra para si algo tão enormemente popular, tão efetivamente histórico-comum, tão extensivo e tão riquíssimo do ponto de vista social e cultural em toda a ilha Terceira, como será este Museu, ou o outro município aproveita esta ideia e leva-o para a sua cidade, ficando a Praia da Vitória, mais uma vez em déficit. Digo mesmo que seria um dano enorme se a Praia da Vitória perdesse este Museu e se o mesmo fosse para outra cidade. Olhe, queremos diferenciação, queremos desenvolvimento local, queremos turismo e depois: – não demonstramos saber valorizar aquilo que é, por natureza, só nosso e de cariz intransmissível; – não se ocupa o turista com aquilo que ele só pode ver aqui, coisas que obviamente procura, por serem diferentes. E, já agora, que saibamos recrear os que nos visitam dentro da cidade da Praia, fazendo na Praia da Vitória algo que ainda não se fez.

Jornal da Praia – Quais os procedimentos e iniciativas que a Tertúlia Tauromáquica Praiense está ou pretende fomentar para concretizar esta ideia?

Joaquim Pires – Em 1º lugar estamos a colocar a iniciativa em marcha; queremos reforçar a ideia de ser um projeto muito importante, quer a montante quer a jusante para a Praia da Vitória, sendo que a edificação de tal Museu na cidade da Praia assenta também, nos princípios da Tertúlia Praiense, por isso importa fomentar a iniciativa junto dos sócios da Tertúlia como algo que legitimamente identifica a nossa mais popular afición, de modo a fortalecer e a conjugar argumentos, posteriormente a serem expostos junto das entidades municipais e governamentais; concretizando-se assim, entre outros, que tecnicamente na histórico-exposição deste Museu, desde: entusiastas, aficionados, ganadeiros, pastores, capinhas, vendedores volantes, organizadores/promotores e demais intervenientes ao longo dos idos tempos na tourada à corda da ilha Terceira, podem estar, representadas senão a maioria ou, quase, todas as famílias desta Ilha.

Jornal da Praia – …existem, contactos no sentido de concretizar este projeto?

Joaquim Pires – Existem contactos efetuados, embora estejamos ainda no zero. Em abril passado reunimos com o Diretor Regional da Cultura sensibilizando para o projeto e creio que conseguimos, no entanto, aquilo que mais desejamos seria que uma entidade pública, seja ao nível de governo ou municipal assumisse como importante tal projeto para a Praia da Vitória. Não nos interessa quem constrói o Museu. Sabemos que não se edifica de um dia para o outro, leva o seu tempo e, é um processo compassado; contudo, aquilo que efetivamente queremos, de momento, é que: – pelo projeto, ideia e interesse, se determinasse que o “Museu da Tourada à Corda da Ilha Terceira seja na Praia da Vitória”. Essa é a primeira e a mais importante concretização e, que alguém com responsabilidades públicas, para o poder assumir, dissesse: – a Praia vai a ser a cidade desse Museu! O edificar-se, construir-se é procedimento que se vai fazendo, de acordo com as posses e os recursos disponíveis, sendo que ajudas de particulares e de demais vulgares aficionados, praienses, terceirenses, emigrantes…, não irão faltar; assim saibamos mobilizar as pessoas. Mas o essencial é que alguém reserve já a Praia como domicílio de tal espaço histórico-cultural. Para além disso, está em curso a constituição de uma Comissão de Honra, a ser composta por diversas personalidades de modo, a junto da comunidade local, fortalecer o propósito do Museu da Tourada à Corda.

Jornal da Praia – Como Presidente da Assembleia Geral da Tertúlia Tauromáquica Praiense que mensagem quer transmitir aos aficionados sobre este projeto?

Joaquim Pires – O nosso povo transporta, orgulhosamente, no seu íntimo a tourada à corda como uma das mais fiéis tradições terceirenses. É por excelência parte integrante do património cultural da Ilha Terceira e um repositório legítimo da sua identidade e história e, se mais não houvesse para dizer, traduz-se, inequivocamente, pelo expressivo elevado número de pessoas que assistem a cada tourada à corda, num diálogo permanente entre a cultura tauromáquica, a confraternização popular terceirense e os seus mais dignos valores. Olhe, o Museu que queremos, é esta história que é preciso contar! É tradição festiva que a cada ano, arrebata e monopoliza toda a Ilha Terceira, sem paralelo com qualquer outra manifestação semelhante, junto de qualquer outro povo, região ou localidade. É tudo isso que deve ser exposto em Museu e apresentado às gerações de agora e àqueles que nos visitam; transmitindo: – como começou a tourada à corda; – como evoluiu ao longo dos tempos; – quais e, quem tem sido e foram, os seus principais protagonistas. Porque se fazem touradas à corda? Porque motivo movimenta tanta gente? Que tradição e valores se manifestam nesta cultura popular... Com este Museu a Ilha Terceira fica mais completa, a Praia da Vitória ganha e fica mais respeitada, mais distinta e mais rica; pois que: – é uma iniciativa para todo o universo da Tertúlia Tauromáquica Praiense que, pela predileção e gosto que os praienses têm pela tourada à corda, a Praia e a sua cidade, merecem-no! Pelo que, o não se concretizar ou a falta de demonstração de vontade, seja de quem for, para não o empreender, seria uma machadada no espírito de autoestima e no orgulho da Praia da Vitória, desígnios quão fundamentais são para a vida e desenvolvimento da nossa comunidade.

Fotos: Diogo Silva

Entrevista: Rui Marques

Desde o dia 30 de julho que está a funcionar o minimercado Azevedo de José Adriel, iniciativa privada concretizada com apoios públicos numa parceria entre a Junta de Freguesia das Quatro Ribeiras e a Câmara Municipal da Praia da Vitória que envidaram esforços para o preenchimento de uma lacuna de serviços básicos necessários na freguesia do norte do concelho praiense.

Segundo nota publicada pelo Minimercado Azevedo na sua página do Facebook, aquando da inauguração “Chegou o dia e esta foi a inauguração possível... Ao lado daqueles que fazem com que esta empresa seja o que é!

O primeiro obrigado não podia deixar de ser este: obrigada Pai, em nome dos dois, por teres embarcado nesta aventura connosco e tornares isto possível.

Agradecemos também, e não me vou alongar para não correr o risco de esquecer ninguém, a todos os que direta ou indiretamente estiveram envolvidos neste projeto. A quem nos ajudou na candidatura ao concurso Vasco Lima e que ganhamos por isso estamos aqui obrigada pelo seu trabalho empenho e dedicação. O nosso agradecimento vai também às duas instituições que propuseram este projeto Câmara Municipal da Praia da Vitória e Junta de Freguesia das Quatro Ribeiras muito prestáveis. Um obrigada especial a todos os que estiveram ao nosso lado com todo o seu apoio e ajuda família, amigos etc... sabem quem são!

Os agradecimentos também vão para todas as empresas que trabalharam connosco tanto no fornecimento de equipamentos, serviços e mercadoria. Aos nossos fornecedores que na sua maioria nos conhecem desde a nossa existência um muito obrigada pois todos contribuíram como lhes era possível.

Se esquecemos alguém pedimos desculpa.

E vamos terminar da mesma forma que começamos falando no nosso staff. Muito muito muito obrigada a todas vocês cada uma à sua maneira tornou isto possível. Àquelas que aguentaram o barco na nossa empresa mãe como lhe chamamos obrigada e àquelas que se entregaram de corpo e alma para apresentarmos isto desta forma também o nosso muito obrigada a vocês e vossas famílias, é de coração o nosso obrigada pois sem a vossa ajuda não seria a mesma coisa.”.

O Minimercado Azevedo funciona das 8h30 às 20h30, de segunda a sábado e encerra aos domingos e feriados.

Jornal da Praia (JP) - O Clube de Judo da Praia da Vitória (CJPV) é, sem dúvida, parte integrante da história do judo na ilha Terceira. No próximo dia 22 de Julho comemora 25 anos em atividade desportiva. Quais as razões que levaram à criação do clube em 1996?
Rui Teixeira (RT) - O CJPV é o segundo Clube da Ilha Terceira em termos de antiguidade, mas nos últimos anos tem sido o Clube de capital importância no desenvolvimento do Judo da Ilha Terceira. As razões que levaram a criação do CJPV foram as seguintes: o Judo funcionava (4 anos) na FOC, ligado à escola. Ora quando era para os atletas viajarem, era sempre uma confusão. A Associação não podia dar verbas à Escola, depois começou a haver atletas Jovens Talentos Regionais e os apoios não podiam entrar na Escola. Então o Mestre Mário Coelho falou com o Sr. Pires Luís, responsável da Câmara Municipal da Praia da Vitória, e avançou-se para a criação do CJPV. A morada do Clube é a Câmara da Praia. JP - Falar CJPV é falar também do Mestre Mário Coelho, fundador e ligado ao clube deste sempre… mas não esquecendo diretores, professores, desportistas e todos aqueles que contribuíram nestes 25 anos para os êxitos do clube. Que balanço desportivo faz sobre estes 25 anos?
RT - O Mestre Mário Coelho é, como o próprio diz, pau para toda a hora do Clube até mulher-a-dias é! O Mestre foi a principal peça para a fundação do CJPV, foi ele que tratou dos estatutos, foi ele que foi vezes sem conta para a Câmara Municipal da Praia falar com o Prof Pires Luís para recolher apoios para a fundação do mesmo, até conta uma história engraçada, foi marcada a escritura para a secretaria notarial da Praia da Vitória e ao chegarem todos lá deu-se por falta do representante da Câmara que era muito importante que lá estivesse pois é quem ia pagar a escritura, após vários telefonemas teve que se pedir o adiamento da mesma para dois ou três dias depois que o mesmo encontrava-se em reunião e não podia ir lá naquele momento, Neste processo de formação do Clube não se pode esquecer o Senhor João Canas Mendes que apoiou o Mestre Mário Coelho em tudo.
Vou falar dos Presidentes do Clube desde a primeira hora, eles sim tiveram um valor incalculável para o Clube ter a dimensão que tem hoje: Dr. Alvarino Pinheiro, António Borges, António Lima (este esteve poucos meses à frente do Clube, Sr.ª Isa Borges e eu, actualmente, os Técnicos que têm estado desde a primeira hora ligados ao Clube, Mestres Mário Coelho, Tiago Faria, Isa Borges, José Agostinho, Cláudia Medeiros e Guilherme Paulo. O balanço tem sido muito bom. Vários atletas representaram as seleções Nacionais Jovens, vários títulos e classificações Nacionais.

JP - Quais as modalidades que o clube oferece e quantos alunos envolve atualmente?
RT - O CJPV já teve Natação, tem uma secção de Jogo do Pau e Judo. No Judo tivemos cerca de 200 alunos inscritos na época de 2020.

JP - … e em que provas está envolvido?
RT - Desde Fevereiro de 2020 que todos os Calendários competitivos estão suspensos devido à situação pandémica que se vive e a modalidade Judo ser considerada uma modalidade de alto risco competitivo. JP - Além da prática desportiva, o clube oferece outras valências ou áreas de formação?
RT - O CJPV estava virado para ser um Clube de Formação. Esta situação aconteceu 2019. Organizamos várias formações gerais para Técnicos, mas mais uma vez chegou a pandemia e esta parou, chegou-se a fazer várias formações com pessoas de referência a nível Nacional e Internacional.

JP - Figuras como o Professor Francisco Silva, que em 1978 forma o Núcleo de Judo da Praia da Vitória, como o Professor Mário Duarte, que em 1987 orientou treinos na Escola Francisco Ornelas da Câmara ou como o Mestre Mário Coelho e outros tantos, impulsionaram durante várias décadas a prática da modalidade. Como dirigente do CJPV e agente desportivo como vê atualmente a modalidade?
RT - Que eu saiba, o Prof. Francisco Silva esteve cerca de dois anos a lecionar na Praia e deu aulas de Judo. Posteriormente em 87/88, o Prof. Mário Duarte esteve a dar aulas de Judo na Escola do Bairro Joaquim Alves, abandonando depois o Judo na Praia. Estes dois professores não tiveram nada a ver com a constituição do CJPV, tiveram uma abordagem fogaz no Judo da Praia À posterior o Mestre Mário Coelho veio para a Praia da Vitória e foi o grande impulsionador do Judo na Praia. Apresentou projectos na Câmara para se fazer um pavilhão para o Judo, que depois foi esquecido por questões políticas, fez e tem feito um trabalho de capital importância no Judo da Praia, da Ilha e dos Açores, ministra treinos à 36 anos consecutivos, muitos deles na Praia na FOC e CJPV.

JP - Enquanto Presidente do clube, quais os projetos que gostaria de implementar ou concretizar nos próximos anos?
RT - O verdadeiro projecto que temos em mão é homenagear os Presidentes do Clube e alguns atletas que se destacaram mais durante estes 25 anos, esperar e desejar que esta pandemia passe para podermos voltar à normalidade e então pensar em altos voos, caso o Mestre Mário Coelho se mostre ainda interessado em liderar este processo mais alguns anos. O CJPV e o Mestre Mário Coelho não vivem um sem o outro.

JP - Para quem deseja praticar a modalidade, o que aconselha? E como deve fazer para contactar o CJPV?
RT - O que posso aconselhar é dirigirem-se ao Complexo Desportivo Vitorino Nemésio – que tem excelentes condições para a prática da Modalidade – todas as segundas, quartas e sextas a partir das 18h00 às 21h00 e experimentarem a modalidade com um dos Mestres mais conceituados dos Açores. Em alternativa podem fazer um contacto através do mail Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar..

 

Na próxima quinta feira, dia 10 de Junho, a Junta de Freguesia do Cabo da Praia inaugura o núcleo museológico “Casa do camponês / Quinta Pedagógica”, espaço dedicado à etnografia e pedagogia e antigos artificies ligados ao antigo quotidiano desta freguesia.
Segunda Mónica Brum, Presidente da Junta de Freguesia de Cabo da Praia, em declarações ao Jornal da Praia, referiu os porquês da concretização deste projeto “Esta era uma casa pertencente à Junta de Freguesia que se encontrava num estado de degradação avançado e a junta, então, decidiu fazer algo. Como não possuímos meios financeiros próprios, surgiu a hipótese de uma candidatura à Grater, para enquadramento da mesma, demos o nome de Casa do Camponês/Quinta pedagógica/núcleo museológico. Não era uma ambição da junta de freguesia a criação de um núcleo museológico, por si só, mas foi o melhor enquadramento para a candidatura.”
Referiu também que a reconstrução e adaptação da casa onde está instalado o núcleo foi feita com base no que lá existia, com os pareceres das secretarias envolvidas e sob a fiscalização da Grater.
Em termos de funcionamento, “esta casa tem duas salas destinadas à exposição de artigos antigos pertencentes a habitantes desta freguesia, que vão desde a lavoura, à matança, ao artesanato, à agricultura, etc. A cozinha restaurada com o forno de lenha que pode ser utilizado por quem nos visita, uma sala de formação, um palheiro com exposição de utensílios do ramo da agricultura. No seu exterior existe uma eira, dois campos de cultivo, um lago, uma zona de piquenique, um espaço infantil, duas hortas e um espaço destinado a animais com patos, gansos, periquitos, faisões, coelhos, galinhas, cabra e porco”, refere Mónica Brum.
Quanto à dinamização do espaço, “para além poderem visitar o exterior da casa a qualquer dia e hora, pode também ser marcada vistas ao interior da habitação. Além de oferecer um espaço exterior apelativo à realização de diversos eventos, quer por escolas, ATL, população em geral e com acesso a portadores de mobilidade reduzida, o mesmo, já foi utilizado para festas de aniversário, visitas de estudo e convívio entre amigos, serão realizadas, pela junta de freguesia, diversas atividades, sempre com o intuito da formação, informação e experiências com o passado e presente. Workshops de cultivo, nomeadamente, cultivo biológico e na parte da gastronomia tradicional.”.
A “Casa do Camponês” está situada na Canada da Ribeira (com indicações ao longo do percurso). Para eventuais visitas ou reservas da mesma contatar o número 914532893.

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante