Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

Na próxima quinta feira, dia 10 de Junho, a Junta de Freguesia do Cabo da Praia inaugura o núcleo museológico “Casa do camponês / Quinta Pedagógica”, espaço dedicado à etnografia e pedagogia e antigos artificies ligados ao antigo quotidiano desta freguesia.
Segunda Mónica Brum, Presidente da Junta de Freguesia de Cabo da Praia, em declarações ao Jornal da Praia, referiu os porquês da concretização deste projeto “Esta era uma casa pertencente à Junta de Freguesia que se encontrava num estado de degradação avançado e a junta, então, decidiu fazer algo. Como não possuímos meios financeiros próprios, surgiu a hipótese de uma candidatura à Grater, para enquadramento da mesma, demos o nome de Casa do Camponês/Quinta pedagógica/núcleo museológico. Não era uma ambição da junta de freguesia a criação de um núcleo museológico, por si só, mas foi o melhor enquadramento para a candidatura.”
Referiu também que a reconstrução e adaptação da casa onde está instalado o núcleo foi feita com base no que lá existia, com os pareceres das secretarias envolvidas e sob a fiscalização da Grater.
Em termos de funcionamento, “esta casa tem duas salas destinadas à exposição de artigos antigos pertencentes a habitantes desta freguesia, que vão desde a lavoura, à matança, ao artesanato, à agricultura, etc. A cozinha restaurada com o forno de lenha que pode ser utilizado por quem nos visita, uma sala de formação, um palheiro com exposição de utensílios do ramo da agricultura. No seu exterior existe uma eira, dois campos de cultivo, um lago, uma zona de piquenique, um espaço infantil, duas hortas e um espaço destinado a animais com patos, gansos, periquitos, faisões, coelhos, galinhas, cabra e porco”, refere Mónica Brum.
Quanto à dinamização do espaço, “para além poderem visitar o exterior da casa a qualquer dia e hora, pode também ser marcada vistas ao interior da habitação. Além de oferecer um espaço exterior apelativo à realização de diversos eventos, quer por escolas, ATL, população em geral e com acesso a portadores de mobilidade reduzida, o mesmo, já foi utilizado para festas de aniversário, visitas de estudo e convívio entre amigos, serão realizadas, pela junta de freguesia, diversas atividades, sempre com o intuito da formação, informação e experiências com o passado e presente. Workshops de cultivo, nomeadamente, cultivo biológico e na parte da gastronomia tradicional.”.
A “Casa do Camponês” está situada na Canada da Ribeira (com indicações ao longo do percurso). Para eventuais visitas ou reservas da mesma contatar o número 914532893.

Jornal da Praia (JP) – Quem é Evandro Meneses e o porquê de ter enveredado também pela música?
Evandro Meneses (EM) - O Evandro é um simples jovem que teve de realizar uma caminhada académica normal. Tive a sorte de nascer numa família que gostava de música e que esteve sempre relacionada (como alunos) ao antigo Conservatório Regional de Angra do Heroísmo. Desde que me lembro que sou gente, que frequento um grupo de folclore, que assistia às aulas de música do meu pai e irmãos. Aos 6 anos de idade pedi encarecidamente a um dos meus irmãos que me ensinasse a tocar violão. Não foi uma vontade dos meus pais, nem dos meus irmãos, foi minha, eu próprio queria aprender esse instrumento e a partir do momento que uma criança de 6 anos quer, e realmente se dedica, é porque tem mesmo vontade e gosta. A partir daí, colocaram-me no conservatório para aprender Viola da Terra, e lá continuei por aí fora. Quando cheguei ao 9º ano (o “ano da decisão”), tive de escolher qual o curso que queria enveredar. É que nem foi uma escolha, não houve a dificuldade de “escolher um curso”, pois ele já estava mais que definido: a música. JP – Uma das suas paixões é a “Viola da Terra”. O porquê deste instrumento? São as sonoridades, a ligação ás “raízes” e o motivam a tocá-lo?
EM - Inicialmente, e tal como disse na questão anterior, foi apenas o meu primeiro instrumento, o instrumento que escolhera simplesmente para começar nas aulas do conservatório. No entanto, no decorrer do meu percurso, fui-me apaixonando cada vez mais por este instrumento. É um instrumento que, orgulho em dizer, nunca me limitou em nada. Apesar da sua singularidade, da sua ‘regionalidade’, ou melhor, ‘açoreanidade’ (como diria Vitorino Nemésio), foi um instrumento que não me limitou apenas ao convencional (as modas tradicionais açorianas). O professor de Violão e de Viola da Terra, na altura que assistia às aulas do meu pai e meus irmãos, era o Professor e Exímio Tocador de Viola da Terra José Luís Lourenço, mais tratado por José da Farmácia. Acredito que o facto de me ter ambientado a essas aulas e de ter vivenciado grandes momentos musicais, me fez gostar do instrumento, da sua sonoridade, e da sua utilidade cultural nos Açores. JP – O CD “Variações & Guitarradas” é a materialização da sonoridade da “Viola da Terra” aplicado a temas como o “Vira do Minho” ou do “Repertório da Guitarra Portuguesa”. Como é que surge este seu primeiro registo sonoro dedicado a este instrumento?
EM - Depois de finalizar a formação em Viola da Terra (5 anos), continuei sempre a aprender e a praticar em grupos de folclore. Claro que para uma criança, ir a um ensaio de folclore onde as músicas ao fim de um determinado momento se tornam repetitivas, tornava-se maçador e desmotivante. Por isso, a partir daí quis experimentar coisas novas. Coisas que nunca ninguém tivera ouvido de uma Viola da Terra. Comecei a tocar várias coisas do Brasil, de Portugal Continental, entre outros. Mais tarde, e pelo facto de a técnica ser similar, experimentei uma Guitarra Portuguesa. E foi aí que descobri o quanto a Guitarra Portuguesa tinha coisas enriquecedoras, e que se podiam transportar para a Viola da Terra, sejam factores técnicos ou até mesmo repertório. Desde então, tem sido o meu grande objectivo demonstrar as potencialidades da Viola da Terra e demonstrar aquilo que ela é capaz de fazer.
O CD “Variações & Guitarradas” (agora disponível gratuitamente no Youtube) foi o fechar de um ciclo de aprendizagens onde nenhuma música do CD é de música tradicional Açoriana, mas sim músicas do repertório da Viola Caipira e da Guitarra Portuguesa, mostrando assim aos ouvintes aquilo que é possível fazer com a Viola da Terra. É um CD que foi gravado em casa e produzido totalmente por mim, também com o objectivo de demonstrar que por vezes, com um microfone de poucos euros, é possível fazer e realizar um sonho de gravar um CD. JP - Outro dos seus projetos na área da música foi a aposta na criação de um estúdio musical. O EM Estúdio Musical começa a ganhar “asas” e promete ser alternativa e preencher uma lacuna nesta área? Como é que tem decorrido esta sua aposta?
EM - O EM Estúdio é, nem mais nem menos, do que o abrir as portas de casa para todos os músicos e artistas que têm o mesmo sonho que o meu (de gravar um CD ou simplesmente uma música). Descobri este mundo da gravação e da produção musical quando senti a necessidade de produzir e gravar o meu trabalho para que pudesse divulgá-lo nas redes sociais. Até então gravava apenas os meus trabalhos. Durante a minha Licenciatura alguns dos meus colegas me pediam que os gravasse, e então foi aí que percebi o quanto gostava de gravar os outros. Por isso, fui adquirindo algum material de som.
Quando regressei à Ilha, assumi o estúdio para que pudesse fazer disto, não o meu trabalho principal, mas um ‘part-time’ levado muito a sério. Com este estúdio não estou a preencher qualquer lacuna nesta área. Tenho vários colegas que têm o seu estúdio profissional e que têm gravado grande parte doa artistas Terceirenses. No entanto, e pelo facto de já haverem estúdios cá na ilha, fui mais além e assumi-me como uma espécie de produtor musical/fonográfico (‘manager’?). Isto quer dizer o quê? Quer dizer que me disponibilizo, ao músico menos experiente na matéria, a resolver todas as fases burocráticas da gravação de um CD ou de outro tipo de projecto musical, a incentivá-lo a gravar, a mostrar as suas potencialidades como artista e a guiá-lo da melhor forma na produção do seu projecto. Objectivamente, o estúdio grava, mistura, masteriza, e tem parceiros que fotografam, fazem o design, e gráfica que duplica os CD’s, tudo a cargo do estúdio sem que o artista se preocupe com qualquer problema que possa vir a acontecer. Para além destas possibilidades e ofertas, após a posse dos CD’s ainda distribui pelas lojas e pela comunicação social. Digamos que é possível estar aqui a nascer uma espécie de editora musical. Também luto todos os dias em encontrar parcerias (privadas e governamentais) que possam apoiar estes artistas que passam por cá, que têm tanto para dar, mas que, infelizmente, têm pouco para investir.
Tem sido um trabalho que tenho gostado muito de fazer: dar aos artistas da nossa ilha a divulgação que merecem. Até hoje, o estúdio já gravou e editou 3 CD’s e está em fase de gravação mais 3, de clientes que confiam no meu trabalho.

JP … e o concurso Giveaway? Pode falar um pouco sobre esta iniciativa que recentemente premiou Simone Ferraz?
EM - O Giveaway, infelizmente, foi algo que não teve uma adesão por parte dos amantes de música. No entanto, a Simone Ferraz, e bem, participou e ganhou uma gravação de estúdio de uma música à sua escolha. Aquando da sua publicação nas redes sociais, causou algum espanto por parte do público que não conhecia a voz da Simone. Apesar deste Giveaway ser algo dinamizador para o estúdio, é também uma oportunidade de descobrirmos alguns talentos que andam escondidos e fechados no seu cantinho. Acredito que uma experiência em estúdio possa ser um passo impulsionador na carreira de um músico. JP – Além de músico, ensina, é maestro na FUP – Filarmónica União Praiense… qual é a análise que faz sobre o panorama musical na ilha Terceira e em especial no concelho da Praia da Vitória, sabendo que Evandro Meneses é licenciado nas áreas de Composição e Guitarra Clássica na Escola Superior de Música de Lisboa e que deve ter contactado com outras realidades musicais?
EM - Acho que o que aconteceu comigo acontece com qualquer aluno que prossegue os seus estudos na área da música no Continente. Encontramos espaços mais amplos, salas de concerto exuberantes, músicos profissionais, orquestras de excelência, e o que simplesmente nos apetece é colocar tudo na nossa mala de viagem e trazer para a ilha. Infelizmente isso não é possível, e só trazemos a nossa sabedoria na matéria, que a partir daí se pode realizar algo humildemente similar ao que vimos e ouvimos no Continente.
A verdade é que nunca me senti limitado pelo facto de viver entre mar. Nós temos excelentes músicos que nos presenteiam com concertos e trabalhos de grande reconhecimento. Tenho muito orgulho naquilo que a Terceira se tornou, nos músicos terceirenses, nos músicos Praienses! Cada vez mais vejo amigos e colegas a serem reconhecidos a nível nacional e internacional. Está mais que na hora de nós próprios reconhecermo-nos! Pois se um músico se sente concretizado ao ser reconhecido internacionalmente, mais concretizado se sente por ser reconhecido pelos seus, por aqueles que conviveu e sempre conheceu.

JP – Quais os projetos para o futuro?
EM - Como grande parte dos meus objectivos e sonhos se estão a realizar, o meu único projecto para o futuro é continuar igual ou melhor. É leccionar, dirigir, dar concertos, compor e, principalmente, continuar a trabalhar no meu estúdio. Quero continuar a gravar os artistas Terceirenses, quero procurar e desvendar potencialidades de músicos pouco conhecidos, gravar a nossa música, a nossa cultura e fazer dela algo que é inevitável na nossa vida.

Fotos: Evandro Meneses
Entrevista: Rui Marques

A entrevista desta edição é sobre a unidade turística “Casas do Morgadio - Azorean Wine and Lodge”, localizada na freguesia dos Biscoitos. Jornal da Praia falou com Raquel Noronha da Costa, responsável pelo empreendimento.

Nesta edição, Jornal da Praia entrevistou Rosário Ferreira, responsável pela Associação Proteção dos Animais – Recomeço – Praia da Vitória, que falou sobre as necessidades e carências que a associação atravessa no seu dia-a-dia, sensibilizando o leitor para que adote um “amigo” de quatro patas… “É importante salientar que a adoção é para sempre!”.

Jornal da Praia (JP) - Segundo dados estatísticos do Serviço Regional de Estatísticas dos Açores, entre Janeiro e Setembro de 2020, comparativamente a 2019, a hotelaria tradicional nos Açores sofreu uma quebra de 73,3% no número de dormidas. Qual a análise que faz sobre o panorama atual do setor hoteleiro nos Açores e em especial no concelho da Praia da Vitória?
Orlando Cabral (OC) - Segundo os dados estatísticos mais recentes, os Açores foram em 2020 a segunda região do país com a maior queda no setor turístico nacional provocada pela pandemia, logo a seguir à área Metropolitana de Lisboa. Nos Açores, a queda registada na ilha Terceira foi ligeiramente inferior à registada em S. Miguel, por exemplo. Mas estamos a falar sempre em quedas na ordem dos 70%, comparativamente com os períodos homólogos de 2019. É preciso recuar a 1993 para se encontrar por exemplo um número de dormidas mais reduzido. É disto que estamos a falar, um recuo de 27 anos, um autêntico “tsunami” que atingiu em cheio principalmente o setor turístico nacional e regional. Se não fossem os apoios governamentais, primeiramente com o lay-off simplificado, complementado com os apoios regionais, teria sido o colapso generalizado deste setor, quer a nível das empresas quer a nível de perda de postos de trabalho.
A maioria das empresas ainda se encontram “ligadas às máquinas”, porque os efeitos do “tsunami” ainda se fazem sentir e de que maneira com esta nova vaga, por isso é fundamental não “desligar as máquinas” às empresas, ou seja, a manutenção dos apoios por parte dos governos é tão importante agora como foi no início da pandemia para que empresas e empregos possam sobreviver a este pesadelo.

JP - …e relativamente a 2021 quais as expectativas? Vamos voltar a valores de 2019 ou manter-se-ão os valores de 2020, ou seja, quebra continua acentuada nas dormidas?
OC - Tudo vai depender da evolução da pandemia: se os governos tomarem as medidas acertadas em termos sanitários para conter a pandemia, se as pessoas respeitarem essas medidas e também fizerem a sua parte, se houver acesso rápido em maior quantidade às vacinas, se estas surtirem os efeitos anunciados às novas variantes que vão sendo conhecidas, se a situação pandémica também melhorar nos principais países emissores de turistas para a região, então é expectável que o próximo Verão nos traga boas notícias comparativamente com 2020, mas ainda muito longe dos valores de 2019; se, pelo contrário, algum ou alguns desses pressupostos falharem, vamos voltar a ter um 2021 muito sombrio e idêntico a 2020.

JP - Relativamente a apoios governamentais, têm sido suficientes para fazer face a esta crise?
OC - Por muitos apoios que existam (e tem existido uns quantos desde o início da pandemia) nunca serão suficientes para compensar os enormes prejuízos causados pela pandemia. Lamentavelmente os apoios que têm sido colocados à disposição das empresas, quer para a manutenção do emprego, quer para apoio à tesouraria, tem na generalidade demorado a chegar às empresas e alguns são extremamente burocráticos, sendo exceções estes últimos apoios regionais (o “Apoiar.PT Açores” e o “Apoio Imediato à Liquidez”) que são muito simples de aderir. Contudo, verificamos que uma das medidas regionais mais recentes, o “Apoiat.PT Açores - 4ºT 2020” é menos favorável pelo menos para algumas empresas dos Açores, que a medida nacional correspondente para as empresas do continente, nomeadamente ao não comparar a diminuição da faturação de todo o ano de 2020 com o período homólogo de 2019, e também por não incluir o apoio extraordinário à manutenção da atividade no 1.º trimestre de 2021, situações que estão comtempladas no programa nacional.
Outra questão incompreensível neste labirinto de apoios e de legislação, é o porquê das empresas que recorreram anteriormente à Linha específica "COVID-19: Apoio a empresas do Turismo", de âmbito nacional, estarem agora impedidas de recorrerem à Linha Específica “COVID 19 – Apoio às Empresas dos Açores”, impossibilitando assim o acesso ao Programa de Manutenção do Emprego II!
Mas temos a esperança que estas e outras situações sejam revistas e melhoradas, porque compreendemos a dificuldade que é gerir todas estas questões e sentimos que tem existido vontade dos governos em apoiar o emprego e a economia dos Açores.

JP – Passados cerca de um ano desde o início desta pandemia, como é que o Atlântida Mar Hotel tem vindo a adaptar-se a esta nova realidade?
OC - Não tem sido fácil. Foi muito duro, vermos em Março passado serem canceladas em poucos dias as centenas de reservas que tínhamos para a Primavera e Verão de 2020. Foi muito duro ter de encerrar o hotel durante três meses e meio por falta de hóspedes. Durante esse período adaptámos o hotel com as medidas que, entretanto, foram sendo publicadas para contenção da propagação da pandemia, obtivemos as certificações nacional e regional do Selo “Clean&Safe”, demos formação sobre as novas normas de segurança a todo o staff, reajustámos tarifas à nova realidade e reabrimos em finais de Julho ainda com muito poucos hóspedes, que foram lentamente aumentando ao longo dos meses que se seguiram, voltando a baixar com a chegada do Outono e Inverno. Os próximos meses voltarão a ser muito difíceis, novamente com cancelamentos das poucas reservas que já tínhamos para os tempos mais próximos devido ao surgimento de uma 3ª vaga de Covid 19; apesar disso, não está nos nossos horizontes imediatos voltar a encerrar. Mas todos os cenários são possíveis, atendendo à imprevisibilidade da evolução da pandemia.

JP – Em Setembro de 2020, a empresa Atlântida Mar – Empreendimentos Turísticos, Lda, proprietária do Atlântida Mar Hotel, voltou a ser reconhecida pelo Turismo de Portugal e IAPMEI pela “Qualidade do Seu Desempenho e Perfil de Risco” e em Julho de 2020 o Tripadvisor atribui o prêmio Travelers Choice colocando o Atlântida Mar Hotel entre os 25 melhores hotéis em Portugal. Para si o que representam estes prémios?
OC - Representam a recompensa pela dedicação e trabalho, por vezes árduo, de todo o staff do hotel, que dia a dia dão o seu melhor, esforçando-se para que cada hóspede se sinta em casa, longe de casa. Não existem milagres, e tudo o que temos conseguido de prémios e distinções nestes 10 anos, quer a nível da hospitalidade (7 prémios Traveller’s Choice) quer a nível da gestão empresarial (3 prémios do Turismo de Portugal e IAPMEI - PME Líder) são fruto da abnegação e do não virar a cara à luta aos desafios e adversidades que tem surgido ao longo deste percurso e que se tem agravado sobremaneira neste último ano.
Por isso, estes prémios que refere, tiveram um sabor ainda mais especial, atendendo a que, apesar de respeitarem ao desempenho de 2019, foram-nos atribuídos já em plena crise pandémica, fazendo-nos recordar o sucesso que tinha sido o ano de 2019 e dando-nos a esperança de que possamos voltar a termos anos de sucesso, quando este pesadelo tiver passado.

JP – Quais os projetos futuros que tem para a sua empresa turística?
OC - Não é altura de fazermos projetos a médio ou longo prazo, porque a incerteza no futuro ainda é mais do que muita e a atividade turística é muito volátil. O único projeto que temos de momento é para o futuro imediato – sobreviver a esta enorme crise que afeta o turismo, mantendo a empresa saudável financeiramente e salvaguardando todos os postos de trabalho que mantemos desde Março de 2020, pois foi com este capital humano que alcançámos o sucesso até finais de 2019, de que são prova as distinções referidas anteriormente.

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante