Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

Maria Celeste Meneses da Costa Courelas Filipe e seu marido José Tiago Courelas Filipe têm vindo a desenvolver um projeto de vida familiar que designaram por “Rememorar o Convento de Jesus da Praia da Vitória”. 

Trata-se de um projeto dividido em duas vertentes: A primeira passou pela publicação de um livro onde descreve de forma sucinta a história do Convento de Jesus e, em especial, uma das suas parcelas de implantação, nomeadamente a moradia situada no Largo de Jesus, n.ºs 3, 4 e 7, onde explica a linha temporal desde a sua compra em hasta pública em 11 de Janeiro de 1835 até aos nossos dias. Esta moradia que fora parte integrante da Igreja do Convento, foi adquirida a João de Ornelas Ormonde, filho e herdeiro de José de Ornelas Ormonde, pela família Mendes Borges do Rego em 1882 que passou de geração em geração chegando aos atuais mentores deste projeto que agora procuram recuperar, salvaguardar e oferecer à memória futura o que resta deste convento fundado em 1538.

O livro tem o título “Do Convento de Jesus à Moradia da Família Mendes Borges do Rego” e o autor / editor é o mentor deste projeto, José Tiago Courelas Filipe.

Já a segunda parte deste projeto é a recuperação e valorização de uma parte importante da moradia. Trata-se do que chegou aos nossos dias, uma parte do claustro composto por três arcos de pedra à vista de volta perfeita assentes em colunas quadrangulares, cujo fuste vai estreitando da base para o capitel (Inventário do Património Imóvel dos Açores, Instituto Açoriano de Cultura / Direção Regional da Cultura (2004), p. 333).

Jornal da Praia foi conhecer agora o espaço recuperado situado entre o antigo BCA e o mercado da Graça. È um espaço magistralmente recuperado por uma equipa de pedreiros que consegui com o apoio da sensibilidade dos proprietários e do devoto historiador praiense Francisco Jorge Ferreira, entender a génese primordial arquitectónica do espaço que agora assume novas funcionalidades que segundo José Tiago Courelas Filipe referiu ao Jornal da Praia que pretende tornar o espaço visitável encerrado há vários anos, expor aqui elementos pertença do Convento de Jesus ou para criar condições para acolher pequenas exposições.

De forma a dinamizar este espaço, José Filipe já contactou várias entidades públicas entre as quais a Direção Regional da Cultura e a Câmara Municipal da Praia da Vitória para apoiarem o projeto direccionando-o para funcionalismos de índole cultural. “A ideia é mostrar esta parte do Convento, colocando este espaço ao serviço da comunidade”

Ao entrarmos, no lado esquerdo uma parede branca com focos de luz onde estão penduradas várias imagens alusivas ao Convento de Jesus. Esta parte do espaço está já adaptada para receber exposições de arte. Ao centro, as três colunas dominam espaço e leva-nos a imaginar como seria então o claustro do convento. No lado direito uma porta ladeada por duas janelas, serviria a Igreja. No chão podemos encontrar várias pedras ornamentais e funcionais que foram encontradas nas recuperações que a moradia tem sofrido.

O teto do lado direito manteve a madeira do sobrado do piso superior da moradia e o teto do lado esquerdo pintado de brando foi adaptado no sentido de se corrigir uma dissonância arquitectónica, uma placa em cimento, que fora construída aquando de uma utilização comercial.

José Filipe referiu a forma e a preocupação na recuperação do espaço a exemplo do trabalho efectuado no chão que manteve a pedraria original e adaptando na falta desta compondo com pedra semelhante.

O espaço pode ser visitado no n.º 3, no Largo de Jesus.

 

Pin It

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante