Diretor: Sebastião Lima
Diretor Adjunto: Luís Moniz
Últimas Notícias

Jornal da Praia – A Caixa Económica da Misericórdia de Angra do Heroísmo (CEMAH) comemorou 125 anos! Como presidente do Conselho de Administração qual o balanço que faz destes 125 anos?

António Maio - A Caixa Económica da Misericórdia de Angra do Heroísmo (CEMAH) nasce em 1896, com o objetivo de contribuir para a realização dos nobres fins da Santa Casa da Misericórdia de Angra de Heroísmo (SCMAH), para que essa exercesse a caridade para com a Humanidade desvalida e enferma. Certo é que mais de um século de história não se fizeram sem desafios e dificuldades, mas que a CEMAH sempre soube passar com distinção. Passados, então, 125 anos de existência, celebrados em 2021, a CEMAH assume-se como o banco CEM% dos Açores e mantém firme a missão de cofinanciamento da obra assistencialista da sua Instituição Titular, assinalando a data do seu aniversário sob o mote ‘CEMAH. 125 anos – Uma história de sucesso e resiliência’.

Enquanto presidente do Conselho de Administração creio que esta visão continua a configurar-se como a apropriada à Instituição, sendo a solidez, a confiança, o rigor e a solidariedade os valores que melhor caracterizam a sua atuação e que são a base do sucesso desta história de longevidade.

Aproveitando o mote das comemorações do 125º aniversário da CEMAH, deixo uma palavra de agradecimento - agradecimento à nossa entidade titular, a Santa Casa da Misericórdia de Angra do Heroísmo, aos nossos colaboradores, às entidades oficiais e a todos os nossos parceiros, mas em especial aos nossos clientes pela confiança que têm vindo a depositar em nós e cuja relação duradoura nos permitiu celebrar esta data. Reiteramos o nosso compromisso na manutenção desta relação que se pauta sempre pela transparência, solidez e rigor que tão bem nos caracterizam, e que venham mais 125!

Jornal da Praia – e atualmente como vê a instituição financeira que dirige?

António Maio - O mercado bancário tem vindo a alterar-se e vive atualmente, um momento de grande mudança. Os últimos anos têm sido marcados por constantes desafios na atividade bancária, considerando, por um lado, as baixas taxas de referência de mercado, que contribuíram para o esmagamento da margem financeira, aliada a um mercado extremamente concorrencial com clientes cada vez mais informados e exigentes, e, por outro lado, o impacto da pandemia da Covid-19 em diversas vertentes económicas e sociais, com efeitos imediatos na atividade económica regional, afetando o poder de transação, quer ao nível da oferta de bens e serviços, limitada pelas imposições verificadas, quer ao nível da procura, pela redução de rendimentos e da confiança dos diversos intervenientes, com impacto negativo acentuado nas Instituições de Crédito.

Contudo, e apesar destes enormes desafios, a CEMAH tem revelado uma enorme capacidade de resiliência e tem-se revelado um modelo de serviços bancário de referência, próximo e eficiente.

É ainda de salientar que a CEMAH, apesar de ser uma instituição financeira de dimensão diminuta no âmbito do sistema bancário nacional, circunscrita à Região Autónoma dos Açores (RAA) e a uma carteira de produtos pouco complexa, está, todavia, inserida num universo extremamente regulamentado, mas que tem sido capaz de responder com distinção.

É assim que vejo a Instituição que presido: capaz, resiliente e robusta, demonstrando sempre uma grande capacidade de adaptação e evolução.

Jornal da Praia – A Caixa Económica da Misericórdia de Angra do Heroísmo está presente em praticamente todo o arquipélago. Com 13 balcões a funcionar, está em contraciclo comparando com outros bancos que encerram balcões. Estão previstos a abertura de mais balcões? Qual é o feed back dos clientes da CEMAH sobre a proximidade de serviços e em relação ao balcão da Praia da Vitória?

António Maio - Assumindo esta Instituição o posicionamento de banca de proximidade, não pode dispensar a presença física, considerando que a rede de balcões continua a deter um papel distintivo e preponderante na aproximação com o seu público-alvo, pelo que a nossa estratégia é de manutenção da atual estrutura de balcões. A CEMAH dispõe de uma rede de 13 balcões distribuídos por 6 das 9 ilhas dos Açores, sendo que para já a nossa preocupação é de otimização das instalações atuais, criando espaço distintivos de atendimento oferecendo aos nossos clientes um atendimento mais personalizado e cuja decisão decorre de duas motivações: i. da vontade de incrementar a carteira de clientes, potenciando o negócio de forma sustentada, por forma a permitir que a Instituição ganhe escala na RAA; ii. da certeza de sermos uma Instituição que pode revelar-se uma mais-valia em certas localidades devido à nossa missão de banca integradora e de apoio à economia social.

Não obstante esta decisão estratégica de manutenção da rede atual, a CEMAH está atenta a oportunidades de mercado que possam surgir, mas para já não é expectável a abertura de novos balcões.

Para além disso, e como é tendência transversal na banca, pretende-se investir na oferta de serviços à distância, melhorando a oferta nos canais digitais – através da plataforma de homebanking netCEM -, que são efetivamente cada vez mais utilizados pelos nossos clientes e que permitirá, também, a aproximação a potenciais clientes mais jovens.

No que concerne ao Balcão da Praia da Vitória, a Instituição está focada no aumento de quota de mercado neste concelho. É um balcão muito tradicional e o feedback dos clientes é positivo, mas é convicção da CEMAH que há ainda lugar para crescer e penetrar mais neste mercado, por via dos dois balcões já existentes – Praia da Vitória e Biscoitos - garantindo a satisfação da população da costa norte da ilha. No entanto, mantemos uma relação estreita com os principais agentes económicos do Concelho e olhamos com especial carinho para esta zona da Ilha, muito abalada com as opções estratégicas da Base das Lajes e do seu Porto Oceânico, mas que tem um indiscutível potencial de crescimento.

Jornal da Praia – Quais os produtos financeiros que a instituição oferece? E como se destaca a CEMAH das outras demais instituições bancárias que também operam nos Açores?

António Maio - A CEMAH oferece um vasto leque de produtos e serviços financeiros, oferendo soluções que vão ao encontro das necessidades dos clientes, desde as mais básicas contas à ordem, incluindo as contas de serviços mínimos bancários, meios de pagamento e produtos de poupança, passando ainda pela banca comercial, pelo crédito imobiliário, pelo crédito ao consumo, pelo crédito empresarial, pelos seguros, entre outros. 

Num mercado tão competitivo como o da banca, a CEMAH procura diferenciar-se da concorrência através do seu posicionamento, assumindo‐se como o banco dos Açores, com capital 100% regional e com um modelo de negócio assente na banca de proximidade, assumindo ainda a missão de criação de valor para cofinanciamento da obra assistencialista e promoção dos nobres fins de solidariedade social da SCMAH, a sua Instituição Titular e única acionista. É, também, no âmbito da economia social que a CEMAH reforça a sua missão de solidariedade, ao garantir o acesso ao sistema financeiro de clientes considerados como “não rentáveis”.

Com esta visão integradora de todos os clientes, a CEMAH diferencia-se ainda pela prática de comissões abaixo do praticado no mercado, como tem sido seu apanágio, p.e. a Comissão de Manutenção de Conta está abaixo da média da concorrência e está isenta para alguns produtos, ou mediante o cumprimento de alguns requisitos por parte dos clientes – p.e. Conta Ordenado, Conta Jovem e Conta Reformado.

Jornal da Praia – Nestes dois últimos anos (2021 e 2022), motivados pela Pandemia) verificou-se uma contração dos níveis de rendibilidade da banca quer nacional quer europeia. Na edição online do Jornal Negócios pode ler-se que “A banca europeia já recuperou – e até excedeu – os níveis de rendibilidade do capital próprio que tinha antes de a pandemia chegar, mas Portugal não conseguiu atingir o mesmo resultado.”. No que diz respeito aos açorianos, poupam? Continuam a ver a banca como uma instituição credível?

António Maio - O sector financeiro, apesar de não ter sido afetado pela pandemia como outros sectores de atividade, viu os seus resultados condicionados pelas medidas implementadas, e que se afiguraram como estritamente necessárias à mitigação dos efeitos da crise sanitária e, por consequência, económica -  i.e., por via da redução de comissões, tendo em conta que durante alguns meses de 2020 se isentaram algumas comissões procurando aliviar as obrigações dos clientes; por via do crédito concedido à atividade empresarial que assentou essencialmente nas Linhas de Apoio à Atividade criadas pelo Governo da República e pelo Governo dos Açores que, tendo em conta o fim a que se destinavam, tinham condições mais apelativas para os clientes – taxas de juro e comissões reduzidas –, traduzindo-se num baixo retorno para as Instituições de Crédito; e por via da aplicação das moratórias, período durante o qual as Instituições deixaram de ter o reembolso de capital dos créditos abrangidos. Todas estas variáveis contribuíram, claramente, para uma redução de rentabilidade, por uma via, e para um aumento de imparidade, por outra, que afetam diretamente o resultado, em particular o de 2020 (queda do PIB de 9,2%, muito acima do esperado) sendo que o ano de 2021 foi já caracterizado por alguma, ainda que tímida, retoma económica.

Na Região Autónoma dos Açores, tendo por base dados de setembro de 2021, verificou-se um aumento dos depósitos, de cerca de 9% face a período homólogo, e um decréscimo do crédito concedido, -0.2%, o que é revelador da posição de poupança assumida pelos Açorianos em geral, cuja vida e atividade ficou de certo modo condicionada, por um lado, pelas medidas restritivas impostas como forma de contenção da pandemia, e pela elevada incerteza sentida, por outro, apesar da gradual retoma da atividade que se tem vindo a sentir.

O aumento dos depósitos é, por si só, também um sinal de que os açorianos continuam a confiar na banca, apesar da recente entrada de novo players nos mercados financeiros, como sendo as FinTechs.

É ainda de salientar que, e em resposta à pandemia da Covid-19, toda a banca, e a CEMAH não foi exceção, se assumiu como aliada das empresas e dos particulares, quer pela introdução de moratórias, como pelos protocolos e linhas de apoio à economia, às quais prontamente se associou, com a ânsia de permitir a disponibilização dessas ferramentas, aliviando, em simultâneo, as obrigações sobre os seus clientes, no âmbito das restrições impostas pela pandemia da Covid-19, reforçando e fortalecendo a relação com os seus clientes e demais stakeholders.

Jornal da Praia - “Uma história de sucesso e resiliência” (site da CEMAH) é esta frase que, certamente, motiva a CEMAH em olhar para o futuro! Quais os projetos que a Caixa tem e que quer ver implementados para os próximos anos?

António Maio - Num futuro próximo, e em linha com o seu Plano Estratégico, com base numa gestão sã e prudente, orientada por princípios conservadores, a CEMAH pretende implementar, entre outros, um projeto de digitalização que irá permitir i) aumentar e diversificar a oferta aos clientes, disponibilizando mais serviços e produtos através dos canais digitais; ii) aproximar e captar clientes mais jovens e mais propensos à utilização destas novas tecnologias; iii) melhorar e otimizar recursos e procedimentos internos; iv) dar uma mais eficiente resposta ao atual exigente e complexo quadro regulatório.  

Este projeto tem, como objetivo último, a solidificação das quotas de mercado da CEMAH na RAA, com plena confiança na obtenção de um crescimento sustentado, procurando afirmar-se como a 1ª opção para os clientes – o banco 100% dos Açores, quer na composição do seu capital social quer na composição dos seus órgãos sociais, com centro de decisão exclusivamente regional, o que muito se louva dado o contexto da restante banca a operar em Portugal.

Acredito que a CEMAH é uma mais-valia para os Açorianos, que aqui encontram neste espaço um atendimento personalizado, próximo e transparente, de uma instituição açoriana, centenária, segura e de confiança e que se orgulha do seu papel como ator da economia social da RAA.

Jornal da Praia – A Cooperativa de Produtos de Agricultura Biológica - Bio Azórica C.R.L. surgiu da empresa Bio Azórica fundada em Março de 2001. Com sede na freguesia das Fontinhas quais os propósitos que levaram à criação da empresa em 2001?

Miguel Garcia - A Bio Azórica foi criada em 2001, já como Cooperativa, por um grupo de 17 pessoas que, para a realidade açoriana da altura, foram bastante ambiciosas e visionárias, tendo lançado a primeira semente para o crescimento da Cooperativa que se quer continuo, sólido e sustentável. Na altura, a sua sede ficou registada na Quinta do Martelo, em S. Mateus da Calheta, até que em 2016, com a abertura da nossa sede, na Vinha Brava, em Angra do Heroísmo, atualizámos os estatutos e o registo da nossa morada oficial. É neste espaço da sede que temos o nosso serviço administrativo, sala de reuniões e de formações. 

O propósito desta Cooperativa está plasmado, de forma resumida, no artigo 3º dos seus Estatutos que indica como o seu objetivo principal, o incentivo da "produção e consumo de produtos biológicos, respeitando o Ambiente e promovendo, assim, a conservação da Natureza e a biodiversidade, através da utilização integrada, durável e racional dos recursos naturais".

O gradual aumento do seu número de cooperadores e da produção em Modo de Produção Biológico (MPB) levou a que em 2008 a Bio Azórica iniciasse a sua atividade comercial com dois pontos de venda semanais, um no Forte de São Mateus e outro na Biofontinhas. Dado o seu carácter temporário, foram entretanto inaugurados dois espaços permanentes, o Mercado de Produtos Biológicos, na Praia da Vitória, e o restaurante Casa do Jardim, em Angra do Heroísmo, em Outubro de 2012 e Agosto de 2014, respectivamente. Mais recentemente foram criados novos canais de escoamento regulares para as principais superfícies comerciais da ilha Terceira e para alguns clientes de outras ilhas açorianas.

Jornal da Praia – A passagem do formato de empresa para cooperativa foi uma mais valia para a divulgação dos produtos biológicos?

Miguel Garcia - Como disse anteriormente, a Bio Azórica sempre foi uma cooperativa desde a sua fundação. Este formato é adequado para o seu objetivo pois permite conjugar duas vertentes essenciais para a promoção destes produtos: a produção e a comercialização. Por um lado, permite um envolvimento com a produção, através do vínculo e do apoio que existe para com os nossos cooperadores produtores e, por outro lado, permite desenvolver uma atividade comercial no sentido de escoar os produtos provenientes dessa produção, que necessitam obviamente de mercado. Ao fim ao cabo, produção sem escoamento não faz sentido e para haver comercialização é necessário haver produto. Paralelamente a isto, a Cooperativa desenvolve diversas ações de sensibilização da comunidade para as vantagens e benefícios que o MPB traz para a Natureza, para o ambiente e para o Homem, visando o crescimento dos mercados e justificando os investimentos da produção.

Jornal da Praia – A par da produção agrícola, a Bio Azórica C.R.L tem vindo a dedicar-se à divulgação dos produtos biológicos através de diversas iniciativas e eventos. Como tem decorrido e em relação ao público qual é o feed back?

Miguel Garcia - Sim, é verdade. Além da emblemática Bio Feira anual, cuja realização foi interrompida pelo COVID, existem diversas iniciativas e eventos que realizamos para promover os produtos biológicos. Há alguns mais simples como palestras, showscooking, formações, workshops e há outros mais complexos como o I Fórum Regional da Agricultura Biológica, em que fomos um dos coorganizadores, que levou, durante vários meses de 2021, vários eventos a todas as ilhas dos Açores, com transmissões online e cobertura da RTP Açores. Estas iniciativas têm corrido bem, embora existam sempre melhorias a implementar para o futuro, e o feedback tem sido bastante positivo, de modo geral. Notamos que há cada vez mais pessoas muito esclarecidas, informadas e preocupadas com a sua saúde, com as questões ecológicas e com as próprias alterações climáticas. Há, contudo, nesta vertente da promoção, alguns trabalhos e parcerias que estamos a preparar para o futuro e que virão reforçar o marketing e a divulgação dos produtos biológicos junto da comunidade para que esta mensagem chegue cada vez a mais pessoas.

Jornal da Praia -  Para os leitores que não sabem ou pouco conhecem o que são produtos biológicos e como são produzidos, pode falar um pouco sobre este tipo de produção? E onde o público pode adquiri-los?

Miguel Garcia - Claro que sim. Resumidamente, os produtos em MPB, vulgarmente chamados produtos biológicos, podem ser de origem animal ou vegetal. São produzidos de forma mais sustentável, sem químicos de síntese, aditivos e com recursos naturais. Assim, preserva-se a biodiversidade, protege-se os solos e respeita-se o ambiente e a Natureza. Uma vez que este modo de produção não utiliza pesticidas nem fertilizantes químicos, estes alimentos potenciam a rotação e consociação de culturas e de plantas benéficas. Há estudos que demonstram que os produtos biológicos têm níveis mais baixos de metais pesados e maiores níveis de antioxidantes, por exemplo, o que os tornam alimentos potencialmente mais saudáveis.

Já agora, qualquer produto biológico tem que estar certificado por um Organismo de Controle. Quando se adquire um produto biológico, é importante verificar que, no caso dos produtos embalados, existe no seu rótulo o logótipo biológico da União Europeia e, nos produtos a granel, o espaço comercial possui o certificado de conformidade válido de cada produto.

Cá, na ilha Terceira, os espaços especializados nesta área são o Mercado de Produtos Biológicos, À Volta do Paul da Praia, e o restaurante Casa do Jardim, dentro do Jardim Duque da Terceira, que possui 5 estrelas no referencial BioTur, ou seja, só utiliza produtos biológicos na confeção dos seus pratos, da sua pastelaria e da sua padaria. Outra forma das pessoas receberem todos estes produtos em suas casas, é através do nosso sistema de entrega de Bio Cabazes semanal.

Jornal da Praia -  No inicio deste mês, a Secretaria Regional da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, anunciou um inquérito ao consumo de produtos biológicos, para "melhorar o conhecimento do mercado existente, o perfil do consumidor e identificar as oportunidades existentes" para estas produções.? A própria Comunidade Europeia tem vindo a incentivar a produção e consumo de produtos biológicos. Estas iniciativas são uma mais valia para que os produtos biológicos integram cada vez mais a nossa alimentação?

Miguel Garcia - Sem dúvida. Aliás, o inquérito ao consumo de produtos biológicos é um dos trabalhos resultantes do grupo de trabalho do Plano de Ação para Promoção e Produção de Produtos Biológicos na Região Autónoma dos Açores, do qual a Bio Azórica faz parte. Os resultados do inquérito darão indicações para implementação, ou aprofundamento, das estratégias para o desenvolvimento da Agricultura Biológica nos Açores. Mas este é apenas um dos instrumentos que estão a ser desenvolvidos por este grupo de trabalho que envolve vários parceiros como instituições de natureza agrícola, a Universidade e o Governo dos Açores.

Os incentivos e orientações da Comunidade Europeia são também determinantes pois direcionam para o MPB, muitos investimentos dentro da agricultura. Desta forma, o natural crescimento da agricultura biológica vai-se tornando, também, uma inevitabilidade. Entendo que o desenvolvimento da agricultura biológica é tanto uma solução económica face à escassez de recursos naturais e ao aumento dos fatores de produção, como uma responsabilidade ambiental que temos para com o Planeta e para com as gerações futuras.

Jornal da Praia – Quando ao futuro quais os projetos que a cooperativa tem para o concelho?

Miguel Garcia - Apesar da Cooperativa estar sedeada em Angra do Heroísmo, o concelho da Praia da Vitória tem sido um concelho muito querido para a Bio Azórica. Foi na Praia da Vitória que construímos o nosso primeiro espaço comercial e foi na Praia da Vitória que realizámos as 6 edições da Bio Feira dos Açores. Neste momento, há muitas ideias e possibilidades em relação a projetos e ao futuro da Cooperativa. Perceber aquilo que poderá ser, ou não, exequível, será determinante, para rapidamente definirmos os passos do nosso futuro próximo. Em todo o caso, sem que os projetos estejam confirmados, preferimos não falar sobre eles, mas o que é certo é que queremos estender a nossa presença comercial pela ilha Terceira, sem deixar de aprofundar a ligação ao concelho da Praia da Vitória.

Jornal da Praia (JP) - No próximo dia 19 de março, a Sociedade Filarmónica Espirito Santo da Agualva (SFESA) comemora 100 anos. O que representam estes 100 anos de atividade em prol da comunidade agualvense, e não só?

Marco Rocha (MC) - Uma filarmónica, regra geral, é uma entidade omnipresente nas festividades de qualquer freguesia. Desde o Carnaval ao Natal, onde quer que haja música, sentimos sempre a influência das filarmónicas – ou pelo menos dos seus elementos. E a SFESA não é exceção. São cem anos de muitos músicos amadores que por cá passaram, dez décadas de tempo despendido das suas vidas particulares. E de muitas direções que quiseram dar-lhes todas as condições para continuarem a praticar a sua arte com o máximo de condições possíveis. É por causa do contributo de todos, e das suas famílias, que a filarmónica da Agualva ainda existe hoje. As pedras que eles lançaram ergueram esta casa, e mantiveram-na até hoje. Sempre em prol do engrandecimento do nome da freguesia, quer dentro de portas, quer para toda a comunidade, na ilha ou fora dela.

JP – Pode fazer uma retrospetiva destes 100 anos?

MC - A SFESA foi fundada a 19 de março de 1922, à altura com pouco mais de duas dúzias de músicos e por iniciativa do Dr. Francisco Ávila Gonçalves. De meios modestos, foi-se enraizando no panorama histórico e cultural da freguesia, sendo hoje a instituição no ativo mais antiga da Agualva. Em meados do século XX fundou a sua sede, que ainda hoje continua a ser um dos principais polos de atividade da comunidade, tendo sido casa de teatros, de cinema, de musicais e de inúmeros carnavais. Sob a regência de vários maestros, já tocou um pouco por toda a ilha, em várias ilhas dos Açores e até na nossa diáspora, que nos recebeu com todo o carinho e atenção como só eles sabem. A música, essa, também foi evoluindo, a par com a estrutura cada vez mais organizada da instituição, com o progresso contínuo dos nossos músicos e com o acesso que hoje em dia temos a novas sonoridades e outras realidades. E uma das principais bases de um presente e futuro prósperos será sempre a formação de novos elementos, principalmente crianças, dando-lhes todos os meios para lhes tentar transmitir desde cedo o gosto pela tradição e pelas relações quase familiares que se cultivam nas filarmónicas.

JP – Em outubro do ano passado, a SFESA iniciou as comemorações do 100º aniversário. Como têm decorrido?

MC - A situação pandémica vivida em todo o Mundo pôs em suspenso várias atividades, mas nunca nos conseguiu tirar o espírito de festa. E foi por isso que, assim que nos foi possível, em outubro do ano passado, iniciámos as celebrações dos 100 anos da SFESA, com o objetivo de envolvermos também nelas todos aqueles que nos têm apoiado. Porque a nossa filarmónica é, acima de tudo, o espelho dos valores da nossa comunidade. Desde então, os eventos que temos realizado têm corrido bastante bem, e, se o cenário nos deixar, teremos mais um ano repleto de iniciativas culturais.

JP – O senhor e a sua equipa estão a implementar um conjunto de melhorias e iniciativas para dinamizar a SFESA... O que está a ser feito, e quais os projetos que ainda pretendem desenvolver?

MC - Uma das maiores vantagens de termos conseguido formar uma equipa jovem na nossa direção – um ótimo sinal para uma instituição centenária – é o dinamismo e a criatividade que eles têm incutido nos nossos projetos. Assim que fomos eleitos, numa altura em que a pandemia ainda não nos deixava abrir a casa, tratámos de renovar a sede, com pinturas no interior e exterior, com higienizações, com consertos, com reaproveitamentos de espaços e reforço das suas medidas de segurança e com a aquisição de novos equipamentos para o serviço de bar e cozinha. Os take-away foram a nossa primeira cartada em termos de conseguirmos obter algumas receitas ainda num clima de confinamento. À medida que o Mundo foi abrindo, fomos também abrindo as nossas portas a eventos musicais e culturais (FADOalado, Grupo de Teatro de Variedades do Porto Judeu, SRFU São Brás, Francisco Ourique, Os Mostardas, Triplet, Louco Mau, etc.) e aos já saudosos ensaios da nossa filarmónica, que resultaram em concertos que muito nos orgulharam. As nossas aulas de música continuaram também a dar frutos, e temos conseguido aumentar progressivamente o nosso leque de alunos. Noutros âmbitos, as nossas redes sociais ganharam uma nova cara, e o nosso logótipo e os nossos cartões de sócio modernizaram-se. Lançámos, a par com a Câmara Municipal da Praia da Vitória, o livro infantil “Ainda Não é Bem Isto”, que foi distribuído por todos os alunos das escolas do 1º Ciclo do Ensino Básico do município. Uma iniciativa inédita e de enorme relevância cultural, feita por prata da casa com o intuito de fomentar o interesse dos mais novos pela música, ao mesmo tempo que os elucida sobre o percurso de uma filarmónica ao longo de um ano de tocatas. Não conseguimos cumprir ainda o objetivo de fazer com que esse livro chegue às crianças de toda a Região, porque não tem sido fácil abrir algumas portas, mas vamos continuar a trabalhar nesse sentido. Estamos também prestes a finalizar a série de entrevistas “Histórias Entre Pautas”, que pretende dar voz aos antigos músicos que tanto deram a esta instituição, e que não se esquecem dos seus tempos de SFESA.

Presentemente, a direção começa a entrar numa outra fase: a de uma preparação mais afincada para o nosso centenário, que se aproxima. Temos já um programa de festividades planeado para os próximos meses, que terá o seu auge no dia 19 de março, no aniversário da filarmónica. De 16 a 20 de março, a SFESA abrirá então – ou manterá abertas, melhor dizendo – as suas portas a várias iniciativas, tendo sempre a música como foco central.

JP – Há cerca de um ano como presidente de uma agremiação musical, como vê as filarmónicas? O que pode ser feito para divulgar esta importante manifestação de cultura junto das nossas comunidades?

MC - Tem sido notório o desenvolvimento da tradição das filarmónicas na nossa ilha e até na nossa Região. O panorama que vemos hoje não é o mesmo que víamos até há vinte anos. E, se dúvidas existiam da subsistência das filarmónicas dos Açores, os vários naipes repletos de gente jovem que temos vindo a observar só vêm desfazê-las. Claro que uma pandemia a nível global tem sempre o seu impacto. Muitas casas tiveram de fechar portas e, sem receitas ou tocatas, tornou-se difícil manter algumas luzes ligadas, e talvez não vejamos muitas sociedades filarmónicas no mesmo pé em que estariam antes. Não têm sido tempos fáceis, principalmente para instituições que vivem da boa vontade dos seus integrantes. Eventos foram cancelados, iniciativas foram adiadas, e é sempre mais difícil mantermos o entusiasmo quer dos músicos, quer da própria direção. Felizmente, a SFESA é conhecida por sempre ter tido um grande espírito de união e cumplicidade. E foi esse clima que quisemos cultivar também na nossa direção. Há que agradecer – e faço-o, claro – a todos os nossos executantes e diretores por nunca terem baixado os braços.

Às nossas comunidades só podemos agradecer a atenção constante, o amor que têm por esta casa e pela sua freguesia e esperar que as saudades que sentem possam ser atenuadas muito em breve, quando o Mundo reabrir. Porque esse contacto pessoal, esse intercâmbio, é essencial e único. Ouvir-se o CD ou ver-se o DVD da SFESA é sempre agradável, mas podermos contactar diretamente com a nossa diáspora e permitir que eles oiçam ao vivo a filarmónica da terra deles a tocar tem sempre outro gostinho, outro impacto. Claro que tentamos sempre trabalhar para que, no futuro, isso possa acontecer, principalmente em termos financeiros, mas nos entretantos contamos sempre com o valiosíssimo empenho dos nossos canais locais, das pessoas que transmitem, muitas vezes apenas por gosto, a nossa cultura para as comunidades, para que não percam pitada do que se passa na terra-natal. Seja pela televisão, pela rádio ou pela internet, vamos sempre, com a ajuda dos nossos parceiros locais, tentar fazer com que a SFESA chegue a todos os cantos do Mundo.

Em tempo de Natal, D. Júlia Lima abriu as portas da sua residência na Rua de São Salvador na Praia da Vitória ao Jornal da Praia para conhecermos os seus Presépios de Natal. Um de influências norte americana e outro tradicional que faz jus aos nossos presépios.

Ambos os presépios, como é usual e tradicional, estão na sala, divisão nobre da casa, que pela época de Natal até aos Reis acolhe um pouco por todo o arquipélago “Correr os Meninos” ou “Menino Mija” tradição única açoriana que consiste em visitar os familiares e amigos degustando doces e licores tradicionais, que estão sempre expostos por esta altura do nas mesas. Antes de entrarem, surge a típica pergunta: “O Menino mija?”. Aproveitam também para apreciar os presépios.

Os presépios da D. Júlia Lima levam mais de duas semanas a construir e todos os anos são únicos.

Jornal da Praia (JP) - Fundado a 7 de Agosto de 2007, o Grupo de Forcados Amadores de Ramo Grande ao longo destes 14 anos o grupo tem vindo a conquistar o seu lugar na “praça”. Pode-nos falar um pouco sobre o percurso do grupo e o porquê da constituição deste grupo no concelho da Praia da Vitória?

Manuel Pires (MP) - O GFA do Ramo Grande surge em 2007 por um grupo de amigos com uma grande afición e gosto pela tauromaquia. Para além de todos os valores que compõem um grupo de forcados, como a amizade, camaradagem, respeito, união, etc…, está na génese deste grupo uma clara atitude de pro atividade e defesa da tauromaquia e da figura do Forcado Amador.

Estes 14 anos de história têm sido bordados a ouro por todos os elementos que integram ou já integraram o grupo. Tem sido um percurso marcado por obstáculos e por dificuldades, mas que tem sido conquistado por mérito próprio, onde já conseguimos pisar as mais importantes praças a nível nacional, dignificando a figura do Forcado Amador e honrando indiscutivelmente a jaqueta do Ramo Grande e a tauromaquia açoriana.

Nesta fase o grupo está numa clara renovação, com muitas caras novas, onde a falta de experiência por vezes faz-se sentir, mas temos de conseguir evoluir e garantir a continuidade do grupo no futuro.

JP - Quantos elementos compõem o grupo e média de idades?

MP - Neste momento o G.F.A. do Ramo Grande conta com 28 elementos no grupo sénior, com idades compreendidas entre os 18 e 43 anos, e com cerca de 8 jovens no grupo de formação com idades compreendidas entre os 6 e os 14 anos.

JP - Existem vários tipos de pegas, técnicas e mesmo o vestuário e rituais fazem parte dos grupos e como se apresentam em praça. Como é que o grupo se prepara para as épocas taurinas?

MP - A preparação de uma época começa logo após o término das corridas agendadas na presente temporada. Começamos desde logo a promover eventos para angariação de fundos, de modo a colmatar as despesas inerentes à nossa atividade. Realizamos alguns convívios durante o inverno com os elementos do grupo e amigos de modo a promover o espírito de amizade e união. Por norma, iniciamos os nossos treinos de tourinha no mês de janeiro, e logo que possível treinamos com gado. Considerando que não existem muitas corridas nos Açores numa temporada taurina dita normal, e quase todas as corridas são de grande compromisso, procuramos treinar com alguma regularidade com gado de forma a dar oportunidade aos mais novos de poderem evoluir e estarem preparados para pegar um toiro quando este momento surgir.

JP - Um dos momentos que marcou muito o grupo foi o falecimento prematuro do saudoso Luis Fagundes, da Fonte do Bastardo. O Festival Luis Fagundes foi uma forma do GFARG homenageá-lo)

MP - Sim, a partida do nosso amigo Luís de forma prematura foi um momento muito duro e difícil para o grupo. O Luís era um moço de grande valor e com uma personalidade muito forte, sendo um dos elementos fundadores deste grupo. O Festival Luís Fagundes foi a forma que encontramos para o podermos homenagear e para que o seu nome continuasse bem vivo junto de todos nós.

JP - Finalizada a época taurina qual é o balanço que o grupo faz do ano 2021? Foi positivo para o grupo?

MP - A temporada Taurina 2021 foi provavelmente a nossa pior temporada desde 2007. Se por um lado tivemos apenas 2 corridas de toiros, sendo pouco para o que são as aspirações de qualquer grupo de forcados, por outro não tivemos ao nosso melhor nível. Foi uma época com lesões graves para alguns elementos, o que é sempre de lamentar. Contudo, foi mais uma época de aprendizagem, foi mais uma etapa na nossa caminhada que nos ajudará certamente a evoluir e a melhorar enquanto forcados, enquanto pessoas e enquanto aficionados.

JP - … e para 2022 quais as “ganas” que o Grupo de Forcados Amadores de Ramo Grande, vai valer-se e projetos?

MP - Em 2022 o Grupo completa 15 anos. É uma data importante para nós e certamente que iremos comemorar esta data com o devido significado e protagonismo que ela merece. Já existem alguns convites para participarmos em algumas corridas, quer sejam em Portugal Continental, como no estrangeiro. De uma forma geral o nosso grande objetivo é podermos voltar e a pisar as arenas e o grupo apresentar-se a um bom nível como é seu apanágio. Esperemos sinceramente que a situação pandémica não prejudique novamente o desenrolar da temporada taurina e que possamos voltar a ter praças cheias de público e com muita emoção nas arenas.

Acerca do Jornal da Praia

Este jornal é um quinzenário de informação geral que tem por objetivo a divulgação de factos, opiniões, debates, ideias, pessoas, tendências, sensibilidades, em todos os domínios que possam ser importantes para a construção de uma sociedade mais justa, livre, culta, inconformada e criativa na Região Autónoma dos Açores.

Este jornal empenha-se fortemente na unidade efetiva entre todas as ilhas dos Açores, independentemente da sua dimensão e número de residentes, podendo mesmo dar atenção primordial às ilhas de menores recursos, desde que tal postura não prejudique a implantação global do quinzenário no arquipélago dos Açores.

Área do assinante