Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

Os politicos e governantes, eleitos pela maioria dos votos (ainda que não pela maioria dos cidadãos), tem o dever de tomar as melhores decisões para o país, mesmo que isso possa ser dificil, impopular, tenha custos financeiros ou até humanos. Aos técnicos, conselheiros, cabe apresentar factos e posições para que os politicos tomem as decisões que entenderem melhores. E atenção! A melhor decisão técnica não é necessáriamente a melhor decisão política, e mesmo esta pode variar consoante as circunstâncias (como se costuma dizer “cada caso é um caso”).

Por todo o mundo, primeiramente na Ásia – Republica Popular da China - e de seguida na Europa e nas Américas, o coronavírus espalhou-se de forma galopante, não se avizinhando soluções rápidas, apesar dos cientistas se envolverem num trabalho árduo e persistente na pesquisa de uma vacina miraculosa e ou de terapias eficazes no combate ao Covid-19, é certamente uma tendência que não dará brevemente frutos, a fim de se impedir uma catástrofe económica e social sem precedentes, por isso o homem tem que utilizar muita inteligência, capacidade racional apurada, pois não basta só a vontade emotiva, a fim de se ultrapassar esta grave crise virulenta e diferente das que estávamos habituados, devido à rapidez e imprevisibilidade com que o vírus se propaga, pelo terror que infunde, inquietante, perigoso, letal de modo que uma pequena falha ou erro de pouca monta, um ligeiro descuido no combate a esta peste, pode desencadear terríveis consequências na saúde das pessoas, por isso as medidas tomadas pela Organização Mundial de Saúde e acatadas pelos Estados, nomeadamente pelo nosso País, pelas nossas Regiões Autónomas, pecam simplesmente por tardias.

Com toda esta mudança radical na nossa vida seria inevitável também este jornal abordar o tema do coronavírus COVID-19, que para além da perspectiva de saúde pública, tem uma enorme dimensão social e humana.

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante