Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

Jornal da Praia (JP) - Segundo dados estatísticos do Serviço Regional de Estatísticas dos Açores, entre Janeiro e Setembro de 2020, comparativamente a 2019, a hotelaria tradicional nos Açores sofreu uma quebra de 73,3% no número de dormidas. Qual a análise que faz sobre o panorama atual do setor hoteleiro nos Açores e em especial no concelho da Praia da Vitória?
Orlando Cabral (OC) - Segundo os dados estatísticos mais recentes, os Açores foram em 2020 a segunda região do país com a maior queda no setor turístico nacional provocada pela pandemia, logo a seguir à área Metropolitana de Lisboa. Nos Açores, a queda registada na ilha Terceira foi ligeiramente inferior à registada em S. Miguel, por exemplo. Mas estamos a falar sempre em quedas na ordem dos 70%, comparativamente com os períodos homólogos de 2019. É preciso recuar a 1993 para se encontrar por exemplo um número de dormidas mais reduzido. É disto que estamos a falar, um recuo de 27 anos, um autêntico “tsunami” que atingiu em cheio principalmente o setor turístico nacional e regional. Se não fossem os apoios governamentais, primeiramente com o lay-off simplificado, complementado com os apoios regionais, teria sido o colapso generalizado deste setor, quer a nível das empresas quer a nível de perda de postos de trabalho.
A maioria das empresas ainda se encontram “ligadas às máquinas”, porque os efeitos do “tsunami” ainda se fazem sentir e de que maneira com esta nova vaga, por isso é fundamental não “desligar as máquinas” às empresas, ou seja, a manutenção dos apoios por parte dos governos é tão importante agora como foi no início da pandemia para que empresas e empregos possam sobreviver a este pesadelo.

JP - …e relativamente a 2021 quais as expectativas? Vamos voltar a valores de 2019 ou manter-se-ão os valores de 2020, ou seja, quebra continua acentuada nas dormidas?
OC - Tudo vai depender da evolução da pandemia: se os governos tomarem as medidas acertadas em termos sanitários para conter a pandemia, se as pessoas respeitarem essas medidas e também fizerem a sua parte, se houver acesso rápido em maior quantidade às vacinas, se estas surtirem os efeitos anunciados às novas variantes que vão sendo conhecidas, se a situação pandémica também melhorar nos principais países emissores de turistas para a região, então é expectável que o próximo Verão nos traga boas notícias comparativamente com 2020, mas ainda muito longe dos valores de 2019; se, pelo contrário, algum ou alguns desses pressupostos falharem, vamos voltar a ter um 2021 muito sombrio e idêntico a 2020.

JP - Relativamente a apoios governamentais, têm sido suficientes para fazer face a esta crise?
OC - Por muitos apoios que existam (e tem existido uns quantos desde o início da pandemia) nunca serão suficientes para compensar os enormes prejuízos causados pela pandemia. Lamentavelmente os apoios que têm sido colocados à disposição das empresas, quer para a manutenção do emprego, quer para apoio à tesouraria, tem na generalidade demorado a chegar às empresas e alguns são extremamente burocráticos, sendo exceções estes últimos apoios regionais (o “Apoiar.PT Açores” e o “Apoio Imediato à Liquidez”) que são muito simples de aderir. Contudo, verificamos que uma das medidas regionais mais recentes, o “Apoiat.PT Açores - 4ºT 2020” é menos favorável pelo menos para algumas empresas dos Açores, que a medida nacional correspondente para as empresas do continente, nomeadamente ao não comparar a diminuição da faturação de todo o ano de 2020 com o período homólogo de 2019, e também por não incluir o apoio extraordinário à manutenção da atividade no 1.º trimestre de 2021, situações que estão comtempladas no programa nacional.
Outra questão incompreensível neste labirinto de apoios e de legislação, é o porquê das empresas que recorreram anteriormente à Linha específica "COVID-19: Apoio a empresas do Turismo", de âmbito nacional, estarem agora impedidas de recorrerem à Linha Específica “COVID 19 – Apoio às Empresas dos Açores”, impossibilitando assim o acesso ao Programa de Manutenção do Emprego II!
Mas temos a esperança que estas e outras situações sejam revistas e melhoradas, porque compreendemos a dificuldade que é gerir todas estas questões e sentimos que tem existido vontade dos governos em apoiar o emprego e a economia dos Açores.

JP – Passados cerca de um ano desde o início desta pandemia, como é que o Atlântida Mar Hotel tem vindo a adaptar-se a esta nova realidade?
OC - Não tem sido fácil. Foi muito duro, vermos em Março passado serem canceladas em poucos dias as centenas de reservas que tínhamos para a Primavera e Verão de 2020. Foi muito duro ter de encerrar o hotel durante três meses e meio por falta de hóspedes. Durante esse período adaptámos o hotel com as medidas que, entretanto, foram sendo publicadas para contenção da propagação da pandemia, obtivemos as certificações nacional e regional do Selo “Clean&Safe”, demos formação sobre as novas normas de segurança a todo o staff, reajustámos tarifas à nova realidade e reabrimos em finais de Julho ainda com muito poucos hóspedes, que foram lentamente aumentando ao longo dos meses que se seguiram, voltando a baixar com a chegada do Outono e Inverno. Os próximos meses voltarão a ser muito difíceis, novamente com cancelamentos das poucas reservas que já tínhamos para os tempos mais próximos devido ao surgimento de uma 3ª vaga de Covid 19; apesar disso, não está nos nossos horizontes imediatos voltar a encerrar. Mas todos os cenários são possíveis, atendendo à imprevisibilidade da evolução da pandemia.

JP – Em Setembro de 2020, a empresa Atlântida Mar – Empreendimentos Turísticos, Lda, proprietária do Atlântida Mar Hotel, voltou a ser reconhecida pelo Turismo de Portugal e IAPMEI pela “Qualidade do Seu Desempenho e Perfil de Risco” e em Julho de 2020 o Tripadvisor atribui o prêmio Travelers Choice colocando o Atlântida Mar Hotel entre os 25 melhores hotéis em Portugal. Para si o que representam estes prémios?
OC - Representam a recompensa pela dedicação e trabalho, por vezes árduo, de todo o staff do hotel, que dia a dia dão o seu melhor, esforçando-se para que cada hóspede se sinta em casa, longe de casa. Não existem milagres, e tudo o que temos conseguido de prémios e distinções nestes 10 anos, quer a nível da hospitalidade (7 prémios Traveller’s Choice) quer a nível da gestão empresarial (3 prémios do Turismo de Portugal e IAPMEI - PME Líder) são fruto da abnegação e do não virar a cara à luta aos desafios e adversidades que tem surgido ao longo deste percurso e que se tem agravado sobremaneira neste último ano.
Por isso, estes prémios que refere, tiveram um sabor ainda mais especial, atendendo a que, apesar de respeitarem ao desempenho de 2019, foram-nos atribuídos já em plena crise pandémica, fazendo-nos recordar o sucesso que tinha sido o ano de 2019 e dando-nos a esperança de que possamos voltar a termos anos de sucesso, quando este pesadelo tiver passado.

JP – Quais os projetos futuros que tem para a sua empresa turística?
OC - Não é altura de fazermos projetos a médio ou longo prazo, porque a incerteza no futuro ainda é mais do que muita e a atividade turística é muito volátil. O único projeto que temos de momento é para o futuro imediato – sobreviver a esta enorme crise que afeta o turismo, mantendo a empresa saudável financeiramente e salvaguardando todos os postos de trabalho que mantemos desde Março de 2020, pois foi com este capital humano que alcançámos o sucesso até finais de 2019, de que são prova as distinções referidas anteriormente.

o Jornal da Praia entrevista Graça Eloi Rocha, gerente da empresa imobiliária GPS Casa, Mediação, Imobiliária, Lda, falou sobre a empresa que gere e sobre o sector imobiliário no concelho da Praia da Vitória e ilha Terceira.
“Penso que o setor irá ter um crescimento exponencial nos próximos anos apesar dos impactos provocados pela pandemia, porque as pessoas percebem que mesmo nas dificuldades o imobiliário será sempre um bom investimento, e uma forma segura de aplicar as poupanças que possuem.”

Jornal da Praia nesta edição dá a conhecer um dos trilhos pedestres mais “concorridos” este ano na ilha Terceira. Jornal da Praia da Vitória falou com Hélio Rocha, Presidente da Junta de Freguesia de Agualva, autarquia responsável por este trilho.
Sobre o porquê da Junta de Freguesia ter “aberto” este trilho ao longo da Ribeira da Agualva, o autarca refere que “a abertura do trilho surgiu da consciência do vasto potencial turístico existente naquele troço e da intenção de ligar aqueles que considerávamos serem, potencialmente, dois dos principais focos de atração à Agualva: os moinhos da Rua do Saco e o Parque das Frechas.
Conhecíamos as excecionais mais-valias daquele percurso (ex. cascatas, vista sobre a planície do Ramo Grande, vestígios da atividade da moagem) e do impacto que as intervenções que estávamos a levar a cabo, quer a montante (no Parque das Frechas), quer a jusante (na revitalização dos antigos moinhos da Rua do Saco) poderiam ter ao nível da atração de pessoas à Agualva, pelo que desde que tomamos posse, em 2017, começámos a trabalhar na limpeza e desobstrução dos carreiros por onde os caminhantes haveriam de passar.”.
Hélio Rocha descreve o percurso “sendo relativamente curto (cerca de 3 km) é, todavia, tremendamente rico em diversidade e atra­tividade. Começa na Rua do Saco, junto aos moinhos em recuperação (o edifício e os espaços envolventes já estão recuperados e a curto/médio prazo conseguir-se-á instalar a roda de água exterior e as engrenagens interiores), atualmente a funcionar como casa-museu (gratuitamente visitável). Contíguo aos moinhos encontra-se uma estação desportiva ao ar livre (uma das três da Terceira) com vários equipamentos direcionados a diferentes exercícios físicos.
O trilho prossegue ao longo do gabião da margem esquerda da ribeira (lado direito, para quem sobe), permitindo observar as ladeiras (socalcos) com os seus pomares – do lado esquerdo – e o casario da freguesia – lado direito.
Após esse troço o transeunte chega à Bocana, onde encontra uma bacia de receção de águas da ribeira (construída para travar a escorrência da sua água, após as enxurradas de 2009) e onde se vislumbram vários vestígios de antigos moinhos.
Passada essa zona, acede-se finalmente às ladeiras, passando a fazer-se o percurso sob vegetação e sempre junto à ribeira. É nesta fase que é possível descer à ribeira e eventualmente tomar um “banho de cascata” ou simplesmente contemplar, vistos de cima, as várias “cascatas” (três) e rápidos existentes nesse setor da ribeira.
Este troço termina no Parque das Frechas, junto ao qual há mais uma “cachoeira” a convidar a banhos e uma mata recentemente (2018) intervencionada e que alberga várias espécies de valor ecológico (plantas endémicas, nativas e outras ecologicamente sustentáveis). Nessa mata há uma plataforma suspensa, em madeira, a convidar à fotografia e, no seu ponto mais elevado, um conjunto de mesas e bancos a apelar ao descanso e à merenda.
Da mata, o visitante segue para o Parque das Frechas, atravessando a ribeira sobre uma ponte de madeira com belíssima vista sobre a ribeira. Já no parque, entre outras atrações, destacamos um chafariz recentemente criado, um coreto, várias mesas e grelhadores para descanso e fruição e um miradouro, no extremo norte, com excelente vista sobre a planície do Ramos Grande.
A parte final do percurso (retorno) faz-se primeiramente pela Rua dos Moinhos, depois pela Canada do Bexiga e, desta, até à Bocana (percurso com vista e acesso a antigos regos de água, lavadouros, habitações que outrora foram azenhas, etc.) e daí, pelos gabiões na margem da ribeira, até aos moinhos da Rua do Saco.
Trata-se de um percurso curto, de fácil execução e, a nosso ver, tremendamente apelativo por conseguir aglutinar tantos e tão variados pontos de interesse que vão muito para além do estímulo visual, ao incluírem atividade desportiva, orientação (geocaching), divulgação cultural, histórica e científica e, ainda, fruição e descanso.”.
Relativamente à reação das pessoas que fazem este trilho, o Presidente da Junta de Freguesia, Hélio Rocha, referiu que “tínhamos naturais expectativas relativamente à boa adesão das pessoas ao trilho, mas somos levados a admitir que a realidade superou claramente as nossas melhores previsões, até porque já havíamos aberto o trilho (limpado carreiros, colocado varandins e cordas facilitar acessos, reforçado a segurança, etc.) em 2019 e feito alguma divulgação. Porém, a sinalização do mesmo (ex. colocação de painel e de placas) e, sobretudo, a aposta na publicitação, já em 2020, foram essenciais na explosão da sua fama e da sua procura.
Quem faz o trilho, regra geral, acaba referindo que quer voltar. Norma geral, destaca a tão densa variedade de atrativos que nele encontra, salientando naturalmente as “cascatas” como bálsamo revitalizante para os dias quentes (no verão) e para as vidas mais agitadas dos nossos dias.”.
Relativamente à grande afluência de pessoas desperta a curiosidade pela freguesia, Jornal da Praia questionou o autarca se - Podemos dizer que o “Trilho da Ribeira da Agualva” é o “Trilho da Moda”? pelo que o autarca respondeu que “sem dúvida! Foram dezenas as pessoas que nos abordaram nos últimos meses no sentido de saberem onde se iniciava o trilho. Muitas delas alegavam que nem conheciam bem a Agualva, dado que, enquanto freguesia interior, fugia um pouco (exceção feita à Alagoa) à “rota dos circuitos turísticos da ilha”.
A freguesia sentiu claramente um afluxo tremendo de gente durante o último verão. Muitas dessas pessoas “perderam-se” pelas nossas ruas, acabando por consumir nos nossos estabelecimentos e por contactar com as nossas gentes. Trouxeram de si e levaram de nós e da Agualva vivências e conhecimentos que ajudaram a projetar bem alto o nome da nossa freguesia.
Somos quase tentados a afirmar que a “típica foto na cascata do trilho da ribeira da Agualva” virou moda viral, colocando finalmente esta freguesia com o destaque que, a nosso ver, sempre mereceu ter. Sem presunção, cremos que o trilho proporcionou algumas horas de verdadeiro prazer aos milhares de pessoas que o fizeram e que, pelo menos durante esse tempo, puderam libertar-se um pouco de toda esta paranoia que tem sido a Covid-19.”.

Na zona da Caparica nos Biscoitos encontramos o Paraíso na Terra, um local onde a Natureza reina, onde o verde predomina e o som da melodia do mar faz-se ouvir… é o que o CAPARICA – Azores Ecolodge, empreendimento turístico oferece na freguesia Norte do concelho da Praia da Vitória. CAPARICA – Azores Ecolodge tem uma linha marcadamente ecológica que explora com intervenção mínima o espaço onde está implantada. Conta com seis lodges que acomodam casais e uma casa rústica para grupos. Tem também um espaço para os momentos coletivos à volta da gastronomia, da música ou da leitura, que se encontra numa casa tradicional na entrada. No seu espaço exterior há zonas de relaxamento, um pomar, uma horta e uma piscina biológica.

Jornal da Praia entrevistou Guillaume Pazat, sócio e responsável pela comunicação, que falou sobre o empreendimento turístico que promove uma forma de alojamento responsável e sustentável, contribui para a proteção do meio ambiente e do bem-estar da população e de quem fica alojado nesta unidade hoteleira.

Jornal da Praia (JP) - Quais as razões que levaram à criação do empreendimento turístico Caparica Azores Ecolodge? E porquê a freguesia dos Biscoitos, mais precisamente a zona da Caparica, como local de escolha para a localização deste espaço turístico?

Guillaume Pazat (GP) - A vontade de criar um projeto entre em amigos foi sem duvida a primeira razão de criar este empreendimento que sempre vimos como um espaço de encontro que se parecesse connosco, mas que um negócio criamos a Caparica Azores Ecolodge para podermos estar juntos. A zona da Caparica, tem um microclima, é historicamente zona de pomar. Os Biscoitos têm uma zona balnear simplesmente espetacular, minha preferida desde sempre. Sabíamos que estes 2 fatores combinados podiam encaixar com as necessidades do nosso projeto de turismo sustentável: proximidade de umas das melhores zonas balneares, tempo ameno e proximidade dos produ tores locais com os quais pretendemos

trabalhar.

 

JP - Pode descrever o vosso espaço? O que oferece o Caparica Azores Ecolodge a quem nos procura?

GP - Como digo sempre: Listen to thesilence it has so much to say...

A Caparica oferece num ambiente luxuoso, calma, silencio, envolvência da natureza e arte com natural distanciamento social... Na Caparica o estrangeiro encontra o melhor dos Azores e o local se sente fora da ilha.

 

JP - A funcionar desde 2017 qual é o feedback de quem visitou o Caparica Azores Ecolodge? Os turistas, quem usufrui do vosso espaço gosta? Querem voltar?

GP - Na verdade somente estamos abertos desde meados do verão de 2019, ainda não tivemos um ano 1 ou seja ainda não tivemos um verão normal. 2019 abrimos as reservas a 15 de julho e 2020, bem não é preciso explicar 2020 pois não?

Temos tido o ano passado à volta de 80% de clientes vindos do estrangeiro, este verão foi o contrário. Os “locais” voltam quase sempre, e não somente uma vez.., até estamos a pensar numa “carta de fidelidade” para alguns! Os estrangeiros dizem que tem esta vontade, esperamos que sim, para já é muito cedo para tirar conclusões

 

JP - O Caparica Azores Ecolodge começa a afirmar-se no mercado turístico quer interno, como externo, como funciona a divulgação?

GP - Temos recebidos quase todos os jornalistas e influencers que passaram pela ilha neste ultimo ano e temos tido muito bons retornos da parte da imprensa nacional e internacional.

Para a divulgação local, apostamos imenso no Facebook mas afinal o que parece funcionar mesmo são os comentários dos nossos clientes, quase sempre referidos quando questionamos os novos clientes à chegada.

JP - Nestes tempos de Pandemia de Covid-19 que em muito tem penalizado o sector do turismo mundial como tem-se adaptado o Caparica Azores Ecolodge e esta nova realizada? Houve decréscimo no número de dormidas ou reservas?

GP - Como disse anteriormente, não temos muito dados para comparar, tivemos uma faturação parecida à do ano passado para o período de verão, pois o ano passado estivemos a abrir muito tarde. O que sabemos é que ainda não tivemos um ano normal. Em fevereiro estávamos com ocupação marcada para o verão de 2020 na ordem de 90%. Em Abril já tudo estava anulado. Retomamos a aceitação de reservas somente no final de Maio. Desde Junho, quase somente temos trabalhado com o mercado local e nacional, com preços adaptados a este mercado.

Resumindo, não é um decréscimo nas dormidas em comparação ao ano anterior, é um enorme decréscimo em relação as perspetivas e projeções. No entanto estamos confiantes que o nosso modelo é o modelo certo para o futuro.

Desejamos que o nosso modelo seja um exemplo para o futuro da Terceira, ecologia, natureza, sustentabilidade e distanciamento social são sem duvidas as palavras chave para o turismo do futuro e para os Açores.

JP - Em termos de futuro, quais os serviços que gostaria de oferecer e que atualmente a vossa unidade hoteleira não possuem. Há planos para crescimento do vosso empreendimento?

GP - Há, sim, bastantes ideias para implementar e quem ficar atenta perceberá das novidades ano a ano… mas o segredo é a alma do negócio. O nosso empreendimento é novador na ilha, e queremos que continue a o ser. Sempre!

“O Judo pode ser considerado como uma arte ou uma filosofia do equilíbrio, bem como um meio para cultivar o sentido e o estado de equilíbrio”, citação de Jigoro Kano, “Pai do Judo”. O Mestre Mário Coelho iniciou-se no Judo em 1976… pode-nos falar um pouco sobre o seu percurso na modalidade? De onde surge a sua paixão pelo Judo?

A minha paixão sobre o Judo nasce de um livro que havia e de dois ou três amigos, que se juntavam numa loja de terra batida a ver o livro e a tentar copiar os movimentos das imagens que o ilustravam. Em 1976 iniciou-se a modalidade no Marítimo do Corpo Santo e fui dos primeiros a experimentar a modalidade e, passados estes anos todos, sou o único sobrevivente dessa altura, participei no primeiro Regional em finais de 1976 em Ponta Delgada, participei em 1978 no primeiro Torneio de Ilha entre Praia Angra no antigo Clube Naval da Praia.

 De acordo com o seu currículo, ao longo de mais de 40 anos, o Mestre Mário Coelho contribuiu em muito para a divulgação da modalidade nos Açores, e em especial na Ilha Terceira. Foi fundador de vários clubes desportivos, competiu, venceu variadas competições, treina atletas é também dirigente desportivo, como vê a modalidade atualmente na Ilha Terceira?

Para o ano comemoro a bonita idade de 45 anos ligado à modalidade é uma vida. Como vejo a modalidade na Ilha Terceira? Com muita apreensão, não vejo sangue novo, não vejo renovação com gente capaz de seguir com a modalidade para a frente… mais uma dúzia de anos e é uma modalidade para acabar. Os velhos vão-se acabando e os mais novos não têm os valores que a modalidade exige. Temos o código moral do Judo que é elogiado e propagandeado, mas fazem precisamente o contrário do que o código moral

apregoa.

Os jovens que agora treinam e competem são os mesmos de há 20, 30 ou 40 anos atrás quando o Judo dava os primeiros passados nos Açores?

Neste momento e devido à pandemia é muito difícil a sobrevivência das modalidades, principalmente as de muito contacto físico. Os miúdos de agora têm o que os do meu tempo não tinham: muita tecnologia de ponta. Têm uma reduzida capacidade de sacrifício, muitas solicitações e acesso a uma enorme quantidade de informação e de divertimentos. Na altura que começamos havia poucas solicitações e poucas modalidades de recinto fechado, era mais fácil podermos treinar com mais aplicação e rigor.

 Relativamente ao Clube de Judo da Praia da Vitória, que em 2021 comemora 25 anos de atividade desportiva ininterrupta, como vê o percurso do clube que o Mestre Mário Coelho ajudou a fundar em 1996?

Ajudei a fundar? Fui na altura com o Senhor João Canas Mendes um dos grandes impulsionadores da ideia de criar um clube na Praia da Vitória. Dava aulas de Judo na FOC e na BA4 e estávamos inscritos pela FOC. Quando íamos viajar ou tínhamos alguns prémios de Jovens Talentos para receber, era sempre um problema. Fui à CMPV ter com o Pires Luís e ajudaram-nos a tratar da burocracia para a criação do CJPV, tanto que a morada fiscal era na própria CMPV. Um caso engraçado no dia da escritura o representante da CMPV por afazeres profissionais não pode comparecer no acto da escritura a qual teve que ser adiada para outro dia. O CJPV faz parte da história do Judo terceirense, regional e nacional. Foi um percurso feito com muito trabalho e suor, já tivemos muitos atletas em representação da Selecção Nacional. Jovens de gabarito, mas quando chegam à Idade de irem para a Universidade, somem-se. Tirando duas atletas - a Bruna Borges e a Cláudia Medeiros – que fizeram competição até mais tarde, os outros eclipsaram-se, desapareceram da modalidade. Os atletas Manuel e Nuno Pires também tiveram mais alguns anos a competir na modalidade a nível nacional.

“Embora o Judo seja uma arte marcial, a sua prática e métodos baseiam-se em torno da suavidade. Dando forma à força do oponente, adaptando-a e usando-a para seu proveito, a fim de alcançar a vitória sobre o adversário.” (in página oficial do Comité Olímpico de Portugal). Para quem quiser, tiver curiosidade ou para os pais que querem ver os filhos a ingressar na modalidade o que devem fazer? O que aconselha?

O Judo é uma modalidade multilateral, com elevada complexidade e que capacidades. Mais

importante ainda é o processo de socialização e de autoconhecimento que o Judo proporciona. Convém lembrar que a prática do Judo de competição permite ainda participar em provas nacionais e internacionais, possibilitando conhecer outras pessoas, novos lugares, novas culturas.

Quais as “lutas”, os projetos que o Mestre Mário Coelho pretende ainda concretizar?

O que se pode pedir a uma pessoa com o meu currículo e passado como Treinador? Tentar prolongar a carreira e a ligação ao Judo mais 5 anos para acabar com 50 anos ligado à modalidade, se a saúde assim o permitir. Atualmente vou tentar levar os atletas aos mais altos patamares nacionais, ir a algumas provas Internacionais e acabar uma rica e bonita carreira com a mágoa de nunca o meu trabalho ter sido reconhecido como acho que devia ter sido. Não tenho jeito para me encostar aos lados que me podem beneficiar. Apresentei projetos na CMPV para se fazer um pavilhão para os Desportos de Combate, mas nunca usufrui dos meus projetos. Não sou paraquedista, tenho o meu clube consolidado com anos de trabalho e dedicação.

Fotos: Mário Coelho

Entrevista: Rui Marques

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante